Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
PIB TRIMESTRAL RS
3 trim. 2015
●
●
●
●
●
●
●
●















Fonte: IBGE
-20,0
-15,0
-4,5
-0,4
1,1
-4,5
Importação
Formação Bruta de Capital Fixo
Consumo das Famílias
Consumo do Gover...
Fonte: IBGE
-20,0
-15,0
-4,5
-0,4
1,1
-4,5
Importação
Formação Bruta de Capital Fixo
Consumo das Famílias
Consumo do Gover...
Fonte: IBGE
-20,0
-15,0
-4,5
-0,4
1,1
-4,5
Importação
Formação Bruta de Capital Fixo
Consumo das Famílias
Consumo do Gover...
Fonte: IBGE
-20,0
-15,0
-4,5
-0,4
1,1
-4,5
Importação
Formação Bruta de Capital Fixo
Consumo das Famílias
Consumo do Gover...
Fonte: IBGE
-11,3
-9,9
-8,3 -7,7
-6,3
-4,5
-3,5
-2,0 -1,5
0,3 0,4 0,9 1,5
4,2
Taxa (%) trimestral das atividades -
3º Trim...
Fonte: IBGE
-11,3
-9,9
-8,3 -7,7
-6,3
-4,5
-3,5
-2,0 -1,5
0,3 0,4 0,9 1,5
4,2
Taxa (%) trimestral das atividades -
3º Trim...
Fonte: IBGE
-11,3
-9,9
-8,3 -7,7
-6,3
-4,5
-3,5
-2,0 -1,5
0,3 0,4 0,9 1,5
4,2
Taxa (%) trimestral das atividades -
3º Trim...
Atividade RS Nacional Internacional
Agropecuária 31,1% 40,9% 28,0%
Indústria de Transformação 21,2% 56,6% 22,2%
Comércio 6...
Atividade RS Nacional Internacional
Agropecuária 31,1% 40,9% 28,0%
Indústria de Transformação 21,2% 56,6% 22,2%
Comércio 6...
●
●
●
●
Comércio com maior queda
Todo segmento industrial em queda acentuada
Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./1...
Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./1...
Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./1...
Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./1...
Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./1...
Começo “não percebido” da recessão
Queda nas atividades atinge emprego e renda
Aprofundamento da recessão


 
 
 
 


 
 
 
 
●
●
●
●
Outros ramos do comércio com expressivas quedas no trimestre
são os de Móveis (-18,8), Tecidos, vestuário e calçados (-18,...
O segmento do comércio com menor queda no trimestre foi o de
Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas ...
As outras atividades do complexo metal-mecânico no Estado
também tiveram quedas expressivas no trimestre, com a produção
d...
Produtos alimentícios também apresentaram crescimento no
trimestre (3%). O resultado decorreu do aumento de exportações,
p...
●
●
●
●
Fundação de Economia e Estatística
Siegfried Emanuel Heuser
Diretoria
Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais
Direto...
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015

571 Aufrufe

Veröffentlicht am

No terceiro trimestre de 2015, na comparação com o mesmo período do ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Sul apresentou uma queda de 3,4%. Essa é a sexta queda consecutiva e também a maior desde o segundo trimestre de 2014. Os impostos caíram 7,4%, e o Valor Adicionado Bruto (VAB) reduziu 2,8%. Esses resultados são decorrentes da forte queda da indústria total (-9,4%), puxada pela retração na indústria de transformação, e da ampliação da desaceleração dos serviços (-2,3%), basicamente derivada da queda no comércio. A agropecuária, apesar do crescimento significativo, não tem grande peso no trimestre

Veröffentlicht in: Wirtschaft & Finanzen
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

