Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Organização e funcionamento
de sistemas de saúde e história
       da saúde no Brasil


          Prof. Dr. Alcindo Antôni...
Conteúdo previsto:
   Origem dos sistemas de saúde modernos: a
    saúde como objeto de políticas públicas
   História d...
O ingresso da saúde na agenda do Estado moderno

O SISTEMA DE SAÚDE NA
MODERNIDADE
Nascimento da medicina moderna:
   Antes do final do Século XVIII:
       Medicina: observação da natureza e o estudo da...
Medicina moderna como biopoder/biopolítica
   Medicina estatal alemã ou polícia médica (Sec.
    XVIII):
        organiz...
   Medicina urbana francesa (2a metade do Sec. XVIII):
       ações reguladoras do espaço urbano
        (aperfeiçoament...
   Medicina da força de trabalho inglesa (metade
    do Sec. XVIII):

       oferta de assistência médico-sanitária dos ...
Sistemas de saúde ou sistemas de serviços?
   Sistemas de serviços de saúde:
       Destaque para o componente da atençã...
HISTÓRIA DO SISTEMA DE
SAÚDE BRASILEIRO
História da Saúde no Brasil:

Marcos da história da saúde no Brasil:
 Na “descoberta”: paraíso terreno

 Brasil colônia:...
Saúde no Brasil: antecedentes(1)
   Brasil Império: “modernização” da imagem
       Criação das academias médico-cirúrgi...
Saúde no Brasil: antecedentes(2)
   Brasil no início da República (1889):
    “modernização” a qualquer custo para a
    ...
Saúde no Brasil: antecedentes(3)
   Do final do Século XIX até a metade de década de
    60: sanitarismo campanhista (int...
Saúde no Brasil: antecedentes(4)
   Assistência à saúde até a década de 30:
       Compra direta de serviços dos profiss...
Saúde no Brasil: antecedentes(5)

   1960: Lei Orgânica da Previdência Social
   1964: Ditadura Militar
       Regulaçã...
Saúde no Brasil: antecedentes(4)
   1974: Ministério da Previdência e Assistência Social
    (MPAS)
       Separação das...
Saúde no Brasil: antecedentes(6)
   Lógica do Sistema de Saúde (década de 70):
       Estado como o grande financiador d...
Reforma Sanitária:
   Crise do modelo político, econômico,
    social, previdenciário, sanitário ...
    Brasileiros;
  ...
Constituição de 1988:

   Integração da Seguridade Social;
   Saúde numa perspectiva de articulação de
    políticas eco...
O que é o SUS?
   O Sistema Único de Saúde (SUS), que foi criado
    na Constituição Brasileira de 1988, é o conjunto
   ...
O direito à saúde na Constituição
                   Brasileira:
“A saúde é um direito de todos e um dever do Estado”,
 qu...
Direito como conquista:

    Proibição do tráfico de escravos
     africanos (1850) e abolição da
     escravatura (1888)...
Conceito ampliado de saúde:
“Art. 3º - A saúde tem como fatores determinantes
e condicionantes, entre outros, a alimentaçã...
Diretrizes do SUS:
   As ações e serviços públicos de saúde integram uma
    rede regionalizada e hierarquizada e constit...
Organização do SUS

             SUS         Sistema Nacional
   Gestão                   de Saúde
       Financiamento
...
O conceito de unicidade do sistema de saúde preconizado
na legislação não deve ser entendido como forma única
de organizaç...
Princípios do SUS:
   Universalidade             Descentralização
   Integralidade               (municipalização e
   ...
Competências do SUS:
   Controle e fiscalização        Incremento do
    de produtos e serviços de       desenvolvimento...
Objetivos do SUS:
   Identificação e divulgação dos fatores
    condicionantes e determinantes da saúde;
   Formulação d...
Gestão no SUS:
   Descentralização com direção única em cada
    esfera de governo (Art. 196 da Constituição
    Federal;...
Gestão e Gerência:
   Gestão: “é a atividade e a responsabilidade de
    dirigir um sistema de saúde (...), mediante o
  ...
Descentralização: conceitos (1)

