Anzeige

GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019

Diretor - Presidente um Editora ACM
22. Sep 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
Anzeige
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019
Nächste SlideShare
Serrano ed.165Serrano ed.165
Wird geladen in ... 3
1 von 8
Anzeige

Más contenido relacionado

Anzeige
Anzeige

GAZETA DO SANTA CÂNDIDA, JUNHO 2019

  1. Junho de 2019 - Edição 210 - Curitiba PREFEITURA DE CURITIBA CELEBRA MEIO AMBIENTE COM PAINÉIS SOLARES E SOLTURA DE ANIMAIS Foto:PedroRibas/SMCS Saiba como denunciar a violência contra a mulher Página 5 Página 3Página 3Página 3Página 3Página 3 Polícia Militar do Paraná desprestigiada Página 7
  2. 2 Diretor: Adilson da Costa Moreira - Fones 99894.1462 e 3328-0176 CNPJ 12.698.306/0001-42 - Empresa: Adilson da Costa Moreira Dep. comercial: Sharon Simão Zunino - Rua Guilherme Ihlenfelt, 765 - Tingui - Curitiba E-mail: gazetasantacandida@gmail.com Tiragem: 10.000 exemplares www.gazetasantacandida.blogspot.com Colaborador: José Cândido As matérias assinadas não refletem necessariamente a opinião do jornal. EXPEDIENTE Tel: 3357-3601, Celular 8462-3354 - 99105354 Rua Ilda C. Manasczuk, 444 Jardim Aliança - Santa Cândida -Curitiba Contador: Sandro da Silva Constituição e Encerramento de Empresas - Imposto de Renda Assessoria Contábil, Empresarial, Financeira, RH Ação voluntária promove a inclusão no Clube da Gente Os Clubes da Gente das regi- onais Santa Felicidade e Boa Vis- ta, entregues nesta gestão, fa- zem parte do pacote de infraestrutura urbana e de oferta de serviços públicos financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a Pre- feitura, como parte do Programa Integrado de Desenvolvimento Social e Urbano de Curitiba. Os investimentos do chamado BID Pró-Cidades giraram em tor- no de R$ 380 milhões em 19 inter- venções por toda a cidade, nas mais diversas áreas. Nesta quar- ta-feira (12/6), um seminário mar- cou o encerramento do programa. A Rua da Cidadania do Cajuru, construída com recursos do BID Pró-Cidades, foi o palco do evento reuniu cerca de 180 pessoas. No encontro, o destaque foi para além da infraestrutura. Dois depoimentos, de pessoas que fa- zem um importante trabalho volun- tário no Clube da Gente Boa Vista, mostraram que a iniciativa pelo bem comum é o que dá vida a um equipamento público. Carla Maia, carioca de nasci- mento, veio morar em Curitiba aos 15 anos de idade e é instrutora de dança no Clube da Gente Boa Vis- ta. Dá aulas de “dança solta”, às segundas e quartas, em dois ho- rários. São 20 alunos por turma Foto:DanielCastellano/SMCS Clube da Gente Boa Vista com idades de 18 a 79 anos. “Es- ses dias tinha até um americano na aula”, contou Carla. Ela procurou o Clube da Gente do Boa Vista para fazer hidroginástica. Lá teve a oportuni- dade de reavivar o seu talento e retomar a dança um talento e uma prática de anos. “Sempre dancei. Fiz balé e flamenco, mas achava que não con- seguia mais, porque havia engorda- do. No Clube da Gente o professor me incentivou e pediu para eu pre- parar uma aula”, contou Carla. Para ela, o suporte dos profes- sores foi o que precisava para também ajudar outras pessoas. “Continuo fazer a aula de hidro e como voluntária consigo ajudar a quem precisa vencer dificulda- des”, completou. Mestre em taekwondo, Cléber Salandin há um ano ministra aulas a turmas com 60 a 70 integrantes de todas as idades, também no Clu- be da Gente Boa Vista. “Sempre tive vontade de traba- lhar com crianças.Agradeço muito ao pessoal da regional Boa Vista, da Smelj e do clube da gente pela opor- tunidade de dar aulas”, disse o pro- fessor de taekwondo. Segundo Mestre Cléber, a união entre os pais, professores e com a equipe do Clube da Gente Boa Vis- ta permite mudar a realidade de mui- tas crianças da região.
