ENFERMAGEM NO TRATAMENTO DE QUEIMADURAS
CONCEITO  Denomina-se queimadura toda e qualquer lesão ocasionada no organismo humano pela ação curta ou prolongada de tem...
PROFUNDIDADE CLASSIFICAÇÃO Espessura parcial: E.P.Superficial  E.P.Intermediária  E.P.Profunda  Espessura Total 
Espessura Parcial Superficial Primeiro Grau compromete a epiderme eritema (vermelhidão) dor intensa evolução espontânea (2...
 
TRATAMENTO DOMICILIAR DA EMERGÊNCIA  <ul><li>Interrupção da atividade agressiva aos tecidos orgânicos do agente agressor <...
Compromete epiderme e parte da derme (preserva anexos cutâneos) Flictenas (bolhas) dor intensa causas:líquidos e superfíci...
 
aspecto couriáceo, seca, vasos visíveis esbranquiçada, carbonizada indolor eletricidade, químicos, inflamáveis, contato pr...
 
CLASSIFICAÇÃO EXTENSÃO
ADULTO CRIANÇA CABEÇA E  PESCOÇO 9% 18% MEMBROS  SUPERIORES 9% 9% TRONCO ANTERIOR 18% 18% TRONCO  POSTERIOR 18% 18% GENITA...
< 5 anos - menos 5% SCQ 5-14 anos - menos 10% SCQ > 14 anos - menos 15% SCQ queimaduras de 3° grau em menos de 2% SCQ PEQU...
< 5 anos - 5 a 10% SCQ 5-14 anos - 10 a 15% SCQ > 14 anos - 15 a 30% SCQ queimaduras de 3° grau entre 2 e 5% SCQ MÉDIO QUE...
< 5 anos - mais de 10% SCQ 5-14 anos - mais de 15% SCQ > 14 anos - mais de 30% SCQ GRANDE QUEIMADO queimaduras de 3° grau ...
FRIO - cristalização moléculas de água  - tempo de exposição AGENTES TÉRMICOS Reaquecimento em água ou soro a 38-40°C, dur...
Reações teciduais a substâncias nocivas – desnaturação proteica Lesão :  concentração  quantidade agente duração exposição...
Bases: necrose úmida devido liquefação proteica que favorece maior penetração do agente nocivo Queimaduras - Etiologia AGE...
Primeiros socorros : 1-   retirar roupas impregnadas 2-   retirar excesso das substâncias em pó 3-   lavar com grande quan...
QUÍMICOS NOS OLHOS FACE Fluoresceína ambos olhos Avaliação com luz direta
QUÍMICOS NOS OLHOS Manter as pálpebras abertas Atenção ao remover lentes de contato Não usar agentes neutralizadores Não o...
Tipo de corrente Trajeto percorrido Voltagem, Amperagem e Resistência tecidual – Menor na pele fina, limpa e molhada Exten...
AGENTES FÍSICOS Eletricidade Resistência da pele humana 1- umidade 2- limpeza 3- espessura estrato córneo 4- vascularizaçã...
AGENTES FÍSICOS Eletricidade MECANISMO DE AÇÃO Eletricidade propriamente dita = lesão entrada (deprimida) e saída (menor, ...
Desligue a fonte de energia Afaste a vítima com algum objeto não condutor Extintor de incêndio tipo CO 2  ou pó químico Ro...
AGENTES FÍSICOS Eletricidade COMPLICAÇÕES Contrações tetânicas - Fraturas Lesões intraperitoniais – baixa resistência da v...
ELETRICIDADE Avaliar arritmias cardíacas –  37% nas primeiras horas Lesões músculo-esqueléticas contrações tetânicas fratu...
COMPLICAÇÕES Síndromes compartimentais
 
 
ESCAROTOMIA Extremidades
 
FASCIOTOMIA
CURATIVO PROVISÓRIO Isolar do ambiente Favorecer cicatrização Conservar gastos metabólicos Minimizar contraturas Diminuir ...
 
