Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Visão Psico SociolóGica Da Educação

6.222 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • too bad the presentation is in Spanish, how do I translate it?
    http://www.gardeningmania.net
    http://www.gardeningmania.net/category/vegetables/
    http://www.gardeningmania.net/category/seeds/
       Antworten 
    Sind Sie sicher, dass Sie …  Ja  Nein
    Ihre Nachricht erscheint hier

Visão Psico SociolóGica Da Educação

  1. 1. Visão Psico-sociológica da Educação
  2. 2. Sociologia Reconhecida como Ciência <ul><li>Revolução Industrial - Século XVIII; </li></ul><ul><li>Surge a Concepção do Cientificísmo; </li></ul><ul><li>Ciência Aliada a Técnica. </li></ul>A concepção do Cientificísmo considerada como único conhecimento, foi extendido a todos os campos da indagação e atividade humana. Neste clima, século XIX, conseqüência da filosofia de Augusto Comte desenvolveu-se a Teoria do Positivismo.
  3. 3. Positivismo <ul><li>São reais os conhecimentos de fatos observáveis; </li></ul><ul><li>As explicações teológicas e metafísicas perdem referência; </li></ul><ul><li>A partir desta teoria foi feita uma separação entre filosofia e ciências positivas. </li></ul>Filosofia seria apenas uma reflexão sobre o significado do trabalho científico. A partir desta concepção é que a Sociologia toma ênfase.
  4. 4. SOCIOLOGIA <ul><li>Tem como propriedades a família, o trabalho, a política, a educação e a religião; </li></ul><ul><li>Positivismo estabeleceu critérios rígidos para a ciência, exigindo que ela se funda-se na observação dos fatos; </li></ul><ul><li>A mesma exigência é estabelecida para a sociologia. </li></ul>Durkein, ao desenvolver o método sociológico, recomendava que os fatos sociais fôssem observados como coisas.
  5. 5. PSICOLOGIA À concepção positivista foi uma das correntes mais poderosas e influentes nas ciências humanas em todo o século XX, surgindo desta corrente a psicologia positivista. O psiquismo não era visto como consciência mas como comportamento observável que pode ser tratado com método experimental das ciências naturais. Os primeiros psicólogos abandonaram as preocupações de caráter filosófico, como a indagação a respeito da origem, destino da natureza da alma e do conhecimento. Estes se voltaram para os aspectos do comportamento que pode ser verificado experimentalmente.
  6. 6. <ul><li>PAVLOV (1849-1936) </li></ul><ul><li>Estudo da aprendizagem pelo reflexo condicionado; </li></ul><ul><li>Experiência com cães; </li></ul><ul><li>Suas experiências foram importantes para o desenvolvimento do behavorismo (psicologia do comportamento). </li></ul><ul><li>WATSON (1878-1958) </li></ul><ul><li>O primeiro representante do behavorismo; </li></ul><ul><li>Todo o processo humano é construído através do condicionamento. </li></ul><ul><li>A influência desta corrente psicológica se faz sentir ainda hoje. </li></ul>PSICOLOGIA
  7. 7. BEHAVORISMO Nega a existência dos instintos, da inteligência inata e dos dons inatos de qualquer espécie considerados todos decorrentes de aprendizagem e da influência do meio ambiente. “ Dêem-me doze crianças sadias, de boa constituição, e a liberdade de poder criá-las à minha maneira. Tenho a certeza de que, se escolher uma delas ao acaso, e puder educá-la, convenientemente, poderei transformá-la em qualquer tipo de especialista que eu queira – médico, advogado, artista, grande comerciante, e até mesmo em mendigo e ladrão, independente de seus talentos, propensões, tendências, aptidões, vocações e da raça de seus ascendentes ” (Watson) PSICOLOGIA
  8. 8. <ul><li>SKINNER </li></ul><ul><li>Experiências com ratos caixas de Skinner ; </li></ul><ul><li>Aprendizagem através de estímulos e reforço; </li></ul><ul><li>Suas técnicas são amplamentes utilizadas nos dias atuais, principalmente nas escolas tradicionais </li></ul>PSICOLOGIA
  9. 9. CORRENTE PSICOLÓGICA - FENOMENALOGIA <ul><li>GESTALT </li></ul><ul><li>O objeto nunca aparece na percepção tal como existe em si; </li></ul><ul><li>O objeto é elaborado; </li></ul><ul><li>A visão não é um registro mecânico de elementos, mas sim a captação de estruturas significativas. </li></ul>
  10. 10. PSICANÁLISE <ul><li>FREUD </li></ul><ul><li>Descobre o inconsciente; </li></ul><ul><li>Todos os nossos atos é de natureza pulsional; </li></ul><ul><li>Id - força pulsional que busca gratificação ou prazer; </li></ul><ul><li>Superego - a censura, a consciênica moral; </li></ul><ul><li>Ego - o equilíbrio entre o id e o superego . </li></ul>
  11. 11. HISTÓRIA DA ESCOLA
  12. 12. TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR <ul><li>PEDAGOGIA LIBERAL </li></ul><ul><li>Tendência liberal tradicional; </li></ul><ul><li>Tendência liberal renovada progressista; </li></ul><ul><li>Tendência liberal renovada não-diretiva; </li></ul><ul><li>Tendência liberal tecnicista. </li></ul>
