Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Romantismo brasileiro 3ª Geração:  Condoreirismo
3ª Geração Romântica <ul><li>I – Objetivos, influências e características: </li></ul><ul><li>Geração condoreira ou hugoana...
3ª Geração Romântica <ul><li>A poesia da 3ª geração não é mais voltada para o ego, mas para a sociedade. </li></ul><ul><li...
Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871): <ul><li>I – Biografia: </li></ul><ul><li>Baiano. </li></ul><ul><li>Foi com ...
Castro Alves <ul><li>1867: abandonou Recife e voltou à Bahia. </li></ul><ul><li>Consagração dele e de sua amante (Eugênia ...
Castro Alves <ul><li>II – A época de Castro Alves: </li></ul><ul><li>Questão Coimbrã (Portugal); </li></ul><ul><li>Positiv...
Castro Alves <ul><li>III – Poesia social: </li></ul><ul><li>Castro Alves foi capaz de unir arte literária com poesia socia...
Castro Alves <ul><li>Linguagem grandiosa, com hipérboles, metáforas, antíteses e espaços amplos. </li></ul><ul><li>Poesia ...
Castro Alves <ul><li>“ Navio Negreiro” – poema épico-dramático (exaltação dos africanos). </li></ul><ul><li>Tema: tráfico ...
Castro Alves <ul><li>Poesia lírica:   </li></ul><ul><li>Em relação aos outros poetas românticos, apresenta avanços: </li><...
Joaquim de Sousa Andrade – Sousândrade (1833-1902): <ul><li>I – Biografia: </li></ul><ul><li>Maranhense, filho de fazendei...
Sousândrade <ul><li>II – Características: </li></ul><ul><li>Cronologicamente, pertenceria à 2ª geração. </li></ul><ul><li>...
Sousândrade <ul><li>III – Principais Obras: </li></ul><ul><li>A)  Guesa errante . </li></ul><ul><li>   Guesa: jovem índio...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Romantismo brasileiro 3a_geracao

10.996 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Romantismo brasileiro 3a_geracao

