Tinha suspirado,tinha beijado o papel devotamente!Era a primeira vez que lhe escreviam aquelas sentimentalidades,e o seu o...
O QUE É LITERATURA?ASSIM COMO A MÚSICA, A PINTURA E A DANÇA, A LITERATURA É CONSIDERADA UMA ARTE.ATRAVÉS DELA TEMOS CONTAT...
 A LITERATURA É UMA FORMA DE ARTE QUERECRIA ASPECTOS DO MUNDO REAL ( MUNDO QUEPODEMOS APRENDER POR MEIO DE NOSSASEXPERIÊN...
 UM EXEMPLO DISSO SÃO OS CONTOS DAS MIL EUMA NOITES, QUE SÃO NARRATIVAS SOBREDIVERSOS ASSUNTOS DA HISTÓRIA E DOMUNDO ÁRAB...
O TEXTO LITERÁRIO PODE SER REPRESENTADOATRAVÉS DE DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS. UM DOSMAIS ANTIGOS E UTILIZADOS É O POEMA.E...
 PODEMOS, PORTANTO, ENXERGAR POESIA EM DIVERSOSELEMENTOS DA VIDA HUMANA, NÃO SÓ EM UMAPRODUÇÃO ARTÍSTICA: O RISO DE UMA ...
 O POEMA, POR SUA VEZ, TEM UMA EXISTÊNCIACONCRETA, PODENDO SER IDENTIFICADO PORQUALQUER PESSOA.“Todos estes que aí estãoA...
 Tinha suspirado, tinha beijado o papeldevotamente!Era a primeira vez que lhe escreviam aquelassentimentalidades, e o seu...
 OS ELEMENTOS DE UM POEMA:EU LÍRICOO EU-LÍRICO É O "EU" QUE FALA NO POEMA, TRANSMITINDO TODASAS SUASEMOÇÕES, SENTIMENTOS,...
TeresinhaCHICO BUARQUEO primeiro me chegouComo quem vem do florista:Trouxe um bicho de pelúcia,Trouxe um broche de ametist...
 VERSOÉ CADA UMA DAS LINHAS QUE FORMAM UM POEMAESTROFEESTROFE OU ESTÂNCIA É O CONJUNTO DE VERSOS DE UM POEMA. DEACORDO CO...
AS FORMAS FIXAS DO POEMA HAICAI: POEMA DE ORIGEM JAPONESA, CONSTITUÍDO POR UMAESTROFE DE TRÊS VERSOS, CONTENDO 17 SÍLABAS...
SONETO SONETO (DO ITALIANO SONETTO, PEQUENA CANÇÃO OU,LITERALMENTE, PEQUENO SOM) É UM POEMA DE FORMAFIXA, COMPOSTO POR CA...
 Amor é fogo que arde sem se ver; Amor é fogo que arde sem se ver;É ferida que dói e não se sente;É um contentamento des...
Métrica É A MEDIDA DO VERSO. ESSE ESTUDO CHAMA-SE METRIFICAÇÃO OUESCANSÃO . AS SÍLABAS MÉTRICAS, OU POÉTICAS, DIFEREM DA...
DE ACORDO COM A METRIFICAÇÃO, OS VERSOS SÃOCLASSIFICADOS EM: Monossílabo : 1 sílaba Dissílabo : 2 sílabas Trissílabo : ...
 QUANDO UM POEMA APRESENTA VERSOS QUENÃO OBEDECEM A UMA REGULARIDADEMÉTRICA ( NÃO POSUEM O MESMO NÚMERO DESÍLABAS MÉTRICA...
 Amor é fogo que arde sem se ver;É ferida que dói e não se sente;É um contentamento descontente;É dor que desatina sem do...
RIMA A RIMA É UM RECURSO MUSICAL BASEADO NASEMELHANÇA SONORA DE PALAVRAS NO FINAL DEVERSOS ( RIMA EXTERNA ) E, ÀS VEZES, ...
