Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Área de
Integração
1.2 PESSOA E CULTURA
Níveis de desempenho
• Discutir o conceito de Pessoa partindo de referências etimológicas, históricas e
simbólicas.
• Comp...
Níveis de desempenho
• Identificar alguns agentes de socialização e suas estratégias: a família; a escola; a
comunicação s...
PESSOA
• O substantivo feminino singular da língua portuguesa «pessoa»
deriva etimologicamente da palavra latina persona.
...
PERSONALIDADE
• Segundo Alport, um dos maiores estudiosos da personalidade
humana, a personalidade pode ser definida como ...
PERSONALIDADE
• Para Carl Jung, a personalidade saudável é aquela que consegue o
equilíbrio entre o consciente e o inconsc...
HEREDITARIEDADE
• O padrão genético influencia as características da personalidade
que um indivíduo desenvolverá. Por exem...
HEREDITARIEDADE
• Fatores corporais ou orgânicos como o peso, a altura ou o
funcionamento dos órgãos dos sentidos podem af...
MEIO FÍSICO
• O aspeto que menos nos condiciona enquanto seres em formação.
• É verdade que lugares com condições geográfi...
MEIO SOCIAL
• O meio social desempenha um papel determinante na construção
da personalidade.
• Esta forma-se num processo ...
MEIO SOCIAL
• O contexto em que estamos inseridos e as pessoas com quem
estabelecemos relações contribuem para o desenvolv...
EXPERIÊNCIAS
• A qualidade das relações iniciais e a relação mãe/filho são
fundamentais na estruturação e organização da p...
EXPERIÊNCIAS
• Ao longo de toda a vida verificam-se acontecimentos que marcam a
personalidade de quem os vive, tais como: ...
CULTURA
• No sentido corrente, cultura é o “Conjunto de conhecimentos em
domínios considerados «nobres».
Ex: considera-se ...
CULTURA E PERSONALIDADE
• Quando nasce, o ser humano é “uma tábua rasa” (John Locke).
• Ao tomar conhecimento do que a rod...
ELEMENTOS
DA CULTURA
Material
inclui todos os
utensílios criados
pelo ser humano.
Imaterial
inclui os princípios
da vida s...
PADRÕES DE CULTURA
• Padrões de cultura: ”Conjuntos específicos de maneiras de
pensar, sentir e agir e exclusivos dos grup...
SOCIALIZAÇÃO
• Todas as sociedades têm os seus padrões de cultura. É este que
garante o entendimento dos indivíduos.
• É e...
Mecanismos
de
Socialização
aprendizagem
tentativas
erros
repetições
Imitação
observação
cópia
identificação
apropriação
có...
AGENTES DE SOCIALIZAÇÃO
• Primária: a família. Para a criança, a socialização faz-se por via
afetiva.
• Secundária (proces...
ETAPAS DA SOCIALIZAÇÃO
• Infância: período de maior aprendizagem cultural da vida do ser
humano, que aprende sua primeira ...
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
• Opinião pública designa a opinião geral de uma sociedade.
Aqui se inserem as ideias consider...
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
Fatores sociais Fatores psicológicos – persuasão
e estereótipos
A sociedade a que se pertence,...
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
Ex: Grupos Ex: Líderes Ex. Mass Media
Todos nós pertencemos a
grupos, onde partilhamos
opiniõe...
ACULTURAÇÃO
• NATUREZA DAS RELAÇÕES CULTURAIS:
– Coexistência Cultural: ocorre quando há convivência entre duas
ou mais cu...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Módulo 1 1.2.

15.100 Aufrufe

Veröffentlicht am

Área de Integração

Veröffentlicht in: Bildung
  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Módulo 1 1.2.

