Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Slide junto

971 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

Slide junto

  1. 1. OPERAÇÕES UNITÁRIAS • SECAGEM – CROMATOGRAFIA
  2. 2. Secagem é uma operação unitária de transferência de massa e calor, envolvendo a remoção de água ou outro solvente de um sistema sólido(líquido ou gás).
  3. 3. Movimento de umidade no interior de sólidos Quando ocorre a evaporação na superfície de um sólido, a umidade se desloca das camadas internas do sólido para a superfície. Este movimento da água exerce papel importante na secagem durante o período de velocidade decrescente e dependendo do tipo de material pode ocorrer através de dois mecanismos, que são: a)Difusão interna: é o movimento de um líquido ou de um vapor através de um sólido em consequência de diferença de concentração. b)Escoamento capilar: é o escoamento de um líquido através dos interstícios de um sólido ou sobre uma superfície, provocados por atração molecular entre o líquido e o sólido. Distribuição de umidade em um leito sólido particulado durante o processo de secagem
  4. 4. Estufas de laboratório
  5. 5. Secador de Túnel: O material a ser seco é colocado em bandejas e essas em carretas que irão entrar dentro de um túnel onde ocorrerá o processo de secagem. Esta operação pode ocorrer com o ar de secagem em corrente paralela, isto é, o fluxo de ar quente no mesmo sentido do fluxo das carretas, ou em contracorrente, onde o fluxo do ar quente tem direção contrária ao fluxo das carretas.
  6. 6. Secador de rolos: Neste tipo de secador o material a ser seco é aspergido sobre rolos giratórios aquecidos interiormente. A água evapora-se e forma-se uma película seca que é retirada por um raspador. É utilizado na fabricação de leite em pó.
  7. 7. Secador a gravidade: As chapas são aquecidas. O meio secante poder ser ar ou gás inerte.
  8. 8. Secador por radiações infravermelhas: o produto a ser seco é colocado sobre um esteira em finas camadas. A radiação é colocada sobre o produto.
  9. 9. Secagem por micro ondas: o produto a ser seco é colocado sob um campo elétrico de alta frequência (2500 MHz). O calor é produzido no interior do material a secar.
  10. 10. Secagem a vácuo: Secadores a vácuo são semelhantes aos secadores de bandejas na sua construção. No entanto, duas diferenças básicas são notáveis: a câmara deve ser hermeticamente fechada e sem circulação de gás; sem o gás de secagem, calor deve ser fornecido ao material por outro meio, como condução através do aquecimento dos suportes ou radiação. Utilizadas quando o material a secar é alterado pelo calor ou pelo ar. São processos em batelada.
  11. 11. Diagrama esquemático de funcionamento de um Spray Dryer
  12. 12. Fluxo concorrente Fluxo contracorrente
  13. 13. Modelos de atomizador rotatório Atomizador duplo fluido
  14. 14. “Spray dryer” escala piloto LM SD 5.0 (Labmaq), e seus sistemas principais. 1) Câmara de secagem. 2) Ciclone separador de pó 3) Painel de programação e controle 4) Frasco coletor de pó 5) Bico atomizador. MSD 1.0 (Labmaq) e seus sistemas principais: 1) Chave geral 2) Controle do aquecimento; 3) Controle de bombeamento de líquido; 4) Câmara de secagem 5) Separador de pó seco 6) indicador de temperatura de saída do produto e 7) Frasco coletor do pó seco.
  15. 15. • Torre de secagem na Crow Andersen Inc. 1)Câmara de secagem 2)Ciclone separador de pó 3)Exaustor 4)Coletor de pó seco.
  16. 16. Desidratador spray dryer para leite em pó. 1) Desidratador; 2) Ar Aquecido; 3) Leite Líquido; 4) Bomba de Pressão; 5) Atomizador; 6) Ciclone; 7) Filtro; 8) Saída do Ar; 9) Saída do Leite em Pó.
  17. 17. CROMATOGRAFIA A cromatografia é uma técnica de separação baseada na distribuição dos componentes de uma mistura entre um fluido (fase móvel ou eluente) e um adsorvente (fase estacionária). A fase estacionária pode ser um sólido ou um líquido depositado num sólido inerte, empacotado numa coluna ou espalhado por uma superfície formando uma camada fina.
  18. 18. Unidades cromatográficas utilizadas por Tswett para a separação de pigmentos de plantas

×