 DISTANTE O MEU AMOR, SE ME AFIGURA (A)O AMOR COMO UM PATÉTICO TORMENTO (B)PENSAR NELE É MORRER DE DESVENTURA (A)NÃO PENS...
 “Salve Bandeira do Brasil queridaToda tecida de esperança e luzPálio sagrado sobre o qual palpitaA alma bendita do país ...
 RIMAS POBRES Consideram-se "pobres" as rimas de palavras da mesma classegramatical(substantivo / substantivo, verbo / v...
 RIMAS RARAS Diz-se que uma rima é rara quando obtidas com palavras para os quais só hajapoucas rimas possíveis. É o cas...
A NARRAÇÃO É UM DOS TIPOS LITERÁRIOS MAIS FECUNDOS,CUJO PRINCIPAL OBJETIVO É CONTAR UM FATO, UMAHISTÓRIA, QUE SIRVA COMO I...
TODO TEXTO NARRATIVO ESTÁ ESTRUTURA AO REDOR DE CINCOELEMENTOS:PERSONAGENS: São os indivíduos que participam do acontecime...
TEMPO: Pode ser analisado de duas maneiras: O intervalo de tempo em que o(s)fato(s) ocorre(m). Pode ser um tempo cronológi...
PROF. ALEXANDRE RODRIGUES
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Língua Portuguesa - O que é literatura

2.146 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

Língua Portuguesa - O que é literatura

  1. 1. Tinha suspirado,tinha beijado o papel devotamente!Era a primeira vez que lhe escreviam aquelas sentimentalidades,e o seu orgulho dilatava-se ao calor amoroso que saía delas,como um corpo ressequido que se estira num banho tépido;Sentia um acréscimo de estima por si mesma,e parecia-lhe que entrava enfimnuma existência superiormente interessante,onde cada hora tinha o seu encanto diferente,cada passo conduzia a um êxtase,e a alma se cobriade um luxo radioso de sensações!
  2. 2. O QUE É LITERATURA?ASSIM COMO A MÚSICA, A PINTURA E A DANÇA, A LITERATURA É CONSIDERADA UMA ARTE.ATRAVÉS DELA TEMOS CONTATO COM UM CONJUNTO DE EXPERIÊNCIAS VIVIDAS PELOHOMEM SEM QUE SEJA PRECISO VIVÊ-LAS. HÁ VÁRIOS CONCEITOS DE LITERATURA, QUEMUDAM DE ACORDO COM O TEMPO E O LUGAR, MAS QUE CONCENTRAM ELEMENTOSCOMUNS, QUE NOS PERMITEM CONSTRUIR CONCEITOS BASEADOS NA HISTÓRIA E EM SUASFUNÇÕESO TERMO LITERATURA VEM DO LATIM “LITTERIS”, QUE SIGNIFICA LETRAS. PORTANTO,PODEMOS DIZER QUE LITERATURA É O CONJUNTO DE SABERES ENVOLVIDOS NAPRODUÇÃO ESCRITA DE UMA ÉPOCA OU LUGAR.O TEXTO LITERÁRIO APRESENTA:-FICCIONALIDADE: OS TEXTOS NÃO FAZEM, NECESSARIAMENTE, PARTE DAREALIDADE, MAS DEVEM SER VEROSSÍMEIS.- FUNÇÃO ESTÉTICA: O ARTISTA PROCURA REPRESENTAR A REALIDADE APARTIR DA SUA VISÃO.- PLURISSIGNIFICAÇÃO: NOS TEXTOS LITERÁRIOS AS PALAVRASASSUMEM DIFERENTES SIGNIFICADOS.- SUBJETIVIDADE: EXPRESSÃO PESSOAL DE EXPERIÊNCIAS, EMOÇÕES ESENTIMENTOS.
  3. 3.  A LITERATURA É UMA FORMA DE ARTE QUERECRIA ASPECTOS DO MUNDO REAL ( MUNDO QUEPODEMOS APRENDER POR MEIO DE NOSSASEXPERIÊNCIAS) EM MUNDOS IMAGINÁRIOS.AS OBRAS LITERÁRIAS NOS AJUDAM ACOMPREENDER SOBRE NÓS MESMOS E SOBRE ASMUDANÇAS DO COMPORTAMENTO DO HOMEM AOLONGO DOS SÉCULOS; E, A PARTIR DOSEXEMPLOS, AJUDAM-NOS A REFLETIR SOBRE NÓSMESMOS.
