Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Teoria das representações sociais

  • Als Erste(r) kommentieren

Teoria das representações sociais

  1. 1. Profª Drª Elza Maria Techio UFBA 2011
  2. 2. Origem Década de 60 Serge Moscovici La psychanalyse: son image et son public (1961)  Esta obra lançou uma problemática:  específica  Como é que o conhecimento científico é consumido, transformado e utilizado pelo homem comum (leigo)  geral  Como constrói o homem a realidade Novo movimento teórico e metodológico. Teoria das representações sociais começa com o estudo acerca das RS da psicanálise na França Drª Elza Maria Techio 2
  3. 3. Contextualização da teoria (I)O problema da sociedade pensante:  Wundt e a volkerpsichologie  Le Bon e o comportamento das multidões  Durkheim e as representações coletivas
  4. 4. Contextualização da teoria (II) Henri Tajfel & Serge Moscovici: O problema da relevância social e do individualismo nos estudos da psicologia social
  5. 5. Objetivo de Moscovici Descrever como ocorreu a apropriação e socialização da T. psicanalítica por diferentes grupos; Como a T. psicanalítica era:  absorvida, transformada e utilizada pelo homem comum para classificar as pessoas, condutas e eventos da vida diária  Como os conceitos psicanalíticos reelaborados se entre mesclavam nos processos de comunicação e de intercambio social  Como a teoria era transformada em uma RS. Drª Elza Maria Techio 5
  6. 6. Na época Moscovici Enfatizou as diferenças entre os modelos científicos e os não científicos no que se refere a psicanálise  Abordando o deslocamento de sentido de um modelo ao outro No deslocamento do modelo científico para o não científico que as RS aparecem como saber “ingênuo” em oposição ao saber produzido pela ciência Drª Elza Maria Techio 6
  7. 7. Representação social Resgate do social Novo modelo teórico e metodológico Diferente da Psicologia social predominante nos EUA  Caráter individual,  Ideológico  Centrado nos processos psicológicos  Dissociados do social e do  Contexto histórico Drª Elza Maria Techio 7
  8. 8. Definição “Um conjunto de conceitos, proposições e explicações criado na vida cotidiana no decurso da comunicação interindividual. São o equivalente, na nossa sociedade, dos mitos e sistemas de crenças das sociedades tradicionais, podem ainda ser vistas como a versão contemporânea do senso comum” (Moscovici, 1981, p. 181).Sua principal função é tornar familiar o não-familiar Drª Elza Maria Techio 8
  9. 9. Representações Sociais “forma pelos quais o senso comum expressa seu pensamento (Jodelet, 1993) Não seria uma resposta individual emitida em relação a um estímulo social, Mas a maneira como os grupos sociais constroem e organizam diferentes significados dos estímulos do meio social e as possibilidades de respostas que podem acompanhar esses estímulos. Drª Elza Maria Techio 9
  10. 10. Representações Sociais Ato de pensamento na qual o sujeito se relaciona com o objeto (pessoa, idéia, evento social ou natural) Como:  Através de operações mentais (atenção, percepção e memória) esse objeto é substituído por um SÍMBOLO que se faz presente quando o objeto está ausente.  O objeto fica representado simbolicamente na mente dos indivíduos. RS não é uma simples reprodução do objeto implica sua transformação ou construção Drª Elza Maria Techio 10
  11. 11. A natureza social das RSSão sociais em vários sentidos:  São aspectos socialmente significativos;  São sociais em sua origem;  São compartilhadas pelos grupos sociais, porém não são homogêneas para a sociedade;  São construções simbólicas da realidade;  São forma e conteúdo  São convencionais e prescritas e ao mesmo tempo são dinâmicas.
  12. 12. São sociais em sua origem Sãos construídas nos processos de interação e comunicação social.  Devido ao significado para os grupos sociais as RS:  Circulam nos meios de comunicação de massa;  Nas conversas entre as pessoas e;  Se cristalizam nas condutas Os meios de comunicação:  levam a informação a população; Nas relações interpessoais  trocam-se opiniões, se reafirmam conceitos e idéias, se debate e se consolida o processo de comunicação sobre o objeto.
  13. 13. São compartilhadas, mas não homogêneaspara a sociedadeRS podem variar de um grupo para outro;  Origem da variação:  Complexidade social;  Diversidade de categorias  Valores,  posição social;  Experiência com o objeto da RS;  Contexto histórico, cultural e social dos grupos.As RS se vinculam a sistemas de pensamentos mais amplos,ideológicos ou culturais, a um estado de conhecimentocientífico, como a condição social e a esfera de experiênciasprévias e afetivas dos indivíduos (Jodelet, 1991)
  14. 14. RC (Durkheim, 1898) ≠ RS (Moscovici, 1984)RC= religião e o mito são compartilhadas porque são: homogêneas para todos os membros da sociedade; São transmitidas de uma geração a outra Existem fora e independentemente do indivíduo; Força os indivíduos a uniformizar sua conduta e pensamento; Processos estáticos, resistentes a mudança.RS= se adaptam mais a complexidade e a dinâmicas dassociedades Variam dependendo do contexto social Dos grupos sociais As mudanças se dão em paralelo aos que sofrem a sociedade