   “Processo de transformação que envolve
    redistribuição de poder e de recursos,
   ...
Descentralização: conceitos (2)
   Desconcentração: desloca responsabilidades
    administrativas e operacionais para out...
Descentralização: dimensões

   Política: autonomia de formular e proceder
    escolhas;
   Financeira: liberdade para a...
Sistema de Saúde Brasileiro

                  Financiamento do SUS

                                           Contribuiç...
Participação das três esferas de governo
       no financiamento da saúde

                  21,50%

                     ...
EC 29: percentuais mínimos de
        vinculação de receitas
         Ano             Estados  Municípios
           2000 ...
CPMF: o engodo da fonte complementar

      Composição do Gasto Federal, por
       fonte, nos anos de 1996 a 1998

     2...
Normas Operacionais Básicas:
   NOB 01/91 e 01/92;
   NOB 01/93;
   NOB 01/96;
   NOAS - SUS 01/2001 e 2002;
   Pacto...
NOB 91/92:
   Editadas pelo INAMPS;
   Pagamento por produção de serviços, inclusive para
    os Estados e Municípios, c...
NOB 93:
   IX CNS: “A Municipalização é o Caminho”;
   Janeiro de 93 é apresentado ao CNS o documento -
    “Descentrali...
NOB 96:

   Novas modalidades de gestão: Gestão Plena da
    Atenção Básica e plena do Sistema Municipal;
    Gestão Avan...
NOAS:
   REGIONALIZAÇÃO:
       Elaboração do Plano Diretor de Regionalização;
       Ampliação da Atenção Básica;
    ...
Pacto pela Saúde 2006:
   Pacto pela Vida: compromisso entre os gestores do SUS em torno de
    prioridades com impacto s...
Componentes do Sistema Nacional de
Saúde, segundo as fontes de financiamento:
   Sistema público de saúde:
       Recurs...
Planos e seguros privados:
   Medicina de Grupo: empresas que prestam serviços médicos-
    hospitalares por meio de recu...
Distribuição de usuários do SUS exclusivos,
             não exclusivos e não usuários do SUS
80,0

70,0

60,0

50,0      ...
Bibliografia básica:
   ALMEIDA, CHIORO & ZIONI. Políticas públicas e organização do
    sistema de saúde: antecedentes, ...
A defesa da vida e o compromisso com a
vida são valores que nem a mão invisível
do mercado nem a mão pesada do
planejament...
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Organização e funcionamento do SUS

68.166 Aufrufe

Veröffentlicht am

Organização e funcionamento de sistemas de saúde e história da saúde no Brasil
Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin

