Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Princípios da Motivação no Trabalho

474 Aufrufe

Veröffentlicht am

alguns princípios da motivação

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Princípios da Motivação no Trabalho

  1. 1. INTRODUÇÃO A motivação pode ser definida como um processo psicológico que determina a predisposição a um comportamento. Para todas as situações que vivenciamos, seja no trabalho, em casa, na escola, é necessária uma “força”, uma “energia” para realizar tarefas. A motivação é essa força, essa energia que nos impulsiona na direção de alguma coisa que nasce das nossas necessidades interiores. Quando ela acontece, as pessoas tornam-se mais produtivas, atuam com maior satisfação e produzem efeitos multiplicadores. Despertar a motivação, mantê-la e canalizá-la para a concretização dos objetivos da organização têm sido um ponto crucial e uma preocupação constante dos administradores.
  2. 2. 1. A IMPORTANCIA DA MOTIVAÇÃO Sendo a motivação interna ao indivíduo e estando ela relacionada ao que ele necessita, prioriza e valoriza; acredita-se que as empresas possam adotar algumas medidas para atender estas necessidades a fim de melhorar o clima organizacional e a satisfação de seus colaboradores. Tendo em vista que as pessoas precisam trabalhar para satisfazer suas necessidades básicas e secundárias (fisiológicas, segurança, sociais, estima e auto realização) - Maslow defende que as necessidades fisiológicas são as únicas que não podem deixar de ser satisfeitas, pois dela depende a própria vida do indivíduo – e que o exercício da profissão tende a promover a satisfação dessas necessidades; se a pessoa possui esta percepção, tanto maior será a sua motivação. Motivadas, as pessoas tendem a atuar com mais afinco e comprometimento, buscam alcançar resultados melhores, visando o atendimento de novas necessidades que surgiram posteriormente. Dessa forma, qual a organização, que tendo em seu quadro de pessoal colaboradores comprometidos, satisfeitos, motivados a melhorar sua produtividade, não irá sobreviver a uma competitividade cada vez maior? Esta empresa certamente estará atuando harmonicamente de forma a alcançar sua visão. Se este é o objetivo de toda empresa, uma de suas metas deveria ser o investimento em melhorias, no campo motivacional, para seus funcionários. Devemos lembrar que as organizações são compostas por pessoas; elas fazem a organização. Pessoas motivadas promovem, naturalmente, ambientes melhores, estão satisfeitas com o seu trabalho, visam seu crescimento pessoal e consequentemente o crescimento da organização a que estão vinculadas. 2. FATORES QUE INFLUENCIAM A MOTIVAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO. COMENTE-OS. 1. Sensação de segurança: Estabilidade no emprego, pessoas precisam se sentir valorizadas o que não acontece quando a um grande rotatividade no quadro de funcionários. 2. Assistência familiar: auxílio creche, auxílio educacional, plano de saúde extensivo aos familiares, entre outros; geram nos colaboradores uma percepção de tranquilidade, pois se sua família está bem assistida, ele pode se dedicar ainda mais às suas atividades profissionais.
  3. 3. 3. Plano de carreira: A empresa que valoriza aquele profissional que cresce junto com ela, estimula seu colaborador a crescer profissionalmente, pois ele percebe que caso invista em melhorias de produtividade, aprendizagem e autodesenvolvimento; ele possui chance de alcançar melhores salários e cargos, e isso o motiva a alcança-los. 4. Flexibilidade no horário de trabalho: Possibilita a compatibilização do horário de trabalho com o de outras atividades que a pessoa considere importante para seu desenvolvimento profissional, pessoal ou social; possibilita evitar o estresse e aproveitar melhor o tempo despendido no trânsito; permiti que o colaborador seja pai ou mãe mais presente no cotidiano dos filhos, enquanto atua profissionalmente buscando melhorar sempre sua atuação. 5. Disponibilização de recursos para o autodesenvolvimento do funcionário: Quando a empresa investe ou auxilia na capacitação do profissional, incentivando a busca de elevados graus de escolaridade e aperfeiçoamento profissional. Desta forma a organização obtém, além de pessoas motivadas, colaboradores mais capacitados. 