Avaliação

avaliação

AVALIAÇÃO – TESTES ORTOPÉDICOS
CERVICAL:
Compressão Cervical: Paciente sentado com a cabeça em posição neutra,
terapeuta exerce uma compressão na cabeça com as duas mãos. Se o paciente relatar
dor é sugestivo de compressão e/ou irritação nervosa ou alterações nos discos
intervertebrais.
Compressão Cervical de Jackson: Paciente sentado com a cabeça em posição
neutra, terapeuta realiza uma compressão com inclinação para o lado acometido. Se o
paciente relatar aumento da dor é sugestivode compressão discal.Quando inclinar para
o outro lado e o paciente relatar alívio da dor é positivo para compressão discal e se ele
relatar queimação e/ou parestesia é sugestivo de irritação da raiz nervosa.
Spurling: Paciente sentado, terapeuta realizauma pressãogradual com uma mão
e inclina a cabeça lateralmente. Se o paciente sentir dor o teste é considerado positivo
e indica comprometimento da articulação facetária. Se o paciente não relatar dor com
este procedimento, o terapeuta deve apoiar sua mão sobre a cabeça do paciente e
aplicarum pequeno golpe com aoutra mão. Casoo paciente referir dor o teste é positivo
e pode indicar dor radicular por invasão (Degeneração discal ou Hérnia).
Adson: Paciente em pé. Terapeuta palpa a pulsão radial, pede uma
hiperextensão de ombro com uma rotação externa e pede para o paciente olhar para o
ombro do mesmo lado. Se a pulsação diminuir neste movimento e ao olhar para o lado
oposto a pulsação voltar é sugestivo de compressão da artéria subclávia.
Underburg: Paciente em pé, orientá-lo para estender os braços, com abdução de
20º e supinar as mãos. Fechar os olhos, realizar uma extensão da cabeça e marchar em
seguida. Depois pedir para o paciente olhar para um dos lados se ele relatar tontura,
vertigem, turvação visual ou náusea é sugestivo de compressão da artéria basilar ou
artéria vertebral.
OMBRO:
Neer: Paciente em pé ou sentado. Terapeuta apóia uma das mãos na região
superior do ombro (acrômio-clavicular) e exerce uma pressão no sentido inferior; com
a outra mão apoiada no braço do paciente pedir para que o mesmo realize a flexão do
ombro. Se o paciente referir dor durante o movimento, o teste é positivo. Indicado para
verificar compressão das estruturas sub-acromiais.
Jobe: Paciente em pé, de frente para o terapeuta. Realiza flexão de ombro a
75º associada a uma abdução de 35º a 45º, mais rotação interna. Terapeuta apóia suas
mãos no punho do paciente e realiza uma pressão no sentido inferior e solicita
resistência ao movimento. Se o paciente referir dor na inserção do supra o teste é
positivo. Indicado para tendinite do supra-espinhal.
Hawkins/Kennedy: 1º modo: Paciente sentado ou em pé com flexão de ombro
e cotovelo a 90º, terapeuta apóia e estabiliza com uma mão o ombro e com a outra mão
realiza movimento de rotação interna e solicita ao paciente resistência ao movimento.
Se o paciente relatar dor na região do supra o teste é positivo para tendinite do supra-
espinhal. 2º modo: Paciente em pé ou sentado com abdução de ombro e flexão de
cotovelo a 90º associado a rotação externa. Terapeuta realiza movimento de rotação
interna e solicita ao paciente resistência do mesmo; se relatar dor na região antero-
superior do ombro, o teste é positivo para compressão das estruturas sub-acromiais
Yocun: Pacinte em pé com a mão homo-lateral no ombro contra-lateral,
terapeuta resiste a abdução ativa do cotovelo. Indicado para compressão do tendão do
supra-espinhal e estruturas sub-acromiais.
Bursite Subacromial (palpação da bursa): 1º modo: Paciente sentado ou em pé,
terapeuta realiza passivamente extensão do ombro e com a outra mão palpa a região
da bursa subacromial. Se o paciente sentir dor o teste é sugestivo para inflamação da
bursa. 2º modo: Paciente em posição supina com a articulação do ombro fora da maca,
terapeuta realiza abdução do ombro com extensão e com a outra mão palpa a região da
bursa, o teste é positivo se o paciente relatar dor.
Diferencial para Bursite Subacromial e Tendinite do Supra-Espinhoso: Pacinte
em pé, realiza abdução do ombro contra uma leve resistência oferecida pelo terapeuta,
Se o paciente relatar dor na inserção ou no trajeto do supra o teste é sugestivo de
tendinite, mas que pode ser confundido com inflamação da bursa. Portanto o terapeuta
realiza uma decoaptação articular (no sentido inferior) e solicita o movimento de
abdução, se o paciente relatar alívio da dor o teste é positivo para bursite. É importante
que o terapeuta realize o mesmo movimento associado com movimento ativo, pois se
o paciente relatar dor o teste é positivo para tendinite.
Appley: Paciente sentado ou empé, terapeuta solicitapara que o paciente toque
com as pontas dos dedos a escápula contra-lateral (ângulo superior) realizando o
movimento de abdução com rotação externa, depois solicitar o movimento de adução
com rotação interna e tocar o ângulo inferior da escápula contra-lateral. Aumento da
dor ou a incapacidade para realização dos movimentos indica inflamação degenerativa
de um dos tendões do manguito rotador.
Gebber: solicitar que o paciente realize uma adução com rotação interna do
ombro na tentativa de apoiar o braço na região posterior da coluna, caso o paciente não
consiga realizar o movimento o teste é positivo. Indicado para avaliar encurtamento ou
disfunção do sub-escapular.
Queda de Braço: terapeuta realiza passivamente o movimento de abdução do
ombro até 90º e solicita para o paciente manter a posição com o braço estendido e/ou
