Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Wird geladen in …3
×
14 von 23

úLceras de pressão

5

Teilen

Herunterladen, um offline zu lesen

kladsdçlo

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

úLceras de pressão

  1. 1. Úlcera deÚlcera de pressãopressão
  2. 2. Úlcera de pressão: definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (tecido subcutâneo, músculo, articulações, ossos). Ocorrem geralmente nas regiões de proeminências ósseas e são graduadas em estágios I, II, III e IV para classificar o grau de danos observados nos tecidos.
  3. 3.  É uma lesão da pele produzida quando se exerce uma pressão sobre uma região plana ou proeminência óssea, provocando um bloqueio sanguíneo, e como conseqüência, a isquemia a qual produz uma degeneração rápida dos tecidos
  4. 4. Estágios da Úlcera de Pressão Estágio I  É um eritema da pele intacta que não embranquece após a remoção da pressão.  Em indivíduos com a pele mais escura, a descoloração da pele, o calor, o edema ou o endurecimento também podem ser indicadores de danos.
  5. 5.  Estágio II  É uma perda parcial da pele envolvendo a epiderme, derme ou ambas.  A úlcera é superficial e apresenta-se como uma abrasão, uma bolha ou uma cratera rasa.
  6. 6. Estágio 3  Perda da pele na sua espessura total, envolvendo danos ou uma necrose do tecido subcutâneo que pode se aprofundar, não chegando até a fáscia muscular.  A úlcera se apresenta clinicamente como uma cratera profunda.
  7. 7.  Estágio 4  Perda da pele na sua total espessura com uma extensa destruição ou necrose dos músculos, ossos ou estruturas de suporte como tendões ou cápsulas das juntas.
  8. 8. A classificação das úlceras em estágios é uma parte da avaliação. É importante avaliar a presença de inflamação, infecção, endurecimento e isquemia.
  9. 9.  Pontos sensíveis para o surgimento de úlceras
  10. 10. Causas: A pressão nos tecidos é examinada em relação a três fatores, considerando a etiologia das úlceras: 1- Intensidade da Pressão 2- Duração da Pressão 3- Tolerância Tecidual A tolerância tecidual é influenciada por vários fatores: 1. Cisalhamento – causado pela combinação da gravidade e fricção. Exerce uma força paralela à pele e resulta da gravidade que empurra o corpo para baixo e da fricção ou resistência entre o paciente e a superfície de suporte. Quando a cabeceira da cama é elevada, a pele adere-se ao leito mas o esqueleto empurra o corpo para baixo. Os vasos sanguíneos são esticados ou acotovelados dificultando ou interrompendo o fluxo sanguíneo. O cisalhamento causa a maior parte do dano observado nas úlceras de pressão.
  11. 11. Fricção – Se sua ação for isolada, a sua capacidade de danos está restrita a epiderme e derme. Resulta em uma lesão semelhante a uma queimadura leve. Ocorre com maior freqüência em pacientes agitados. A forma mais grave de dano por fricção ocorre associada ao cisalhamento. Umidade – altera a resistência da epiderme para forças externas.
  12. 12. Déficit nutricional – pode afetar o desenvolvimento da úlcera de pressão pois a hipoalbuminemia altera a pressão oncótica e causa a formação de edema. A difusão de oxigênio no tecido edemaciado fica comprometida. Há uma diminuição da resistência a infecção devido ao efeito no sistema imunológico. A anemia também afeta o transporte de oxigênio. As deficiências de vitaminas A, C e E também podem contribuir para o desenvolvimento da úlcera de pressão devido ao papel que estas vitaminas tem na síntese do colágeno, imunidade e integridade epitelial.
  13. 13. Outros fatores importantes no desenvolvimento da úlcera de pressão: A.Idade avançada – muitas mudanças ocorrem com o envelhecimento e incluem: achatamento da junção entre a derme e epiderme; menor troca de nutrientes, menor resistência a força de cisalhamento, diminuição da capacidade de redistribuir a carga mecânica da pressão. B. Baixa pressão sangüínea – a hipotensão pode desviar o sangue da pele para órgãos vitais. C. Estado psicológico – Motivação, energia emocional e estresse são considerados. O cortisol pode ser um fator para uma baixa tolerância tecidual. D. Fumo E. Temperatura corporal elevada – pode estar relacionada ao aumento da demanda de oxigênio em tecidos com anóxia. F. Procedimentos cirúrgicos com duração de 4 horas ou mais. G. Incontinência urinária ou fecal. H. Vários diagnósticos: paralisia, lesão de medula espinhal, câncer, problemas ortopédicos, doença vascular, doença neurológica, diabetes.
  14. 14. Prevenção : A prevenção é a melhor solução para o problema da úlcera de pressão.  I – Avaliação do Risco  1. Considere em risco para úlcera todas as pessoas restritas ao leito ou cadeira de rodas, ou aquelas cuja capacidade de se reposicionarem está debilitada;  2. Identifique todos os fatores individuais de risco (diminuição do estado mental, umidade, incontinência, deficiências nutricionais), de forma a direcionar as medidas preventivas específicas.
  15. 15. 1.Inspecione a pele pelo menos uma vez diariamente e documente as observações; 2. Individualize a freqüência do banho. Use um agente de limpeza suave. Evite água quente e fricção excessiva; 3. Avalie e trate a incontinência. Quando a incontinência não puder ser controlada, limpe a pele no momento em que sujar, use uma barreira tópica para umidade e selecione absorventes higiênicos que forneçam de forma rápida uma superfície seca para a pele; 4. Use hidratantes para pele seca. Minimize os fatores ambientais que causam o ressecamento da pele como ar frio e de baixa umidade; 5. Evite massagear as proeminências ósseas; 6. Use um posicionamento apropriado, técnicas corretas de movimentação e transferência de forma a minimizar a lesão da pele devido à fricção e forças de cisalhamento; 7. Use lubrificantes secos (amido de milho) ou coberturas protetoras (tipo curativos transparentes) para reduzir a lesão por fricção; 9. Institua um programa para manter ou melhorar o estado de atividade e mobilidade;
  16. 16. III – Redução da Carga Mecânica e Utilização de Superfícies de Suporte 1.Reposicione as pessoas restritas ao leito pelo menos a cada duas horas; pessoas restritas à cadeira a cada hora; 2. Use uma escala de horário de reposicionamento por escrito; 3. Coloque as pessoas em risco, em colchões ou almofadas que reduzam a pressão. Não use almofadas tipo argola ou roda d´água. 4. Considere o alinhamento postural, a distribuição do peso, a estabilidade e a capacidade para o alívio da pressão quando posicionar pessoas em cadeiras ou cadeiras de rodas; 5. Ensine as pessoas restritas à cadeira e que são capazes, a mudar a posição para aliviar o seu peso a cada 15 minutos;
  17. 17. 6. Use recursos tipo trapézio ou o lençól móvel/forro de cama para elevar ou movimentar ao invés de arrastar as pessoas durante a transferência ou mudança de posição; 7. Use travesseiros ou almofadas de espuma para manter as proeminências ósseas como joelhos e calcâneos fora do contato direto com a cama ou com outra proeminência do próprio corpo; 8. Use recursos que aliviem totalmente a pressão nos calcâneos (coloque travesseiros sob a panturrilha para elevar os pés); 9. Evite posicionar o paciente diretamente sobre o trocânter. Quando usar o decúbito lateral diretamente no trocânter, use a posição lateral inclinada em ângulo de 30 graus; 10. Eleve a cabeceira da cama o menos possível e por pouco tempo (ângulo máximo de 30 graus).

×