Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

História e reforma psiquiátrica parte 1

31.921 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Technologie, Gesundheit & Medizin

História e reforma psiquiátrica parte 1

  1. 1. HISTÓRIA E REFORMA PSIQUIÁTRICA
  2. 2. <ul><li>Grécia: pessoas com poderes divinos </li></ul><ul><li>As frases enigmáticas dos loucos aproximam os homens das ordens dos Deuses </li></ul><ul><li>Neste período não era controlados ou excluídos sendo transformada em instrumento de mensagens divinas </li></ul>Histórico
  3. 3. <ul><li>Idade Média na Europa: também marcada pela peste e pela lepra </li></ul><ul><li>A loucura era vista como expressão da força da natureza, como algo não humano fala incompreensível significava contato divino, mágico </li></ul>Histórico
  4. 4. Histórico
  5. 5. <ul><li>Ganha caráter moral e deixa de ser instrumento das forças da natureza </li></ul><ul><li>Entendida como o contrário da razão e vista como um conjunto de vícios dos homens, como a preguiça </li></ul>Histórico
  6. 6. <ul><li>Século XVII: surge o mercantilismo </li></ul><ul><li>Período onde domina o pensamento que a população é o maior bem que um país pode ter </li></ul><ul><li>Encarceramento de todos aqueles que não podem contribuir para o movimento de produção, de comércio ou de consumo de mercadorias </li></ul>Histórico
  7. 7. <ul><li>Exclusão se dá devido à mudança na relação do homem com o trabalho </li></ul><ul><li>Necessidade de disciplina e de um novo controle social </li></ul>Histórico
  8. 8. <ul><li>Criados em toda Europa estabelecimentos de internação: velhos, crianças abandonadas, aleijados, mendigos, portadores de doenças venéreas e os loucos </li></ul><ul><li>Verdadeiros depósitos humanos, sem intenção de tratamento </li></ul><ul><li>Encarcerados eram obrigados à trabalhos forçados, servindo como punição </li></ul>Histórico
  9. 10. <ul><li>Essa limpeza acontece até a Revolução Francesa em 1789 </li></ul><ul><li>Lema: igualdade, liberdade e fraternidade </li></ul><ul><li>Início do processo de reabsorção dos excluídos: auxílio financeiro e médico em suas próprias casas aos necessitados </li></ul><ul><li>Loucos permaneciam encarcerados: considerados perigosos para o convívio social </li></ul>Histórico
  10. 11. <ul><li>Antes do final do século XVIII, a medicina não se interessava em saber o quê e o por quê do que dizia o louco </li></ul><ul><li>Final do século XVIII: Philippe Pinel difunde uma nova concepção de loucura </li></ul>Histórico
  11. 12. <ul><li>Pinel fundamenta a alienação mental como distúrbios das funções intelectuais do sistema nervoso </li></ul><ul><li>Cérebro: sede da mente e na mente se manifesta loucura </li></ul>Conceitos de Pinel
  12. 13. <ul><li>Divide os sintomas em classes: mania, melancolia, demência e idiotismo </li></ul>Conceitos de Pinel
  13. 14. <ul><li>Loucura: desarranjo das faculdades cerebrais </li></ul><ul><li>Causas físicas </li></ul><ul><li>Causas morais </li></ul>Conceitos de Pinel
  14. 15. <ul><li>De origem cerebral, como pancada na cabeça, formação defeituosas do cérebro e hereditariedade </li></ul>Causas Físicas
  15. 16. <ul><li>As mais importantes </li></ul><ul><li>Paixões intensas e excessos de todos os tipos </li></ul>Causas Morais
  16. 17. <ul><li>Loucura adquire estatuto de doença mental que requer saber médico e técnicas específicas </li></ul><ul><li>Fica constituída a psiquiatria como saber médico </li></ul>Conceitos de Pinel
  17. 18. <ul><li>Pinel: França </li></ul><ul><li>Tuke: Inglaterra </li></ul><ul><li>Esquirol: um dos maiores teóricos dessa escola- o alienismo </li></ul>Representantes
  18. 19. Representantes