PIB TRIMESTRAL RS 3° trim. 2015

  1. 1. PIB TRIMESTRAL RS 3 trim. 2015
  2. 2. ● ● ● ●
  3. 3. ● ● ● ●
  4. 4.
  5. 5.
  6. 6.
  7. 7.  
  8. 8.  
  9. 9.  
  10. 10.   
  11. 11.   
  12. 12. Fonte: IBGE -20,0 -15,0 -4,5 -0,4 1,1 -4,5 Importação Formação Bruta de Capital Fixo Consumo das Famílias Consumo do Governo Exportação PIB Taxa (%) trimestral dos componentes da demanda final - 3º Trimestre 2015 - Brasil
  13. 13. Fonte: IBGE -20,0 -15,0 -4,5 -0,4 1,1 -4,5 Importação Formação Bruta de Capital Fixo Consumo das Famílias Consumo do Governo Exportação PIB Taxa (%) trimestral dos componentes da demanda final - 3º Trimestre 2015 - Brasil PIB e Consumo das Famílias “andam” juntos devido ao grande peso do Consumo
  14. 14. Fonte: IBGE -20,0 -15,0 -4,5 -0,4 1,1 -4,5 Importação Formação Bruta de Capital Fixo Consumo das Famílias Consumo do Governo Exportação PIB Taxa (%) trimestral dos componentes da demanda final - 3º Trimestre 2015 - Brasil FBKF e Importação respondem pela dinâmica. Suas quedas diminuem o potencial da economia crescer.
  15. 15. Fonte: IBGE -20,0 -15,0 -4,5 -0,4 1,1 -4,5 Importação Formação Bruta de Capital Fixo Consumo das Famílias Consumo do Governo Exportação PIB Taxa (%) trimestral dos componentes da demanda final - 3º Trimestre 2015 - Brasil Exportações são importantes mas teriam de crescer muito para sustentar crescimento
  16. 16. Fonte: IBGE -11,3 -9,9 -8,3 -7,7 -6,3 -4,5 -3,5 -2,0 -1,5 0,3 0,4 0,9 1,5 4,2 Taxa (%) trimestral das atividades - 3º Trimestre 2015 - Brasil
  17. 17. Fonte: IBGE -11,3 -9,9 -8,3 -7,7 -6,3 -4,5 -3,5 -2,0 -1,5 0,3 0,4 0,9 1,5 4,2 Taxa (%) trimestral das atividades - 3º Trimestre 2015 - Brasil Atividades que puxam queda
  18. 18. Fonte: IBGE -11,3 -9,9 -8,3 -7,7 -6,3 -4,5 -3,5 -2,0 -1,5 0,3 0,4 0,9 1,5 4,2 Taxa (%) trimestral das atividades - 3º Trimestre 2015 - Brasil Dinâmica própria da atividade extrativa
  19. 19. Atividade RS Nacional Internacional Agropecuária 31,1% 40,9% 28,0% Indústria de Transformação 21,2% 56,6% 22,2% Comércio 65,0% 25,6% 9,3% Transporte 44,7% 44,8% 10,5% Soma 39,2% 42,6% 18,2% Destino final do VAB do RS (MIP 2008)
  20. 20. Atividade RS Nacional Internacional Agropecuária 31,1% 40,9% 28,0% Indústria de Transformação 21,2% 56,6% 22,2% Comércio 65,0% 25,6% 9,3% Transporte 44,7% 44,8% 10,5% Soma 39,2% 42,6% 18,2% Destino final do VAB do RS (MIP 2008)
  21. 21. ● ● ● ●
  22. 22. Comércio com maior queda
  23. 23. Todo segmento industrial em queda acentuada
  24. 24. Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./15 FONTE: FEE/CIE/NCR. -15 -10 -5 0 5 10 15 20 2.º trim./14 3.º trim./14 4.º trim./14 1.º trim./15 2.º trim./15 3.º trim./15Legenda: (%)
  25. 25. Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./15 FONTE: FEE/CIE/NCR. -15 -10 -5 0 5 10 15 20 2.º trim./14 3.º trim./14 4.º trim./14 1.º trim./15 2.º trim./15 3.º trim./15Legenda: (%) Recessão se aprofunda a seis trimestres
  26. 26. Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./15 FONTE: FEE/CIE/NCR. -15 -10 -5 0 5 10 15 20 2.º trim./14 3.º trim./14 4.º trim./14 1.º trim./15 2.º trim./15 3.º trim./15Legenda: (%) Transformação e Construção com grandes quedas desde o 2 ⁰ Trimestre de 2014
  27. 27. Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./15 FONTE: FEE/CIE/NCR. -15 -10 -5 0 5 10 15 20 2.º trim./14 3.º trim./14 4.º trim./14 1.º trim./15 2.º trim./15 3.º trim./15Legenda: (%) Agropecuária com dinâmica própria
  28. 28. Taxas de crescimento trimestrais do Produto Interno Bruto, por atividades, do Rio Grande do Sul — 2.º trim./14-3.º trim./15 FONTE: FEE/CIE/NCR. -15 -10 -5 0 5 10 15 20 2.º trim./14 3.º trim./14 4.º trim./14 1.º trim./15 2.º trim./15 3.º trim./15Legenda: (%) Queda no comércio se acelera em 2015
  29. 29. Começo “não percebido” da recessão
  30. 30. Queda nas atividades atinge emprego e renda
  31. 31. Aprofundamento da recessão
  32. 32.  
  33. 33.    
  34. 34.      
  35. 35.        
  36. 36. ● ● ● ●
  37. 37. Outros ramos do comércio com expressivas quedas no trimestre são os de Móveis (-18,8), Tecidos, vestuário e calçados (-18,1) e o de Eletrodomésticos (-16,5) que por serem mais dependentes de créditos e de menor essencialidade podem ter sua aquisição adiada.
  38. 38. O segmento do comércio com menor queda no trimestre foi o de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-6,1) que contrasta com os de maior queda e é similar ao de artigos farmacêuticos pela maior essencialidade de seus produtos.
  39. 39. As outras atividades do complexo metal-mecânico no Estado também tiveram quedas expressivas no trimestre, com a produção de máquinas e equipamentos caindo 28,1%, a metalurgia reduzindo 27,1% e os produtos de metal diminuindo 12,4%.
  40. 40. Produtos alimentícios também apresentaram crescimento no trimestre (3%). O resultado decorreu do aumento de exportações, principalmente de aves, o que também impactou o crescimento da agropecuária.
  41. 41. ● ● ● ●
  42. 42. Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Diretoria Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000 Núcleo de Contas Regionais FEE/CIE Apresentador: Roberto Rocha(Coordenador do Núcleo de Contas Regionais/CIE/FEE) Supervisor do Centro de Informações Estatísticas: Juarez Meneghetti Equipe do Núcleo de Contas Regionais (NCR): Antônio Albano de Freitas, Carlos Gouveia, Carolina Agranonik, César Conceição, Guilherme Risco, Roberto Rocha e Vinícius Fantinel

×