Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Pensando a catalogação a partir do RDA

3.697 Aufrufe

Veröffentlicht am

Apresentação realizada em 22 de fevereiro de 2016 aos alunos do curso de Biblioteconomia da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Veröffentlicht in: Technologie
  • Als Erste(r) kommentieren

Pensando a catalogação a partir do RDA

  1. 1. Fabrício Silva Assumpção fabricioassumpcao.com | assumpcao.f@gmail.com Biblioteconomia – UCS, 22 de fevereiro de 2016 Pensando a Catalogação a partir do RDA
  2. 2. O que é catalogação?  Técnica  Processo  Ação  Arte de criar catálogos
  3. 3. Catálogo 1. Conjunto de representações de documentos.  “Esse filme está disponível na biblioteca?”  “Quais são os livros de determinado autor ou sobre determinado assunto?” 2. Um dos elementos centrais da biblioteca.  “Quais serviços uma biblioteca pode oferecer?” 3. Instrumento de mediação entre o usuário e a informação.  Usuário  Catálogo  Documentos
  4. 4. Regras de catalogação  Como criar representações dos documentos que atendam, de forma eficiente, às necessidades de informação dos usuários e as limitações da prática profissional?  Regras de catalogação. Dois aspectos importantes:  Construídas a partir da teoria e da prática.  Favorecem o compartilhamento de dados, evitando o retrabalho.
  5. 5. AACR  Anglo-American Cataloguing Rules  Código de Catalogação Anglo-Americano  1967, 1978,... 2002  Organizado por tipo de documento  Regras de catalogação para um contexto não digital
  6. 6. Regras de catalogação
  7. 7. RDA  Recursos: Descrição e Acesso  Descrição de Recursos e Acesso
  8. 8. RDA  Substituição do AACR2.  Necessidade de manter compatibilidade.  Ambiente digital, diferentes tipos de documentos, além das bibliotecas.
  9. 9. O que estamos catalogando? Deixamos de catalogar documentos para catalogarmos obras, expressões, manifestações e itens
  10. 10. O que estamos catalogando? Les Misérables Francês Português Adaptações
  11. 11. “Ideia” Texto em inglês Texto em português Editora X, 2004 Editora A, PDF, 2008 Editora A, 2011 Item 1 Item 1 Item 2 Item 3 Item 4 Item 1 Item 2 ObraExpressõesItensManifestações
  12. 12. Estrutura do RDA  Partes I (descrição) e II (pontos de acesso)  Capítulos  Áreas  Elementos  Regras AACR2  Partes (Atributos e Relacionamentos)  Seções  Capítulos  Elementos  Regras RDA
  13. 13. Seções do RDA 1. Manifestação e item 2. Obra e expressão 3. Pessoa, família e entidade coletiva 4. Conceito, objeto, evento e lugar 5. Relacionamentos principais 6. Pessoas, famílias e entidades coletivas e o recurso 7. Assuntos 8. Obras, expressões, manifestações e itens 9. Pessoas, famílias e entidades coletivas 10. Conceitos, objetos, eventos e lugares
  14. 14. RDA Toolkit  Ferramenta online (rdatoolkit.org)  Funcionalidades de busca e de navegação  Personalização  Conteúdo adicional  Inscrição anual: US$ 185  Versão impressa: US$ 185
  15. 15. RDA Toolkit  Demonstração das principais funcionalidades:  http://www.youtube.com/watch?v=IhCnGgHRgew
  16. 16. Pontuação  RDA: padrão para registro dos dados, e não para a apresentação dos dados.  A pontuação não é obrigatória.  Apêndice D: instruções para uso da pontuação.  Utilizar ou não a pontuação é uma decisão institucional.
  17. 17. Abreviaturas  As abreviaturas são utilizadas somente quando constam na fonte de informação.  Exceto: unidades de medida, abreviaturas tradicionais, etc.  S.l.  local de publicação não identificado  S.n.  publicador não identificado
  18. 18. Registro e transcrição  Registrar: “ajustar” a informação  Transcrever: utilizar a informação como consta na fonte  Título  Indicação de responsabilidade  Indicação de edição  ...
  19. 19. Registro e transcrição http://lccn.loc.gov/2012541442 http://lccn.loc.gov/2013010854 347 p. : il. color. ; 23 cm 1ª. ed. Berkeley Heights : Enslow Publishers, [2014]
  20. 20. Novos elementos  6.9 Tipo de conteúdo  cartographic image, computer program, notated music, sounds, still image, tactile image, tactile text, text, three-dimensional form, two-dimensional moving image, etc.  3.2 Tipo de mídia  audio, computer, microform, microscopic, projected, stereographic, unmediated, video  3.3 Tipo de suporte  computer disc, online resource, microfilm roll, film roll, card, sheet, volume, object, videocassette, etc. AACR2 (DGM): texto OU recurso eletrônico RDA: Tipo de conteúdo: texto Tipo de mídia: não midiático Tipo de suporte: volume Tipo de conteúdo: texto Tipo de mídia: computador Tipo de suporte: recurso online
  21. 21. Novos elementos  Produção, Publicação, Distribuição, Manufatura  Características de arquivos digitais (tamanho, tipo de arquivo, extensão, resolução)  Elementos para a descrição de Pessoas, Famílias e Entidades coletivas
  22. 22. Novos elementos http://lccn.loc.gov/2014371815
  23. 23. http://lccn.loc.gov/2013335260 “Regra dos três”
  24. 24. Designadores de relacionamento
  25. 25. RDA e MARC 21  Regras de catalogação (AACR2, RDA, etc.)  Formatos (MARC 21, UNIMARC, Dublin Core, etc.)  As regras de catalogação independem dos formatos (pelo menos em teoria!).
  26. 26. Novos campos Registros bibliográficos  264 – Produção, publicação, distribuição, manufatura e copyright  336 – Tipo de conteúdo  337 – Tipo de mídia  338 – Tipo de suporte  347 – Características de arquivo digital  380 – Forma da obra  382 – Meio de performance
  27. 27. Desafios  Uso do RDA no mundo  Situação brasileira  Alterações nos sistemas de gerenciamento de bibliotecas  Criação de formatos mais adequados (o RDA funciona no MARC 21, mas com limitações)
  28. 28. Transição  Catálogos “mistos”.  Alterações automáticas nos registros já existentes.  Registros híbridos.  O RDA nunca será utilizado por todos.
  29. 29. RDA...  Código de catalogação  Substituir o AACR2r  Novo cenário  Mudanças com compatibilidade (AACR2, MARC 21) É perfeito? Não!
  30. 30. Referências  OLIVER, Chris. Introdução à RDA: um guia básico. Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2011.  ASSUMPÇÃO, Fabrício Silva; SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa. A utilização do Resource Description and Access (RDA) na criação de registros de autoridade para pessoas, famílias e entidades coletivas. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 18, n. 37, p. 203-226, 2013.  Bibliografia Brasileira sobre RDA: http://fabricioassumpcao.com/bibliografia-rda
  31. 31. Obrigado! Fabrício Silva Assumpção fabricioassumpcao.com | assumpcao.f@gmail.com Biblioteconomia – UCS, 22 de fevereiro de 2016

×