  4. 4.  UM EXEMPLO DISSO SÃO OS CONTOS DAS MIL EUMA NOITES, QUE SÃO NARRATIVAS SOBREDIVERSOS ASSUNTOS DA HISTÓRIA E DOMUNDO ÁRABE E QUE POR MUITOS SÉCULOSFORAM TRANSMITIDOS SOMENTE DE FORMAORAL.MUITOS PENSAM QUE A LITERATURA É UMA ARTESOMENTE DA ESCRITA, MAS MESMO POVOS QUENÃO POSSUÍAM ESCRITA DESENVOLVERAM ALITERATURA SOB FORMA ORAL, CRIANDO ETRANSMITINDO TEXTOS SOB ESSA FORMA AOLONGO DE SÉCULOS.
  5. 5. O TEXTO LITERÁRIO PODE SER REPRESENTADOATRAVÉS DE DIFERENTES GÊNEROS TEXTUAIS. UM DOSMAIS ANTIGOS E UTILIZADOS É O POEMA.E É ESTE GÊNERO QUE VAMOS VER AGORA: POEMA X POESIAPOESIA: É O CARÁTER DO QUE EMOCIONA, TOCA A SENSIBILIDADE.SUGERE EMOÇÕES POR MEIO DE UMA LINGUAGEM.POEMA: TODA OBRA ESCRITA EM VERSOS, EM QUE HÁ POESIA.
  6. 6.  PODEMOS, PORTANTO, ENXERGAR POESIA EM DIVERSOSELEMENTOS DA VIDA HUMANA, NÃO SÓ EM UMAPRODUÇÃO ARTÍSTICA: O RISO DE UMA CRIANÇA;NO CANTO DE UM PÁSSARO;NO ENCANTO DE UM JARDIM.
  7. 7.  O POEMA, POR SUA VEZ, TEM UMA EXISTÊNCIACONCRETA, PODENDO SER IDENTIFICADO PORQUALQUER PESSOA.“Todos estes que aí estãoAtravancando o meu caminho,Eles passarão.Eu passarinho!”MÁRIO QUINTANA
  8. 8.  Tinha suspirado, tinha beijado o papeldevotamente!Era a primeira vez que lhe escreviam aquelassentimentalidades, e o seu orgulho dilatava-seao calor amoroso que saía delas, como umcorpo ressequido que se estira num banhotépido;Sentia um acréscimo de estima por si mesma,e parecia-lhe que entrava enfim numaexistência superiormente interessante, ondecada hora tinha o seu encanto diferente, cadapasso conduzia a um êxtase, e a alma secobria de um luxo radioso de sensações!EÇA DE QUEIRÓS – O PRIMO BASÍLIO
  9. 9.  OS ELEMENTOS DE UM POEMA:EU LÍRICOO EU-LÍRICO É O "EU" QUE FALA NO POEMA, TRANSMITINDO TODASAS SUASEMOÇÕES, SENTIMENTOS, EXPRESSÕES, OPINIÕES, CRÍTICAS.O EU LÍRICO NÃO É, NECESSARIAMENTE, O PRÓPRIO AUTOR DOPOEMA.EM MUITOS TEXTOS, O EU LÍRICO REPRESENTA UM SERTOTALMENTE DIFERENTE DAQUELE QUE COMPÔS O TRABALHO.
