Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Oncoquimioterápicos Aula 14
Programa <ul><li>Causas do câncer: mutações em proto-oncogenes e genes supressores de tumores; alterações no sistema de ap...
A multiplicidade do câncer <ul><li>Do ponto de vista molecular, não há algo como “o” câncer. </li></ul><ul><li>Diferentes ...
http://www.phdcomics.com/comics. php ?f=1162
Um exemplo <ul><li>Patched e Smoothened são o receptor e o co-receptor para um peptídeo de sinalização, sonic hedgehog. Ta...
Causas do câncer <ul><li>Células normais respondem a sinais, como inibição por contato, que fazem com que parem de se prol...
 
Oncogenes e fatores de crescimento
Oncogenes e vias de sinalização <ul><li>Os genes que codificam proteínas envolvidas nas cascatas de transdução de sinal do...
Oncogenes e o ciclo celular <ul><li>O crescimento das células envolve a replicação de DNA e a divisão celular durante o ci...
Oncogenes, ciclinas e CDKs
Genes supressores de tumores Câncer de mama Núcleo BRACA 1 Reparo do DNA Neurofibrossarcoma Sob as membranas celulares NF-...
Mutações no  Rb
p53 e inibição do ciclo celular <ul><li>Em resposta a mutagênicos, os níveis de p53 aumentam. </li></ul><ul><li>A p53, agi...
Apoptose
Câncer e apoptose <ul><li>Oncogenes podem criar células resistentes à apoptose. </li></ul><ul><li>Uma das formas para que ...
Oncoquimioterápicos
Inibição da mitose por citostáticos
Classes de citostáticos <ul><li>Agentes alquilantes:  transferem resíduos de alquil para o DNA, fazendo uma ligação cruzad...
 
Antineoplásicos <ul><li>Agem sobre células neoplásicas que apresentam certas características metabólicas alteradas. </li><...
Alvos dos antineoplásicos
Mecanismos de resistência aos citostáticos <ul><li>Diminuição da captação celular da droga. </li></ul><ul><li>Aumento na e...
 
http://www.slideshare.net/caio_maximino/biomedicina-aula14
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Aula 14 Biomedicina

6.801 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung, Technologie
  • Als Erste(r) kommentieren