3. TIPOS DE LIDERANÇA Liderança Democrática: Também chamada de liderança participativa ou consultiva. Neste modelo, o líder estimula o debate com seus liderados. Cabe ao grupo, em conjunto com o líder, o planejamento das ações com foco nos objetivos e a resolução de problemas. As decisões são acordadas com o grupo, podendo haver um sucinto predomínio da opinião do líder. Cabe ao líder o aconselhamento técnico e a sugestão de várias alternativas para definição do grupo; em relação a criticas e elogios, este limita-se aos fatos, mantendo uma atitude segura, imparcial e objetiva. Este tipo de liderança propicia o bom relacionamento e interação do grupo, tendendo a alcançar ótimos resultados de produção e um ritmo de trabalho progressivo e seguro. Liderança Autocrática: Também chamada de liderança autoritária ou diretiva. Neste modelo, o líder é focado nas tarefas. É ele quem determina a metodologia do trabalho, fixa as diretrizes e não acata a participação do grupo. Este tipo de líder costuma ser dominador e tende a provocar tensão e frustação ao grupo, pois apresenta uma postura diretiva e não cria oportunidades de incentivo a criatividade dos liderados. Seus objetivos principais resumem-se em lucro e produtividade,
  4. 4. costuma individualizar suas críticas e elogios. Este tipo de liderança gera grandes insatisfações, tensões e agressividade ao grupo. O trabalho tende a ser prejudicado, visto que só se desenvolve com a presença do líder e, na sua ausência o grupo diminui a produtividade e tende a indisciplina, dando vazão a sentimentos recalcados ou menosprezados. Liderança Liberal: Aqui não há imposição de regras. Apesar de o grupo possuir maior liberdade de ação, quase não consultam o líder nas tomadas de decisão, o que por muitas vezes pode gerar divergências em relação às estratégias da organização. E este modelo pode até ser adequado a uma equipe madura, comprometida, motivada, autodirigida e que não necessita de supervisão constante; porém pode resultar em uma liderança negligente e fraca, onde o líder deixa passar falhas e erros sem corrigi-los. Os elementos do grupo tendem a abandonar a organização, visto que nada esperam desta liderança. Como não há demarcação dos níveis hierárquicos, se sujeita ao risco de desestimular seu capital intelectual e disseminar a atitude de abandono entre os subordinados. Este é considerado o pior modelo de liderança, pois tende a desorganização, a confusão, o desrespeito e a falta de um representante que determine funções e resolva conflitos. 4. QUAIS AS CONSEQUENCIAS DE UMA LIDERANÇA INEFICAZ? Sendo o líder a pessoa responsável por conduzir um grupo de pessoas, é de sua responsabilidade orientar esse mesmo grupo a gerar resultados; definir o rumo da organização. Quando o líder não possui a habilidade em influenciar, de forma ética seus subordinados, este tende a levar a organização ao fracasso. Uma pessoa pode receber formalmente o encargo de liderar, sendo, portanto, um líder nomeado e não conseguir exercer influência sobre os demais. É fato que para liderar, depende-se mais de uma boa capacidade de relacionamento interpessoal do que de QI (quociente intelectual). (...)Fiorelli (2003) destaca alguns comportamentos que precisam estar presentes nos líderes, como: a demonstração de ações que correspondam ao seu discurso (nada melhor do que um bom exemplo), a capacidade de perseverar nos momentos difíceis, o compromisso com a equipe, a habilidade interpessoal (o que inclui facilidade de comunicar-se) estabilidade emocional, disciplina, senso de justiça, etc. Já características como rigidez, uso do poder conferido pela liderança para benefício próprio, não comprometimento com o trabalho e com a equipe, pouca ou nenhuma habilidade interpessoal, etc.; constituem qualidades totalmente dispensáveis no líder.”1 Estando a liderança relacionada com a comunicação eficaz e transmissão de ideias, quando isto não acontece,
  5. 5. estabelece-se um problema na organização. É função do líder: planejar, fazer previsões, analisar problemas, tomar decisões, formular e/ou apoiar políticas, classificar e distribuir o trabalho pelos colaboradores, desenvolver, influenciar e controlar os planos de ação da organização. Se o líder não conseguir adequar sua metodologia de trabalho ao ambiente organizacional, certamente ele caminhará rumo à ineficácia; pois certamente suas atitudes afetaram as relações com os liderados e, consequentemente, a forma como estes desempenharam suas tarefas/atividades individuais. 5. REFERÊNCIAS CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. Rio de Janeiro: Campus, 2007. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2001. REGATO, Vilma Cardoso. Psicologia nas Organizações - Resumido. 3 ed. Rio de Janeiro: Estácio/LTC, 2008. Extraído do livro: Psicologia nas Organizações – Programa do livro universitário – 3ª edição – Regato, Vilma Cardoso – LTC.

×