  1. 1. Área de Integração 1.2 PESSOA E CULTURA
  2. 2. Níveis de desempenho • Discutir o conceito de Pessoa partindo de referências etimológicas, históricas e simbólicas. • Compreender o modo como se estrutura a personalidade: corpo e herança biológica; meio, cultura e herança cultural. • Reconhecer a existência de diferentes contextos com os quais as comunidades humanas se deparam: a relatividade cultural; os padrões de cultura e aculturação como indutores de comportamentos comuns/grupais. • Problematizar algumas características do Homem como ser social: a interferência sobre o meio e o seu recíproco; a adaptação como meio de sobrevivência. • Relacionar desenvolvimento pessoal e inserção social: a socialização entre pares etários e entre gerações.
  3. 3. Níveis de desempenho • Identificar alguns agentes de socialização e suas estratégias: a família; a escola; a comunicação social; a moda; a publicidade. • Compreender a importância da opinião pública como instrumento de controlo dos comportamentos individuais. • Bibliografia • Borregana, António (1998), Fernando Pessoa e Heterónimos: o texto em análise, Lisboa, Texto Editora. • Chevalier, Jean; Gheerbrant, Alain (1994), Dicionário dos Símbolos, Lisboa, Teorema. • Enciclopédia Einaudi (vd. Tema-problema 1.1.) • Ishiguro, Kasuo (1991), Os Despojos do Dia, Lisboa, Gradiva. • Lessing, Doris (1990), Os Diários de Jane Somers: diário de uma boa vizinha, col. Século XX, Lisboa, Europa-América. • Sarraute, Natalie (1984), Infância, Lisboa, Publicações D. Quixote
  4. 4. PESSOA • O substantivo feminino singular da língua portuguesa «pessoa» deriva etimologicamente da palavra latina persona. • A palavra persona significava o mesmo que a palavra grega prósopon: máscara e personagem. • Em português familiar, pessoa é sinónimo de ser humano. • Pessoa significa atualmente indivíduo, considerado em si mesmo, homem ou mulher, ser humano; personagem social. • “Pessoa é a característica do indivíduo dotado de personalidade”.
  5. 5. PERSONALIDADE • Segundo Alport, um dos maiores estudiosos da personalidade humana, a personalidade pode ser definida como «a organização psicodinâmica dos sistemas psicofísicos do indivíduo que determinam o seu comportamento e pensamento característico». • A personalidade é uma construção pessoal que fazemos ao longo da vida, da forma como sentimos as nossas experiências. • A personalidade é o que nos torna únicos, diferentes de todos. • Diz respeito às nossas características pessoais. É o que permite que nos reconheçamos e que sejamos reconhecidos pelos outros.
  6. 6. PERSONALIDADE • Para Carl Jung, a personalidade saudável é aquela que consegue o equilíbrio entre o consciente e o inconsciente, entre a vida interior e exterior. • A formação da personalidade é um processo complexo, gradual e único. • São três os fatores que influenciam a personalidade: – influências hereditárias; – meio (físico e social); – experiências pessoais.
  7. 7. HEREDITARIEDADE • O padrão genético influencia as características da personalidade que um indivíduo desenvolverá. Por exemplo, um mal que afete o cérebro, herdado ou causado à nascença pode ter grande influência sobre o comportamento da pessoa. • As alterações individuais do organismo, concretamente a constituição física e o funcionamento do sistema nervoso, que são em grande parte hereditários, podem também ter reflexos na personalidade do ser humano.
  8. 8. HEREDITARIEDADE • Fatores corporais ou orgânicos como o peso, a altura ou o funcionamento dos órgãos dos sentidos podem afetar o desenvolvimento da personalidade. • O estudo dos gémeos é um dos métodos usados para analisar o papel da hereditariedade. Este estudo demonstrou que, na generalidade, é nas características da personalidade que a semelhança é menor, em comparação com as semelhanças físicas e intelectuais.
  9. 9. MEIO FÍSICO • O aspeto que menos nos condiciona enquanto seres em formação. • É verdade que lugares com condições geográficas e ambientais mais agradáveis produzem seres humanos mais alegres e comunicativos. O oposto é também verdade. No entanto, podemos encontrar pessoas com uma personalidade depressiva no Brasil ou a pessoa mais feliz na Islândia.
  10. 10. MEIO SOCIAL • O meio social desempenha um papel determinante na construção da personalidade. • Esta forma-se num processo interativo com tudo o que envolve a vida em sociedade: a família, o grupo de amigos, a escola, o trabalho, ... • A família tem um papel muito importante, principalmente nos primeiros anos de vida pelas características e qualidade das relações existentes.
  11. 11. MEIO SOCIAL • O contexto em que estamos inseridos e as pessoas com quem estabelecemos relações contribuem para o desenvolvimento da personalidade, uma vez que conduzem à aquisição de valores, atitudes, normas, comportamentos e construção de padrões de relacionamento com os outros. • Quanto mais próximo é o relacionamento de duas pessoas, mais é provável que as características da sua personalidade sejam semelhantes.
  12. 12. EXPERIÊNCIAS • A qualidade das relações iniciais e a relação mãe/filho são fundamentais na estruturação e organização da personalidade. • A complexidade das relações familiares vai influenciar as capacidades cognitivas, linguísticas, afetivas, de autonomia, de socialização e de construção de valores das crianças e jovens. • A adolescência é a época da vida humana mais importante na formação de uma identidade, que se reflete no vestir, nas ideias defendidas e nas formas de se expressar.
