Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Pedagogia da autonomia

22.402 Aufrufe

Veröffentlicht am

Aula com base no livro Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire

  • Als Erste(r) kommentieren

Pedagogia da autonomia

  1. 1. Profº Douglas Freitas
  2. 2. SABERES FUNDAMENTADOS NA ÉTICA; NO RESPEITO À DIGNIDADE HUMANA; NA AUTONOMIA DO EDUCANDO.
  3. 3. • AUTONOMIA OCUPA O ESPAÇO DA DEPENDÊNCIA =  PARA ISSO, PRECISAMOS APRENDER A DECIDIR.  PRIMEIRO VEM A DECISÃO – DEPOIS VEM A AUTONOMIA
  4. 4. IDEOLOGIA  É A CAPACIDADE DE CEGAR, DE ENSURDECER;  NOS RESPONSABILIZA PELOS FRACASSOS SOCIAIS;  DISCURSA SOBRE O PRAGMATISMO E ENSINO TÉCNICO-CIENTÍFICO.  NÃO É NEUTRA.   É CÔMODO SER NEUTRO POIS ESCONDEMOS NOSSA OPÇÃO IDEOLÓGICA (LAVAMOS AS MÃOS)  ASSIM, TUDO PASSA A SER FATO CONSUMADO.  TEMOS QUE SUBSTITUIR ESTE COMPORTAMENTO POR AUTONOMIA E RESPONSABILIDADE.
  5. 5. Livro escrito em 1996, foi dividido em três capítulos:  1º - Não há docência sem discência 2º - Ensinar não é transformar conhecimentos 3º - Ensinar é uma especificidade humana.
  6. 6. 1º - Não há docência sem discência   saberes fundantes indispensáveis à prática docente (confirmam, modificam ou ampliam saberes).  prática ratifica/ retifica saberes  A reflexão crítica = exigência da relação teoria/prática, sem a qual a teoria vira discurso, e a prática ativismo.
  7. 7.  A formação de professores tem que assumir papel de “combate” ao pensamento de que ensinar é transferir conhecimento, onde um sujeito criador dá forma, estilo ou alma a um corpo indeciso e acomodado (sujeito = quem ensina/ objeto = quem é ensinado). ao contrário ensinar é criar possibilidades para produção ou construção de conhecimento. 
  8. 8. É preciso considerar a relação: -quem forma se forma e re-forma ao formar; -quem é formado forma-se e forma ao ser formado. - Quem ensina aprende ao ensinar, e quem aprende ensina ao aprender. Quem ensina, ensina alguma coisa a alguém. -Aprender veio antes de ensinar, mas, porém, ensinar dilui-se com o aprender.
  9. 9. aprender experiência total (política,  ideológica, pedagógica, estética e ética), em que boniteza deve achar-se de mãos dadas com a decência e com a seriedade.
  10. 10. TODO DOCENTE TEM QUE SE ASSUMIR COMO SUJEITO ÉTICO COM DESEJO DE EXERCÍCIO DA ÉTICA UNIVERSAL  ÉTICA UNIVERSAL COMBATE: - DISCRIMINAÇÃO; - EXPLORAÇÃO DO OPRIMIDO - FALSEAMENTO DA VERDADE,...
  11. 11.  1.1 - Ensinar exige rigorosidade metódica  ensinar a pensar, reforçar a capacidade crítica do educando, sua curiosidade e insubmissão.  Só quem pensa certo é quem pode ensinar a pensar certo (mesmo que às vezes pense errado).  educadores e os educandos sejam criadores, instigadores, inquietos, curiosos, humildes e persistentes.  Somos seres históricos e o nosso conhecimento de mundo tem historicidade.   1.2 – Ensinar exige pesquisa  Pensar certo implica no respeito ao senso comum para superação
