Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
FACULDADES INTEGRADAS PITÁGORAS - FIPMOC 
DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS CIRÚRGICAS 
PROFESSOR: FRANCISCO BARROS 
Fios...
Introdução 
 Os fios são uma porção de material sintético ou 
derivado de fibras vegetais ou estruturas orgânicas, 
flexí...
Fio Ideal 
 O fio ideal deve ter: 
 alta resistência à ruptura permitindo o uso de fios de calibre 
menores; 
 facilida...
Introdução 
 O fio ideal deve ter: 
 baixa reação tecidual; 
 não ser carcinogênico; 
 não favorecer início ou manuten...
Escolha do Fio 
 Ao se escolher o fio ideal para cada tipo de tecido ou 
região, deve-se observar as seguintes caracterís...
Classificação 
 Quanto à sua estrutura, os fios também se dividem em 
dois tipos: 
 monofilamentar: cada fio é composto ...
Classificação 
 Quanto à capacidade de absorção, os fios se 
classificam em dois grandes grupos: 
 Absorvíveis: o fio é ...
Classificação 
 Quanto à capacidade de absorção, os fios se 
classificam em dois grandes grupos: 
 Inabsorvíveis: o fio ...
Características dos Fios 
 Absorvíveis de origem animal: 
 Categute (Catgut) simples e cromado: 
Feito a partir de fita...
Características dos Fios 
 Absorvíveis de origem sintética: 
 Ácido poliglicólico (Dexon): 
Obtido pela polimerização d...
Características dos Fios 
 Absorvíveis de origem sintética: 
 Poligliconato (Maxon): 
Monofilamentar; 
Possui uma abso...
Características dos fios 
 Absorvíveis de origem sintética: 
 Poliglactina (Vicryl): 
Vicryl rapide: parcialmente hidro...
Características dos Fios 
 Absorvíveis de origem sintética: 
 Poliglecaprona 25 (Monocryl): 
Indicado para aproximação ...
Características dos Fios 
 Absorvíveis de origem sintética: 
 Polidioxanona (PDS): 
70% da resistência tênsil em 14 dia...
Características dos Fios 
 Inabsorvíveis de origem orgânica ou biológica: 
 Seda: 
Provém do casulo do bicho-da-seda de...
Características dos Fios 
 Inabsorvíveis de origem vegetal: 
 Algodão: 
Possui fibras naturalmente torcidas. Foi introd...
Características dos fios 
 Inabsorvíveis de origem sintética: 
 Poliamida (Nylon): 
Derivado das poliaminas, tem sido e...
Características dos Fios 
 Inabsorvíveis de origem sintética: 
 Poliéster (Ethibond, Mersilene): 
Multifilamentar; 
Re...
Características dos Fios 
 Inabsorvíveis de origem sintética: 
 Polipropileno (Prolene): 
Monofilamentar; 
Pouca reaçã...
Características dos Fios 
 Fios de origem metálica: 
 Aço: 
Composto por ferro, cromo, níquel e molibdênio. 
Não promo...
Diâmetro do Fio 
 O diâmetro do fio é determinado em milímetros e expresso em zeros. 
Quanto menor o calibre do fio, maio...
Força Tênsil 
 A força tênsil é determinada dividindo-se a força necessária para 
romper o fio pelo seu diâmetro. A força...
Força Tênsil 
MAIS RESISTENTES 
INABSORVÍVEIS ABSORVÍVEIS 
Aço Poliglactina 
Poliéster Ácido poliglicólico 
Poliamida Poli...
Absorção de Fluidos 
 É determinada pela capacidade que o fio tem de absorver fluidos 
ao ser totalmente imerso. 
 Os mu...
Elasticidade 
 É a capacidade que o fio tem de retornar à sua forma e tamanho 
originais após tração. 
 Quando se compar...
Plasticidade 
 É a capacidade de manter-se sob nova forma após tracionado.
Coeficiente de atrito 
 Fios com alto coeficiente de atrito tendem a não deslizar nos 
tecidos, mas também é mais difícil...
Reação tecidual 
 É o grau de reatividade do fio, varia conforme o material e o 
calibre do fio. 
MAIS REATIVOS MENOS REA...
Consequências da reação tecidual excessiva 
 As consequências de reações teciduais excessivas, 
podem gerar fenômenos pre...
Consequências da reação tecidual excessiva 
 Fenômenos tardios: 
Abscesso local. 
 Formação de cavidades (sinus). 
 El...
Referências 
 GOFFI, Fabio Schmidt, 1922 -Técnica Cirúrgica -Bases Anatômicas, 
Fisiopatológicas e Técnicas da Cirurgia -...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Fios de suturas

60.757 Aufrufe

Veröffentlicht am

Fios cirúrgicos, suas características, como escolhê-los, detalhes gerais.