Orelhas Períneo Necessidade de observação constante CURATIVO PROVISÓRIO contra-indicações Queimaduras – Primeiros Socorros
Tratamento ambulatorial Hidratação oral Analgésicos orais Terapia antitetânica Curativo provisório Tratamento cirúrgico ou...
Internação em centro especializado Hidratação venosa Analgesia venosa Terapia antitetânica Sonda nasogástrica e de Foley O...
<ul><li>Cateterização Veia Periférica e infusão de SRL se: </li></ul><ul><li>Lesões ADULTOS > 20% SCQ, CRIANÇAS > 10%SCQ <...
<ul><li>PEQUENO – MÉDIO QUEIMADO </li></ul><ul><li>Andolba – curativo provisório </li></ul><ul><li>Sulfadiazinato de zinco...
<ul><li>ENXERTO HETERÓLOGO </li></ul><ul><li>Pele de rã – tratamento químico prévio </li></ul><ul><li>ENXERTOS AUTÓLOGOS <...
GRANDE QUEIMADO -  TRANSPORTE Queimaduras - Triagem AÉREO Sonda nasogástrica  Sonda vesical de demora Hemostasia cuidadosa...
A LERGIAS:  e sensibilidades M EDICAÇÕES:  em uso (prescritas ou não) A CIDENTE:  causa específica queda ou pulo inconsciê...
INSOLAÇÃO
<ul><li>Pode manifestar-se de diversas maneiras: subitamente, quando a pessoa cai desacordada, mantendo a pulsação e a res...
<ul><li>Em seguida  deite a pessoa de costas , apoiando a cabeça e os ombros para que fiquem mais altos que o resto do cor...
INTERMAÇÃO
<ul><li>Ambientes cuja a temperatura é alta podem sujeitar o indivíduo a uma série de alterações no organismo, com graves ...
O que fazer ? <ul><li>retirar a vítima do ambiente e encaminhá-la para um local mais fresco e arejado; </li></ul><ul><li>d...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Palestra de Queimaduras

37.856 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
8 Kommentare
24 Gefällt mir
Statistik
Notizen
Keine Downloads
Aufrufe
Aufrufe insgesamt
37.856
Auf SlideShare
0
Aus Einbettungen
0
Anzahl an Einbettungen
567
Aktionen
Geteilt
0
Downloads
1.550
Kommentare
8
Gefällt mir
24
Einbettungen 0
Keine Einbettungen