incapaz de baixar o braço lentamente. Casoo paciente não consigarealizar o movimento
e o braço venha a cair o teste é positivo para ruptura do manguito rotador, geralmente
o supra espinhal.
Sinal de Apreensão Anterior: Pacienteem pé de frente para o espelho, terapeuta
atrás realiza o movimento de abdução com rotação externa e cotovelo fletido à 90º. Se
o paciente apresentar alteração na expressão da face o teste é positivo para
instabilidade da cápsula anterior.
Gaveta Anterior: 1º modo: Paciente em pé de frente para o espelho, realiza
movimento de abdução com rotação externa e cotovelo fletido à 90º. Terapeuta apóia
o polegar na região posterior da cabeça do úmero e exerce uma força de deslocamento
anterior. Se ocorrer deslocamento anterior o teste é positvo. 2º modo: Paciente em
decúbito dorsal, ombro para fora da maca abduzido e rodado externamente. Se ocorrer
um deslocamento espontâneo o teste é positivo para ruptura da cápsula anterior ou
lesão de ligamento. Se não ocorrer o movimento o terapeuta força o movimento de
deslocamento anterior, se ocorrer o movimento o teste é positivo. Indicado para
verificar frouxidão ou instabilidade da cápsula articular anterior.
Gaveta Posterior: Paciente em decúbito dorsal com o ombro fletido e aduzido
associado a flexão do cotovelo. Terapeuta apóia uma das mãos no ombro do paciente e
outra no cotovelo realizando uma pressão no sentido posterior, se ocorrer o
deslocamento o teste é positivo para instabilidade da cápsula ou frouxidão ligamentar.
Instabilidade Anterior e Posterior: Paciente empé, terapeuta estabiliza o ombro
com o polegar na margem superior da escápula e o indicardor no acrômio. Com a outra
mão na cabeça do úmero realiza uma força de deslocamento na cabeça umeral no
sentido anterior e posterior. Caso ocorra um deslocamento o teste é sugestivo de
instabilidade glenoumeral.
Speed: Paciente sentado , terapeuta palpa o sulco biciptal e solicita ao paciente
a flexão de ombro com o antebraço em supinação contra uma leve resistência oferecida
pelo terapeuta. Se o paciente referir dor na região do tendão do bíceps o teste é
positivo. Indicado para tendinite da porção longa do bíceps.
Yergason: Paciente sentado com o cotovelo fletido e antebraço pronado. Com
uma mão o terapeuta palpa o sulco biciptal e com a outra no punho oferece resistência
ao movimento de supinação e rotação externa. A supinação resistida do antebraço e a
rotação externa do ombro tensionam o tendão biciptal. Dor à palpaçãono tendão indica
inflamação e se o tendão “saltar” para fora do suco biciptal, então pode ser o sulco
bicipal raso ou rompimento do ligamento umeral transverso.
COTOVELO:
Cozen: Paciente sentado, braço aduzido, cotovelo fletido, antebraço pronado,
punho estendido e dedos fletidos (mão cerrada). Instruir o paciente a resistir ao
movimento de flexão proporcionado pelo terapeuta. Se o paciente sentir dor na região
do epicôndilo lateral o teste é positivo para epicondilite lateral.
Mill: Paciente sentado, braço aduzido, cotovelo fletido, antebraço pronado,
punho e dedos fletidos, terapeuta solicita uma supinação contra sua resistência. Se o
paciente sentir dor na região do epicôndilo lateral o teste é positivo para epicondilite
lateral.
Cotovelo de Golfista: Paciente sentado ou em pé, cotovelo fletido, braço
aduzido, antebraço supinado com o punho estendido e dedos fletidos. Solicitar que o
paciente realize aflexãodo punho contra a resistência.Se o paciente sentir dor na região
do epicôndilo medial o teste é positivo para epicondilite medial.
Esforço em Abdução: Testa o ligamento colateral ulnar. É realizado com o
paciente sentado ou em pé, terapeuta estabiliza o braço do paciente e com a outra mão
segurando o antebraço realiza stress em valgo (abdução), se o paciente relatar dor, ou
houver instabilidade, ou aumento do espaço articular, o teste é positivo.
Esforço em Adução: Testa o ligamento colateral radial, paciente sentado ou em
pé, terapeuta estabiliza o braço do paciente e com a outra mão segurando o antebraço
realiza stress em varo (adução) se relatar dor, ou houver instabilidade, ou aumento do
espaço articular, o teste é positivo.
PUNHO E MÃO:
Phalen: Paciente realiza a flexão de punho apoiando a região dorsal de ambas as
mãos com o cotovelo fletido a 90º e braços elevados. Deve permanecer nesta posição
de 30 seg à 1 min; caso dentro desse período relatar dor, parestesia ou queimação o
teste é positivo. Indicando compressão do nervo mediano, sugestivo para síndrome do
túnel do carpo.
Phalen Invertido: agora o paciente realiza a extensão do punho apoiando a
região palmar das mãos, se o paciente sentir as mesmas sensações do teste de Phalen
normal o teste é positivo.
Teste de Fienkelstein: O objetivo é testar o tendão do abdutor longo do polegar.
Solicitar que o paciente realize a adução do polegar com flexão da falange distal e feche
os dedos apoiando o dedo indicador na falange distal e realize o desvio ulnar. Se o
paciente sentir dor no processo estilóide do rádio ou no trajeto do tendão o teste é
positivo. Para testar também o extensor radial curto, solicitaroponência entre o polegar
e o dedo mínimo e associaraflexãode punho. Se o paciente relatar dor o teste é positivo
(síndrome de Quervain).
LOMBAR:
Teste de Lasègue: Paciente em posição supina. Realizar a flexão do quadril com
o joelho fletido, se o paciente relatar alívio da dor o teste é positivo; e ao realizar a
extensão do joelho ele relatar dor em queimação é a confirmação do teste. O objetivo