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
  • Als Erste(r) kommentieren

Fios de suturas

  1. 1. FACULDADES INTEGRADAS PITÁGORAS - FIPMOC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS CIRÚRGICAS PROFESSOR: FRANCISCO BARROS Fios de suturas Bruno Belarmino de Queiroz Graduando em Medicina do 4º período das Faculdades Integradas Pitágoras – Fip-MOC Montes Claros - MG 01 de dezembro de 2014
  2. 2. Introdução  Os fios são uma porção de material sintético ou derivado de fibras vegetais ou estruturas orgânicas, flexíveis, de secção circular, com diâmetro muito reduzido em relação ao comprimento. São utilizados para aproximar tecidos incisados cirurgicamente ou lacerados em traumatismos e para ligar vasos sanguíneos.  As suturas favorecem a cicatrização de ferimentos ou incisões por primeira intenção.  Os fios podem ser divididos em absorvíveis e não absorvíveis, característica a ser vista mais adiante.
  3. 3. Fio Ideal  O fio ideal deve ter:  alta resistência à ruptura permitindo o uso de fios de calibre menores;  facilidade de manuseio;  boa segurança do nó;  adequada resistência tênsil;  boa visualização mesmo quando molhados de sangue;
  4. 4. Introdução  O fio ideal deve ter:  baixa reação tecidual;  não ser carcinogênico;  não favorecer início ou manutenção de infecção;  manutenção das integridade da sutura até a fase proliferativa da cicatrização;  baixo custo;
  5. 5. Escolha do Fio  Ao se escolher o fio ideal para cada tipo de tecido ou região, deve-se observar as seguintes características:  tipo de tecido a ser suturado;  localização do tecido a ser suturado;  espessura do tecido a ser suturado;  tamanho da incisão;  tempo necessário para a cicatrização do tecido;  se há tensão sobre o tecido;  condições clínicas e características do paciente (idade, estado nutricional, doenças);  preferência do cirurgião;
  6. 6. Classificação  Quanto à sua estrutura, os fios também se dividem em dois tipos:  monofilamentar: cada fio é composto de um único filamento compacto.  multifilamentar: cada fio é composto por vários filamentos trançados ou torcidos entre si. monofilamentar multifilamentar
  7. 7. Classificação  Quanto à capacidade de absorção, os fios se classificam em dois grandes grupos:  Absorvíveis: o fio é reabsorvido com o passar do tempo, por fagocitose ou hidrólise. Origem animal – Categute (catgut) simples e cromado Origem sintética – Ácido poliglicólico (Dexon), Poligliconato (Maxon), Poliglactina (Vicryl), Poliglecaprona 25 (Monocryl), Polidioxanona (PDS)
  8. 8. Classificação  Quanto à capacidade de absorção, os fios se classificam em dois grandes grupos:  Inabsorvíveis: o fio não se modifica ou se modifica muito pouco com o tempo. Origem orgânica ou biológico – Seda Origem vegetal – Algodão Origem sintética – Poliamida (Nylon), Poliéster (Ethibond, Mersilene), Polipropileno (Prolene). Origem metálica – prata, cobre, aço, agrafes ou clips de Michel.
  9. 9. Características dos Fios  Absorvíveis de origem animal:  Categute (Catgut) simples e cromado: Feito a partir de fitas de colágeno da submucosa do intestino delgado de carneiro ou da serosa do gado(quanto mais puro melhor); Simples: mantém força tênsil por 7 dias e absorção em 10-14 dias por fagocitose; Cromado: (sais de cromo) resistente a enzimas do corpo; força tênsil por 14 dias (máx. 21), e absorção em 90 dias; Rápida absorção (5-7 dias) se tratado com calor. Desencadeiam uma reação inflamatória intensa ao seu redor, mais evidente no categute simples. Indicado para suturas gastrointestinais, amarraduras de vasos, na tela subcutânea, suturas ginecológicas e urológicas.
  10. 10. Características dos Fios  Absorvíveis de origem sintética:  Ácido poliglicólico (Dexon): Obtido pela polimerização do ácido Glicólico; Possui resistência maior que o categute; A absorção ocorre por hidrólise entre 60 a 90 dias após sua utilização; Resistência tênsil perdida em torno da terceira semana; Muito usado em suturas de músculos, fáscias, tecido celular subcutâneo; Ocasiona pouca reação inflamatória; Multifilamentar.