  12. 12.  1.3 – Ensinar exige respeito aos saberes dos educandos Cabe ao professor e a escola, respeitando os saberes dos educandos, discutir sobre estes saberes que são construídos socialmente  1.4 – Ensinar exige criticidade Uma curiosidade ingênua (está ao sabor do senso comum) quando se criticiza, torna-se curiosidade epistemológica.   1.5 – Ensinar exige estética e ética A promoção da ingenuidade à criticidade não pode ou não deve ser feita à distância de uma rigorosa formação ética ao lado da estética (decência e beleza de mãos dadas).
  13. 13.  1.6 – Ensinar exige a corporeificação das palavras pelo exemplo  Pensar certo está ligado a fazer certo. A palavra sem o exemplo de nada vale.  1.7 Ensinar exige risco, aceitação do novo e rejeição a qualquer forma de discriminação O risco/o novo = é próprio do pensar certo 1.8 – Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática Movimento dinâmico, dialético entre o fazer e o pensar sobre o fazer. Tem que ser produzido pelo aprendiz com o professor formador.
  14. 14.  1.9 – Ensinar exige o reconhecimento e assunção da identidade cultural Só há assunção do sujeito, se ele reconhecer em si mesmo, a possibilidade de mudar. A educação tem que reconhecer a legítima raiva, que protesta contra as injustiças, contra a deslealdade, o desamor, contra a exploração e a violência. A assunção do sujeito é incompatível com o treinamento pragmático ou com o elitismo autoritário, dos que se pensam donos da verdade e do saber articulado.  - Identidade cultural - deve ser assumida e respeitada pelo educador
  15. 15. CAPÍTULO II ENSINAR NÃO É TRANSFERIR CONHECIMENTO  2.1 - Ensinar exige consciência do inacabado 2.2 – Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado - Somos seres inacabados, por isso condicionados (e não determinados. A diferença entre ser condicionado e ser determinado é que o primeiro, a partir de sua consciência como inacabado (adquiriu esta consciência histórica e socialmente), e o ser determinado não tem tal consciência. 2.3 – Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educando - Importância na avaliação da prática. Nos faz discordar do discurso fatalista 2.4 – Ensinar exige bom senso
  16. 16.  2.5 – Ensinar exige humildade, tolerância e luta em defesa dos direitos do educando  2.6 – Ensinar exige apreensão da realidade  2.7 – Ensinar exige alegria e esperança  2.8 – Ensinar exige a convicção de que a mudança é possível  2.9 – Ensinar exige curiosidade Nenhuma curiosidade se sustenta eticamente no exercício da negação da outra curiosidade. Minha curiosidade não tem o direito de invadir a privacidade do outro e expô-la aos demais. 
  17. 17. A AUTONOMIA PEDAGÓGICA DOCENTE ACONTECERÁ QUANDO:   TIVERMOS CONSCIÊNCIA QUE SOMOS SERES HISTÓRICOS INACABADOS (CONSC. JÁ É AUTONOMIA);  OPTARMOS POR UMA PRÁTICA ÉTICA (TRANSGREDÍLA);  RECONHECERMOS QUE SOMOS SERES CONDICIONADOS MAS NÃO DETERMINADOS;  SENTE-SE INACABADO; FAZENDO INACABADO; HISTÓRIA; QUER INSERIR-SE NO MUNDO C/ O OUTRO; É ESPERANÇOSO E TENTA TRANSFORMAR SUA REALI//E COLETIVA NÃO SE PERCEBE COMO COMO SER HISTÓRICO; SE ADAPTA AO MUNDO; PORTANTO É SEM ESPERANÇA; SEM POSSIBILIDADES; DE MUDANÇAS