do teste é verificar radiculopatia do isquiático ou uma provável hérnia discal.
Teste de Elevação com a Perna Retificada: Este teste é realizado para estirar
proximalmente o nervo isquiático e sua cobertural dural. Deve ser realizado com
paciente em supino com os membros inferiores estendidos. Terapeuta segura o
calcanhar e realiza a flexão do quadril com o joelho estendido do membro pesquisado,
se o paciente sentir agravamento da dor na região lombar entre 35º a 70º de flexão,
pode-se suspeitar de irritação da raiz nervosa do isquiático por patologia do disco
interverbral. “Caso o paciente referir dor na perna oposta, isso será chamado de
resposta cruzada positiva, sendo significativa para um disco herniado”. Atenção: Você
pode determinar se a dor é causada por isquiotibiais encurtados ou se é de origem
neurogênica, elevando a perna até o ponto da dor; então baixando-a levemente, isso
deverá reduzir a dor na perna. Depois faça a dorsiflexão passsiva do pé, para aumentar
o alongamento do isquiático. Se essa manobra causar dor, então será de origem
neurogênica.
Teste de Pheasant: Paciente emdecúbito ventral, terapeuta exerce uma pressão
com uma das mãos na região lombar e realiza passivamente aflexão dos joelhos até que
os calcanhares toquem as nádegas. Se o paciente sentir dor neste movimento, o teste é
sugestivo para uma vértebra luxada ou fora do espaço.
Teste de Milgran: Paciente em decúbito dorsal com os membros inferiores
estendidos, instruí-lo à elevar os membros inferiores aproximadamente 5 a 7 cm da
maca e sustentá-los por 30 segundos, se durante esse tempo o paciente relatar dor na
lombar, o teste é sugestivo de protusão discal (Hérnia discal).
Teste de Kernig: Paciente em posição supina com as mãos entrelaçadas atrás da
cabeça. Solicitar a flexão forçada da cervical, levando o queixo de encontro ao toráx.
Paciente pode se queixar de dor na região cervical, lombar ou nas pernas, o que é
indicativo de irritação meníngea, lesão de raiz nervosa ou irritação dural, que recobre as
raízes. Solicitar para que o mesmo localize o local exato da dor.
Manobra de Valsalva: Com o paciente sentado, peça para que ele faça um
inspiração completa, que flexione o tronco levemente a frente e faça força como se
estivesse defecando, mas concentrando a maior parte do esforço na região lombar. Se
paciente referir aumento da dor, o teste é positivo para lesões ocupadores de espaço
(hérnia, massa, osteófito).
QUADRIL:
Piriforme: 1º modo: Pacinte em prono, orientá-lo pra deitar-se junto a borda da
maca com a perna para fora. Terapeuta realiza a flexão e adução da perna sob pressão;
depois com o auxílio da mão, localizar uma linha imaginária da espinha ilíaca póstero-
superior até o cóccix e onde estiver o dedo médio, palpar com a ponta do dedo. Se o
paciente referir dor durante a execução ou na palpação o teste é positivo. 2º modo:
Paciente em supino, terapeuta realiza passivamente a flexão, adução e rotação interna
exercendo uma pressão. Se o paciente relatar dor, que aumenta com a palpação o teste
é positivo.
Hoover: Este teste auxilia a determinar se o paciente está simulando ao afirmar
que não pode elevar a perna. Paciente em posição supina, terapeuta apoia sua mão na
região posterior do calcâneo do membro inferior contralateral ao da queixa e solicita
para o paciente elevar estendida a perna a qual refere a dor. Quando o paciente está
tentando realmente elevar a perna, exercerá uma pressão no calcanhar da perna
oposta, utilizando-o como alavanca. Quando isto não acontecer o teste é positivo.
Gaenslen: Paciente em supino na borda da maca com o membro inferior
pendente e o contra lateral flexionado próximo ao tórax. Se o paciente relatar dor na
região sacroilíaca o teste é sugestivo de patolgias desta articulação.
Patrick e Fabere: Paciente em supino, terapeuta deve estabilizar com uma das
mãos a pelve oposta e realizar a flexão, abdução e rotação externa do membro inferior
exercendo uma pressão neste movimento. Se o paciente relatar dor inguinalé indicativo
de patologias da articulação coxofemoral, mas se o relato de dor for na região
sacroilíaca, o teste é indicativo de patologias desta articulação.
Thomas: Paciente em posição supina com os joelhos fletido e para fora da maca.
Orientá-lo para flexionar significativamenteo quadril e joelho oposto. Casoocorra flexão
do quadril o teste é sugestivo para retesamento do músculo iliopsoas, mas se não
ocorrer a flexão do quadril e sim a extensão so joelho e teste é sugestivo para
retesamento do reto femural.
Ober: Paciente em decúbito lateral, abduzir a perna e em seguida soltá-la. Se a
perna deixar de descer suavemente, provavelmente será supeitada uma contratura do
músculo tensor da fáscia lata ou do trato iliotibial.
Trendelenburg: Paciente em pé, terapeuta a trás apoiando as mãos nas espinhas
ilíacas postero-superior. Instruir o paciente para flexiona uma perna de cada vez. Se o
paciente não for capaz de ficar de pé sobre uma perna porque a pelve oposta cai ou
deixa de elevar-se, o teste será considerado positivo, indicando fraqueza do músculo
Glúteo Médio ao lado oposto da flexão do quadril.
JOELHO:
Gaveta Anterior: Paciente em posição supina, quadril e joelho fletidos com os
pés apoiados na maca. terapeuta senta sobre o pé do paciente para estabilizar, coloca
as mãos na região posterior do joelho e puxa a tíbia anteriormente. Se a tíbia deslocar
anteriormente indica possível lesão de LCA.
Gaveta Posterior: Paciente em posição supina, quadril e joelho fletidos com os