  3. 3 OS MELHORES JORNAIS DE BAIRROS ESTÃOAQUI998999899989998999894.4.4.4.4.11111462462462462462 Telefones 3357-9272 e 99740-0669 MOACIR RADIADORES Começou no dia 31 de maio a Semana Nacional do MeioAm- biente no Brasil. Em Curitiba, todo o mês de junho vai ser de- dicado ao tema. Entre as ativi- dades promovidas pela Secreta- ria Municipal do Meio Ambiente, há mutirões de limpeza e de re- colhimento de lixo eletrônico e ações de sensibilização para a conservação da fauna. No Dia Mundial do Meio Ambiente, co- memorado no dia 05 de junho, entra em funcionamento o siste- ma de geração de energia pelos painéis fotovoltaicos instalados no Palácio 29 de Março, sede da Prefeitura. O sistema de efi- ciência energética, que prevê substituição das lâmpadas por LED, tem economia estimada em R$ 180 mil por ano e a redução em aproximadamente 50% do consumo. Os recursos vêm do Programa de Eficiência Energética da Copel Distribui- ção, regulamentadopelaAgência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Fauna protegida. Na mesma data, o município lançou uma campanha para adoção e guarda-responsável de animais e nova identidade da Rede de PREFEITURA DE CURITIBA CELEBRA MEIO AMBIENTE COM PAINÉIS SOLARES E SOLTURA DE ANIMAIS Proteção Animal. Junho marca, ainda, um ano da assinatura do termo de cooperação da Prefei- tura com a Universidade Fede- ral do Paranápara as avaliações clínicas de cães e gatos. Mais de 5,5 mil animais receberão atendimento em todas as regio- nais durante esse período. A sensibilização para preser- vação da fauna aconteceu tam- bém em visitas guiadas ao Mu- seu de História Natural do Capão da Imbuia, de 4 a 8 de junho; e com a soltura de aves silvestres, em parceria com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP). Já no Parque Náutico será instala- da uma caixa de abelhas nativas doJardins de Mel. No Zoológico de Curitiba, o Dia do Meio Am- biente marca a mudança do ca- sal de onças Apolo e Angélica para um novo recinto – com duas piscinas e um balanço – vizinho do leão Simba. Sem lixo Quem tem equipamentos eletroeletrônicos fora de funcio- namento para descarte também vai poder aproveitar o mês do Meio Ambiente para garantir o destino correto dos materiais. As dez regionais da cidade teve ações de recebimento dos equipamentos e doação de mu- das produzidas pelo Horto Mu- nicipal. O recolhimento foi realizado por associações de catadores de materiais recicláveis ligados ao programa Ecocidadão da Prefei- tura. Estão previstas, ainda, ações em parceria com o Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, In- formações e Pesquisas no Es- tado do Paraná (Sescap-PR), no Parque Barigui, e com o Con- selho Comunitário de Segurançado Centro Cívico de Curitiba (Conseg Centro Cívico), na Praça Nossa Senhora da Salete.
  4. 4 Priscila e as vizinhas desejavam o fim do descarte irregular de en- tulhos em frente as suas casas e ao lado de uma escola. A mudança em três ruas do bairro Santa Cândida aconteceu quando mo- radorestomaramumaatitude:tornaram- se voluntários no plantio de jardins e horta comunitária.Agora os espaços, alémdeembelezar,estãoservindopara incentivaroutraspessoasdacomunida- de a preservar a natureza.Tudo come- çou quando o aposentado João Batista da Silva resolveu imitar um grupo de pessoasqueseuniramemmutirãopara limpar um trecho da margem do Rio Atuba.