Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Palácio da Pena - caso prático

Powerpoint da Raiz Editora.
Auto: Paulo Simões

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen
  • Als Erste(r) kommentieren

Palácio da Pena - caso prático

  1. 1. História da Cultura e das Artes / 11.º ano CASO PRÁTICO – MÓDULO 8 Paulo Simões Nunes O Palácio da Pena, Sintra
  2. 2. História da Cultura e das Artes / 11.º ano Execução: entre 1838 e 1868 Arquitetura: D. Fernando II de Portugal Barão Ludwig von Eschwege Patrono da obra: D. Fernando II de Portugal Palácio da Pena Sintra 1. Classificação
  3. 3. História da Cultura e das Artes / 11.º ano O Romantismo  Nas primeiras décadas do século XIX o Romantismo impõe-se em toda a Europa, como contraponto ao Racionalismo, ao Iluminismo e ao Classicismo do século XVIII. → O movimento revolucionário generalizado por toda a Europa (a Primavera das Nações). A Liberdade Guiando o Povo, Delacroix, 1830.  O Romantismo tem como pano de fundo: Goethe na Campagna Romana, Wilhelm Tischbein, 1787. → A propagação do liberalismo e do nacionalismo. → O descontentamento face ao impacto da Revolução Industrial na sociedade. → A defesa das tradições e da identidade de cada nação.  Apresentando-se como uma atitude, um estado de espírito, uma forma de ser e de sentir, o Romantismo afirmou-se como um movimento estético, político e filosófico.  Principais características: exaltação do individualismo e do idealismo, culto do sublime e dos sentimentos exacerbados, aproximação à Natureza e inspiração na Idade Média. 2.1 A obra no seu tempo 2. Contexto histórico-cultural
  4. 4. História da Cultura e das Artes / 11.º ano O Romantismo em Portugal  Os impulsionadores do Romantismo em Portugal foram Almeida Garrett (1799-1854) e Alexandre Herculano (1810-1877.  Principais características do Romantismo: Passos Manuel, Almeida Garrett, Alexandre Herculano e José Estêvão de Magalhães nos Passos Perdidos da Assembleia da República, Columbano Bordalo Pinheiro, 1926.  Seguindo a orientação romântica de culto do passado histórico e de defesa das tradições nacionais, Almeida Garrett caracterizou o Manuelino como um «genuíno estilo nacional», reportando-se a um período de glória nacional: Os Descobrimentos. Vista Tirada do Sítio da Amora, Tomás da Anunciação, 1852. → Interesse pela Natureza, pelo rústico e pelo pitoresco → Valorização do passado histórico, das raízes culturais dos costumes e das tradições  A principal fonte de inspiração do revivalismo na arquitetura foi o Gótico e o estilo Manuelino. Palácio-Hotel do Buçaco, Luigi Manini, 1888. 2.1 A obra no seu tempo (cont.) 2. Contexto histórico-cultural
  5. 5. História da Cultura e das Artes / 11.º ano O príncipe D. Fernando de Saxe-Coburgo-Gota  O príncipe D. Fernando era um homem culto, um esteta, amante da natureza e colecionador de arte. Retrato de D. Fernando II, Adolphe Pincon, c. 1870.  Originário da corte austríaca, D. Fernando era um romântico por natureza, vindo a receber uma forte influência do Romantismo alemão. Retrato da Rainha D. Maria II, John Simpson, c. 1837.  Em 1836 casou com D. Maria II, tornando-se rei D. Fernando II de Portugal. Barão Ludwig von Eschwege (1777-1855)  Em 1838 deixou-se encantar pelo sítio da serra de Sintra e pelas ruínas do antigo Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena, adquirindo todo o espaço para ali erguer um palácio.  Para o empreendimento recorreu ao contributo de Ludwig von Eschwege, geólogo e mineralogista alemão, amante de arte e de arquitetura, também ele um romântico. 2.1 A obra no seu tempo (cont.) 2. Contexto histórico-cultural
  6. 6. História da Cultura e das Artes / 11.º ano  Estes empreendimentos de clara inspiração gótica respondiam ao espírito romântico pelo seu ecletismo, exotismo, extravagância e afirmação do individualismo dos seus mentores.  Para a conceção do projeto D. Fernando recorreu ao Barão von Eschwege, homem viajado e conhecedor dos castelos fantasiosos erguidos nas margens do Reno, na Baviera, Alemanha. Castelo de Neuschwanstein, E. Riedel e G. Dollmann, Baviera, 1869-1884. Castelo de Hohenschwangan, Domenico Quaglio, Baviera, 1833-1837. Torre de Belém, Francisco Arruda e Diogo Boitaca, Lisboa, 1514-1520. Janela do Capítulo, Diogo de Arruda, Convento de Cristo, Tomar, 1510-1513.  A principal influência e fonte de inspiração para a conceção do Palácio da Pena foi o medievalismo nacional e, em particular, o Manuelino.  O «estilo manuelino» correspondia a um período de exaltação nacional expresso na epopeia quinhentista d’Os Descobrimentos e o que melhor representava a História e a cultura nacionais (valores românticos). 2.2 As fontes e influências históricas 2. Contexto histórico-cultural