pés apoiados na maca. terapeuta senta sobre o pé do paciente para estabilizar, coloca
as mãos na região anterior do joelho e empurra a tíbia posteriormente. Se a tíbia
deslocar posteriormente indica possível lesão de LCP.
Lachman: Paciente em supino, joelho fletido a 30º, segurar o fêmur com uma
das mãos e com aoutra tracionar atíbia para frente e para trás. Se houver deslocamento
um anterior da tíbia o teste é positivo para lesão do LCA, se houver um deslocamento
posterior o teste é positivo para lesão do LCP.
Dejour: Paciente em posição supina, terapeuta abraça a perna do paciente
colocando sua mão na região posterior da tíbia e a outra na região anterior do femur.
Execução: Terapeuta com o braço que segura a perna realiza um stress em valgo
promovendo o movimento de flexãodo joelho, a mão cefálicaestabilizaofemur e amão
caudal realiza uma pressão anterior da tíbia. Caso durante o movimento de flexão e o
seu retorno ocorrer um “click ”, o teste é sugestivo para lesão do LCA.
Pivot – Shift: Paciente em posição supina com joelho estendido. Terapeuta
realiza arotação interna da tibia associadaaostress emvalgo durante uma flexão rápida
do joelho. Se ocorre um “ click” durante o movimento de retorno (flexão para extensão)
o teste é sugestivo para lesão do LCA.
Manobra de Godfrey ou Sinal da Queda Posterior: É uma gaveta posterior
gravitacional. O paciente em posição supina com o quadril e os joelhos fletidos a 90º. A
força da gravidade empurra a tíbia posteriormente. Se houver um espaçamento o teste
é positivo para lesão de LCP.
Visualização da Hiperextensão: Paciente em posição supina com os membros
inferiores estendidos. Terapeuta segura a ponta do pé do paciente e eleva o membro
inferior, deixando-o pendente, para visualizar a hiperextensão do joelho. O teste pode
indicar fouxidão ou lesão do LCP.
McMurray: Paciente em supino, flexão de quadril e joelho fletido a 90º,
terapeuta apóia o polegar e o indicador na linha articular do joelho e coma outra mão
apoia a região posterior do calcâneo. Terapeuta realiza movimento de rotação interna
e externa associado ao stress em varo e valgo e termina com a extensão do joelho em
rotação externa. Se o paciente relatar dor associado a um “click” articular o teste é
positivo para lesão meniscal.
Appley por Compressão: Paciente em prono com joelho fletido a 90º, terapeuta
apoia uma das mãos sobre o calcâneo e uma de suas pernas (com o joelho fletido) na
coxa do paciente. Exercer uma força de compressão associadaaomovimento de rotação
interna e externa. No lado do compartimento que o paciente relatar dor é sugestivo de
lesão meniscal (geralmente associado ao movimento de rotação externa, o paciente
relata dor no compartimento medial e vice-versa).
Aplley por Tração: Mesmo posicionamento que o anterior, mas agora o
terapeuta realiza uma força de tração associada a rotação interna e externa. Em caso de
ausência de dor o teste é positivo para lesão meniscal. Mas se ocorrer dor associada a
moviemento articular o teste é sugestivo de lesão dos ligamentos colaterais. (pois a
distenção provoca tensão nos ligamentos colaterais medial e lateral).
Steinman: paciente sentado com joelho fletido e pendular a maca, terapeuta vai
segurar no calcâneo e no dorso do pé então realizar uma tração da perna associada ao
movimento de dorsiflexão e extensão joelho. Se o paciente relatar melhora da dor ou
ausênciada dor o teste é sugestivode lesãomeniscal.Se o paciente referir dor na região
anterior do joelho o teste pode indicar tendinite patelar. Obs: Este teste deve ser
realizado após o Mc Murray e o Appley.
Comprerssão Patelar: paciente em posição supina, terapeuta apoia uma das
mãos no bordo superior da patela e realiza um pressão no sentido posterior e inferior
ao mesmo que o paciente realiza a contração do quadríceps. Dor associada a um
estalido, o teste é positivo para condromalacea patelar.
Raspagem Patelar: Paciente em posiçãosupina, terapeuta move a patela medial
e lateralmente enquante exerce uma pressão para baixo. Dor embaixo da patela é
sugestivo de condromalacea patelar ou de doença degenerativa.
TORNOZELO:
Instabilidade Lateral (Stress em inversão): paciente em posição supina, o
terapeuta, com a mão distal apóia a região posterior levemente superior a articulação
do tornozelo e com a mão proximal no antepé realiza o movimento de inversão. O teste
é sugestivo a lesão dos ligamentos quando na região dos ligamentos houver depressão
ou espaço, após histórico de trauma.
Instabilidade Medial (Stress em eversão): o mesmo posicionamento do teste de
instabilidadelateral sóque agorao terapeuta realizao movimento de stress emeversão.
O teste é sugestivo a lesão dos ligamentos quando na região dos ligamentos houver
depressão ou espaço, após histórico de trauma.
Thompson: Paciente em posição prona, solicitar a flexão do joelho a 90.
Comprimir com as mãos os músculos da panturrilha de encontro à tíbia e à fibula. Se
não acontecer o movimento de flexão plantar, o teste é sugestivo para ruptura do
tendão calcâneo.
Sinal da Gaveta do Pé: Paciente em posição supina, estabilizar o tornozelo com
uma mão e com a outra apoiar o calcâneo, exercer uma pressão no sentindo posterior
empurrado a tíbia. Se ocorrer um espaçamento o teste é sugestivo para lesão do
ligamento talofibular anterior. A seguir, estabilzar com uma mão o dorso do pé e com a
outra apoiada na região posterior da tibia, exercer uma pressão no sentido anterior,
caso ocorra um espaçamento o teste é sugestivo para lesão do ligamento talofibular
posterior.