Organização e funcionamento do SUS

  1. 1. Organização e funcionamento de sistemas de saúde e história da saúde no Brasil Prof. Dr. Alcindo Antônio Ferla
  2. 2. Conteúdo previsto:  Origem dos sistemas de saúde modernos: a saúde como objeto de políticas públicas  História da saúde pública no Brasil, da “descoberta” à década de 1980;  Reforma Sanitária;  Constituição Brasileira e Sistema Único de Saúde (SUS).
  3. 3. O ingresso da saúde na agenda do Estado moderno O SISTEMA DE SAÚDE NA MODERNIDADE
  4. 4. Nascimento da medicina moderna:  Antes do final do Século XVIII:  Medicina: observação da natureza e o estudo das “crises” (confronto da natureza sadia com o males);  Hospital: lugar de assistência-separação-exclusão aos necessitados e moribundos e de purificação dos religiosos e leigos.  Problemas emergentes: hospitais alfandegários (contrabando) e hospitais militares (simulação de doenças; fuzil e armamento bélico);  Medicina estatal alemã (polícia médica), metade do Século XVIII: conflitos internos e externos, controle;  Medicina urbana francesa, segunda metade do Século XVIII: desordem nas cidades;  Medicina da força de trabalho inglesa, final do Século XVIII: regulamentação da força de trabalho.
  5. 5. Medicina moderna como biopoder/biopolítica  Medicina estatal alemã ou polícia médica (Sec. XVIII):  organização de um saber médico estatal;  normalização da profissão médica (profissões da saúde);  subordinação dos médicos a uma organização central (regulação nos serviços);  integração dos médicos em uma organização médica estatal (controle corporativo das profissões). Verdade sanitária para a administração da vida social.
  6. 6.  Medicina urbana francesa (2a metade do Sec. XVIII):  ações reguladoras do espaço urbano (aperfeiçoamento da tecnologia médico-política da quarentena);  controle e estabelecimento da boa circulação do ar e da água;  planificação e distribuição dos equipamentos necessários à vida comum com base na noção de saúde das cidades. Medicalização das cidades; inserção da medicina no funcionamento geral do discurso e do saber científico.
  7. 7.  Medicina da força de trabalho inglesa (metade do Sec. XVIII):  oferta de assistência médico-sanitária dos pobres para a preservação da saúde dos ricos;  organização de sistemas de saúde, segundo a clientela a ser atendida;  obrigatoriedade das ações coletivas: vacinações etc.; organização dos sistemas de registros de doenças e epidemias (vigilância); Coexistência de uma medicina privada (ricos), “assistencial” (pobres) e administrativa (riscos). FOUCAULT, M.. Microfísica do poder. 10ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1992.
  8. 8. Sistemas de saúde ou sistemas de serviços?  Sistemas de serviços de saúde:  Destaque para o componente da atenção à saúde;  Predomínio de intervenções de natureza técnica (domínio da razão instrumental);  Expectativa de respostas configuradas a partir de áreas disciplinares, como a administração e a medicina;  A tensão entre médicos e administradores e o dilema da fragmentação das ações no hospital contemporâneo.  A pergunta central: qual o papel de cada serviço e/ou ator?  Sistemas de saúde:  Destaque para o componente de organização das práticas de diferentes naturezas (gestão, atenção, formação, participação);  Predomínio de intervenções de natureza política (relação entre os diferentes atores e destes com a técnica);  Expectativa de respostas configuradas pelo campo interdisciplinar da Saúde Coletiva:  Tensões relativas às modelagens tecnoassistenciais, organização do trabalho e de saberes.  A pergunta central: como desenhar e operar redes de cuidado?
  9. 9. HISTÓRIA DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO
  10. 10. História da Saúde no Brasil: Marcos da história da saúde no Brasil:  Na “descoberta”: paraíso terreno  Brasil colônia: “inferno”, com poucas chances de sobrevivência  Criação de cargos de físico-mor e cirurgião-mor pelo Conselho Ultramarino (vagos por muito tempo): pobreza + medo dos purgantes e sangrias. Seis médicos europeus em 1746.  População utilizava-se de remédios dos curandeiros negros e índios.  Isolamento dos doentes na epidemia de varíola no século XVII.
