Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Prof. José Arnaldo da Silva
Telefones: (98)3664-2231 ou (98) 99157-2274
e-mails: jarnaldosilva@yahoo.com.br
jarnaldosilva@...
REDAÇÃO
APRESENTAÇÃO VISUAL DA REDAÇÃO
 O aluno deve preencher corretamente todos os itens do cabeçalho com letra
legível...
 Antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as ideias que
pretende expor. Isso ev...
 Não repita ideias tentando explicá-las melhor. Se você escrever com
clareza, uma vez só basta.
 Cuidado com o uso inade...
REDAÇÃO
Quadro Resumo
Modalidades Descrição Narração Dissertação
Características
Situa seres no espaço (fotografia)
 
Situa seres e objetos no t...
Qual a importância de reconhecer os processos
comunicativos no cotidiano de um instituição?
O que é comunicação?
Qual o ob...
Origina-se do Latim: communicare(v.) = por em
comum.
Finalidade: compartilhar ideias, sentimentos,
pensamentos, desejos; c...
O homem um animal
comunicativo: sistemas
comunicacionais adaptáveis.
Comunicação interpessoal
também estrutura o mundo
int...
Linguagem: “Faculdade que tem o homem de exprimir seus
estados mentais por meio de um sistema de sons vocais
chamado língu...
Língua: “Uma unidade, uma estrutura ideal, que
apresenta em si os traços básicos comuns a todas as
suas variedades. É a in...
“uma imagem vale mais que mil palavras”
Linguagem Não-verbal – Comunicação Icônica
Expressão do pensamento
Instrumento de comunicação
Processo de interação
Três Concepções de linguagem
Plano individual do materialPlano social espiritual
Plano individual da concretudePlano social da abstração
Plano individu...
Sempre que surge uma nova tecnologia, os meios já
existentes são obrigados a se adaptarem às novas
condições, gerando novo...
Elementos da comunicação
1. Emissor ou remetente: é aquele que codifica e envia a
mensagem. Ocupa um dos polos do circuito...
Canal
Esquema dos elementos de comunicação
Emissor Receptor
Contexto
Mensagem
Código
Funções da linguagem
1.Função emotiva: A
mensagem está centrada
no emissor. O emissor
exprime diretamente
uma emoção que t...
3. Função apelativa: A
mensagem está centrada
no receptor. O emissor
utiliza uma linguagem
para influenciar o
receptor no ...
5.Função metalinguística: A
mensagem está centrada no
código. Está presente
quando se quer verificar se
o emissor e o rece...
Canal
Função fática
Relação entre os elementos de comunicação e as funções da
linguagem
Emissor
Função emotiva
Mensagem
Fu...
Síntese das funções da linguagem
Funções da linguagem Finalidade Recursos
1. Referencial ou denotativa Transmitir informaç...
“Não há comunicação sem envolvimento.”
Antoine de Saint-Exupéry
Português é fácil de aprender porque é uma língua que se
escreve exatamente como se fala
“Pois é. U purtuguêis é muito fác...
- Utiliza sons e apelos visuais;
- Uso de gírias e onomatopéias;
- Omissão de termos;
- Modo descontraído e irreverente;
-...
- Utiliza signos/letras que formam as palavras;
- Uso de referências mais precisas e elaboradas;
- Todos os termos devem a...
• Economia de palavras – Objetividade;
• Abreviação das palavras;
• Frases curtas;
• Uso de símbolos;
• Neologísmo;
• Diálogo a distância;
• Presença de onomatopeias;
• Troca de letras;
• Híbrido de escrita e fala;
• Linguagem não linear.
Informal: situações de descontração com amigos, no
meio familiar, na escola...
Formal: maior formalidade, com melhor elabo...
Independentemente da área de atuação, escrever
corretamente constitui-se num requisito
imprescindível a qualquer pessoa qu...
Vimos por meio desta comunicar-lhe
Comunicamos-lhe
Diante do exposto, encaminhamos a V.Sa.
Encaminhamos-lhe
Acusamos o rec...
Rogamos
Solicitamos
Subscrevemo-nos, mui respeitosamente
Respeitosamente
Outrossim
Também
Tem essa por finalidade
Apresent...
 Primeiramente “querer” aprimorar os conhecimentos,
reconhecer as limitações e buscar dirimir as dúvidas
consultando livr...