Recomendados

Testes para região cervical von
Testes para região cervicalTestes para região cervical
Testes para região cervicalSaadia Karoline
2.5K views22 Folien
Apostila provas musculares mmss von
Apostila provas musculares mmssApostila provas musculares mmss
Apostila provas musculares mmssJaiani Iacha
5.5K views21 Folien
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia von
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaFisioterapeuta
196.2K views15 Folien
Apostila provas mmii_tronco von
Apostila provas mmii_troncoApostila provas mmii_tronco
Apostila provas mmii_troncoGuilherme Gasparetto
11K views18 Folien
Dor em membros inferiores von
Dor em membros inferioresDor em membros inferiores
Dor em membros inferiorespauloalambert
6.6K views50 Folien
Quadril - Exame Físico von
Quadril - Exame FísicoQuadril - Exame Físico
Quadril - Exame FísicoGuilherme Biasuz
42K views119 Folien

Más contenido relacionado

Was ist angesagt?

Avaliação da coluna lombar von
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarJunio Alves
40.8K views16 Folien
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o von
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£oDor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£opauloalambert
9.5K views43 Folien
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso von
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de CasoSemiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de CasoEnfº Ícaro Araújo
10.7K views27 Folien
Angulo popliteo von
Angulo popliteoAngulo popliteo
Angulo popliteojuuliacarolina
8.8K views6 Folien
Dor ombro, cotovelo, punho e mão von
Dor ombro, cotovelo, punho e mãoDor ombro, cotovelo, punho e mão
Dor ombro, cotovelo, punho e mãopauloalambert
19.7K views37 Folien
Exame neurológico coluna lombar von
Exame neurológico coluna lombarExame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarGiancarlo Ciongoli
17.3K views61 Folien

Was ist angesagt?(20)

Avaliação da coluna lombar von Junio Alves
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
Junio Alves40.8K views
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o von pauloalambert
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£oDor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
pauloalambert9.5K views
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso von Enfº Ícaro Araújo
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de CasoSemiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Semiologia do Sistema Locomotor - Estudo de Caso
Enfº Ícaro Araújo10.7K views
Dor ombro, cotovelo, punho e mão von pauloalambert
Dor ombro, cotovelo, punho e mãoDor ombro, cotovelo, punho e mão
Dor ombro, cotovelo, punho e mão
pauloalambert19.7K views
Procedimentos espinhais guiados por neuroimagem von Daniel Pimentel
Procedimentos espinhais guiados por neuroimagemProcedimentos espinhais guiados por neuroimagem
Procedimentos espinhais guiados por neuroimagem
Daniel Pimentel4.6K views
Avaliação mmss apontamentos von Rosana
Avaliação mmss   apontamentosAvaliação mmss   apontamentos
Avaliação mmss apontamentos
Rosana1.2K views
Exame físico esqueleto axial von pauloalambert
Exame físico esqueleto axialExame físico esqueleto axial
Exame físico esqueleto axial
pauloalambert4K views
Modulo 12 von SemioOrto
Modulo 12Modulo 12
Modulo 12
SemioOrto3.6K views
Semiologia ortopédica tjmg von Otavio Melo
Semiologia ortopédica tjmgSemiologia ortopédica tjmg
Semiologia ortopédica tjmg
Otavio Melo21.8K views
Barras paralelas von Yan Farias
Barras paralelasBarras paralelas
Barras paralelas
Yan Farias3.8K views
Reabilitacao L C A von carabola84
Reabilitacao  L C AReabilitacao  L C A
Reabilitacao L C A
carabola844.9K views

Similar a Avaliação

Dor em Membros Superiores von
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiorespauloalambert
7.7K views50 Folien
4. Semiologia do Cotovelo.pdf von
4. Semiologia do Cotovelo.pdf4. Semiologia do Cotovelo.pdf
4. Semiologia do Cotovelo.pdfRomarioRufino1
10 views24 Folien
Apostila quiropraxia-2010 von
Apostila quiropraxia-2010Apostila quiropraxia-2010
Apostila quiropraxia-2010Luís Filipe Araújo Longo
37K views38 Folien
Dor em membros superiores von
Dor em membros superioresDor em membros superiores
Dor em membros superioresPaulo Alambert
1.9K views45 Folien
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01 von
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01Lurdes E Júlia Lda
502 views38 Folien
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01 von
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01fabricio escudine
1.5K views38 Folien

Similar a Avaliação(20)

Dor em Membros Superiores von pauloalambert
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
pauloalambert7.7K views
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01 von fabricio escudine
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01
Apostila quiropraxia-2010-120920110215-phpapp01
fabricio escudine1.5K views
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite von Mauricio Fabiani
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Mauricio Fabiani28.6K views
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid von Pedro Ferrer
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First AidAlgoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Pedro Ferrer2K views
Escoliose e método klapp. von Paulo Bueno
Escoliose e método klapp.Escoliose e método klapp.
Escoliose e método klapp.
Paulo Bueno30.2K views
Escolioseemtodoklapp 140430105239-phpapp01(1) von EduardaEvangelho
Escolioseemtodoklapp 140430105239-phpapp01(1)Escolioseemtodoklapp 140430105239-phpapp01(1)
Escolioseemtodoklapp 140430105239-phpapp01(1)
EduardaEvangelho35 views
Oficina de bolas fisio von Tatiana Lage
Oficina de bolas fisio Oficina de bolas fisio
Oficina de bolas fisio
Tatiana Lage3K views
Aula 7 posições cirúrgicas von Marci Oliveira
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
Marci Oliveira228.7K views
Ajuda e metodos de treinamento na musculação von Alexandra Nurhan
Ajuda e metodos de treinamento na musculaçãoAjuda e metodos de treinamento na musculação
Ajuda e metodos de treinamento na musculação
Alexandra Nurhan494 views
Ajuda e metodos de treinamento na musculação von Alexandra Nurhan
Ajuda e metodos de treinamento na musculaçãoAjuda e metodos de treinamento na musculação
Ajuda e metodos de treinamento na musculação
Alexandra Nurhan851 views