  10. 10. TeresinhaCHICO BUARQUEO primeiro me chegouComo quem vem do florista:Trouxe um bicho de pelúcia,Trouxe um broche de ametista.Me contou suas viagensE as vantagens que ele tinha.Me mostrou o seu relógio;Me chamava de rainha.Me encontrou tão desarmada,Que tocou meu coração,Mas não me negava nadaE, assustada, eu disse "não".O segundo me chegouComo quem chega do bar:Trouxe um litro de aguardenteTão amarga de tragar.Indagou o meu passadoE cheirou minha comida.Vasculhou minha gaveta;Me chamava de perdida.Me encontrou tão desarmada,Que arranhou meu coração,Mas não me entregava nadaE, assustada, eu disse "não".O terceiro me chegouComo quem chega do nada:Ele não me trouxe nada,Também nada perguntou.Mal sei como ele se chama,Mas entendo o que ele quer!Se deitou na minha camaE me chama de mulher.Foi chegando sorrateiroE antes que eu dissesse não,Se instalou feito um posseiroDentro do meu coração.
  11. 11.  VERSOÉ CADA UMA DAS LINHAS QUE FORMAM UM POEMAESTROFEESTROFE OU ESTÂNCIA É O CONJUNTO DE VERSOS DE UM POEMA. DEACORDO COM O NÚMERO DE VERSOS, A ESTROFE É CLASSIFICADA EM:1) MONÓSTICOÉ A ESTROFE COM APENASUM VERSO (UMA SÓ LINHA)2) DÍSTICOÉ A ESTROFE COM DOISVERSOS.3) TERCETOÉ A ESTROFE COM TRÊSVERSOS.4) QUADRAÉ A ESTROFE COM QUATROVERSOS.5) QUINTILHAÉ A ESTROFE COM CINCOVERSOS6) SEXTILHAÉ A ESTROFE COM SEISVERSOS.7) SÉTIMAÉ A ESTROFE COM SETEVERSOS.8) OITAVAÉ A ESTROFE COM OITOVERSOS.9) NONAÉ A ESTROFE COM NOVEVERSOS.10) DÉCIMAÉ A ESTROFE DE DEZVERSOS
  12. 12. AS FORMAS FIXAS DO POEMA HAICAI: POEMA DE ORIGEM JAPONESA, CONSTITUÍDO POR UMAESTROFE DE TRÊS VERSOS, CONTENDO 17 SÍLABAS: 5 SÍLABASNO 1º VERSO, 7 SÍLABAS NO 2º VERSO E 5 SÍLABAS NO 3 VERSO. EX:“Vem cá passarinhoE vamos brincar nós doisQue não temos ninho.”MILLÔR FERNANDES
  13. 13. SONETO SONETO (DO ITALIANO SONETTO, PEQUENA CANÇÃO OU,LITERALMENTE, PEQUENO SOM) É UM POEMA DE FORMAFIXA, COMPOSTO POR CATORZE VERSOS.PODE SER APRESENTADO EM TRÊS FORMAS DE DISTRIBUIÇÃODOS VERSOS:SONETO ITALIANO OU PETRARQUIANO: APRESENTADUAS ESTROFES DE QUATRO VERSOS (QUARTETOS) E DUAS DETRÊS VERSOS (TERCETOS);SONETO INGLÊS OU SHEAKESPERIANO: TRÊS QUARTETOS EUM DÍSTICO;SONETO MONOSTRÓFICO: APRESENTA UMA ÚNICA ESTROFE DE14 VERSOS.
  14. 14.  Amor é fogo que arde sem se ver; Amor é fogo que arde sem se ver;É ferida que dói e não se sente;É um contentamento descontente;É dor que desatina sem doer;É um não querer mais que bem querer;É solitário andar por entre a gente;É nunca contentar-se de contente;É cuidar que se ganha em se perder;É querer estar preso por vontade;É servir a quem vence, o vencedor;É ter com quem nos mata lealdade.Mas como causar pode seu favorNos corações humanos amizade,se tão contrário a si é o mesmo Amor?