  11. 11. Saúde no Brasil: antecedentes(1)  Brasil Império: “modernização” da imagem  Criação das academias médico-cirúrgicas no Rio de Janeiro (1813) e na Bahia (1815);  Criação da Imperial Academia de Medicina (1829) para assessorar o imperador;  Criação da Junta de Higiene e Saúde Pública e da Inspetoria de Saúde dos Portos;  Vacinação contra a varíola;  Clínicas na região serrana do Rio e “miasmas”, nas doenças dos ricos; doença, morte e curandeiros negros para os pobres.
  12. 12. Saúde no Brasil: antecedentes(2)  Brasil no início da República (1889): “modernização” a qualquer custo para a “civilização” (ordem + povo saudável e educado para o trabalho = progresso)  Destaque para a atuação da medicina, com a promessa de melhorar a saúde;  Tensões entre as idéias tradicionais (inclusive nas escolas médicas brasileiras) e a “medicina moderna”;  Criação de serviços sanitários e destaque para os médicos higienistas;  Ações de saúde pública ampliadas e constantes.
  13. 13. Saúde no Brasil: antecedentes(3)  Do final do Século XIX até a metade de década de 60: sanitarismo campanhista (intervenções verticalizadas sobre as cidades e comunidades)  Oswaldo Cruz / Febre amarela (Rio de Janeiro, 1903);  1897: Manguinhos, Adolfo Lutz e Butantã;  1923: saúde pública no Ministério da Justiça;  1930: saúde pública no Ministério da Educação;  1953: criação do Ministério da Saúde.  Até ± 1930: saneamento dos espaços de circulação de mercadorias (modelo de desenvolvimento agroexportador);  A partir de ± 1930: atenção médica por meio da Previdência e modelo médico-assistencial privatista (industrialização e saneamento do corpo para o trabalho).
  14. 14. Saúde no Brasil: antecedentes(4)  Assistência à saúde até a década de 30:  Compra direta de serviços dos profissionais liberais;  Santas Casas de Misericórdia para indigentes e pobres.  1923: Lei Elói Chaves  Caixas de Aposentadoria e Pensões (CAPS) nas empresas: financiamento bipartite (empresas e trabalhadores).  Estado Novo (Getúlio Vargas): (controle dos gastos)  Institutos de Aposentadoria e Pensões (IAPs) por categorias profissionais: financiamento tripartite, capitalização da previdência, fomento da industrialização e expansão da rede hospitalar.
  15. 15. Saúde no Brasil: antecedentes(5)  1960: Lei Orgânica da Previdência Social  1964: Ditadura Militar  Regulação rígida por parte do Estado  Atenuamento da participação dos trabalhadores no controle da Previdência Social.  1967: Instituto Nacional de Previdência Social (INPS)  Extensão da cobertura previdenciária (trabalhadores urbanos, FUNRURAL, empregadas domésticas);  Privilegiamento da assistência médica individual e curativa, com expansão do complexo médico-industrial;  Sistema de saúde com privilégios para os prestadores privados.
  16. 16. Saúde no Brasil: antecedentes(4)  1974: Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS)  Separação das áreas do trabalho (responsável pela assistência médica) e da previdência;  Fim do “milagre econômico”  racionalização dos gastos, crise social acentuada;  Plano de Pronta Ação (PPA): extensão do atendimento de urgência e emergência aos não contribuintes;  Fundo de Apoio e Desenvolvimento Social (FAS): financiamento público direto da expansão do parque hospitalar privado (alta complexidade e tecnologia);  1975: Sistema Nacional de Saúde  1977: Sistema Nacional da Previdência Social (SINPAS)  racionalização/centralização da previdência
  17. 17. Saúde no Brasil: antecedentes(6)  Lógica do Sistema de Saúde (década de 70):  Estado como o grande financiador da assistência (Previdência Social);  Setor privado nacional como o prestador de assistência médica;  Setor privado internacional como o fornecedor de equipamentos biomédicos e medicamentos;  Estado como prestador de ações tradicionais de saúde pública (Ministério e Secretarias de Saúde ou equivalentes);  Sistema privado supletivo (convênios-empresa) com subsídios da Previdência;  Crise financeira: fraudes, megaprojetos com recursos da Previdência, aumentos de gastos com assistência, diminuição da arrecadação, inflação, defasagem nos pagamentos;  Crise política: tensionamentos e desgaste da centralização;  Crise de legitimidade: aumento da exclusão, piora do perfil de morbi- mortalidade, aumento da dívida social.
  18. 18. Reforma Sanitária:  Crise do modelo político, econômico, social, previdenciário, sanitário ... Brasileiros;  Conferência Mundial de Saúde de Alma- Ata, 1978;  Movimentos sociais;  CEBES, ABRASCO, CONASEMS ...  VIII Conferência Nacional de Saúde.