Keine Notizen für die Folie

Palestra de Queimaduras

  1. 1. ENFERMAGEM NO TRATAMENTO DE QUEIMADURAS
  2. 2. CONCEITO Denomina-se queimadura toda e qualquer lesão ocasionada no organismo humano pela ação curta ou prolongada de temperaturas extremas sobre o corpo humano (calor, frio, eletricidade e produtos químicos, radiação, atrito).
  3. 3. PROFUNDIDADE CLASSIFICAÇÃO Espessura parcial: E.P.Superficial  E.P.Intermediária  E.P.Profunda  Espessura Total 
  4. 4. Espessura Parcial Superficial Primeiro Grau compromete a epiderme eritema (vermelhidão) dor intensa evolução espontânea (24 - 48 h) sol
  5. 6. TRATAMENTO DOMICILIAR DA EMERGÊNCIA <ul><li>Interrupção da atividade agressiva aos tecidos orgânicos do agente agressor </li></ul><ul><li>Um jato fraco de água levemente morna </li></ul><ul><li>Sulfadiazina de prata a 1,00 %( sulfa) </li></ul><ul><li>Se for possível deixar a lesão exposta sem ataduras ou outros envoltórios é melhor. Analgésicos caseiros podem ser usados. </li></ul>
  6. 7. Compromete epiderme e parte da derme (preserva anexos cutâneos) Flictenas (bolhas) dor intensa causas:líquidos e superfícies quentes, inflamáveis, sol, atrito Espessura Parcial Segundo Grau
  7. 9. aspecto couriáceo, seca, vasos visíveis esbranquiçada, carbonizada indolor eletricidade, químicos, inflamáveis, contato prolongado Espessura Total Terceiro Grau compromete toda a derme (destruição dos anexos cutâneos)
  8. 11. CLASSIFICAÇÃO EXTENSÃO
  9. 12. ADULTO CRIANÇA CABEÇA E PESCOÇO 9% 18% MEMBROS SUPERIORES 9% 9% TRONCO ANTERIOR 18% 18% TRONCO POSTERIOR 18% 18% GENITAIS 1% - MEMBROS INFERIORES 18% 14%
  10. 13. < 5 anos - menos 5% SCQ 5-14 anos - menos 10% SCQ > 14 anos - menos 15% SCQ queimaduras de 3° grau em menos de 2% SCQ PEQUENO QUEIMADO
  11. 14. < 5 anos - 5 a 10% SCQ 5-14 anos - 10 a 15% SCQ > 14 anos - 15 a 30% SCQ queimaduras de 3° grau entre 2 e 5% SCQ MÉDIO QUEIMADO Queimaduras – Classificação Extensão x Profundidade
  12. 15. < 5 anos - mais de 10% SCQ 5-14 anos - mais de 15% SCQ > 14 anos - mais de 30% SCQ GRANDE QUEIMADO queimaduras de 3° grau acima de 5% SCQ mãos, pés, face, genitais associado a outros traumas ou patologias
  13. 16. FRIO - cristalização moléculas de água - tempo de exposição AGENTES TÉRMICOS Reaquecimento em água ou soro a 38-40°C, durante 20 minutos Curativo oclusivo fofo e volumoso
  14. 17. Reações teciduais a substâncias nocivas – desnaturação proteica Lesão : concentração quantidade agente duração exposição mecanismo de ação do químico específico Queimaduras - Etiologia AGENTES QUÍMICOS
  15. 18. Bases: necrose úmida devido liquefação proteica que favorece maior penetração do agente nocivo Queimaduras - Etiologia AGENTES QUÍMICOS Ácidos: necrose de coagulação seca
  16. 19. Primeiros socorros : 1- retirar roupas impregnadas 2- retirar excesso das substâncias em pó 3- lavar com grande quantidade de água para que o volume de água limpe o calor gerado pela reação devido a diluição do agente (20 minutos a 2 horas) 4- pode ser necessário manter a irrigação dos tecidos por até 6 horas nos casos de ácidos e até por mais tempo para as bases (porque estas se ligam às proteínas tissulares). AGENTES QUÍMICOS
  17. 20. QUÍMICOS NOS OLHOS FACE Fluoresceína ambos olhos Avaliação com luz direta
  18. 21. QUÍMICOS NOS OLHOS Manter as pálpebras abertas Atenção ao remover lentes de contato Não usar agentes neutralizadores Não ocluir Oftalmologista Lavar os olhos com muita água - fluxo de baixa pressão, 2L (SRL) em 30 a 60 min., pH = 7.4
  19. 22. Tipo de corrente Trajeto percorrido Voltagem, Amperagem e Resistência tecidual – Menor na pele fina, limpa e molhada Extensão da área de contato Tamanho, forma e natureza do eletrodo Susceptibilidade individual Duração do contato Umidade ambiental, do solo AGENTES FÍSICOS - Eletricidade
  20. 23. AGENTES FÍSICOS Eletricidade Resistência da pele humana 1- umidade 2- limpeza 3- espessura estrato córneo 4- vascularização 5- tipo, área e tempo de contato 6- resistência é maior à corrente contínua do que alternada
  21. 24. AGENTES FÍSICOS Eletricidade MECANISMO DE AÇÃO Eletricidade propriamente dita = lesão entrada (deprimida) e saída (menor, seca, explosão) Arco voltaico = proximidade do calor gerado
  22. 25. Desligue a fonte de energia Afaste a vítima com algum objeto não condutor Extintor de incêndio tipo CO 2 ou pó químico Roupas em chamas: abafe com tecido grosso Não toque na vítima em contato com a fonte de energia elétrica ELETRICIDADE
  23. 26. AGENTES FÍSICOS Eletricidade COMPLICAÇÕES Contrações tetânicas - Fraturas Lesões intraperitoniais – baixa resistência da vascularização mesentérica – Úlceras Disfunções cardíacas, morte por fibrilação ventricular Alterações neurológicas tardias Catarata – tardia (3 anos)
  24. 27. ELETRICIDADE Avaliar arritmias cardíacas – 37% nas primeiras horas Lesões músculo-esqueléticas contrações tetânicas fraturas ossos longos fratura compressiva coluna vertebral Lesões não aparentes de estruturas nobres FREQUENTEMENTE SUB-ESTIMADAS