  13. 13. EXPERIÊNCIAS • Ao longo de toda a vida verificam-se acontecimentos que marcam a personalidade de quem os vive, tais como: mortes, violações, frustrações, cura de uma doença grave, divórcio. • A forma como conseguimos (ou não) superá-las e integrá-las na nossa vida traduzem a nossa personalidade.
  14. 14. CULTURA • No sentido corrente, cultura é o “Conjunto de conhecimentos em domínios considerados «nobres». Ex: considera-se culta uma pessoa que domine bem conhecimentos de literatura, filosofia, música ou arte. • Em sentido sociológico, refere-se ao “Conjunto de maneiras de pensar, sentir e agir específicas de um grupo social”. Ex: cumprimentar baixando a cabeça com respeito ou comer peixe cru são alguns dos traços da cultura japonesa.
  15. 15. CULTURA E PERSONALIDADE • Quando nasce, o ser humano é “uma tábua rasa” (John Locke). • Ao tomar conhecimento do que a rodeia, a criança vai assimilando, de forma gradual, valores, normas e regras. • O comportamento é regulado pelos padrões de conduta do grupo, mostrando que o conhecimento resulta de uma aprendizagem. • A sua personalidade vai sendo moldada pelo contacto com o grupo e pelos padrões de conduta do espaço em que se insere.
  16. 16. ELEMENTOS DA CULTURA Material inclui todos os utensílios criados pelo ser humano. Imaterial inclui os princípios da vida social: valores, normas, costumes, ideologias...
  17. 17. PADRÕES DE CULTURA • Padrões de cultura: ”Conjuntos específicos de maneiras de pensar, sentir e agir e exclusivos dos grupos sociais”. • Os padrões de cultura (normas específicas de uma população que a permitem identificar e distinguir de outras) moldam o indivíduo. • O facto de frequentarmos vários grupos ao longo da vida, às vezes com regras específicas um pouco diferentes entre si, faz com que absorvamos ideias de muitos lados e que as levemos connosco para onde quer que vamos.
  18. 18. SOCIALIZAÇÃO • Todas as sociedades têm os seus padrões de cultura. É este que garante o entendimento dos indivíduos. • É esse processo de ensino-aprendizagem da cultura de um grupo que chamamos de socialização. É um processo: √ permanente; √ dinâmico; √ de ensino e aprendizagem da cultura; √ que tem em vista a integração social; √ que tem como consequência a coesão social.
  19. 19. Mecanismos de Socialização aprendizagem tentativas erros repetições Imitação observação cópia identificação apropriação cópia
  20. 20. AGENTES DE SOCIALIZAÇÃO • Primária: a família. Para a criança, a socialização faz-se por via afetiva. • Secundária (processos posteriores de aprendizagem social): – A escola; – Os amigos; – Os mass media; – Outras instituições.
  21. 21. ETAPAS DA SOCIALIZAÇÃO • Infância: período de maior aprendizagem cultural da vida do ser humano, que aprende sua primeira língua e começa a ter o seu comportamento moldado pelo convívio social com a família. • Adolescência: o contacto com os pares, as novidades decorrentes de uma nova realidade como o grupo de amigos, permite uma nova forma de socialização. • Maturidade ou idade adulta: os mass media, o trabalho… trazem consigo valores, normas e crenças agregadas à realidade social e cultural na qual o indivíduo se insere.
  22. 22. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA • Opinião pública designa a opinião geral de uma sociedade. Aqui se inserem as ideias consideradas corretas pela maior parte da sociedade, que seguem um padrão ético-moral segundo a cultura, condições sociais e, em alguns casos, a religião de uma determinada sociedade. • Forma-se com base em alguns fatores: • sociais; • psicológicos; • mass media; • influência de grupos; • influência de líderes.
  23. 23. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA Fatores sociais Fatores psicológicos – persuasão e estereótipos A sociedade a que se pertence, a classe social e as várias relações estabelecidas interferem na formação da opinião pública. “Toda a opinião é uma opinião de classe, uma opinião determinada pelo grupo social em que se vive.” (Marx) Relaciona-se com o conjunto de crenças e ideologias que tem disposição para expressar-se. Os estereótipos são fantasias que determinam atitudes que podem levar à ação. Pessoas, frases e modelos podem transformar-se em estereótipos. Criar estereótipos, alterar e induzir opiniões requer a persuasão.
  24. 24. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA Ex: Grupos Ex: Líderes Ex. Mass Media Todos nós pertencemos a grupos, onde partilhamos opiniões, finalidades e objetivos. É no interior destes grupos que as opiniões se formam, sejam elas de apoio ou oposição. Indivíduos que se destacam dos restantes do grupo. Caracterizam-se pela forte personalidade e poder de persuasão. Conseguem mobilizar o grupo e atribuir uma sensação de realização de um objetivo. Os mass media, através de persuasão direta ou indireta têm o poder de controlar as notícias e as ideias, formando a opinião pública e, com isso, exercendo uma verdadeira manipulação de massas.
  25. 25. ACULTURAÇÃO • NATUREZA DAS RELAÇÕES CULTURAIS: – Coexistência Cultural: ocorre quando há convivência entre duas ou mais culturas. – Troca Cultural: quando alguns elementos culturais se unificam devido a trocas comerciais, matrimónio ou guerras. – Fusão Cultural: quando os elementos culturais de duas ou mais culturas se misturam e dão origem a uma nova cultura. – Segregação Cultural: quando se verifica a recusa de qualquer tipo de aculturação.

×