  19. 19. Constituição de 1988:  Integração da Seguridade Social;  Saúde numa perspectiva de articulação de políticas econômicas e sociais;  Saúde como direito de todos e dever do Estado;  Ações e serviços de saúde como de relevância pública;  Sistema Único de Saúde (SUS).
  20. 20. O que é o SUS?  O Sistema Único de Saúde (SUS), que foi criado na Constituição Brasileira de 1988, é o conjunto das ações e serviços de atenção à saúde prestados por órgãos públicos (administração direta, indireta e fundações) e, complementarmente, pela iniciativa privada conveniada e contratada, bem como das ações e órgãos de gestão. Lei Federal nº 8080/90, art. 4.
  21. 21. O direito à saúde na Constituição Brasileira: “A saúde é um direito de todos e um dever do Estado”, que deve ser garantido “mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. “O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade como um todo”. Constituição Federal, Art. 196 + Lei Federal nº 8080/90, Art. 2º. .
  22. 22. Direito como conquista:  Proibição do tráfico de escravos africanos (1850) e abolição da escravatura (1888);  Extensão do direito de voto para as mulheres brasileiras (1932);  Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 estabelece a saúde como um direito fundamental.
  23. 23. Conceito ampliado de saúde: “Art. 3º - A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do País. “§ Único – Dizem respeito também à saúde as ações que (...) se destinam a garantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico, mental e social” (Lei Federal nº 8080/90).
  24. 24. Diretrizes do SUS:  As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes:  Descentralização, com direção única em cada esfera de governo;  Atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais;  Participação da comunidade. Constituição Federal, Art. 198.
  25. 25. Organização do SUS SUS Sistema Nacional  Gestão de Saúde  Financiamento  Regulação •Assistência Médica aos Trabalhadores do  Atenção integral  Assistência Mercado Formal ($$ Universal Contribuições) Saúde Pública  •Saúde Pública ($$  Controle Social impostos)
  26. 26. O conceito de unicidade do sistema de saúde preconizado na legislação não deve ser entendido como forma única de organização em todo o território nacional. É preciso levar em consideração as enormes desigualdades identificadas no país, sejam elas de natureza cultural, econômica ou social. (...) A expressão ÚNICO de que falam a Constituição e a Lei 8080 deve ser entendida como um conjunto de elementos de natureza doutrinária ou organizacional, comuns aos diversos modelos ou sistemas de saúde existentes ou que possam vir a existir. Do ponto de vista doutrinário, estaria englobando a universalidade, a eqüidade e a integralidade e, do ponto de vista organizacional, a descentralização, a regionalização e o controle social. Fonte: Descentralização das Ações e Serviços de Saúde: a ousadia de cumprir e fazer cumprir a lei - NOB SUS 01/93
  27. 27. Princípios do SUS:  Universalidade  Descentralização  Integralidade (municipalização e regionalização)  Preservação da autonomia  Integração com  Igualdade saneamento e ambiente  Direito à informação  Conjugação dos (indivíduo e sistema) recursos financeiros  Epidemiologia e Plano  Resolutividade  Participação da  Não duplicidade de população meios LOS, Art. 7º.
  28. 28. Competências do SUS:  Controle e fiscalização  Incremento do de produtos e serviços de desenvolvimento da C&T; saúde;  Controle de alimentos e da  Produção de água de consumo humano; medicamentos;  Controle da produção e  Vigilância à saúde; utilização de substâncias  Ordenamento da psicoativas, tóxicas e formação de RH; radioativas;  Participar no  Colaborar na proteção do saneamento básico; meio ambiente. CF, Art. 200.
  29. 29. Objetivos do SUS:  Identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde;  Formulação de política de saúde destinada a promover a redução de risco de doenças e agravos e acesso universal e igualitário às ações e serviços;  Assistência às pessoas e coletividades com ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, de forma integrada. LOS, Art. 5º.
  30. 30. Gestão no SUS:  Descentralização com direção única em cada esfera de governo (Art. 196 da Constituição Federal; diretriz 1)  Compete aos municípios prestar, com a cooperação técnica e financeira da União e do Estado, serviços de atendimento à saúde da população (Art. 30, Inciso VIII, Constituição Federal)