  1. 1. Romantismo brasileiro 3ª Geração: Condoreirismo
  2. 2. 3ª Geração Romântica <ul><li>I – Objetivos, influências e características: </li></ul><ul><li>Geração condoreira ou hugoana. </li></ul><ul><li>condor: ave que alça voos altos; assim, ela pode ver tudo de um ponto elevado, diferenciado, como os poetas dessa geração. Como gênios, eles tinham o dever de orientar os “homens comuns” para os caminhos da liberdade. </li></ul><ul><li>Victor Hugo: poeta francês que escrevia poesia político-social. Obra principal: Os miseráveis . </li></ul>
  3. 3. 3ª Geração Romântica <ul><li>A poesia da 3ª geração não é mais voltada para o ego, mas para a sociedade. </li></ul><ul><li>Os poetas condoreiros estavam comprometidos com o abolicionismo e com a república. </li></ul><ul><li>A linguagem é grandiloquente, com o fim de convencer, pela oratória, o público-leitor a respeito das ideias que eles pregavam. </li></ul>
  4. 4. Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871): <ul><li>I – Biografia: </li></ul><ul><li>Baiano. </li></ul><ul><li>Foi com o irmão para Recife após as primeiras séries. </li></ul><ul><li>Lá, percebeu que tinha doença pulmonar. </li></ul><ul><li>Romance com uma atriz portuguesa. </li></ul><ul><li>O irmão ficou mentalmente desequilibrado. </li></ul><ul><li>1864: começou a estudar Direito e seu irmão cometeu suicídio. </li></ul>
  5. 5. Castro Alves <ul><li>1867: abandonou Recife e voltou à Bahia. </li></ul><ul><li>Consagração dele e de sua amante (Eugênia Câmara) na apresentação de Gonzaga ( A Revolução de Minas ). </li></ul><ul><li>1868: chegada a São Paulo com Eugênia e Rui Barbosa. Ingressa na São Francisco. </li></ul><ul><li>Apresentação de “Navio Negreiro” (07/09/1868). </li></ul><ul><li>Ferimento no pé com arma de fogo e consequente amputação. </li></ul><ul><li>Retorno à Bahia, onde a doença pulmonar agravou-se e ele morreu. </li></ul>
  6. 6. Castro Alves <ul><li>II – A época de Castro Alves: </li></ul><ul><li>Questão Coimbrã (Portugal); </li></ul><ul><li>Positivismo (Augusto Comte); </li></ul><ul><li>Socialismo (Marx e Engels); </li></ul><ul><li>Evolucionismo (Darwin); </li></ul><ul><li>Lutas operárias; </li></ul><ul><li>Declínio da Monarquia (pensamento republicano); </li></ul><ul><li>Luta abolicionista; </li></ul><ul><li>Guerra do Paraguai. </li></ul>
  7. 7. Castro Alves <ul><li>III – Poesia social: </li></ul><ul><li>Castro Alves foi capaz de unir arte literária com poesia social. </li></ul><ul><li>Ponto comum a Álvares de Azevedo: desejo de mudar a sociedade (Castro Alves posiciona-se a respeito; Álvares de Azevedo não passa do desejo). </li></ul><ul><li>Indicação dos aspectos feios da pátria: a escravidão, a opressão e a ignorância. Defesa de ideais republicanos. </li></ul>
  8. 8. Castro Alves <ul><li>Linguagem grandiosa, com hipérboles, metáforas, antíteses e espaços amplos. </li></ul><ul><li>Poesia que prenuncia o Realismo, ao demonstrar criticismo, objetividade e novas tendências formais. </li></ul><ul><li>Linguagem carregada de emoção e ideias liberais fazem de sua poesia representante do Romantismo brasileiro. </li></ul><ul><li>Poemas: “Vozes D’África”, “Canção do africano”, “Saudação a Palmares”, “Tragédia no mar” e “Navio Negreiro”. </li></ul>
  9. 9. Castro Alves <ul><li>“ Navio Negreiro” – poema épico-dramático (exaltação dos africanos). </li></ul><ul><li>Tema: tráfico negreiro, abolicionismo, nacionalismo. </li></ul><ul><li>6 partes: </li></ul><ul><li>Descrição do cenário, exaltação da beleza natural. </li></ul><ul><li>Elogio aos marinheiros, exaltação da beleza humana. </li></ul><ul><li>Descrição do navio negreiro: um quadro de horror em oposição às belezas anteriormente descritas. </li></ul><ul><li>Descrição do navio negreiro e do sofrimento dos escravos. </li></ul><ul><li>Imagem do passado livre dos negros na África, em oposição ao momento que eles viviam ali. </li></ul><ul><li>Outra oposição: a África livre e um país que se beneficia com a escravidão. </li></ul>
  10. 10. Castro Alves <ul><li>Poesia lírica: </li></ul><ul><li>Em relação aos outros poetas românticos, apresenta avanços: </li></ul><ul><li>Abandono do amor convencional e abstrato dos clássicos; </li></ul><ul><li>perda do medo de amar, típico dos românticos; </li></ul><ul><li>transformação da mulher num ser corporificado e concretizado, não sendo mais a virgem pálida dos ultrarromânticos; tipo de Eugênia Câmara. </li></ul><ul><li>Superando tais convenções amorosas infantis, ele caminha rumo ao amor mais objetivo, mais adulto, que pode trazer tanto a felicidade quanto a dor (aproximação do Realismo). </li></ul>
  11. 11. Joaquim de Sousa Andrade – Sousândrade (1833-1902): <ul><li>I – Biografia: </li></ul><ul><li>Maranhense, filho de fazendeiros. </li></ul><ul><li>Estudou Letras e Engenharia na França. </li></ul><ul><li>Cansado da aristocracia rural do Maranhão, pôs-se a viajar: Amazônia, França, Inglaterra, Estados Unidos, Bélgica, Chile... </li></ul><ul><li>Após a proclamação da República, voltou ao Maranhão. </li></ul><ul><li>Morreu sozinho e em miséria, em 1902. </li></ul>
  12. 12. Sousândrade <ul><li>II – Características: </li></ul><ul><li>Cronologicamente, pertenceria à 2ª geração. </li></ul><ul><li>Os ideais abolicionistas e republicanos enquadram-no na 3ª geração. </li></ul><ul><li>Algumas ideias: </li></ul><ul><li>Unificação das Américas; </li></ul><ul><li>recuperação da cultura indígena; </li></ul><ul><li>crítica ao sistema financeiro de Wall Street. </li></ul><ul><li> Sua obra foi rejeitada pela crítica da época, sendo resgatada e respeitada a partir de 1960. </li></ul>
  13. 13. Sousândrade <ul><li>III – Principais Obras: </li></ul><ul><li>A) Guesa errante . </li></ul><ul><li> Guesa: jovem índio que será sacrificado. </li></ul><ul><li> O índio escapa dos sacerdotes e vai para Wall Street. </li></ul><ul><li> Os novos sacerdotes serão os capitalistas nova-iorquinos. </li></ul><ul><li>B) Novo Éden . </li></ul><ul><li> O fim da monarquia é comparado à queda de Adão e Eva no paraíso. </li></ul>

×