  13. 13. TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS NA PRÁTICA ESCOLAR <ul><li>PEDAGOGIA PROGRESSITA </li></ul><ul><li>Tendência progressista libertadora; </li></ul><ul><li>Pedagogia libertária; </li></ul><ul><li>Tendência progressista “crítico-social dos conteúdos”. </li></ul><ul><li>PAULO FREIRE </li></ul><ul><li>Experiência na alfabetização de adultos. </li></ul><ul><li>Comprovou que os que os métodos novos, em que os alunos e professores aprendem juntos são mais eficientes. </li></ul>
  14. 14. CONSTRUTIVISMO Piaget não criou o construtivismo. Outros especialistas é que usaram suas descobertas como base para desenvolver propostas pedagógicas inovadoras. <ul><li>UMA NOVA LINHA PEDAGÓGICA </li></ul><ul><li>Ganha terrenos na sala de aula; </li></ul><ul><li>Rejeita a apresentação de conhecimentos prontos; </li></ul><ul><li>Condena a rigidez nos procedimentos de ensino; </li></ul>O Construtivismo adota práticas com base nos estudos do psicólogo suíço Jean Piaget. Maior autoridade do século XX, sobre o processo do funcionamento da inteligência e de aquisição do conhecimento.
  15. 15. <ul><li>EMILIA FERREIRO </li></ul><ul><li>Não é autora da pedagogia construtivista; </li></ul><ul><li>Deixou conhecida a expressão construtivismo; </li></ul><ul><li>No começo o nome construtivismo era associado a sua teoria. </li></ul>Passaram a ser chamadas de construtivistas as novas propostas pedagógicas inspiradas em sua teoria, a própria teoria de Piaget e até mesmo pedagogias anteriores, porém compatíveis, como a do educador soviético Vygotsky. CONSTRUTIVISMO
  16. 16. Paulo Freire também contribuiu, para a reformulação do ensino pedagógico, apresentando novas diretrizes no processo da educação. <ul><li>PAULO FREIRE </li></ul><ul><li>Experiência na alfabetização de adultos. </li></ul><ul><li>Comprovou que os que os métodos novos, em que os alunos e professores aprendem juntos são mais eficientes. </li></ul>CONSTRUTIVISMO
  17. 17. TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO <ul><li>Características gerais: TRADICIONAL </li></ul><ul><li>O professor é extremamente importante. Ele é o responsável, o maestro, o dirigente dessa orquestra. O ensino está todo centrado na competência e conhecimento do professor. </li></ul><ul><li>A preocupação dessa abordagem é com o que é externo ao aluno: programas, currículos, disciplinas, etc… </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Características gerais:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>A pedagogia construtivista proporciona ao aluno a liberdade de se expressar livremente, criativamente nas suas produções, mesmo que com erros ortográficos, que mais tarde serão compreensíveis para eles, no primeiro momento é deixar o aluno livre e sem limites de expressão, para que possa construir o seu conhecimento e significados nas suas produções do universo em que vive. </li></ul><ul><li>Os alunos que tem experiência de alfabetização em uma perspectiva construtuivista, não tem medo de cometer erros, sabem que estes podem ocorrer, que são discutíveis e podem ser questionados, que o professor estaria ali como mediador para o seu conhecimento e não como um avaliador, onde o erro e os questionamentos ficam em segundo plano. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  19. 19. <ul><li>Visão de homem:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Está inserido em um mundo que irá conhecer através das informações fornecidas e decididas como sendo úteis. </li></ul><ul><li>O aluno, segundo essa concepção é passivo e um dia se estiver preparado poderá passar aos outros o mesmo conhecimento aprendido. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  20. 20. <ul><li>Visão de homem:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>Nesta forma de aprendizagem o aluno passa por esta experiência sem medo com confiança na sua capacidade de pensar e descobre o prazer de aprender. </li></ul><ul><li>Na busca do conhecimento o aluno tem o direito de saber ler criticamente, o direito de escrever seus próprios textos com suas próprias experiências, erros e transformações. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  21. 21. <ul><li>Visão de Mundo:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Não pode ser mudado. Sua realidade é transmitida através da família, religião e escola. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  22. 22. <ul><li>Visão de Mundo:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>A construção do conhecimento variará conforme a etapa e a idade do aluno e não pela camada social a que pertença. </li></ul><ul><li>Sua realidade é construída e transformada através da sua criatividade em estar no mundo. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  23. 