  31. 31. Gestão e Gerência:  Gestão: “é a atividade e a responsabilidade de dirigir um sistema de saúde (...), mediante o exercício de funções de coordenação, articulação, negociação, planejamento, acompanhamento, controle, avaliação e auditoria”  Gerência: “a administração de uma unidade ou órgão de saúde (...), que se caracteriza como prestador de serviços ao sistema” (NOB 1/96, Título 4).
  32. 32. Descentralização: conceitos (1)  “Processo de transformação que envolve redistribuição de poder e de recursos, redefinição de papéis das três esferas de governo, reorganização institucional, reformulação de práticas, estabelecimento de novas relações entre os níveis de governo e controle social” (NOB/93)
  33. 33. Descentralização: conceitos (2)  Desconcentração: desloca responsabilidades administrativas e operacionais para outros níveis, sem redistribuição do poder;  Devolução: desloca poder decisório de uma organização a outra, que adquire autonomia política e administrativa;  Delegação: desloca responsabilidades gerenciais para a sociedade civil, com financiamento e regulação estatais;  Privatização: desloca recursos para a iniciativa privada, regidos sob o domínio do mercado.
  34. 34. Descentralização: dimensões  Política: autonomia de formular e proceder escolhas;  Financeira: liberdade para alocação de recursos e critérios de aplicação;  Administrativa: liberdade para a adoção de princípios e diretrizes para a organização da máquina administrativa. (Elias, 2001)
  35. 35. Sistema de Saúde Brasileiro Financiamento do SUS Contribuições Orçamento Ministério da Saúde Fundo Nacional de Saúde Impostos Os Recursos para o Custeio da Assistência são alocados como Tetos Estaduais e Municipais Estados e Transferências Fundo a Fundo Municípios Convênios Art. 35 Estabelecimentos Remuneração por Prestação de Serviços de Saúde
  36. 36. Participação das três esferas de governo no financiamento da saúde 21,50% União Estados 18,50% 60% Municípios  Ano de 2000: R$ 34 bilhões (total)  R$ 20,4 bilhões (União) + R$ 6,3 bilhões (Estados) + R$ 7,3 bilhões (Municípios)
  37. 37. EC 29: percentuais mínimos de vinculação de receitas Ano Estados Municípios 2000 7% 7% 2001 8% 8,6% 2002 9% 10,2% 2003 10% 11,8% 2004 12% 15% Para a União, o limite da Emenda é igual ao valor empenhado em ações e serviços de saúde no ano anterior mais a variação nominal do PIB do ano em que a proposta orçamentária está sendo elaborada.
  38. 38. CPMF: o engodo da fonte complementar Composição do Gasto Federal, por fonte, nos anos de 1996 a 1998 20.000,00 15.000,00 10.000,00 Outras 5.000,00 CPMF 0,00 1996 1997 1998 Anos Fonte: SIAFI/SIDOR
  39. 39. Normas Operacionais Básicas:  NOB 01/91 e 01/92;  NOB 01/93;  NOB 01/96;  NOAS - SUS 01/2001 e 2002;  Pacto pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão: Pacto pela Saúde 2006 (Portaria n° 399).
  40. 40. NOB 91/92:  Editadas pelo INAMPS;  Pagamento por produção de serviços, inclusive para os Estados e Municípios, contradizendo o Artigo 35 da Lei 8080/90;  Cessão de unidades assistenciais federais para Estados e Municípios (desconcentração);  Prevalece a mesma estrutura de compra de serviços privados do INAMPS;  Privilegia oferta crescente de serviços médico- assistenciais, principalmente na alta complexidade.
  41. 41. NOB 93:  IX CNS: “A Municipalização é o Caminho”;  Janeiro de 93 é apresentado ao CNS o documento - “Descentralização das Ações e Serviços de Saúde: a ousadia de cumprir e fazer cumprir a Lei”, transformado na NOB em maio;  Institui três modalidades de gestão: incipiente, parcial e semiplena;  Comissões Intergestores Tripartite e Bipartites;  Pouca modificação na gestão estadual: habilitações formais;  Ritmo da descentralização com transferência fundo a fundo muito lento: 3/4 dos recursos ainda repassados sob a forma de pagamento por produção;  Mudança de modelo pouco expressiva.
  42. 42. NOB 96:  Novas modalidades de gestão: Gestão Plena da Atenção Básica e plena do Sistema Municipal; Gestão Avançada e Plena do Sistema Estadual;  Piso da atenção básica (Fixo + Variável), sem regulamentar o Art. 35;  Criação da Programação Pactuada e Integrada (PPI): diversidade muito grande de pactos entre gestores, sem garantia de descentralização;