Avaliação

  • 1. AVALIAÇÃO – TESTES ORTOPÉDICOS CERVICAL: Compressão Cervical: Paciente sentado com a cabeça em posição neutra, terapeuta exerce uma compressão na cabeça com as duas mãos. Se o paciente relatar dor é sugestivo de compressão e/ou irritação nervosa ou alterações nos discos intervertebrais. Compressão Cervical de Jackson: Paciente sentado com a cabeça em posição neutra, terapeuta realiza uma compressão com inclinação para o lado acometido. Se o paciente relatar aumento da dor é sugestivode compressão discal.Quando inclinar para o outro lado e o paciente relatar alívio da dor é positivo para compressão discal e se ele relatar queimação e/ou parestesia é sugestivo de irritação da raiz nervosa. Spurling: Paciente sentado, terapeuta realizauma pressãogradual com uma mão e inclina a cabeça lateralmente. Se o paciente sentir dor o teste é considerado positivo e indica comprometimento da articulação facetária. Se o paciente não relatar dor com este procedimento, o terapeuta deve apoiar sua mão sobre a cabeça do paciente e aplicarum pequeno golpe com aoutra mão. Casoo paciente referir dor o teste é positivo e pode indicar dor radicular por invasão (Degeneração discal ou Hérnia). Adson: Paciente em pé. Terapeuta palpa a pulsão radial, pede uma hiperextensão de ombro com uma rotação externa e pede para o paciente olhar para o ombro do mesmo lado. Se a pulsação diminuir neste movimento e ao olhar para o lado oposto a pulsação voltar é sugestivo de compressão da artéria subclávia. Underburg: Paciente em pé, orientá-lo para estender os braços, com abdução de 20º e supinar as mãos. Fechar os olhos, realizar uma extensão da cabeça e marchar em seguida. Depois pedir para o paciente olhar para um dos lados se ele relatar tontura, vertigem, turvação visual ou náusea é sugestivo de compressão da artéria basilar ou artéria vertebral. OMBRO: Neer: Paciente em pé ou sentado. Terapeuta apóia uma das mãos na região superior do ombro (acrômio-clavicular) e exerce uma pressão no sentido inferior; com a outra mão apoiada no braço do paciente pedir para que o mesmo realize a flexão do ombro. Se o paciente referir dor durante o movimento, o teste é positivo. Indicado para verificar compressão das estruturas sub-acromiais. Jobe: Paciente em pé, de frente para o terapeuta. Realiza flexão de ombro a 75º associada a uma abdução de 35º a 45º, mais rotação interna. Terapeuta apóia suas mãos no punho do paciente e realiza uma pressão no sentido inferior e solicita resistência ao movimento. Se o paciente referir dor na inserção do supra o teste é positivo. Indicado para tendinite do supra-espinhal.
  • 2. Hawkins/Kennedy: 1º modo: Paciente sentado ou em pé com flexão de ombro e cotovelo a 90º, terapeuta apóia e estabiliza com uma mão o ombro e com a outra mão realiza movimento de rotação interna e solicita ao paciente resistência ao movimento. Se o paciente relatar dor na região do supra o teste é positivo para tendinite do supra- espinhal. 2º modo: Paciente em pé ou sentado com abdução de ombro e flexão de cotovelo a 90º associado a rotação externa. Terapeuta realiza movimento de rotação interna e solicita ao paciente resistência do mesmo; se relatar dor na região antero- superior do ombro, o teste é positivo para compressão das estruturas sub-acromiais Yocun: Pacinte em pé com a mão homo-lateral no ombro contra-lateral, terapeuta resiste a abdução ativa do cotovelo. Indicado para compressão do tendão do supra-espinhal e estruturas sub-acromiais. Bursite Subacromial (palpação da bursa): 1º modo: Paciente sentado ou em pé, terapeuta realiza passivamente extensão do ombro e com a outra mão palpa a região da bursa subacromial. Se o paciente sentir dor o teste é sugestivo para inflamação da bursa. 2º modo: Paciente em posição supina com a articulação do ombro fora da maca, terapeuta realiza abdução do ombro com extensão e com a outra mão palpa a região da bursa, o teste é positivo se o paciente relatar dor. Diferencial para Bursite Subacromial e Tendinite do Supra-Espinhoso: Pacinte em pé, realiza abdução do ombro contra uma leve resistência oferecida pelo terapeuta, Se o paciente relatar dor na inserção ou no trajeto do supra o teste é sugestivo de tendinite, mas que pode ser confundido com inflamação da bursa. Portanto o terapeuta realiza uma decoaptação articular (no sentido inferior) e solicita o movimento de abdução, se o paciente relatar alívio da dor o teste é positivo para bursite. É importante que o terapeuta realize o mesmo movimento associado com movimento ativo, pois se o paciente relatar dor o teste é positivo para tendinite. Appley: Paciente sentado ou empé, terapeuta solicitapara que o paciente toque com as pontas dos dedos a escápula contra-lateral (ângulo superior) realizando o movimento de abdução com rotação externa, depois solicitar o movimento de adução com rotação interna e tocar o ângulo inferior da escápula contra-lateral. Aumento da dor ou a incapacidade para realização dos movimentos indica inflamação degenerativa de um dos tendões do manguito rotador. Gebber: solicitar que o paciente realize uma adução com rotação interna do ombro na tentativa de apoiar o braço na região posterior da coluna, caso o paciente não consiga realizar o movimento o teste é positivo. Indicado para avaliar encurtamento ou disfunção do sub-escapular. Queda de Braço: terapeuta realiza passivamente o movimento de abdução do ombro até 90º e solicita para o paciente manter a posição com o braço estendido e/ou incapaz de baixar o braço lentamente. Casoo paciente não consigarealizar o movimento e o braço venha a cair o teste é positivo para ruptura do manguito rotador, geralmente o supra espinhal.