23. <ul><li>Sociedade Cultura: TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Manutenção dos princípios, valores, tradição da sociedade. Os programas escolares devem respeitar as informações que possibilitem a incorporação desses valores. </li></ul><ul><li>O aluno que não consegue acompanhar tal processo é reprovado. O diploma é por sua vez visto como um instrumento de hierarquização na sociedade. O diploma vai definir a preparação para o trabalho. Visa muito mais um trabalho individualista do que cooperativo. O objeto da escola é levar o aluno a memorizar o conteúdo. Portanto, conhecimento significa armazenamento, acúmulo de informações. As informações precisam ser passadas de forma sistemática, ou seja, do mais simples ao mais complexo. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  24. 24. <ul><li>Sociedade Cultura:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>Trabalhar em grupo. Trabalhar as diferenças. Memorizar requer conhecer o conteúdo, estar aberto a novos conhecimentos, respeitar o conhecimento do aluno, ativo, dinâmico, criativo, etc. </li></ul><ul><li>Estabelece uma relação de troca. Há um resgate das vivências do aluno. </li></ul><ul><li>Dinâmica participativa. </li></ul><ul><li>O aluno terá maior rendimento quando viver em ambientes estimulantes onde a escrita e a leitura são hábitos diários e há o incentivo pelo manuseio de livros. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  25. 25. <ul><li>Professor-aluno:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>A participação é individual. </li></ul><ul><li>A relação é vertical, o professor decide a metodologia e a avaliação. O mestre exerce o comando. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  26. 26. <ul><li>Professor-aluno:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>O papel do professor construtivista é muito importante ele tem que ser tão ativo quanto seus alunos, tão criativo quanto eles, deve estar interessado em ajudá-los, quanto eles em aprender coisas novas, o professor deve falar menos e escutar mais. </li></ul><ul><li>O professor deve sempre interpretar a produção do aluno de forma positiva. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  27. 27. <ul><li>Educação:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Responsável pela transmissão do conhecimento. </li></ul><ul><li>A ênfase é dada no produto e não no processo. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  28. 28. <ul><li>Educação:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>Responsável pela transmissão do conhecimento, juntamente com a sociedade. </li></ul><ul><li>A ênfase é dada para o processo da aprendizagem. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  29. 29. <ul><li>Escola:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Responsável pela transmissão de informações em sala. É na escola que se raciocina. É preciso propiciar um ambiente onde o aluno não se distância. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  30. 30. <ul><li>Escola:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>É a mediadora na busca do conhecimento. A escola dá condições para que o aluno libere sua criatividade em busca do conhecimento. A função da escola é acolher o aluno. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  31. 31. <ul><li>Ensino: TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Se dá em sala de aula. As informações precisam ser imitadas, copiadas. </li></ul><ul><li>O professor nesse processo é o único polo de relação. Ele oferece receitas para a aprendizagem. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  32. 32. <ul><li>Ensino: TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Se dá em sala de aula. As informações precisam ser imitadas, copiadas. </li></ul><ul><li>O professor nesse processo é o único polo de relação. Ele oferece receitas para a aprendizagem. </li></ul><ul><li>Ênfase na automação. </li></ul><ul><li>As diferenças individuais são ignoradas e todos devem chegar ao mesmo ponto. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  33. 33. <ul><li>Ensino:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>O ensino pode ser transmitido de várias maneiras e em vários ambientes. O conhecimento das informações devem ser experimentadas e questionadas. </li></ul><ul><li>O professor é o mediador e participante neste processo de aprendizagem. </li></ul><ul><li>A ênfase é da criatividade. </li></ul><ul><li>As diferenças individuais não são ignoradas, elas recebem atenção especiais, valorizando a sua potencialidade e a sua aptidão. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  34. 34. <ul><li>Metodologia:TRADICIONAL </li></ul><ul><li>Aula expositiva. </li></ul><ul><li>Aluno = ouvinte - professor = agente. </li></ul><ul><li>Avaliação: provas e chamadas orais. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  35. 35. <ul><li>Metodologia:CONSTRUTIVISTA </li></ul><ul><li>Aula participativa. </li></ul><ul><li>Aluno e professor interagindo. </li></ul><ul><li>Avaliação: debates, seminários, produções, etc. </li></ul>TRADICIONAL VERSUS CONSTRUTIVISMO
  36. 36. Visão Psico-sociológica da Educação CONCLUSÃO
  37. 37. Catarina Tulazs Damiati Dirce Maria Ogawa Fabiano Tulazs Damiati Moacir Antônio Santos Sandra C. F. Martins Visão Psico-sociológica da Educação

×