  11. 11. Características dos Fios  Absorvíveis de origem sintética:  Poligliconato (Maxon): Monofilamentar; Possui uma absorção lenta com manutenção da resistência tênsil por longo período (a mais duradoura dos fios absorvíveis); Indicado para suturas de tendões, cápsulas articulares e fechamento da parece abdominal. Fio de alto custo.
  12. 12. Características dos fios  Absorvíveis de origem sintética:  Poliglactina (Vicryl): Vicryl rapide: parcialmente hidrolisado esterilizado com raios gama. Em 5 dias, 50% da força tênsil . Absorção em 7- 14 dias. Vicryl plus : envolvido com uma camada de triclosan efetivo contra S. aureus, S. epidermis, MRSA e MRSE. Semelhante ao comportamento do APG. Hidrolisa-se e é completamente absorvido em torno de 60 a 90 dias por hidrólise. Cor violeta e branca. Cirurgias gastrointestinais, urológicas, ginecológicas, oftalmológicas e na aproximação de tecido celular subcutâneo.
  13. 13. Características dos Fios  Absorvíveis de origem sintética:  Poliglecaprona 25 (Monocryl): Indicado para aproximação e/ou ligação de tecidos lisos em geral, mas não é indicado para uso em tecidos cardiovasculares ou neurológicos, microcirurgia ou cirurgia oftálmica. 30-40% da força tênsil em 2 semanas 0% em 21 dias. Tempo de absorção estimado entre 90 a 120 dias por hidrólise. Comparado ao Vicryl rapide, o Monocryl apresenta menor tendência a cicatriz hipertrófica e reações.
  14. 14. Características dos Fios  Absorvíveis de origem sintética:  Polidioxanona (PDS): 70% da resistência tênsil em 14 dias, 50% em 28 e 25% em 42 dias. Absorção em 180 dias por hidrólise. Difícil manuseio.
  15. 15. Características dos Fios  Inabsorvíveis de origem orgânica ou biológica:  Seda: Provém do casulo do bicho-da-seda de onde o fio é processado limpo e esterilizado. Apesar de ser classificado como inabsorvível, experimentos mostram que perde quase que totalmente sua força em um ano e que após dois anos não é mais possível detectá-lo no tecido. Produzem pouca reação tecidual. Multifilamentar. Uso em cirurgia oftálmica e micro cirurgia.
  16. 16. Características dos Fios  Inabsorvíveis de origem vegetal:  Algodão: Possui fibras naturalmente torcidas. Foi introduzido no final da década de 1930; Melhor segurança nos nós que a seda, perda lenta da tensão de estiramento (50% em 6 meses e 70% em dois anos); Provoca uma reação tecidual semelhante à da seda, potencializa infecções; Multifilamentar; É utilizado em praticamente qualquer estrutura; Fácil manuseio, nós seguros, pode ser reesterilizado em autoclave e acondicionado em embalagem comum.
  17. 17. Características dos fios  Inabsorvíveis de origem sintética:  Poliamida (Nylon): Derivado das poliaminas, tem sido empregado desde 1938; Elástico e resistente à água; Mono ou multifilamentar; Pouca reação tecidual; Difícil manipulação, duro e corrediço, não produz nó firme; Perde resistência tênsil ao longo do tempo, podendo ser degradado e absorvido ao longo de dois anos. Os monofilamentares, negros ou incolores, são preferíveis para sutura de pele.
  18. 18. Características dos Fios  Inabsorvíveis de origem sintética:  Poliéster (Ethibond, Mersilene): Multifilamentar; Resistentes e de grande durabilidade; Excelentes para suturas de aponeuroses, tendões e vasos; Sem cobertura (Mersilene, Surgilene); Cobertos por polibitilato(Ethibond) ou teflon (Tevdek); Requerem, no mínimo, cinco nós para um fixação segura; Causam pouca reação tecidual.
  19. 19. Características dos Fios  Inabsorvíveis de origem sintética:  Polipropileno (Prolene): Monofilamentar; Pouca reação tecidual; Incolor ou azul; Mantém sua resistência tênsil vários anos após sua utilização; Muito usado em sutura vascular; Facilmente removível, é ideal para sutura intradérmica.
  20. 20. Características dos Fios  Fios de origem metálica:  Aço: Composto por ferro, cromo, níquel e molibdênio. Não promove reação inflamatória nos tecidos, possui maior tensão de estiramento de todos os materiais quando implantado nos tecidos, possui a maior segurança nos nós de todos os materiais, pode ser autoclavado, e é recomendado para tecidos com cicatrização lenta. A forma monofilamentar pode ser usada em feridas contaminadas e infectadas Tendência a cortar os tecidos, manuseio pobre (principalmente para atar os nós), quebra quando torcido muitas vezes no mesmo ponto e promove necrose tecidual pelo movimento dos tecidos contra as pontas não flexíveis.