 Ser objetivo;
 Construir períodos curtos – concisão;
 Evitar adjetivações;
 Escrever na ordem direta;
 Usar a voz at...
1. Comunicação Descendente: De cima para baixo.
2. Comunicação Ascendente: De baixo para cima.
3. Comunicação Diagonal: En...
 Substituir nomes já expressos por palavras ou expressões que
o caracterizam:
Charles Chaplin foi o mais famoso ator dos ...
 Transformar em substantivos verbos anteriormente citados ou
vice-versa:
Temos que depor em juízo dentro do prazo estipul...
Pedido de Pizza
- Boa tarde! Telepizza, às ordens.
- Boa tarde! Queria três grandes de mussarela.
Demora muito?
- Vamos es...
Telefonistas, secretárias e profissionais de telemarketing
parecem ter recebido o mesmo treinamento e assimilado o
mesmo v...
O outro é o composto. Ele recorre ao auxiliar ir, mas
sem gerúndio:
- Vamos entregar a pizza daqui a 40 ou 50 minutos.
- A...
1. Estudar o novo Acordo Ortográfico da Língua
Portuguesa (AOLP);
2. Estudar as regras de pontuação e os aspectos
gramatic...
Fundação IDEPAC para o Desenvolvimento Profissional. Apostila
de Técnicas Administrativas. 2009.
MEDEIROS, João Bosco. Red...
Redação e comunicação linguística
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Redação e comunicação linguística

Disciplina para universalidade.

  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Redação e comunicação linguística

  1. 1. Prof. José Arnaldo da Silva Telefones: (98)3664-2231 ou (98) 99157-2274 e-mails: jarnaldosilva@yahoo.com.br jarnaldosilva@professor.ma.gov.br REDAÇÃO E COMUNICAÇÃO LINGUÍSTICA
  2. 2. REDAÇÃO APRESENTAÇÃO VISUAL DA REDAÇÃO  O aluno deve preencher corretamente todos os itens do cabeçalho com letra legível.  Centralizar o título na primeira linha, sem aspas e sem grifo.  Pular uma linha entre o título e o texto para então iniciar a redação.  Fazer parágrafos distando mais ou menos três centímetros da margem e mantê- los alinhados.  Não ultrapassar as margens (direita e esquerda) e também não deixar de atingi- las.  Evitar rasuras e borrões. O erro deverá ser anulado com um traço apenas.  Apresentar letra legível, cursiva ou de forma.  Distinguir bem as maiúsculas das minúsculas, especialmente no uso de letra de forma.  Evitar exceder o número de linhas pautadas ou pedidas como limites máximos e mínimos. 1º e 2º ano: mínimo de vinte e máximo de trinta linhas.  Escrever apenas com caneta preta ou azul. O rascunho ou esboço das ideias podem ser feitos a lápis e rasurados. O texto não será corrigido em caso de utilização de lápis ou caneta vermelha, verde, etc. na redação definitiva.
  3. 3.  Antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as ideias que pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma ideia.  Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese.  Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom resultado.  Enquanto escreve, tenha sempre á mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir sinônimos para evitar repetições desnecessárias.  Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas. Nunca se dirija ao leitor.  Não escreva sobre o que você não conhece, arriscando-se a incorrer em erros e imprecisões de conteúdo.  Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você. Evite utilizar noções vagas, como “liberdade”, “democracia”, “injustiça” ─ termos que têm um significado tão amplo que chegam a não significar nada.  Evite expressões do tipo “belo”, “bom”, “mau”, “incrível”, “péssimo”, “triste”, “pobre”, “rico” ─ são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos.  Evite o lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como “a pureza das crianças” e “a sabedoria dos velhos”. Há crianças e velhos de todos os tipos. Evite também gírias e a palavra “coisa” (procure o vocabulário adequado a cada ideia). Não use o “etc.”, nem abrevie palavras.  Procure não embromar, tentando preencher mais algumas linhas. Cada palavra deve ser fundamental e informativa na redação.