  7. 7. História da Cultura e das Artes / 11.º ano  O Palácio da Pena foi construído nas escarpas da serra de Sintra, a cerca de 500 m de altitude.  Neste lugar situava-se o Convento dos Frades Hieronimitas (eremitas de S. Jerónimo) erguido no reinado de D. João II (r. 1481-1495), depois reconstruído por D. Manuel I (r. 1495-1521), vindo a ser doado à Ordem dos Monges de S. Jerónimo.  Mais tarde, o convento acabou por ser destruído pelo terramoto de 1755, ficando em ruínas até ser «descoberto» pelo príncipe D. Fernando.  Provavelmente, foi essa visão insólita das ruínas do antigo convento, enquadradas nas escarpas da serra, que arrebataram o espírito romântico do príncipe que, logo após, decidiu erguer um palácio no local.  Em 1838 D. Fernando adquiriu todo o espaço e áreas envolventes para construir uma «residência» de verão para a família real, dentro do mais refinado gosto romântico. 3. O lugar: O sítio da Pena, Sintra
  8. 8. História da Cultura e das Artes / 11.º ano  A obra impõe-se tanto pelo invulgar movimento de volumes e articulação de espaços, como pela riqueza cromática dos revestimentos, originalidade dos detalhes e diversidade de texturas dos materiais utilizados.  O Palácio divide-se em quatro áreas: → O corpo do antigo convento manuelino, recuperado por D. Fernando, com as ameias e a Torre do Relógio. → O Pátio dos Arcos em frente à Capela, num elenco de arcos mouriscos. → O Palácio edificado no século XIX, com o distinto baluarte cilíndrico e o notável Pórtico do Tritão ladeado por duas torres com profusa decoração a imitar corais. → As muralhas envolventes onde se fantasia um castelo medieval, com as suas ameias e merlões, torres de vigia e portões de acesso. Pátio dos Arcos Pórtico do Tritão 4. Análise formal e temática
  9. 9. História da Cultura e das Artes / 11.º ano A fachada principal do Palácio é revestida por notáveis painéis de azulejos mouriscos, de tradição hispano- -árabe. Entradas no recinto do Palácio com referências Mouriscas e Góticas. Salienta-se o revestimento da fachada e das guaritas da porta à esquerda, numa alusão à célebre Casa dos Bicos, em Lisboa, século XVI. O Claustro Manuelino destaca-se pelo conjunto de mosaicos polícromos de inspiração mudéjar. 4. Análise formal e temática
  10. 10. História da Cultura e das Artes / 11.º ano O edifício da Cozinha distingue-se pelo seu interessante jogo de bow-windows que marcam o ritmo da fachada. A fachada do pátio principal é pontuada por um equilibrado arranjo de janelas renascentistas e a porta com arco mourisco. No terraço destaca-se a forte presença de uma guarita neoárabe, rematando o corpo cilíndrico no cunhal da fachada. 4. Análise formal e temática
  11. 11. História da Cultura e das Artes / 11.º ano Referindo-se à estranha e demoníaca figura, D. Fernando afirmou tratar-se de um «pórtico alegórico da criação do mundo», sintetizando simbolicamente a teoria dos «quatro elementos». Este é, porventura, o elemento que melhor representa o ideário romântico do príncipe D. Fernando: o Pórtico do Tritão. Surgindo sob uma bow- -window repleta de motivos decorativos, uma figura híbrida (meio peixe, meio homem) emerge de uma concha, transformando-se num ser monstruoso. 4. Análise formal e temática: O Pórtico do Tritão
  12. 12. História da Cultura e das Artes / 11.º ano Enquanto o Pátio dos Arcos recorre a um traçado tipicamente de origem árabe, a Capela evidencia uma inspiração medieval, enquanto a Torre do Relógio reabilita o Renascimento. O Pátio dos Arcos, a Torre do Relógio e a Capela, com o coruchéu revestido a azulejos, constituem um dos conjuntos arquitetónicos mais significativos do Palácio. 4. Análise formal e temática: O Pátio dos Arcos
  13. 13. História da Cultura e das Artes / 11.º ano ▪ De acordo com a mentalidade romântica e o fascínio pelo exótico cultivado pelo príncipe D. Fernando II, aqui foi utilizada uma invulgar combinação de estilos arquitetónicos, com evocações góticas, manuelinas, renascentistas e mouriscas que surpreendem o visitante a cada instante. ▪ Construído no topo das escarpas da serra de Sintra e dominando a paisagem em toda a sua volta, o Palácio da Pena impõe-se quer pelo exuberante jogo de formas e espaços, quer pela invulgar articulação de volumes. ▪ O Palácio da Pena foi classificado Monumento Nacional em 1910 e integrado na Paisagem Cultural de Sintra classificada pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade, em 1995. ▪ Constituindo o baluarte do Romantismo nacional, o Palácio da Pena é uma das mais eloquentes expressões de ecletismo iconográfico e de revivalismo arquitetónico. 5. Leitura de significados

    Als Erste(r) kommentieren

    Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

  • mrs.montanha

    Aug. 25, 2020

Powerpoint da Raiz Editora. Auto: Paulo Simões

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

2.035

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

34

Befehle

Downloads

33

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

1

×