Aula 14 Biomedicina

  1. 1. Oncoquimioterápicos Aula 14
  2. 2. Programa <ul><li>Causas do câncer: mutações em proto-oncogenes e genes supressores de tumores; alterações no sistema de apoptose; alterações no sistema de reparo do DNA. </li></ul><ul><li>Oncogenes e cascatas de transdução de sinal; oncogenes e o ciclo celular. </li></ul><ul><li>Genes supressores de tumor: p53 e reguladores da Ras. </li></ul><ul><li>Apoptose. </li></ul><ul><li>Oncoquimioterapia: agentes alquilantes, antimetabólitos, antibióticos, antimitóticos, hormônios. </li></ul><ul><li>Mecanismos de resistência aos citostáticos. </li></ul>
  3. 3. A multiplicidade do câncer <ul><li>Do ponto de vista molecular, não há algo como “o” câncer. </li></ul><ul><li>Diferentes tipos de células utilizam diferentes mecanismos pelos quais perdem a capacidade de controlar seu próprio crescimento. </li></ul>
  4. 4. http://www.phdcomics.com/comics. php ?f=1162
  5. 5. Um exemplo <ul><li>Patched e Smoothened são o receptor e o co-receptor para um peptídeo de sinalização, sonic hedgehog. Tanto a mutação de smoothened , um oncogene, quanto a inativação de patched , um gene supressor de tumores, pode levar a um carcinoma de células basais. </li></ul><ul><li>Da mesma forma, o fator de crescimento β e suas proteínas de transdução de sinal SMAD4 e DPC são parte da mesma via de inibição do crescimento, e podem estar ausentes no câncer de colo. </li></ul><ul><li>Tratamentos que apresentam sucesso para um paciente podem não ter sucesso em outro, por causa das diferenças nas bases moleculares de cada doença individual. </li></ul>
  6. 6. Causas do câncer <ul><li>Células normais respondem a sinais, como inibição por contato, que fazem com que parem de se proliferar. </li></ul><ul><li>As células cancerígenas são resistentes a sinais inibidores do crescimento e à apoptose. </li></ul>
  7. 8. Oncogenes e fatores de crescimento
  8. 9. Oncogenes e vias de sinalização <ul><li>Os genes que codificam proteínas envolvidas nas cascatas de transdução de sinal dos fatores de crescimento também podem ser proto-oncogenes. </li></ul><ul><li>Quando um fator de crescimento liga-se à Ras, ela se ativa; como GPCR, a Ras se inativa lentamente hidrolizando o GTP que está ligado a ela (controle do tempo). </li></ul><ul><li>Mutações pontuais na Ras diminuem a atividade do domínio de GTPase da Ras, aumentando o tempo em que ela se mantém na forma ativa </li></ul><ul><li>Quando a Ras está ativa, ela ativa a Raf, que ativa a MEK, que ativa a MAP quinase, que fosforila proteínas citoplasmáticas e nucleares – o que aumenta a transcrição dos proto-oncogenes myc e fos . </li></ul><ul><li>Mutações nos genes das proteínas que regulam a atividade da MAP quinase levam à proliferação incontrolada da célula. </li></ul>
  9. 10. Oncogenes e o ciclo celular <ul><li>O crescimento das células envolve a replicação de DNA e a divisão celular durante o ciclo celular. </li></ul><ul><li>A ativação desse processo é feita por ciclinas e quinases dependentes de ciclinas que controlam o progresso de uma fase do ciclo a outra. </li></ul><ul><li>Essa atividade também é regulada por inibidores das quinases dependentes de ciclina, que regulam a velocidade com que o ciclo acontece. </li></ul>
  10. 11. Oncogenes, ciclinas e CDKs
  11. 12. Genes supressores de tumores Câncer de mama Núcleo BRACA 1 Reparo do DNA Neurofibrossarcoma Sob as membranas celulares NF-1 Transdução de sinal Câncer pancreático e coloretal Citoplasma/núcleo SMAD4/DPC A maioria dos cânceres Núcleo p53 Apoptose Retinoblastoma, sarcomas Núcleo Rb Melanoma, câncer de pulmão, câncer pancreático Núcleo p16 Regulador do ciclo celular Tumor de Wilms Núcleo WT-1 Fator de transcrição Câncer de colon Membrana celular Receptor TGF- β Carcinoma de célula basal Membrana celular PATCHED Receptor Câncer de estômago Membrana celular E-caderina Proteínas de adesão Doenças associadas Localização Proteína Classe
  12. 13. Mutações no Rb
  13. 14. p53 e inibição do ciclo celular <ul><li>Em resposta a mutagênicos, os níveis de p53 aumentam. </li></ul><ul><li>A p53, agindo como fator de transcrição, estimula a transcrição de p21 (um CKI), que vai inibir a atividade do complexo ciclina-CDK. </li></ul><ul><li>A p53 também estimula a transcrição da GADD45, uma enzima de reparo do DNA. Esse reparo inibe a produção de p53. </li></ul><ul><li>Se o reparo não é bem-sucedido, a p53 ativa dois genes pró-apoptóticos, bax e IGF-BP3 </li></ul>
  14. 15. Apoptose
  15. 16. Câncer e apoptose <ul><li>Oncogenes podem criar células resistentes à apoptose. </li></ul><ul><li>Uma das formas para que isso ocorra é a ativação de vias de sinalização que inibam a apoptose, como a via PDGF/Akt/BAD. </li></ul><ul><li>A BAD não-fosforilada age como a Bid na promoção da apoptose; a ligação da PDGF ao seu receptor ativa a PI-3 quinase, que fosforila e ativa a proteína quinase B. A ativação da PKB resulta na fosforilação da BAD, o que a inativa. </li></ul>
  16. 17. Oncoquimioterápicos
  17. 18. Inibição da mitose por citostáticos
  18. 19. Classes de citostáticos <ul><li>Agentes alquilantes: transferem resíduos de alquil para o DNA, fazendo uma ligação cruzada entre dois pontos da fita dupla – o que torna a leitura correta impossível. </li></ul><ul><li>Antibióticos citostáticos: inserem-se na fita dupla de DNA, o que pode levar à quebra da fita. </li></ul><ul><li>Epipodofilotoxinas: Inibem a topoisomerase II, causando uma quebra da fita pela inibição do re-selamento da fita dupla. </li></ul><ul><li>Inibidores da síntese de nucleobases: Inibem a dihidrofolato redutase, enzima necessária para a formação do ácido tetrahidrofólico – que, por sua vez, é necessário para a síntese de purinas e timidina. </li></ul><ul><li>Antimetabólitos: Nucleobases defeituosas (como a 6-mercaptopurina ou a 5-fluorouracila) ou nucleosídeos com açúcares incorretos (como a citarabina) inibem a síntese de DNA/RNA ou levam à síntese de ácidos nucléicos missense . </li></ul>
  19. 21. Antineoplásicos <ul><li>Agem sobre células neoplásicas que apresentam certas características metabólicas alteradas. </li></ul><ul><li>Imatinib: Inibe uma tirosina quinase mutante (que apresenta atividade constitutiva). </li></ul><ul><li>Asparaginase: cliva o aminoácido asparagina em aspartato e amônia (certas células neoplásicas necessitam da asparagina para a síntese de proteínas). </li></ul><ul><li>Trastuzumab: Anticorpo monoclonal que se liga ao receptor HER2, cuja densidade é alta em certos tipos de câncer de mama. Quando o anticorpo está ligado, o sistema imune reconhece essas células como elementos a serem eliminados. </li></ul>
  20. 22. Alvos dos antineoplásicos
  21. 23. Mecanismos de resistência aos citostáticos <ul><li>Diminuição da captação celular da droga. </li></ul><ul><li>Aumento na extrusão da droga por amplificação do mdr1 . </li></ul><ul><li>Diminuição na bioativação de uma pró-droga (p. ex., citarabina, que precisa ser fosforilada intracelularmente para tornar-se citotóxica). </li></ul><ul><li>Mudança no sítio de ação (p. ex., aumento na síntese da dihidrofolato redutase). </li></ul><ul><li>Reparo de danos ao DNA. </li></ul><ul><li>Inibição da apoptose por ativação de mecanismos celulares antiapoptóticos. </li></ul>
  22. 25. http://www.slideshare.net/caio_maximino/biomedicina-aula14

×