  • 3. Sinal de Apreensão Anterior: Pacienteem pé de frente para o espelho, terapeuta atrás realiza o movimento de abdução com rotação externa e cotovelo fletido à 90º. Se o paciente apresentar alteração na expressão da face o teste é positivo para instabilidade da cápsula anterior. Gaveta Anterior: 1º modo: Paciente em pé de frente para o espelho, realiza movimento de abdução com rotação externa e cotovelo fletido à 90º. Terapeuta apóia o polegar na região posterior da cabeça do úmero e exerce uma força de deslocamento anterior. Se ocorrer deslocamento anterior o teste é positvo. 2º modo: Paciente em decúbito dorsal, ombro para fora da maca abduzido e rodado externamente. Se ocorrer um deslocamento espontâneo o teste é positivo para ruptura da cápsula anterior ou lesão de ligamento. Se não ocorrer o movimento o terapeuta força o movimento de deslocamento anterior, se ocorrer o movimento o teste é positivo. Indicado para verificar frouxidão ou instabilidade da cápsula articular anterior. Gaveta Posterior: Paciente em decúbito dorsal com o ombro fletido e aduzido associado a flexão do cotovelo. Terapeuta apóia uma das mãos no ombro do paciente e outra no cotovelo realizando uma pressão no sentido posterior, se ocorrer o deslocamento o teste é positivo para instabilidade da cápsula ou frouxidão ligamentar. Instabilidade Anterior e Posterior: Paciente empé, terapeuta estabiliza o ombro com o polegar na margem superior da escápula e o indicardor no acrômio. Com a outra mão na cabeça do úmero realiza uma força de deslocamento na cabeça umeral no sentido anterior e posterior. Caso ocorra um deslocamento o teste é sugestivo de instabilidade glenoumeral. Speed: Paciente sentado , terapeuta palpa o sulco biciptal e solicita ao paciente a flexão de ombro com o antebraço em supinação contra uma leve resistência oferecida pelo terapeuta. Se o paciente referir dor na região do tendão do bíceps o teste é positivo. Indicado para tendinite da porção longa do bíceps. Yergason: Paciente sentado com o cotovelo fletido e antebraço pronado. Com uma mão o terapeuta palpa o sulco biciptal e com a outra no punho oferece resistência ao movimento de supinação e rotação externa. A supinação resistida do antebraço e a rotação externa do ombro tensionam o tendão biciptal. Dor à palpaçãono tendão indica inflamação e se o tendão “saltar” para fora do suco biciptal, então pode ser o sulco bicipal raso ou rompimento do ligamento umeral transverso. COTOVELO: Cozen: Paciente sentado, braço aduzido, cotovelo fletido, antebraço pronado, punho estendido e dedos fletidos (mão cerrada). Instruir o paciente a resistir ao movimento de flexão proporcionado pelo terapeuta. Se o paciente sentir dor na região do epicôndilo lateral o teste é positivo para epicondilite lateral. Mill: Paciente sentado, braço aduzido, cotovelo fletido, antebraço pronado, punho e dedos fletidos, terapeuta solicita uma supinação contra sua resistência. Se o
  • 4. paciente sentir dor na região do epicôndilo lateral o teste é positivo para epicondilite lateral. Cotovelo de Golfista: Paciente sentado ou em pé, cotovelo fletido, braço aduzido, antebraço supinado com o punho estendido e dedos fletidos. Solicitar que o paciente realize aflexãodo punho contra a resistência.Se o paciente sentir dor na região do epicôndilo medial o teste é positivo para epicondilite medial. Esforço em Abdução: Testa o ligamento colateral ulnar. É realizado com o paciente sentado ou em pé, terapeuta estabiliza o braço do paciente e com a outra mão segurando o antebraço realiza stress em valgo (abdução), se o paciente relatar dor, ou houver instabilidade, ou aumento do espaço articular, o teste é positivo. Esforço em Adução: Testa o ligamento colateral radial, paciente sentado ou em pé, terapeuta estabiliza o braço do paciente e com a outra mão segurando o antebraço realiza stress em varo (adução) se relatar dor, ou houver instabilidade, ou aumento do espaço articular, o teste é positivo. PUNHO E MÃO: Phalen: Paciente realiza a flexão de punho apoiando a região dorsal de ambas as mãos com o cotovelo fletido a 90º e braços elevados. Deve permanecer nesta posição de 30 seg à 1 min; caso dentro desse período relatar dor, parestesia ou queimação o teste é positivo. Indicando compressão do nervo mediano, sugestivo para síndrome do túnel do carpo. Phalen Invertido: agora o paciente realiza a extensão do punho apoiando a região palmar das mãos, se o paciente sentir as mesmas sensações do teste de Phalen normal o teste é positivo. Teste de Fienkelstein: O objetivo é testar o tendão do abdutor longo do polegar. Solicitar que o paciente realize a adução do polegar com flexão da falange distal e feche os dedos apoiando o dedo indicador na falange distal e realize o desvio ulnar. Se o paciente sentir dor no processo estilóide do rádio ou no trajeto do tendão o teste é positivo. Para testar também o extensor radial curto, solicitaroponência entre o polegar e o dedo mínimo e associaraflexãode punho. Se o paciente relatar dor o teste é positivo (síndrome de Quervain). LOMBAR: Teste de Lasègue: Paciente em posição supina. Realizar a flexão do quadril com o joelho fletido, se o paciente relatar alívio da dor o teste é positivo; e ao realizar a extensão do joelho ele relatar dor em queimação é a confirmação do teste. O objetivo do teste é verificar radiculopatia do isquiático ou uma provável hérnia discal. Teste de Elevação com a Perna Retificada: Este teste é realizado para estirar proximalmente o nervo isquiático e sua cobertural dural. Deve ser realizado com paciente em supino com os membros inferiores estendidos. Terapeuta segura o calcanhar e realiza a flexão do quadril com o joelho estendido do membro pesquisado,
  • 5. se o paciente sentir agravamento da dor na região lombar entre 35º a 70º de flexão, pode-se suspeitar de irritação da raiz nervosa do isquiático por patologia do disco interverbral. “Caso o paciente referir dor na perna oposta, isso será chamado de resposta cruzada positiva, sendo significativa para um disco herniado”. Atenção: Você pode determinar se a dor é causada por isquiotibiais encurtados ou se é de origem neurogênica, elevando a perna até o ponto da dor; então baixando-a levemente, isso deverá reduzir a dor na perna. Depois faça a dorsiflexão passsiva do pé, para aumentar o alongamento do isquiático. Se essa manobra causar dor, então será de origem neurogênica. Teste de Pheasant: Paciente emdecúbito ventral, terapeuta exerce uma pressão com uma das mãos na região lombar e realiza passivamente aflexão dos joelhos até que os calcanhares toquem as nádegas. Se o paciente sentir dor neste movimento, o teste é sugestivo para uma vértebra luxada ou fora do espaço. Teste de Milgran: Paciente em decúbito dorsal com os membros inferiores estendidos, instruí-lo à elevar os membros inferiores aproximadamente 5 a 7 cm da maca e sustentá-los por 30 segundos, se durante esse tempo o paciente relatar dor na lombar, o teste é sugestivo de protusão discal (Hérnia discal). Teste