  15. 15. Construções simbólicas da realidade  As RS implicam um significado comum de objetos ou eventos sociais para os membros de uma comunidade;  Os significados dependem das:  normas sociais  valores  da história comum da comunidade.  Um objeto é imediata e simultaneamente percebido e conceitualizado em termos de sua simbólica e significativa realidade.
  16. 16. São forma e conteúdo O conteúdo das RS podem variam de um:  Grupo a outro  Cultura a outra  Época a outra A lógica ou a maneira com se pensa também depende do contexto sócio-cultural
  17. 17. Síntese: Por que as RS são sociais? Critério quantitativo: são compartilhadas por um grande número de pessoas e grupos. Critério genético: são construídas socialmente.  O pensamento social é construído nas e pelas interações sociais;  Portanto, o objeto da PS é o “Social Critério funcional: são guias para a comunicação e para a ação.
  18. 18. Funções das RSSão evidentes quando se compreende sua natureza social; As RS permitem que os indivíduos transformem uma realidade estranha, desconhecida em uma realidade familiar; As RS permitem a comunicação entre os indivíduos; Quando as pessoas dividem significados sobre eventos e objetos existe a possibilidade de que se estabeleçam relações entre eles; As RS guiam a ação social; As RS servem para justificar as decisões, posições e condutas adotadas diante de um evento.
  19. 19. Elementos formadores das RSDois processos: objetivação e ancoragemProcessos ligados e modelados pelos fatores sociais Objetivação: forma como se organizam os elementos constituintes da representação e ao percurso através do qual tais elementos adquirem materialidade. Processo que se transforma o abstrato em concreto.
  20. 20. Objetivação Três etapas:  Construção seletiva: seleção, descontextualização e simplificação (normas e crenças)  Parte da informação disponível é retida  Processo depende das normas e valores grupais  Esquematização: estruturação das relações dos elementos da representação  Naturalização: aquisição da materialidade  Os conceitos tornam-se equivalentes à realidade  O abstrato torna-se concreto através da expressão em imagens e metáforas
  21. 21. Elementos formadores das RS Ancoragem: processo de assimilação do novo ao que já existePrecede e/ou situa-se na seqüência da objetivação Precede: qualquer tratamento da informação exige pontos de referência A partir das experiências e dos esquemas já estabelecidos que o objeto da R é pensado Segue: função social das representações  Permite compreender a forma como os elementos representados contribuem para exprimir e constituir as relações sociais
  22. 22. Ancoragem Serve à instrumentação do saber conferindo-lhe um valor funcional para a interpretação e gestão do ambiente. Tem afinidades com o conceito de:  Categorização:  ambos funcionam como estabilizadores do meio e  Redutores de novas aprendizagens  Assimilação e acomodação (Piaget)
  23. 23. Tipos de representações sociais Hegemônicas: compartilhadas por todos os membros de um grupo altamente estruturado (um partido, uma nação, etc.) sem terem sido produzidas pelo grupo. Ex.: RS do indivíduo como uma entidade autônoma e livre. Emancipadas: são compartilhadas por membros de diferentes grupos que estão em contato. Ex.: RS sobre a loucura compartilhadas por diferentes profissionais. Controversas: são geradas a partir do conflito entre os grupos. Ex.: RS sobre as cotas raciais na universidades públicas.
  24. 24. Funções sociais das RS (Doise) Seletiva: traduz-se na seleção dos conteúdos que são centrais para o encontro entre grupos e indivíduos. Justificadora: serve para justificar o tipo de relação que será desenvolvida. Antecipatória: serve para descrever e prescrever o tipo de relação ou comportamento que será desenvolvido.
  25. 25. Modelos de análise Representações sociais plurais Diversidade metodológica
  26. 26. 1. Culturalista ou antropológica Estuda a articulação entre as dimensões sociais e culturais que regem as construções do conhecimento coletivo. Aprender o discurso dos indivíduos e dos grupos que mantêm as RS ligando-os com o comportamento e práticas socais pelas quais essas RS se manifestam. Estratégias: exame de documentos e registros pelos quais esses comportamentos e práticas são institucionalizados Serge Moscovici e Denise Jodelet
  27. 27. 2. O núcleo central e o sistema periféricoEstrutura das representações Núcleo central: estrutura que dá coerência e sentida à Representação- “duro” e resistente às mudanças.Tem duas funções: a) geradora e transformadora de significados b) organizadora, determinando as relações existentes entre os elementos de uma representação. Elementos periféricos: protegem o núcleo central das mudanças. Esse processo ocorre por meio da incorporação de novos elementos. Jean-Claude Abric
  28. 28. 3. Análise dos princípios organizadores RS princípios que organizam as variações sistemáticas dos posicionamentos individuais nos diversos elementos que formam o campo representacional Análise dos princípios organizadores Ancoragem desses princípios  Psicológica: nas atitudes individuais  Sociológica: nas pertenças sociais  Psicossocial: discursos ideológicos Willem Doise e colegas
  29. 29. Conclusões Grande popularidade do conceito porque pode ser utilizado para investigar diferentes fenômenos sociais:  Na saúde  No trânsito  No processo de exclusão-inclusão social  Etc.

×