Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Politicas de saúde mental:
organização da RAPS no SUS
Prof. Me. Aroldo Gavioli
Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental
do SUS
1º momento: crítica ao modelo hospitalocêntrico (1978 –
1991)
2º mo...
Pressupostos históricos
• Inicio na década de 1980.
• Mobilização de usuários, familiares,
profissionais e trabalhadores d...
Década de 1980.
• Desisntitucionalização de moradores de manicômios.
• Inicia-se os serviços de atenção psicossocial.
• Us...
Deputado Paulo Delgado (projeto de lei nº
3.657/1989): Reforma Psiquiátrica Brasileira.
Em 1990, Declaração de Caracas, qu...
• Direitos as pessoas portadoras de
transtornos mentais, incluindo aqueles
relacionados ao uso de substâncias
psicoativas....
Conceito de território
Serviço de portas abertas
(qualquer um acessa, entra e
sai).
Próximo de onde o usuário
vive, onde e...
• Reorientação do modelo assistencial
• Direitos dos usuários: melhor tratamento
(preferencialmente em serviços comunitári...
Diretrizes da Política
Nacional de Saúde Mental
Reestruturação da assistência psiquiátrica
hospitalar – desisntitucionalização
• Programa de Reestruturação da Assistência...
Expansão e consolidação da rede de Atenção
Psicossocial
• Expansão e qualificação dos CAPS
• Qualificação dos ambulatórios...
Magnitude epidemiológica dos transtornos
mentais
• 3% da população com transtornos mentais severos e
persistentes (necessi...
Para se pensar em uma rede de cuidados em
saúde mental é necessário considerar:
• 1. critérios epidemiológicos;
• 2. crité...
Composição de uma rede de serviços de saúde
mental
• CAPS (CAPS I, II, III, Álcool e Drogas e Infanto-juvenil);
• Ações de...
• Qual o papel de cada um dos componentes da Rede de
Atenção Psicossocial?
• Trabalho em grupo:
Grupo 1 Grupo 2 Grupo 4 Gr...
Referências
• BRASIL; MINISTÉRIO DA JUSTIÇA; SECRETARIA
NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS. Prevenção
do uso de drogas: ca...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no sus

4.023 Aufrufe

Veröffentlicht am

aula sobre os componentes da Rede de atenção psicossocial do SUS

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
  • Als Erste(r) kommentieren

Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no sus

  1. 1. Politicas de saúde mental: organização da RAPS no SUS Prof. Me. Aroldo Gavioli
  2. 2. Reforma Psiquiátrica e Política de Saúde Mental do SUS 1º momento: crítica ao modelo hospitalocêntrico (1978 – 1991) 2º momento: implantacão da rede de atenção psicossocial (1992 – 2000) 3º momento: a Reforma Psiquiátrica depois da Lei Federal 10.216/01 – consolidação do novo modelo (2001 - …)
  3. 3. Pressupostos históricos • Inicio na década de 1980. • Mobilização de usuários, familiares, profissionais e trabalhadores da saúde • 100 mil pessoas vivendo em manicômios. • Condições desumanas de tratamento (direitos humanos) • fim da ditadura militar em 1985 • Experiências exitosas na Europa com a substituição do modelo centrado no hospital psiquiátrico.
  4. 4. Década de 1980. • Desisntitucionalização de moradores de manicômios. • Inicia-se os serviços de atenção psicossocial. • Usuários em seus territórios existências. • Politica de diminuição da oferta de leitos hospitalares. • Mudanças da própria sociedade sobre seus conceitos em relação a doença mental.
  5. 5. Deputado Paulo Delgado (projeto de lei nº 3.657/1989): Reforma Psiquiátrica Brasileira. Em 1990, Declaração de Caracas, que propõe a reestruturação da assistência psiquiátrica. Lei 20.216/2001: proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Politica de saúde mental: visa garantir o cuidado ao paciente com transtorno mental em serviços substitutivos aos hospitais psiquiátricos.
  6. 6. • Direitos as pessoas portadoras de transtornos mentais, incluindo aqueles relacionados ao uso de substâncias psicoativas. • Direito de um tratamento que respeito a cidadania. • Serviços comunitários e de base territorial. Lei federal nº 10.216
  7. 7. Conceito de território Serviço de portas abertas (qualquer um acessa, entra e sai). Próximo de onde o usuário vive, onde está sua família, seus amigos e as instituições que tem contato (igreja, posto de saúde, escola e etc.). Próximo dos lugares que frequenta (comércio, UBS, etc.). Onde circulam seus sentimentos, afetos e laços sociais. Compõe a rede social do usuário.
  8. 8. • Reorientação do modelo assistencial • Direitos dos usuários: melhor tratamento (preferencialmente em serviços comunitários de saúde mental), inserção na comunidade, informação sobre o tratamento (os menos invasivos) – direito a cuidados integrais • Responsabilidade do estado para desenvolver políticas públicas para esta população • Internação como último recurso terapêutico • Proibição de internações em instituições asilares • Políticas específicas para pacientes longamente internados Principais aspectos da Lei 10.216/01
  9. 9. Diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental
  10. 10. Reestruturação da assistência psiquiátrica hospitalar – desisntitucionalização • Programa de Reestruturação da Assistência Psiquiátrica Hospitalar – PRH: redução gradual e planificada de leitos • Programa Nacional de Avaliação dos Serviços Hospitalares - PNASH-Psiquiatria • Implementação do programa “DE VOLTA PARA CASA” • Expansão dos serviços residenciais terapêuticos • Reorientação dos manicômios judiciários • Leitos em hospitais gerais
  11. 11. Expansão e consolidação da rede de Atenção Psicossocial • Expansão e qualificação dos CAPS • Qualificação dos ambulatórios • Implantação de centros de convivência • Inclusão das ações de saúde mental na Atenção Básica • Atenção integral a usuários de álcool e outras drogas • Política de Saúde Mental Infanto-juvenil • Programa Permanente de Formação de profissionais para a Saúde Mental • Programas de geração de renda e trabalho, intervenções na cultura, mobilização de usuários e familiares
  12. 12. Magnitude epidemiológica dos transtornos mentais • 3% da população com transtornos mentais severos e persistentes (necessita de cuidados contínuos ). • 9% transtornos mentais leves (precisam de atendimento eventual). • 10 a 12% da população dependente de álcool. • 56% das ESF informam realizar alguma ação de saúde mental ou lidar com esta questão (DAB/2001).
  13. 13. Para se pensar em uma rede de cuidados em saúde mental é necessário considerar: • 1. critérios epidemiológicos; • 2. critérios populacionais; • 3. perfil da rede de saúde e de saúde mental já existentes; • 4. fluxo das demandas de saúde mental • 5. histórico do município e da região • 6. priorização no orçamento
  14. 14. Composição de uma rede de serviços de saúde mental • CAPS (CAPS I, II, III, Álcool e Drogas e Infanto-juvenil); • Ações de saúde mental na atenção básica • Ambulatórios – reorganização e qualificação • Leitos de atenção integral (CAPS III, hospitais gerais e emergências gerais) • Para moradores: residências e Programa de Volta para Casa • Centros de convivência • Experiências de geração de renda • Articulações intersetoriais
  15. 15. • Qual o papel de cada um dos componentes da Rede de Atenção Psicossocial? • Trabalho em grupo: Grupo 1 Grupo 2 Grupo 4 Grupo 4 CAPS (CAPS I, II, III, Álcool e Drogas e Infanto-juvenil); Ações de saúde mental na atenção básica Ambulatórios – reorganização e qualificação Leitos de atenção integral (CAPS III, hospitais gerais e emergências gerais) Para moradores: residências e Programa de Volta para Casa Centros de convivência Experiências de geração de renda Articulações intersetoriais
  16. 16. Referências • BRASIL; MINISTÉRIO DA JUSTIÇA; SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. Brasilia - DF: SENAD, 2013.

×