  43. 43. NOAS:  REGIONALIZAÇÃO:  Elaboração do Plano Diretor de Regionalização;  Ampliação da Atenção Básica;  Qualificação das Microrregiões na Assistência à Saúde;  Organização da Média Complexidade;  Política para a Alta Complexidade;  FORMAS DE GESTÃO:  Plena da Atenção Básica Ampliada;  Plena do Sistema Municipal.
  44. 44. Pacto pela Saúde 2006:  Pacto pela Vida: compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades com impacto sobre a situação de saúde da população brasileira.  Pacto em defesa do SUS: compromissos entre os gestores com a consolidação da Reforma Sanitária e dos princípios constitucionais do Sistema Único de Saúde e desenvolver ações que visem qualificar e assegurar o SUS como política pública.  Pacto de Gestão: estabelece diretrizes para a gestão do sistema nos aspectos da Descentralização; Regionalização; Financiamento; Planejamento; Programação Pactuada e Integrada – PPI; Regulação; Participação e Controle Social; Gestão do Trabalho e Educação na Saúde.  Características principais:  Substituição do processo de habilitação pela adesão solidária aos Termos de Compromisso de Gestão;  Regionalização solidária e cooperativa como eixo estruturante do processo de Descentralização;  Integração das várias formas de repasse dos recursos federais;  Unificação dos vários pactos existentes.
  45. 45. Componentes do Sistema Nacional de Saúde, segundo as fontes de financiamento:  Sistema público de saúde:  Recursos da Seguridade Social (União);  Recursos fiscais (União, Estados e Municípios);  (Inclui serviços públicos/estatais e, complementarmente, serviços privados conveniados e contratados)  Sistema privado complementar:  Recursos das empresas de planos e seguros privados de saúde (Saúde Suplementar);  Recursos dos usuários, diretamente pagos pelo atendimento ou acesso a bens e serviços de saúde.
  46. 46. Planos e seguros privados:  Medicina de Grupo: empresas que prestam serviços médicos- hospitalares por meio de recursos próprios ou de terceiros contratados (37,1% do mercado de planos e seguros privados em 2000).  Cooperativas médicas: são formadas por médicos organizados em cooperativas (22,8% do mercado de planos e seguros privados em 2000).  Sistemas de autogestão: de empresa pública ou privada, oferecem atendimento médico-hospitalar apenas para seus funcionários (28,2% do mercado de planos e seguros privados).  Seguro-saúde: permite livre escolha de médicos e hospitais pelo reembolso de despesas (11,9% do mercado de planos e seguros privados).
  47. 47. Distribuição de usuários do SUS exclusivos, não exclusivos e não usuários do SUS 80,0 70,0 60,0 50,0 SUS 40,0 SUS + outros 30,0 Outros 20,0 10,0 0,0 RM r l na te rte l te il ste ra Su ri o as es es ba Ru No de te e Br -o rd Ur In is Su na ro No ta na nt Zo pi Ce Fonte: Conass, 2002 Zo Ca
  48. 48. Bibliografia básica:  ALMEIDA, CHIORO & ZIONI. Políticas públicas e organização do sistema de saúde: antecedentes, reforma sanitária e o SUS. Em: Wesphal & Almeida (Orgs.). Gestão de serviços de saúde. São Paulo, Edusp, 2001.  SILVA & LIMA. Sistema Único de Saúde: reafirmando seus princípios e diretrizes para fazer avançar a reforma sanitária brasileira. En: Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Textos de apoio em políticas de saúde. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2005. p.43-73.  PAIM. Políticas de saúde no Brasil. Em: Rouquayrol & Almeida F°. Epidemiologia & Saúde. 6° Ed.. Rio de Janeiro, MEDSI, 2003.  CAMPOS. Gestão Intergovernamental e financiamento do Sistema Único de Saúde: apontamentos para os gestores municipais. Em: Brasil. Ministério da Saúde. Gestão Municipal: textos básicos. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde, 2001.  CUNHA & CUNHA. Sistema Único de Saúde: princípios. Em: Brasil. Ministério da Saúde. Gestão Municipal: textos básicos. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde, 2001.  PEREIRA & QUITO. Noas: houve impacto para o SUS? (prelo).  Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília, Ministério da Saúde, 2006.  Legislação: Constituição, EC 29, Lei 8080/90 e 8142/90.
  49. 49. A defesa da vida e o compromisso com a vida são valores que nem a mão invisível do mercado nem a mão pesada do planejamento centralizado e burocrático são capazes de garantir. Valores que ou vingarão através de empenho, luta, coragem e convicções firmes, ou simplesmente serão suplantados pelo cinismo, pela indiferença, pela cupidez e pelo individualismo mais feroz. (DAVID CAPISTRANO FILHO)

×