“Se eles faziam, eu também po- deria e deveria fazer algo para cuidar do meu canto”, conta o aposentado JoãoBatistadaSilva.Distantealgumas quadras dali, a aposentada Rosélia Koppensentiu-semotivadacomaação do seu João e também decidiu tornar- seumaagentedetransformação.Criou umjardimfloridoàbeiradorio,ondeo bairro faz divisa com o município de Colombo. Foi a solução para acabar como matagal que a deixava insegura. DepoisdelimparoterrenoRoséliaplan- tou mudas de flores que foi buscar em Jaguariaíva, na região dos Campos Gerais,nacasadafamília. “Agora eu tenho um pouquinho da minha cidade natal aqui em Curitiba”, diz.Atarefa de podar, regar e varrer o terreno é diária e feita com dedicação pela moradora. “Aqui é o meu paraíso e sou realizada em cuidar. Em vez de cansaço o que eu sinto é satisfação”,destaca Rosélia Koppe.O cuidado com o espaço no bairro é va- lorizado pelos outros moradores. “Ela é tão caprichosa que acabou contami- Na imagem à esquerda, Rosélia Koppen, Adelir e Gilmar de Oliveira. Fotos: LuciliaGuimarães/SMCS Boas Práticas Santa Cândida João queria se livrar da sujeira do rio do bairro. Rosélia precisava acabar com o mato alto no terreno usado como refúgio de marginais. nando outras pessoas a cuidarem me- lhor das frentes das suas casas”, conta a dona de casa,Adelir Nunes Oliveira. A iniciativade Rosélia também rendeu reconhecimento público e certificado conferidopelaPrefeituradeCuritiba,no iníciodestemês. Moradores criam espaço de cultivo esocializaçãoRoséliainspiroumorado- res da RuaAvicena, algumas quadras acima,queseunirampararevitalizarum espaçoantesimprodutivoetransformá- lo em um lugar de cultivo e socializa- ção.ABela Hortinha, como foi batiza- da, fica ao lado da Escola Municipal CEIB ela Vista do Paraíso e em frente àcasadamaquiadoraPriscilaNaldonie do cobrador de ônibus Osmar FernandesdaCruz,integrantesdogru- po que cultiva o espaço.Os moradores alugaram máquinas,compraram terra, sementeseconseguiramoengajamento da comunidade. Os canteiros são de- corados com caixotes e pneus colori- dostransformadosempersonagensin- fantis. Tem vaso em formato de Minions, personagem de animação in- fantil, borboleta, centopeia e outros bi- chinhosdivertidos.Quemcontribuicom material ou com o trabalho tem direito a colher parte da produção. “As ver- durasfresquinhassãoótimas,masnada se compara a terapia que é cultivar a terra e ver a rua cada vez mais bonita", conta Priscila Nadolni. No mesmo pe- ríodoemqueaturmainiciouotrabalho solicitamostambémmelhoriasnailumi- nação”,dissePriscila. No mesmo período em que a turma iniciouotrabalho,aPrefeitura,atenden- do à reivindicação dos moradores, ins- talounoterrenoaolado,umaacademia ao ar livre. “Aprendemos o caminho e solicitamostambémmelhoriasnailumi- nação”,dissePriscila.
  5. 5 O mês de junho é tipicamente o pe- ríodo que as temperaturas começam a cair, propiciando aumento da incidên- cia de infecções respiratórias, além da temporadadeprovasemuniversidades, escolasedoiníciodasfériasescolares. Por isso é o período em que se costu- ma registrar quedas significativas nos estoques dos bancos de sangue, públi- cos e privados. Para destacar a impor- tância da doação de sangue nesse mo- mento do ano, começou no último sá- bado (1º) a campanha Junho Verme- lho.InformaçõesdaAgênciaBrasil. A campanha iluminará com a cor vermelha,durantetodoomês,institui- ções públicas e privadas, prédios his- tóricos e monumentos em diferentes localidades do país. Serão feitas ações especiais durante a semana do Dia Mundial do Doador de Sangue, que é comemorado no dia 14 de junho. Lançada no estado de São Paulo, a campanha Junho Vermelho ganhou status de lei estadual em 15 de março de 2017 (nº 16.386) e passou a ser promovida em todo o país. Segundo a fundadora do Eu Dou Sangue, DebiAronis, a ideia de criar o movimentoveiodepoisdeseupaipre- cisar de sangue devido a uma doença delicada e de perceber que o período estava com estoques baixos nos hemocentros e hospitais. “Somente aquelesqueenfrentamumadificuldade Junho Vermelho: campanha destaca a importância da doação de sangue e precisam da doação para que famili- ares ou