Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Doutorando em Ciências de Educação –AOE- UCP-FEP- PORTO Prof.Doutor José Joaquim Matias Alves <br />SANTOS GUERRA, Miguel ...
3 miguel a.santos guerra, cc(3)
3 miguel a.santos guerra, cc(3)
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

3 miguel a.santos guerra, cc(3)

1.204 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Technologie
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

3 miguel a.santos guerra, cc(3)

  1. 1. Doutorando em Ciências de Educação –AOE- UCP-FEP- PORTO Prof.Doutor José Joaquim Matias Alves <br />SANTOS GUERRA, Miguel Ángel, Como num Espelho – Avaliação qualitativa das escolas (Conferência proferida no Curso de Verão de 2001) in <br />COMO NUMESPELHO – AVALIAÇÃO QUALITATIVA DAS ESCOLAS<br />TESES<br />A tomada de decisões de mudanças dependem em grande medida da compreensão e juízo dos avaliadores sobre a imagem contemplada.<br />O poder educativo da avaliação tem a ver com a origem da iniciativa.<br />A colegialidade na avaliação em termos gerais produz resultados imparciais<br />PALAVRAS-CHAVE<br />Espelho; Avaliação; Compreensão; Qualidade da prática educativa; iniciativa interna com facilitadores externos; Colegialidade.<br />SANTOS GUERRA, Miguel Ángel, constitui a fonte principal do artigo.<br />RESUMO<br />O espelho, foi a metáfora utilizada pelo autor para comparar a compreensão suscitada pela imagem contemplada com a reflexão que a avaliação faz da realidade das escolas. O estado e o tipo de espelho conta muito para uma decisão. Diz o autor por exemplo; o espelho tem de estar limpo e bem colocado. Não pode distorcer a imagem, como acontece com os espelhos côncavos e convexos. Os interesses, a desonestidade, a arbitrariedade, a falta de ética, deformam a imagem e confundem quem nele se quer espelhar. Não é pois, prorrogativa dos avaliadores emitirem juízo de valor sobre os protagonistas, mas os ajudar a compreender e ajuizar com clareza sua actividade e deste modo tomar decisões de mudança. A imparcialidade, a abordagem fenomenológica, a fidelidade e a objectividade é a tarefa dos avaliadores conforme Santos Guerra. Tudo tem em vista melhorar a imagem que se projecta pelo espelho<br />O autor argumenta que, a avaliação propiciará a compreensão necessária para garantir a rectificação e a mudança. A compreensão duma realidade complexa como a escola não se realiza através de análise dos resultados alcançados pelos alunos nas classificações. A responsabilidade social que faz com que nos preocupemos com a utilização dos bens leva-nos, também, à exigência duma avaliação institucional, as escolas lidam com bens (públicos e privados) e constitui uma exigência ética inquirirmos sobre o uso que se faz deles, por um lado, e por outro, os profissionais do ensino encontram na avaliação uma excelente forma de aperfeiçoamento com vista a garantir a melhor qualidade da prática educativa.<br />Por isso diz o autor, a avaliação deve ser contextualizada, ter em conta o processo e não resultados, uma avaliação que dá voz aos participantes, que utiliza diferentes métodos, para que os protagonistas possam ter uma melhor compreensão daquilo que fazem, deste modo conferem à avaliação um sentido democrático. Santos Guerra diz ainda, a opção mais rica do ponto de vista do poder educativo a origem da iniciativa deve ser interna com facilitadores externos, isto é, se a iniciativa for da própria comunidade com o apoio dos avaliadores externos, estes últimos têm a tarefa de facilitar aos protagonistas.<br />Conforme o autor a avaliação constitui uma actividade sistemática e racional por isso deve ser planificada para afastar o perigo da improvisação.<br />Por último como forma de realce, o autor fala de colegialidade como um dos focos da avaliação, pois, a participação dos professores, pais, alunos, pessoal administrativo e auxiliar de apoio resulta de discussão e acordo. Há um trabalho de coordenação de equipa, no sentido vertical e horizontal, e não ocorre um processo de balcanização, com cada professor a realizar a sua tarefa isoladamente ou, até, combatendo as tarefas dos outros.<br />COMENTÁRIO CRÍTICO<br />A tomada de decisões de mudanças dependem em grande medida da compreensão e juízo dos avaliadores sobre a imagem contemplada.<br />Realmente a compreensão da imagem contemplada influenciará em grande medida a tomada de decisões. Por isso, é aconselhável e ético que o espelho se mantenha sempre limpo e bem colocado para que não destorça a imagem. Pois há uma proporcionalidade directa: quando a imagem for destorcida a compreensão e juízo também destorcido e consequentemente as decisões tomadas também destorcidas. A avaliação deve proporcionar a compreensão necessária para garantir a rectificação e a mudança. <br />A experiência que tenho no ensino em Moçambique e em especial em Nampula é de ter assistido mais a avaliação dos resultados alcançados pelos alunos nas classificações, claro é a compreensão que se tem sobre a avaliação. Em todo o tempo em que estou ligado ao ensino ainda não observei fundamentalmente uma avaliação que visa melhorar a qualidade da prática educativa, nem ao serviço dos valores educativos (os programas, justiça nas relações, racionalidade das práticas, a igualdade de direito, atenção a diversidade, os princípios de aprendizagens, o currículo oculto da escola, a utilização do poder etc.). <br />Portanto, a forma de ver do avaliador, de compreender, assim julga e toma decisões, que em grande medida tem destorcido a realidade da educação no caso de Moçambique, eis a razão de constante questionamento da sociedade moçambicana acerca da qualidade de ensino no país. Que em parte tem sido afectada pela compreensão e juízo e por conseguinte por decisões dos avaliadores.<br />O poder educativo da avaliação tem a ver com a origem da iniciativa.<br />A garantia da qualidade de avaliação ‘e afectada por muitos factores um dele relaciona-se com a origem da iniciativa. A opção mais rica do ponto de vista de poder educativo corresponde a da iniciativa da própria comunidade contando com avaliadores externos. Uma simbiose entre a iniciativa da comunidade com o apoio externo mas sem carácter hierárquico e nem de imposição, mas sim de apoio e proposta.<br />A colegialidade na avaliação em termos gerais produz resultados imparciais<br />O trabalho que resulta de discussão e acordo dos membros da escola (professores, pais e encarregados de educação, pessoal administrativo, e auxiliar de apoio) produz qualidade e os resultados da avaliação são por todos aceites, pois por todos foram planificados, debatidos e por conseguinte por todos conhecidos. Há uma triangulação dos dados o que permite depurar as informações e conferir-lhes maior qualidade e valor. Evita deste modo o subjectivismo nos resultados da avaliação. <br />

×