  4. 4.  Não repita ideias tentando explicá-las melhor. Se você escrever com clareza, uma vez só basta.  Cuidado com o uso inadequado de conjunções. Elas podem estabelecer relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo.  Se formular uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite interrogações na argumentação e jamais as utilize na conclusão. Para aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos, fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e informações adquiridas através de leitura, estudo e aquisições culturais.  Respeite os limites indicados: evite escrever demais, pois você corre o risco de entediar o leitor e cometer erros.  Evite orações demasiadamente longas e parágrafos de uma só frase.  Dê um título coerente ao assunto abordado em seu texto.  Releia o texto depois de rascunhá-lo, para observar se você não “fugiu” ao tema proposto.  Passe o texto a limpo, procurando aprimorar o vocabulário.
  5. 5. REDAÇÃO Quadro Resumo
  6. 6. Modalidades Descrição Narração Dissertação Características Situa seres no espaço (fotografia)   Situa seres e objetos no tempo (história) Discute um assunto apresentando pontos de vista e juízos de valor. Introdução   A perspectiva do observador focaliza o ser ou objeto, distingue seus aspectos gerais e os interpreta. Apresenta as personagens, localizando-as no tempo e no espaço.   Apresenta a síntese do ponto de vista a ser discutido. (tese)   Desenvolvimen to Capta os elementos numa ordem coerente com a disposição em que eles se encontram no espaço, caracterizando-os objetiva e subjetivamente, física e psicologicamente. Através das ações das personagens, constroem-se a trama e o suspense, que culminam no clímax.   Amplia e explica o parágrafo introdutório. Expõe argumentos que evidenciam posição crítica. Analítica, reflexiva, interpretativa, opinativa sobre o assunto. Conclusão Não há um procedimento específico para conclusão. Considera-se concluído o texto quando completa a caracterização. Existem várias maneiras de concluir-se uma narração. Esclarecer a trama é apenas uma delas. Retoma sinteticamente as reflexões críticas ou aponta as perspectivas de solução para o que foi discutido. Recursos Uso dos cinco sentidos: audição, gustação, olfato, tato e visão, que, combinados, produzem a sinestesia. Adjetivação farta, verbos de estado, linguagem metafórica, comparações e prosopopeias. Verbos de ação, geralmente no tempo passado; narrador personagem, observador ou onisciente; discurso direto, indireto e indireto livre. Linguagem referencial, objetiva; evidências, exemplos, justificativas e dados.   O que se pede Sensibilidade para combinar e transmitir sensações físicas (cores, formas, sons, gostos, odores) e psicológicas (impressões subjetivas, comportamentos). Pode ser redigida num único parágrafo. Imaginação para compor uma história que entretenha o leitor, provocando expectativa e tensão. Pode ser romântica, dramática ou humorística. Capacidade de organizar ideias (coesão), conteúdo para discussão (cultura geral), linguagem clara, objetiva, vocabulário adequado e diversificado.
  7. 7. Qual a importância de reconhecer os processos comunicativos no cotidiano de um instituição? O que é comunicação? Qual o objetivo da comunicação? “Comunicação é a arte de ser entendido.” Peter Ustinov “A palavra é a metade de quem a pronuncia e metade de quem a ouve.” Michel de Montaigne
  8. 8. Origina-se do Latim: communicare(v.) = por em comum. Finalidade: compartilhar ideias, sentimentos, pensamentos, desejos; comportamento, modos de vida, regras sociais; conviver em comunidade, vida em comum, agrupamento solidário e consensual; entendimento entre os seres humanos.
  9. 9. O homem um animal comunicativo: sistemas comunicacionais adaptáveis. Comunicação interpessoal também estrutura o mundo interior, o pensar, o conhecer. Comunicação depende da linguagem.