amigos possam sobreviver sa- bem da importância desse ato. É um pequeno gesto, individual e gratuito, mascomconsequênciasexpressivas”. Debi explicou que o fato de as pes- soas estarem menos propensas a sair de casa não diminui, e por vezes até aumenta, a rotina dos hospitais que atendem desde vítimas de acidentes de trânsito e da violência urbana até os portadores de doenças que reque- remtransfusõessanguíneascomocân- cer, anemia falciforme e outras pato- logias, incluindo os procedimentos ci- rúrgicos de alta complexidade, como transplantes e cirurgias cardíacas. "É importante ressaltar que a demanda de sangue permanece inalterada, ape- sar da redução da oferta nos estoques dos hemocentros". De acordo com uma pesquisa fei- ta em 2017 pelo Eu Dou Sangue em parceria com o Instituto Datafolha, cerca de 92% dos brasileiros disse- ram não ter doado sangue entre ju- nho de 2016 e junho de 2017. De acordo com o levantamento, além do recesso e do clima mais frio, feriados e dias chuvosos também impactam negativamente os hemocentros, que costumam registrar queda de 30% em seus estoques no período. Os dados também mostraram que 39% dos brasileiros admitem não sa- ber qual é seu tipo de sangue. O es- tudo, que ouviu 2.771 entrevistados em todo o país, mostrou que o des- conhecimento é maior entre os ho- mens (44%) do que entre as mulhe- res (35%).Assim como a maioria dos jovens (52%), na faixa dos 16 aos 24 anos, também desconhecem esse as- pecto de seu próprio corpo. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que cada país tenha, entre 3% e 5% de sua população doadora de sangue fre- quente. No Brasil, o índice fica em 1,8%, enquanto em alguns países da Europa, cerca de 7%. Saiba como denunciarSaiba como denunciarSaiba como denunciarSaiba como denunciarSaiba como denunciar a violência contra a mulhera violência contra a mulhera violência contra a mulhera violência contra a mulhera violência contra a mulher A Casa da Mulher Brasileira (CMB) completa três anos com 34 mil atendi- mentosavítimasdeviolênciadoméstica emCuritiba. É referência nacional no acolhimen- to das mulheres e seus filhos, porque re- úne todos os serviços públicos necessá- rios para que elas possam sair do ciclo deviolência. O prefeito Rafael Greca e a primei- ra-dama Margarina Sansone estiveram a casa, na tarde desta sexta-feira (14/6), em visita à Delegacia da Mulher, que passou a funcionar no local em março deste ano. “A presença da delegacia dentro da casa garante que as vítimas sejam ime- diatamente protegidas. Elas encontram todos os serviços no mesmo lugar”, ex- plica o prefeito. SegundoadelegadaElieteKovaliuk, a delegacia soma com os demais órgãos que já estão na casa, incluindo a atenção psicossocial, o que torna o atendimento maishumanizado”,disse. A Casa a Mulher Brasileira, come- çou a funcionar no dia 15 de junho de 2016. É uma das cinco unidades no Bra- sil com todos os serviços funcionando normalmente. Foi um suporte para que Priscila (nome fictício) de 20 anos, saísse de um relacionamentoabusivo.“Euachavaque não era capaz, mas quando vim aqui fui acolhida com muito carinho. Me senti forte para dar um basta”, conta a vítima. Rafael Greca lembrou, ainda, do pioneirismodomunicí- pio na criação da pri- meira casa de acolhi- da à mulheres vítimas deviolência.“APousa- da de Maria nasceu do coração da Margarita, em 1993, para acolher mulhereseseusfilhos”, disse o prefeito. Casa da Mulher Brasileira Atendimento especializado às mulheres em situação de violência, conforme previsto na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006). Endereço: Av. Paraná, 870 - Cabral, Curitiba - PR,80035-130 Telefones: (41) 3221-2731 e (41) 3221- 2732 Horáriodeatendimento: SEGUNDAa SEXTA-FEIRA, das 12h às 16h.