  18. 18.  CAPÍTULO 3  ENSINAR É UMA ESPECIFICIDADE HUMANA 3.1 - Ensinar exige segurança, competência profissional  e generosidade 3.2 – Ensinar exige comprometimento 3.3 – Ensinar exige compreender que a educação é uma forma de intervenção no mundo 3.4 – Ensinar exige liberdade e autoridade 3.5 – Ensinar exige tomada consciente de decisões 3.6 – Ensinar exige saber escutar 3.7 – Ensinar exige reconhecer que a educação é ideológica 3.8 – Ensinar exige disponibilidade para o diálogo 3.9 - Ensinar exige querer bem aos educandos
  19. 19. A AUTONOMIA PEDAGÓGICA DOCENTE ACONTECERÁ QUANDO:   COMBATERMOS A IDEOLOGIA DOMINANTE FATALISTA – NEGARMOS A INEXORABILIDADE (TENTA ADAPTAR O ALUNO A ESTA REALIDADE);  TIVERMOS A CAPACIDADE DE NOS INDIGNAR = JUSTA RAIVA;  PENSAMOS E ENSINAMOS A PENSAR CERTO;  MATERIALIZAMOS NO ESPAÇO A ÉTICA E A ESTÉTICA (BONITEZA E RESPEITO/CUIDADOS PED.)
  20. 20. DOCENTES           AMOROSIDADE; GENEROSIDADE; HUMILDADE; COMPETÊNCIA E RIGOROSIDADE METOD.; FLEXIBILIDADE; ESCUTA; PRÁTICA PROGRESSISTA; DIÁLOGO SOBRE OS SABERES (SENSO COMUM); REFLEXÃO CRÍTICA SOBRE A PRÁTICA (DIALÉTICA SOBRE O FAZER E O PENSAR SOBRE O FAZER); ACHA POSSÍVEL A MUDANÇA;     TEM AUTORI//E E LIBER//E; NO ENSINO DOS CONTEÚDOS, TEM TESTEMUNHO ÉTICO (O QUE DIGO E QUE FAÇO/O QUE PAREÇO SER E O QUE SOU); TRAZ O ALUNO P/ O MOVIMENTO DO SEU PENSAMENTO;  P/ A MUDANÇA, TEM COMO PONTO DE PARTIDA A REBELDIA (AÇÃO POL.PED.);   NÃO IMPÕE SEU SABER; FAZ CONSTANTE LEITURA DE MUNDO.
  21. 21. ENSINAR EXIGE APRENDER P/ TRANSFORMAR A REALIDADE    FORMAÇÃO PERMANENTE; RECONHECER QUE NÃO EXISTE ENSINAR S/ APRENDER (APRENDER VEM ANTES DE ENSINAR); REFORÇAR A CAPACI//E CRÍTICA E A CURIOSIDADE (CUR.    INGÊNUA E CRÍTICA – RESULTA );   NÃO ROMPE COM O VELHO CONHECIMENTO, MAS SIM, SUPERA;  RETIFICA/RATIFICA SABERES (SEM ISSO, A TEORIA FICA VAZIA E A PRÁT. ATIVISTA); RECONHECE QUE ENSINAR NÃO É TRANSFERIR CONHECIMENTO; USA O BOM SENSO COMO PRÁTICA DE VIDA; EXERCITA O “PENSAR CERTO”
  22. 22. DEFINIÇÕES:         Formar é muito mais do que treinar no desempenho de destrezas. Ideologia neoliberal = pensamento fatalista, e recusa o sonho e a utopia. Legítima raiva = quando não aceito injustiças. Cometemos erro quando nosso ponto de vista é absoluto e não conseguimos perceber, que mesmo estando certo, nem sempre a razão ética estará com ele (o terrorismo fere a ética universal). Ética universal do ser humano – condena o cinismo do discurso, condena a exploração da força do trabalho, condena o acusar por ouvir dizer, que falseia a verdade. Ética verdadeira é negada nos comportamentos imorais e perversão hipócrita da pureza em puritanismo. É afrontada na manifestação discriminatória de raça, gênero e classe. Ética universal do ser humano – ética enquanto marca da natureza humana, algo indispensável à convivência humana. Cognoscível – que se pode conhecer. 

×