  15. 15. Métrica É A MEDIDA DO VERSO. ESSE ESTUDO CHAMA-SE METRIFICAÇÃO OUESCANSÃO . AS SÍLABAS MÉTRICAS, OU POÉTICAS, DIFEREM DAS SÍLABASGRAMATICAIS EM ALGUNS ASPECTOS: CONTAM-SE AS SÍLABAS OUSONS ATÉ A TÔNICA DA ÚLTIMA PALAVRA DE UM VERSO. EXEMPLO:A-mo-te,ó-cruz,no-vér-ti-ce-fir-ma/da = 10 sílabasDe es-plên-di-das-i-gre/jas = 6 sílabas
  16. 16. DE ACORDO COM A METRIFICAÇÃO, OS VERSOS SÃOCLASSIFICADOS EM: Monossílabo : 1 sílaba Dissílabo : 2 sílabas Trissílabo : 3 sílabas Tetrassílabo: 4 sílabas Pentassílabo ou Redondilha Menor: 5 sílabas Hexassílabo ou Heróico Quebrado: 6 sílabas Heptassílabo ou Redondilha Maior: 7 sílabas Octossílabo: 8 sílabas Eneassílabo: 9 sílabas Decassílabo: 10 sílabas Hendecassílabo: 11 sílabas Dodecassílabo: 12 sílabas poéticas. Bárbaro: 13 ou mais sílabas poéticas.
  17. 17.  QUANDO UM POEMA APRESENTA VERSOS QUENÃO OBEDECEM A UMA REGULARIDADEMÉTRICA ( NÃO POSUEM O MESMO NÚMERO DESÍLABAS MÉTRICAS), DIZEMOS QUE ESSES SÃOVERSOS LIVRES.RITMOO RITMO É UMAALTERNAÇÃO UNIFORME DE SÍLABASTÔNICAS E ÁTONAS EM CADA VERSO DE UMA COMPOSIÇÃOPOÉTICA.O RITMO DE UM POEMAAINDA TEM MUITO A VER COM AMETRIFICAÇÃO DO POEMA E A CORRESPONDÊNCIA SONORAPROVOCADA PELA RIMA. TODO ESSE CONJUNTO DEELEMENTOS DETERMINA O RITMO DO POEMA..
  18. 18.  Amor é fogo que arde sem se ver;É ferida que dói e não se sente;É um contentamento descontente;É dor que desatina sem doer;PERCEBA QUE EM CADA VERSO OCORRE A TONICIDADENA 6ª E 10ª SÍLABA.ESSA REPETIÇÃO É QUE DÁ O RITMO AO POEMA.
  19. 19. RIMA A RIMA É UM RECURSO MUSICAL BASEADO NASEMELHANÇA SONORA DE PALAVRAS NO FINAL DEVERSOS ( RIMA EXTERNA ) E, ÀS VEZES, NO INTERIORDOS VERSOS ( RIMA INTERNA ). PARA CLASSIFICAR UMARIMA EM UM VERSO NÓS DEVEMOS IDENTIFICÁ-LASPOR UMA LETRA MAIÚSCULA, DENTRO DA SEQUÊNCIAALFABÉTICA. DE ACORDO COM ESSA SEQUÊNCIA, ELASSERÃO CLASSIFICADAS COMO INTERCALADAS,ALTERNADAS OU EMPARELHADAS. EXS:
  20. 20.  DISTANTE O MEU AMOR, SE ME AFIGURA (A)O AMOR COMO UM PATÉTICO TORMENTO (B)PENSAR NELE É MORRER DE DESVENTURA (A)NÃO PENSAR É MATAR MEU PENSAMENTO (B)NESTA ESTROFE TEMOS UM EXEMPLO DE RIMASALTERNADAS.
  21. 21.  “Salve Bandeira do Brasil queridaToda tecida de esperança e luzPálio sagrado sobre o qual palpitaA alma bendita do país da Cruz”OS VERSOS QUE NÃO APRESENTAM RIMAS ENTRE SI SÃO CHAMADOSDE VERSOS BRANCOS.INTROMISSÃOMinha amiga,deixa de choro,deixa de desespero,deixa de drama.a mais eterna das paixõesdura apenas uma semana.