  6. 6
  7. 7 Quatro entidades representativas da Polícia Militar do Estado do Paraná di- vulgaramcartaabertanestedia2lamen- tando a desconsideração e desrespeito por parte do governador Ratinho Junior com a ausência de militares estaduais na composição da Secretaria de Estado da Segurança Pública. Os policias militares do Paraná não estão satisfeitos com a escolha do coro- nel do Exército, Rômulo Marinho. Para demonstrararevoltadospoliciaismilita- res foi divulgada uma foto nas redes so- ciais do QG – Quartel General, com os dizeres “aluga-se ou vende-se”, repre- sentando o descontentamento com o Pa- lácio Iguaçu. O ex-delegado-geral da Polícia Civil doEstado,RicardoNoronhatambémre- agiu com indiganção. Para ele, a esco- lha de um coronel do Exército para co- mandar a área de segurança pública do Paraná “é temorosa porque ele não tem o conhecimento da real situação da criminalidade em um Estado da dimen- são do Paraná. É lamentável que o go- vernador tenha agido dessa forma, mes- mo sabendo que existem bons coronéis da PM e bons delegados da Polícia Civil com capacidade e experiência para as- sumir tão importante cargo”, disse. CARTAABERTA CONJUNTA AAssociação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná –ASSOFEPAR, em conjunto comaAssociaçãodaVilaMilitar–AVM, aAssociação de Defesa dos Direitos dos PoliciaisMilitaresAtivos,InativosePen- sionistas –AMAI e a Sociedade Bene- ficente dos Subtenentes e Sargentos da PMPR – SBSS, por intermédio dos res- pectivos Presidentes, vêm a público se Polícia Militar do Paraná desprestigiada manifestar em relação às recentes no- meações para a Secretaria de Estado da Segurança Pública – SESP. Externamos o desapontamento dos Militares Estaduais, em virtude da desconsideração e desrespeito para com a Polícia Militar do Paraná, verificados pela ausência de Militares Estaduais na atual composição da pasta. Em que pese os Militares Estaduais: representarem mais de 70% do efetivo policial do Estado; serem os únicos pro- fissionais de segurança pública presen- tes em todos os 399 (trezentos e noven- ta e nove) municípios desta Unidade Fe- derativa, cumprindo as missões consti- tucionais de polícia ostensiva e de pre- servaçãodaordempública;seremospri- meiros, quando não os únicos, garanti- dores dos Direitos Humanos dos cida- dãos; serem responsáveis pela grande maioria dos resultados de segurança pú- blica divulgados pelo Governo do Esta- do; serem os responsáveis pelo regular exercício dos poderes constituídos; se- rem os responsáveis pela grande maio- ria dos atendimentos de emergência da população, foram relegados a segundo plano, por ocasião da composição da SESP. Necessárioregistrarqueaefetividade das ações e operações desenvolvidas continuamentepelosMilitaresEstaduais emproldapopulaçãoparanaensedepen- de da perfeita interlocução destes pro- fissionaiscomasinstânciasdeGoverno. Sendo a Secretaria de Segurança a prin- cipal provedora dos meios e recursos paraoexercíciodassuasatribuições,im- perioso que pelo menos alguns dos pro- Houve um tempo em que os pais ameaçavam as crianças desobedientes de entrega-las ao “homem do saco”. As crianças tinham medo dessa possibilidade, e ela era real, ao menos Antigamente enviavam crianças pelo correio até 1915 nos Estados Unidos da América. Naquela época era legalmente permitido mandar crianças via correio. Acompanhadas por carteiros e com selos anexado às suas roupas, as crianças iam de trem para os seus destinos. Enviar bebês e crianças pelo correio como uma encomenda aos avós ou outros parentes era muito mais barato para os pais do que pagar uma viagem de trem. Não tardou muito e algumas histórias começaram a pipocar nos jornais da época, com crianças com endereços do remetente e destinatário costurados na roupa. Entre os casos reais está o de um casal de Ohio, chamado Jesse e Mathilda Beagle, que enviou o filho de 8 meses de idade para a avó, que vivia a apenas alguns quilômetros de distância, em Batavia. A entrega do bebê custou apenas 15 centavos em selos aos seus pais, que também fizeram um seguro de US$ 50 pela encomenda. A história ganhou os jornais e não seria a única. Outro caso famoso ocorreu em 19 de fevereiro de 1914, quando uma menina de quatro anos, Charlotte Maio Pierstorff, foi enviada de trem de sua casa em Grangeville, Idaho, aos avós, a cerca de 120 quilômetros. Sua história ficou tão lendária que foi transformada no conto infantil “Mailing May”. A partir de 1913, vários jornais norte- americanos, publicaram em