  10. 10. Linguagem: “Faculdade que tem o homem de exprimir seus estados mentais por meio de um sistema de sons vocais chamado língua, que os organiza numa representação compreensiva em face do mundo exterior objetivo e do mundo subjetivo interior.” Camara Jr (1977 a, p. 159). SENTIDO LATO = utilização de um sistema de signos, de qualquer natureza, capaz de servir à comunicação. “A linguagem é o único privilégio de que o homem dispõe para exprimir a superioridade de sua inteligência sobre as demais criaturas”. (CHERRY,1974, p. 129). “A aquisição de conhecimentos sobre a linguagem é parte integrante da comunicação humana, porque linguagem é comunicação e porque os limites da linguagem constituem os limites do conhecimento” (PENTEADO, 1982, p. 31). Linguagem verbal
  11. 11. Língua: “Uma unidade, uma estrutura ideal, que apresenta em si os traços básicos comuns a todas as suas variedades. É a invariante abstrata e virtual, sobreposta a um mosaico de variantes concretas e atuais” (CAMARA JR.,1975,p.9). Fala: “ não é uma atividade simples executada por um ou mais órgãos biologicamente a ela destinados. É uma trama extremamente complexa e ondeante de ajustamentos – no cérebro, no sistema nervoso, e nos órgãos de articulação e audição – em direção ao fim colimado, que é a comunicação de ideias” (SAPIR,1971, p. 22). Língua e Fala
  12. 12. “uma imagem vale mais que mil palavras” Linguagem Não-verbal – Comunicação Icônica
  13. 13. Expressão do pensamento Instrumento de comunicação Processo de interação Três Concepções de linguagem
  14. 14. Plano individual do materialPlano social espiritual Plano individual da concretudePlano social da abstração Plano individual do vocabulárioPlano social do léxico Plano individual das realizações (atualizações) Plano social das possibilidades Plano individual do usoPlano social de sistematização Plano individualPlano social (supra-individual) LinguagemLíngua
  15. 15. Sempre que surge uma nova tecnologia, os meios já existentes são obrigados a se adaptarem às novas condições, gerando novos hábitos de vida: trabalho, diversão, costumes etc.
  16. 16. Elementos da comunicação 1. Emissor ou remetente: é aquele que codifica e envia a mensagem. Ocupa um dos polos do circuito da comunicação. 2. Receptor ou destinatário: é aquele que recebe e decodifica a mensagem. 3. Mensagem: é o conteúdo que se pretende transmitir. 4. Canal: é o meio pelo qual a mensagem é transmitida do emissor para o receptor. 5. Código: é um sistema de signos convencionais que permite dar à informação emitida (pelo emissor) uma interpretação adequada (pelo receptor). 6. Contexto ou referente:6. Contexto ou referente: ambientação, situação em que se dá o processo de comunicação.
  17. 17. Canal Esquema dos elementos de comunicação Emissor Receptor Contexto Mensagem Código
  18. 18. Funções da linguagem 1.Função emotiva: A mensagem está centrada no emissor. O emissor exprime diretamente uma emoção que tende a reflectir-se naquele a quem se dirige. -1ª pessoa; -Adjetivação expressiva; -Frases exclamativas; -Frases interrogativas; -Interjeições; -Entoação e pontuação específicas; -Subjectividade; 2. Função poética: Centrada na mensagem. Resulta da seleção e combinação de signos, nas relações entre significante e significado, que põem em evidência o valor estético da mensagem. Não existe só na poesia, mas em velhos ditados, cantilenas, etc. Ex.: O segredo bem guardado é o que a ninguém é revelado. -Palavras de sentido figurativo; -Jogos de palavras; -Jogos de estruturas de palavras; -Ritmo; -Tonalidades específicas; -Sonoridades.
  19. 19. 3. Função apelativa: A mensagem está centrada no receptor. O emissor utiliza uma linguagem para influenciar o receptor no sentido da ação. Ex.: linguagem publicitária -2ª pessoa; -Vocativo; -Certas interjeições (Pst!, Eia!); -Frases imperativas; -Frases interrogativas. 4. Função fática: A mensagem está centrada no canal ou contato. Está presente sempre que o emissor quer estabelecer a comunicação ou verificar se o contato entre ele e o receptor se mantém. Ex.: Alô?, Sim? Não desligue… -Fórmulas sociais; -de saudação; -de interpelação; -de agradecimento; -de despedida.
  20. 20. 5.Função metalinguística: A mensagem está centrada no código. Está presente quando se quer verificar se o emissor e o receptor usam o código com o mesmo conteúdo semântico. Ex.: Não se deve dizer “tu dissestes”, mas sim “tu disseste”. -Estruturas explicativas: …, isto é, …, quer dizer, …, tem o significado de… 6. Função referencial: A mensagem está centrada no contexto. O emissor informa o receptor sobre qualquer realidade ou fato. -Impessoalidade; -Adjetivação restrita; -Frases declarativas; -Objetividade; -Clareza.