  21. 21. Diâmetro do Fio  O diâmetro do fio é determinado em milímetros e expresso em zeros. Quanto menor o calibre do fio, maior o número de zeros.  Menor calibre: n° 12-0 (diâmetro de 0,001 a 0,01 mm).  Maior calibre: n° 3 (diâmetro de 0,60 a 0,80 mm). CALIBRE MENOR MAIOR 12-0 11-0 10-0 9-0 8-0 7-0 6-0 5-0 4-0 3-0 2-0 0 1 2 3  Usam-se fios mais finos em tecidos mais delicados e em locais sem tensão e fios mais grossos em tecidos mais grosseiros ou em tecidos com mais tensão.
  22. 22. Força Tênsil  A força tênsil é determinada dividindo-se a força necessária para romper o fio pelo seu diâmetro. A força tênsil depende do calibre do fio e do material com o qual ele é fabricado.  O diâmetro do fio varia de acordo com o material que o forma, isto é, nem todos os fios com o mesmo número tem o mesmo diâmetro, pois a determinação desse número é dada pela resistência tênsil do fio.  Quando se compara fios de mesmo material, quanto maior o calibre do fio, maior sua resistência.  Quando se compara fios de mesmo calibre, porém de materiais diferentes a força tênsil varia.
  23. 23. Força Tênsil MAIS RESISTENTES INABSORVÍVEIS ABSORVÍVEIS Aço Poliglactina Poliéster Ácido poliglicólico Poliamida Polidioxanona Polipropileno Poligliconato Seda Categute cromado Algodão Categute simples MENOS RESISTENTES
  24. 24. Absorção de Fluidos  É determinada pela capacidade que o fio tem de absorver fluidos ao ser totalmente imerso.  Os multifilamentares como a seda e o algodão têm maior capilaridade e absorção de fluídos.  Os monofilamentares tem muito pouca capacidade de absorver fluidos.  Os fios multifilamentares, por mecanismo de capilaridade, ao absorverem fluidos, também favorecem a migração de microrganismos através de suas tramas, por isso não são indicados para suturas na pele.
  25. 25. Elasticidade  É a capacidade que o fio tem de retornar à sua forma e tamanho originais após tração.  Quando se comparam fios de mesmo material os mais finos são mais elásticos.
  26. 26. Plasticidade  É a capacidade de manter-se sob nova forma após tracionado.
  27. 27. Coeficiente de atrito  Fios com alto coeficiente de atrito tendem a não deslizar nos tecidos, mas também é mais difícil de desatar o nó cirúrgico espontaneamente.
  28. 28. Reação tecidual  É o grau de reatividade do fio, varia conforme o material e o calibre do fio. MAIS REATIVOS MENOS REATIVOS naturais sintéticos animais vegetais minerais monofilamentares multifilamentares
  29. 29. Consequências da reação tecidual excessiva  As consequências de reações teciduais excessivas, podem gerar fenômenos precoces e tardios, descritos a seguir:  Fenômenos precoces:  Corte do tecido (Cutting out) – é o corte pelo fio dos tecidos excessivamente inflamados e amolecidos, ou por excesso de força na confecção do nó. Retardo na cicatrização de feridas.  Formação de bridas intraperitoneais (neoformação de tecido fibroso).  Predisposição a infecções.
  30. 30. Consequências da reação tecidual excessiva  Fenômenos tardios: Abscesso local.  Formação de cavidades (sinus).  Eliminação espontânea e periódica dos fios, associada à descarga de material seroso ou purulento. Formação de granuloma de corpo estranho.
  31. 31. Referências  GOFFI, Fabio Schmidt, 1922 -Técnica Cirúrgica -Bases Anatômicas, Fisiopatológicas e Técnicas da Cirurgia - 4 ed. 2001.  HOCHBERG J., MEYER K. M., MARION M. D. Suture choice and methods of skin closure. Surg. Clin. N. Am. 89; 627 a 641, 2009.  MAGALHÃES, Helio Pereira de, 1938 -Técnica cirúrgica e cirurgia experimental/ Helio Pereira de Magalhães. São Paulo: Sarvier, 1996.  SARDENBERG T., MULLER S. S. , SILVARES P. R. A., MENDONÇA A. B., MORAES R. R. L. Avaliação das propriedades mecânicas e dimensões de fios de sutura utilizados em cirurgias ortopédicas. Acta. Ortop. Bras. 11 (2), Abr./Jun., 2003.

×