suas páginas que crianças não deveriam ser enviadas pelo correio. Mas o costume continuou até 1915 ou mais. fissionaisocupan- tes das principais funções da SESP detenham conhe- cimentosespecífi- cos e experiênci- as profissionais relacionadas com as atividades de políciamilitarede bombeiromilitar. No intuito de retomar com a máxima urgência oequilíbrioneces- sário nas designa- ções/nomeações para os cargos de direção da SESP, várias reuniões serão realizadas nospróximosdias, especialmente com autoridades do Poder Executivo e Legislativo. Também nesse sentido, ha- verá vigilância permanente para que a segurança da população não seja preju- dicada por eventuais descompassos de ordem orçamentária, financeira e admi- nistrativa,quedificultemouinviabilizem a atividade dos Militares Estaduais. Coronel Izaías de Farias Presidente daASSOFEPAR CoronelWashingtonAlves da Rosa Presidente daAVM CoronelAltairMariot Presidente daAMAI SargentoArlindoLucinda Presidente da SBSS
  8. 8 Desde o dia 6 de junho trami- ta, na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), projeto de lei or- çamentária que remaneja R$ 2,5 milhões para a Agência Curitiba de Desenvolvimento. Segundo o Executivo, são recursos proveni- entes de superavit financeiro do ano passado, que agora serão utilizados para a estruturação dos projetos Vale do Pinhão e Curitiba Smart City. Os recursos serão acrescidos ao capital so- cial da agência. “Os projetos Vale do Pinhão e Curitiba Smart City serão funda- mentais para promover ações inovadoras na cidade”, diz a jus- tificativa, assinada pelo prefeito Rafael Greca. O projeto dá como exemplos de incentivo ao empreendedorismo a implanta- ção de espaços de trabalho colaborativo, o desenvolvimento de ambientes de atratividade e visibilidade para empresas e startups e o incentivo à inovação em áreas de interesse do município,como mobilidade, reurbanização e novas energias. Segundo documento anexo, em 2018 a Prefeitura de Curitiba apurou R$ 47 milhões em superavit financeiro. Se a operação orçamentária, que aumenta o capital social da Agência Curitiba de Desenvol- vimento, for aprovada pelos ve- readores, ela irá se somar a outras já realizadas, totalizando R$ 17,2 milhões – 36% do superavit apurado no exercício anterior. O remanejamento é classificado como “abertura de crédito especial”. Não são todos os casos de remanejamento que precisam ser avaliados pela CMC. Só são remetidas à Câmara de Verea- dores proposições que alterem os parâmetros da Lei Orçamen- tária Anual vigente. Nesta situa- ção, além da integralização dos R$ 2,5 milhões à agência, são criadas duas metas físicas asso- ciadas à presidência da Agência Curitiba, na rubrica “implantação e execução de projetos e plano de inovação e tecnologia” - uma Prefeitura de Curitiba destina R$ 2,5 mi para projetos de inovação é o Vale do Pinhão, a outra é o programa Curitiba Smart City. Tramitação Projetos de leis orçamentári- as têm um trâmite especial no Legislativo, incluindo os créditos adicionais especiais e suple- mentares. Eles são admitidos pela Comissão de Economia, depois seguem para o plenário, quando são incluídos na ordem do dia por três sessões conse- cutivas para recebimento de emendas. Concluída esta consulta aos parlamentares, a matéria retorna à Economia, para parecer sobre o tema, e só então é submetida ao plenário. Por definição, conforme o di- cionário técnico do Ministério do Planejamento sobre orçamento público, os créditos suplementa- res destinam-se ao reforço de uma dotação orçamentária já existente, ao passo que os es- peciais visam atender a uma ne- cessidade não contemplada no orçamento. Há ainda um outro tipo, os créditos extraordinários, que pressupõem uma situação de urgência ou imprevisão, tal como guerra, comoção interna ou calamidade pública. Contudo, nem toda mudança orçamentária ocorre por meio de lei. É comum as leis orçamentá- rias anuais (LOAs) conterem um dispositivo autorizando que, por decreto, a Prefeitura de Curitiba possa “transpor, remanejar, transferir ou utilizar, total ou par- cialmente, as dotações orçamen- tárias [da respectiva LOA], e em créditos adicionais, e por decor- rência da extinção, transforma- ção, transferência, incorporação ou desmembramento de órgãos, entidades ou fundos, bem como de alterações de suas competên- cias e atribuições, mantida a es- trutura programática, expressa por categoria de programação”. ASSOCIAÇÃO DOS JORNAIS DE BAIRROS DO PARANÁ Os melhores jornais de bairros estão aqui
Anzeige