  19. 20. <ul><li>Entendimento da loucura enquanto desrazão, ou seja alienação mental </li></ul><ul><li>Tratamento deve ser baseado no asilo </li></ul><ul><li>Espaço asilar e disciplina rígida vão ser elementos importantes do tratamento </li></ul><ul><li>Consiste em confrontar a confusão, a desrazão </li></ul>Alienismo
  20. 21. <ul><li>É hoje uma dependência do Hospital Geral de Paris </li></ul>La Salpetrière
  21. 22. <ul><li>Nome devido ter sido construído em 1656 no local de uma antiga fábrica de pólvora, cujo componente principal é o salitre (salpêtre) </li></ul><ul><li>Situado oposto ao arsenal do rei, na outra margem do Sena, o hospital foi primitivamente um albergue e orfanato, criado para mendigos da cidade </li></ul>La Salpetrière
  22. 23. La Salpetrière
  23. 24. <ul><li>Recebia filhas de nobres pobres e arruinados </li></ul><ul><li>A todos era dado ensinamento religioso, além de alfabetização </li></ul><ul><li>Degenerou em um repugnante depósito de loucos e malfeitores </li></ul>La Salpetrière
  24. 25. <ul><li>1680: abrigava mendigos, aleijados, epiléticos, paralíticos, vítimas de doenças mentais ainda tida como manifestações demoníacas </li></ul><ul><li>Prisão de prostitutas presas pela cidade </li></ul><ul><li>Gemidos e impropérios gritados a todo tempo com grande infestações de ratos </li></ul>La Salpetrière
  25. 26. <ul><li>Noite de 3 e 4 de setembro de 1792 </li></ul><ul><li>Bando de bêbados decidiu libertar as prostitutas ali recolhidas </li></ul><ul><li>Demais mulheres doentes mentais, alcoólatras e portadoras de deficiência física foram arrastadas pelas ruas e massacradas à vista do povo </li></ul>Massacre de La Salpêtrière
  26. 27. Massacre de La Salpêtrière
  27. 28. <ul><li>São critérios estatísticos do que é comum ou incomum </li></ul><ul><li>Não se aplicam à doença mental </li></ul>Normalidade X Anormalidade
  28. 29. <ul><li>Anormal não é conceito da psiquiatria </li></ul><ul><li>Patológico é uma estrutura nova e autônoma </li></ul><ul><li>Anormal pode não ser patológico </li></ul><ul><li>Patológico pode ser normal </li></ul>Anormal X Patológico
  29. 30. <ul><li>Doença mental não faz parte do continum saúde-doença </li></ul><ul><li>É um acontecimento novo na vida do indivíduo </li></ul>Binômio Saúde-Doença
  30. 31. <ul><li>É um aspecto da saúde em geral que, a partir de uma concepção integral como entidade biopsicossocial, não pode ser vista em separado </li></ul>Saúde Mental
  31. 32. <ul><li>É um estado relativamente duradouro na qual a pessoa está bem ajustada, tem alegria de viver e consegue auto-realização </li></ul><ul><li>É um estado positivo e não apenas ausência de perturbação mental </li></ul>Saúde Mental
  32. 33. <ul><li>Ciência que trata as doenças mentais </li></ul><ul><li>É a área do conhecimento médico-científico que ocupa dos estudos dos transtornos mentais em seus diferentes aspectos: etiológicos, clínicos, prognóstico de prevenção e tratamento </li></ul>Psiquiatria
  33. 34. <ul><li>Fundamentação teórica em que se baseia a psiquiatria </li></ul><ul><li>Define os sinais e sintomas, agrupando-os em diferentes entidades psicopatológicas </li></ul>Psicopatologia
  34. 35. <ul><li>Visão romântica </li></ul><ul><li>Excêntrico </li></ul><ul><li>Insensato </li></ul><ul><li>Contestador </li></ul>Loucura
  35. 36. <ul><li>Estado de sofrimento mental </li></ul><ul><li>Perda da capacidade de comunicação </li></ul><ul><li>Perda da capacidade normativa: patologia da liberdade </li></ul><ul><li>O grito de Edward Munch </li></ul>Doença Mental
  36. 37. <ul><li>Nazismo e bomba atômica: mudanças do modo da humanidade olhar o mundo </li></ul>Reformas Psiquiátricas – Modelos Assistencias Pós-Guerra

×