  21. 21. Canal Função fática Relação entre os elementos de comunicação e as funções da linguagem Emissor Função emotiva Mensagem Função poética Contexto Função referencial Receptor Função apelativa Código Função metalinguística
  22. 22. Síntese das funções da linguagem Funções da linguagem Finalidade Recursos 1. Referencial ou denotativa Transmitir informações Frase declarativa: Comunicação impessoal e objetiva. 2. Emotiva ou expressiva Exprimir sentimentos e emoções Frase exclamativa: Comunicação pessoal e subjetiva; uso de recursos como: interjeição, superlativos, aumentativos, diminutivos, hipérboles, figuras, entonação e etc... 3. Apelativa ou conotativa Influenciar, persuadir o receptor Frases imperativa: Comunicação indutora, convincente, decidida. 4. Fática ou de contato Gerar, sustentar, favorecer e facilitar a comunicação Frases breve, exata, clara, de fácil compreensão. 5. Metalinguística Definir, explicar, analisar, criticar o código linguístico Explicações, definições, conceituações. 6. Poética Valoriza a elaboração da linguagem como meio de expressão Frases de valor artístico, com o predomínio da conotação, figuras de linguagem e musicalidade.
  23. 23. “Não há comunicação sem envolvimento.” Antoine de Saint-Exupéry
  24. 24. Português é fácil de aprender porque é uma língua que se escreve exatamente como se fala “Pois é. U purtuguêis é muito fáciu di aprender, purqui é uma língua qui a genti iscrevi ixatamenti cumu si fala. Num é cumu inglêis qui dá até vontadi di ri quandu a genti discobri cumu é qui si iscrevi algumas palavras. Im portuguêis, é só prestátenção. U alemão pur exemplu. Qué coisa mais doida? Num bate nada cum nada. Até nu espanhol qui é parecidu, si iscrevi muito diferenti. Qui bom qui a minha lingua é u purtuguêis. Quem soubé falá, sabi iscrevê.” Jô Soares, Veja, 28 /11/1990.
  25. 25. - Utiliza sons e apelos visuais; - Uso de gírias e onomatopéias; - Omissão de termos; - Modo descontraído e irreverente; - Utilização livre dos pronomes; - Ambiguidades com frases incabadas.
  26. 26. - Utiliza signos/letras que formam as palavras; - Uso de referências mais precisas e elaboradas; - Todos os termos devem aparecer na construção do período; - Colocação pronominal conforme as regras gramaticais; - Frases bem estruturadas; - Descrição metódica dos detalhes; - Emprego variado da linguagem para evitar repetições; - Evita improvisações e segue os padrões cultos da língua.
  27. 27. • Economia de palavras – Objetividade; • Abreviação das palavras; • Frases curtas; • Uso de símbolos; • Neologísmo;
  28. 28. • Diálogo a distância; • Presença de onomatopeias; • Troca de letras; • Híbrido de escrita e fala; • Linguagem não linear.
  29. 29. Informal: situações de descontração com amigos, no meio familiar, na escola... Formal: maior formalidade, com melhor elaboração sintática. Usado em palestras, conversas com superiores e estranhos, quando não há intimidade entre os interlocutores.
  30. 30. Independentemente da área de atuação, escrever corretamente constitui-se num requisito imprescindível a qualquer pessoa que deseje alcançar o sucesso profissional. Encontramo-nos mergulhados em um mar de informações, num contínuo e rápido avanço tecnológico o que provoca intensas mudanças na organização e hábitos do cotidiano social e empresarial. Uma dessas mudanças foi a valorização da palavra escrita, através da informatização e da comunicação via Internet, exigindo dos profissionais um aprimoramento na capacidade de expressão tanto oral como escrita.
  31. 31. Vimos por meio desta comunicar-lhe Comunicamos-lhe Diante do exposto, encaminhamos a V.Sa. Encaminhamos-lhe Acusamos o recebimento Recebemos Levamos ao conhecimento de V.Sa. Informamos-lhe Vimos com a presente, solicitar-lhe Solicitamos-lhe
  32. 32. Rogamos Solicitamos Subscrevemo-nos, mui respeitosamente Respeitosamente Outrossim Também Tem essa por finalidade Apresentamos Temos imenso prazer em sugerir-lhe Sugerimos-lhe Chegamos à conclusão Concluímos Atenção! As duas formas estão de acordo com a norma gramatical brasileira, ocorre que a comunicação empresarial tornou-se mais dinâmica e direta.