  25. 28. COMPLICAÇÕES Síndromes compartimentais
  26. 31. ESCAROTOMIA Extremidades
  27. 33. FASCIOTOMIA
  28. 34. CURATIVO PROVISÓRIO Isolar do ambiente Favorecer cicatrização Conservar gastos metabólicos Minimizar contraturas Diminuir perda evaporativa Gaze de malha fina, preparada, não aderente Gazes estéreis para absorver drenagem Crepons para e com pressão uniforme
  29. 36. Orelhas Períneo Necessidade de observação constante CURATIVO PROVISÓRIO contra-indicações Queimaduras – Primeiros Socorros
  30. 37. Tratamento ambulatorial Hidratação oral Analgésicos orais Terapia antitetânica Curativo provisório Tratamento cirúrgico ou conservador PEQUENO E MÉDIO QUEIMADO Queimaduras - Triagem
  31. 38. Internação em centro especializado Hidratação venosa Analgesia venosa Terapia antitetânica Sonda nasogástrica e de Foley Oxigênio? Curativo provisório Tratamento cirúrgico ou conservador GRANDE QUEIMADO
  32. 39. <ul><li>Cateterização Veia Periférica e infusão de SRL se: </li></ul><ul><li>Lesões ADULTOS > 20% SCQ, CRIANÇAS > 10%SCQ </li></ul><ul><li>Choque hipovolêmico por traumas associados </li></ul><ul><li>Arritmias ventriculares </li></ul><ul><li>Possibilidade de obstrução das vias aéreas superiores </li></ul><ul><li>Volume de SRL a ser infundido: </li></ul><ul><li>> 15 anos: 500 ml/h </li></ul><ul><li>5 a 15 anos: 250 ml/h </li></ul><ul><li>< 5 anos: 150 ml/h </li></ul>GRANDE QUEIMADO - TRANSPORTE Queimaduras - Triagem
  33. 40. <ul><li>PEQUENO – MÉDIO QUEIMADO </li></ul><ul><li>Andolba – curativo provisório </li></ul><ul><li>Sulfadiazinato de zinco – cicatrizante </li></ul><ul><li>Sódio – desbridamento químico (5,10,20,30,40%) </li></ul><ul><li>Rifocina </li></ul><ul><li>GRANDE QUEIMADO/SINAIS INFECÇÃO/LESÕES MUITO PROFUNDAS </li></ul><ul><li>Sulfadiazinato de prata – efeito antibiótico </li></ul><ul><li>Nitrato de cerium – antibiótico mais potente – utilizar pelo menos 5 dias </li></ul><ul><li>Nitrato de prata – bastão – dor </li></ul><ul><li>Opções: fibrase </li></ul><ul><li>OBS: verificar alergia à sulfa </li></ul>MEDICAÇÕES TÓPICAS Queimaduras - Triagem
  34. 41. <ul><li>ENXERTO HETERÓLOGO </li></ul><ul><li>Pele de rã – tratamento químico prévio </li></ul><ul><li>ENXERTOS AUTÓLOGOS </li></ul><ul><li>Manter curativos apenas com rifocina </li></ul>ENXERTIAS Queimaduras - Triagem
  35. 42. GRANDE QUEIMADO - TRANSPORTE Queimaduras - Triagem AÉREO Sonda nasogástrica Sonda vesical de demora Hemostasia cuidadosa nas escarotomias Aquecimento Contra-Indicações Transporte Aéreo Temperatura corporal > 39,5°C não responsiva Hemorragia Arritmias cardíacas rebeldes Lesão instável de coluna cervical Altitude – expansão vísceras com ar
  36. 43. A LERGIAS: e sensibilidades M EDICAÇÕES: em uso (prescritas ou não) A CIDENTE: causa específica queda ou pulo inconsciência contato substâncias químicas hora do acidente uso de drogas ilegais possibilidade de suicídio D OENÇAS PRÉ-EXISTENTES: metabólicas, cardíacas, renais, respiratórias, psiquiátricas Ú LTIMA REFEIÇÃO GRANDE QUEIMADO - ANAMNESE Queimaduras - Triagem
  37. 44. INSOLAÇÃO
  38. 45. <ul><li>Pode manifestar-se de diversas maneiras: subitamente, quando a pessoa cai desacordada, mantendo a pulsação e a respiração; ou após o aparecimento de sintomas e sinais como tonturas, enjôos, dor de cabeça, pele seca e quente, rosto avermelhado, febre alta, pulso rápido, respiração difícil. </li></ul><ul><li>Enquanto você aguarda socorro médico, procure colocar a vítima a sombra , fazer compressas frias sobre sua cabeça e envolver seu corpo em toalhas molhadas. </li></ul>
  39. 46. <ul><li>Em seguida deite a pessoa de costas , apoiando a cabeça e os ombros para que fiquem mais altos que o resto do corpo. O ideal é que a temperatura desça lentamente, para que não ocorra o colapso, próprio de quedas bruscas de temperatura. </li></ul><ul><li>Após ter prestados os primeiros socorros procure ajuda médica com urgência. </li></ul>
  40. 47. INTERMAÇÃO
  41. 48. <ul><li>Ambientes cuja a temperatura é alta podem sujeitar o indivíduo a uma série de alterações no organismo, com graves conseqüências para a saúde. São ambientes onde, geralmente, existem fornos e fogões, caldeiras, forjas, fundições, etc... </li></ul><ul><li>Sintomas : cansaço, náuseas, calafrios, respiração superficial e irregular, palidez ou tonalidade azulada no rosto, temperatura corporal elevada, pele úmida e fria e diminuição da pressão arterial . </li></ul>
  42. 49. O que fazer ? <ul><li>retirar a vítima do ambiente e encaminhá-la para um local mais fresco e arejado; </li></ul><ul><li>deitar a vítima com a cabeça mais baixa que o resto do corpo; </li></ul><ul><li>afrouxar as vestes da vítima; </li></ul><ul><li>envolver a vítima em lençol úmido; </li></ul><ul><li>se estiver consciente oferecer água fresca salgada em pequena quantidade a intervalos curtos; </li></ul><ul><li>encaminhar imediatamente ao atendimento médico. </li></ul>

×