  22. 22.  RIMAS POBRES Consideram-se "pobres" as rimas de palavras da mesma classegramatical(substantivo / substantivo, verbo / verbo, etc.), ou quando aspalavras finalizam em sons corriqueiros, triviais. Por exemplo: 1. As que se fazem com advérbios em [mente]: Alegremente - docemente -pobremente, etc. 2. As que se fazem com terminações: [ão] – coração, irmão; [eza] – beleza, natureza, tristeza; [or e dor] – amor, sonhador;RIMAS RICASQuando rimam palavras raras que surpreendem pela novidade, oupertencentes a classes gramaticais diversas:[brilha - maravilha];[saudade - nade];
  23. 23.  RIMAS RARAS Diz-se que uma rima é rara quando obtidas com palavras para os quais só hajapoucas rimas possíveis. É o caso, entre outros, de [cisne] que só há a rima [tisne];para [estirpe], só a forma verbal [extirpe]. Eis um exemplo: Um dia um cisne morrerá por certo: quando chegar esse momento incerto, no lago, onde talvez a água se tisne, nem nade nunca ao lado de outro cisne! (Julio Salusse)RIMAS PRECIOSASSão as rimas artificiais, feitas, forjadas com palavras combinadas, tais como:● [múmia com resume-a];● [vence-a com sonolência];Mandou-me o senhor vigárioque lhe comprasse uma lâmpadapara alumiar a estampa daSenhora do Rosário.Arthur de Azevedo
  24. 24. A NARRAÇÃO É UM DOS TIPOS LITERÁRIOS MAIS FECUNDOS,CUJO PRINCIPAL OBJETIVO É CONTAR UM FATO, UMAHISTÓRIA, QUE SIRVA COMO INFORMAÇÃO, APRENDIZADO OUENTRETENIMENTO.ENTRE OS GÊNERO LITERÁRIOS NARRATIVOS DESTACAMOS OROMANCE, A NOVELA, O CONTO, A CRÔNICA, A FÁBULA, OAPÓLOGO, A PARÁBOLA, ENTRE OUTROS.O TEXTO NARRATIVO
  25. 25. TODO TEXTO NARRATIVO ESTÁ ESTRUTURA AO REDOR DE CINCOELEMENTOS:PERSONAGENS: São os indivíduos que participam do acontecimento e que estãosendo citados pelo narrador. Há sempre um núcleo principal da narrativa que giraem torno de um ou dois personagens, chamados de personagens centrais ouprincipais (protagonistas). Os personagens antagonistas são aqueles que, dealguma maneira, atuam contra os protagonistas. Temos ainda os personagenssecundários ou coadjuvantes, com histórias e pequenos conflitos que cercam osprotagonistas.ENREDO: É o fato em si. Aquilo que ocorre e que está sendo narrado. apresentauma determinada estrutura:- Apresentação;- Complicação ou desenvolvimento;- Clímax;- Desfecho.
  26. 26. TEMPO: Pode ser analisado de duas maneiras: O intervalo de tempo em que o(s)fato(s) ocorre(m). Pode ser um tempo cronológico, ou seja, um tempoespecificado durante o texto, ou um tempo psicológico, onde você sabe queexiste um intervalo em que as ações ocorreram, mas não se consegue distingui-lo,é o tempo que está na mente do narrador e das personagens.Além desses, podemos pensar no tempo da narração, que é aquele momento emque a história está sendo contada e no tempo da narrativa, que é o momento emque a história ocorre.ESPAÇO: Descreve os locais e ambientes em que a história acontece. Muitasvezes interfere diretamente nas características das personagens.FOCO NARRATIVO : É o ponto de vista de quem narra o fato. Pode ser emprimeira pessoa, o qual, por participar da história, é chamado narradorpersonagem, podendo ser protagonista ou coadjuvante. Possui um olhar limitadoe, muitas vezes, subjetivo sobre o fato. Podemos ter também um narrador emterceira pessoa, o qual não participa dos fatos. Pode ser um narradorobservador, limitando-se a narrar os acontecimentos ou um narradoronisciente, sabendo tudo sobre cada uma das personagens, suas açõese, inclusive, pensamentos.
  27. 27. PROF. ALEXANDRE RODRIGUES

×