  33. 33.  Primeiramente “querer” aprimorar os conhecimentos, reconhecer as limitações e buscar dirimir as dúvidas consultando livros de gramática moderna e dicionários onde os verbetes são ricos em informações e dados gramaticais;  Ler sempre, através da leitura ampliamos o domínio do léxico e o poder de persuadir, também, refletir sobre o que se lê e quando possível discutir são exercícios que propiciam a interpretação e compreensão dos textos o que facilita o uso correto da norma culta. “Só se aprende escrever “escrevendo”!
  34. 34.  Ser objetivo;  Construir períodos curtos – concisão;  Evitar adjetivações;  Escrever na ordem direta;  Usar a voz ativa;  Simplicidade;  Adequar ao público-alvo;  Respeitar as normas gramaticais.
  35. 35. 1. Comunicação Descendente: De cima para baixo. 2. Comunicação Ascendente: De baixo para cima. 3. Comunicação Diagonal: Entre níveis hierárquicos diferentes. 4. Comunicação Lateral: Com pessoas de setores diferentes.
  36. 36.  Substituir nomes já expressos por palavras ou expressões que o caracterizam: Charles Chaplin foi o mais famoso ator dos primeiros momentos do cinema mudo. Carlitos conquistou a simpatia e admiração do grande público atuando, dirigindo, produzindo e escrevendo seus próprios filmes.  Usar palavras sinônimas: Funcionários eficientes são aqueles empregados bem dispostos ao trabalho.  Utilizar pronomes: Essa decisão é fundamental para o andamento dos trabalhos, alterá-la só acarretará transtornos.
  37. 37.  Transformar em substantivos verbos anteriormente citados ou vice-versa: Temos que depor em juízo dentro do prazo estipulado pelo Tribunal. O depoimento será secreto.  Empregar advérbios pronominais: Estivemos em férias no Nordeste durante 20 dias. Lá nos divertimos e passeamos bastante.  Associar ideias semelhantes: Em tempos de seca, qualquer descuido é razão para incêndios. Esse transtorno climático afeta grande parte do país.
  38. 38. Pedido de Pizza - Boa tarde! Telepizza, às ordens. - Boa tarde! Queria três grandes de mussarela. Demora muito? - Vamos estar entregando daqui a 40 ou 50 minutos. - Ótimo! Quanto custam? - A senhora vai estar pagando R$ 58,00 reais. - Está bem. - Mais alguma coisa? - Não, obrigada. - Por nada. Ligue sempre.
  39. 39. Telefonistas, secretárias e profissionais de telemarketing parecem ter recebido o mesmo treinamento e assimilado o mesmo vício. Trata-se do gerundismo. Fruto de traduções malfeitas do inglês, o intruso quer roubar o lugar do futuro da nossa língua. “ Vou estar entregando”, “vai estar pagando”, “vai estar tendo”? Por que não usar nossos simpáticos futuros? São dois. Um deles é o simples. Tem as terminações ei, ás, á, emos, eis, ão (irei, irás, irá, iremos, ireis, irão). Com ele, a telefonista teria feito bonito: - Entregaremos a pizza daqui a 40 ou 50 minutos. - A senhora pagará R$ 58,00 reais.
  40. 40. O outro é o composto. Ele recorre ao auxiliar ir, mas sem gerúndio: - Vamos entregar a pizza daqui a 40 ou 50 minutos. - A senhora vai pagar R$ 58,00 reais. O gerundismo avança. É flagrado nas conversas da meninada, pior, até nos bate-papos de gerentes, diretores. Devemos nos preocupar com este atentado gramatical o gerúndio assassino que mata prestígio, promoções e vendas.
  41. 41. 1. Estudar o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (AOLP); 2. Estudar as regras de pontuação e os aspectos gramaticais: Crase; Uso dos (por que, porque, por quê e porquê); Palavra Anexo;
  42. 42. Fundação IDEPAC para o Desenvolvimento Profissional. Apostila de Técnicas Administrativas. 2009. MEDEIROS, João Bosco. Redação Empresarial. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2009. SISTI, Silvana Progetti Paschoal. et al. Administração. Valinhos: Anhanguera Publicações, 2009. * Outros assuntos de propriedade dos seus criadores, como professores e pesquisadores, encontrados na internet e apresentados em sala de aulas de vários cursos.

×