de Kernig: Paciente em posição supina com as mãos entrelaçadas atrás da cabeça. Solicitar a flexão forçada da cervical, levando o queixo de encontro ao toráx. Paciente pode se queixar de dor na região cervical, lombar ou nas pernas, o que é indicativo de irritação meníngea, lesão de raiz nervosa ou irritação dural, que recobre as raízes. Solicitar para que o mesmo localize o local exato da dor. Manobra de Valsalva: Com o paciente sentado, peça para que ele faça um inspiração completa, que flexione o tronco levemente a frente e faça força como se estivesse defecando, mas concentrando a maior parte do esforço na região lombar. Se paciente referir aumento da dor, o teste é positivo para lesões ocupadores de espaço (hérnia, massa, osteófito). QUADRIL: Piriforme: 1º modo: Pacinte em prono, orientá-lo pra deitar-se junto a borda da maca com a perna para fora. Terapeuta realiza a flexão e adução da perna sob pressão; depois com o auxílio da mão, localizar uma linha imaginária da espinha ilíaca póstero- superior até o cóccix e onde estiver o dedo médio, palpar com a ponta do dedo. Se o paciente referir dor durante a execução ou na palpação o teste é positivo. 2º modo: Paciente em supino, terapeuta realiza passivamente a flexão, adução e rotação interna exercendo uma pressão. Se o paciente relatar dor, que aumenta com a palpação o teste é positivo. Hoover: Este teste auxilia a determinar se o paciente está simulando ao afirmar que não pode elevar a perna. Paciente em posição supina, terapeuta apoia sua mão na região posterior do calcâneo do membro inferior contralateral ao da queixa e solicita para o paciente elevar estendida a perna a qual refere a dor. Quando o paciente está
  • 6. tentando realmente elevar a perna, exercerá uma pressão no calcanhar da perna oposta, utilizando-o como alavanca. Quando isto não acontecer o teste é positivo. Gaenslen: Paciente em supino na borda da maca com o membro inferior pendente e o contra lateral flexionado próximo ao tórax. Se o paciente relatar dor na região sacroilíaca o teste é sugestivo de patolgias desta articulação. Patrick e Fabere: Paciente em supino, terapeuta deve estabilizar com uma das mãos a pelve oposta e realizar a flexão, abdução e rotação externa do membro inferior exercendo uma pressão neste movimento. Se o paciente relatar dor inguinalé indicativo de patologias da articulação coxofemoral, mas se o relato de dor for na região sacroilíaca, o teste é indicativo de patologias desta articulação. Thomas: Paciente em posição supina com os joelhos fletido e para fora da maca. Orientá-lo para flexionar significativamenteo quadril e joelho oposto. Casoocorra flexão do quadril o teste é sugestivo para retesamento do músculo iliopsoas, mas se não ocorrer a flexão do quadril e sim a extensão so joelho e teste é sugestivo para retesamento do reto femural. Ober: Paciente em decúbito lateral, abduzir a perna e em seguida soltá-la. Se a perna deixar de descer suavemente, provavelmente será supeitada uma contratura do músculo tensor da fáscia lata ou do trato iliotibial. Trendelenburg: Paciente em pé, terapeuta a trás apoiando as mãos nas espinhas ilíacas postero-superior. Instruir o paciente para flexiona uma perna de cada vez. Se o paciente não for capaz de ficar de pé sobre uma perna porque a pelve oposta cai ou deixa de elevar-se, o teste será considerado positivo, indicando fraqueza do músculo Glúteo Médio ao lado oposto da flexão do quadril. JOELHO: Gaveta Anterior: Paciente em posição supina, quadril e joelho fletidos com os pés apoiados na maca. terapeuta senta sobre o pé do paciente para estabilizar, coloca as mãos na região posterior do joelho e puxa a tíbia anteriormente. Se a tíbia deslocar anteriormente indica possível lesão de LCA. Gaveta Posterior: Paciente em posição supina, quadril e joelho fletidos com os pés apoiados na maca. terapeuta senta sobre o pé do paciente para estabilizar, coloca as mãos na região anterior do joelho e empurra a tíbia posteriormente. Se a tíbia deslocar posteriormente indica possível lesão de LCP. Lachman: Paciente em supino, joelho fletido a 30º, segurar o fêmur com uma das mãos e com aoutra tracionar atíbia para frente e para trás. Se houver deslocamento um anterior da tíbia o teste é positivo para lesão do LCA, se houver um deslocamento posterior o teste é positivo para lesão do LCP. Dejour: Paciente em posição supina, terapeuta abraça a perna do paciente colocando sua mão na região posterior da tíbia e a outra na região anterior do femur. Execução: Terapeuta com o braço que segura a perna realiza um stress em valgo
  • 7. promovendo o movimento de flexãodo joelho, a mão cefálicaestabilizaofemur e amão caudal realiza uma pressão anterior da tíbia. Caso durante o movimento de flexão e o seu retorno ocorrer um “click ”, o teste é sugestivo para lesão do LCA. Pivot – Shift: Paciente em posição supina com joelho estendido. Terapeuta realiza arotação interna da tibia associadaaostress emvalgo durante uma flexão rápida do joelho. Se ocorre um “ click” durante o movimento de retorno (flexão para extensão) o teste é sugestivo para lesão do LCA. Manobra de Godfrey ou Sinal da Queda Posterior: É uma gaveta posterior gravitacional. O paciente em posição supina com o quadril e os joelhos fletidos a 90º. A força da gravidade empurra a tíbia posteriormente. Se houver um espaçamento o teste é positivo para lesão de LCP. Visualização da Hiperextensão: Paciente em posição supina com os membros inferiores estendidos. Terapeuta segura a ponta do pé do paciente e eleva o membro inferior, deixando-o pendente, para visualizar a hiperextensão do joelho. O teste pode indicar fouxidão ou lesão do LCP. McMurray: Paciente em supino, flexão de quadril e joelho fletido a 90º, terapeuta apóia o polegar e o indicador na linha articular do joelho e coma outra mão apoia a região posterior do calcâneo. Terapeuta realiza movimento de rotação interna e externa associado ao stress em varo e valgo e termina com a extensão do joelho em rotação externa. Se o paciente relatar dor associado a um “click” articular o teste é positivo para lesão meniscal. Appley por Compressão: Paciente em prono com joelho fletido a 90º, terapeuta apoia uma das mãos sobre o calcâneo e uma de suas pernas (com o joelho fletido) na coxa do paciente. Exercer uma força de compressão associadaaomovimento de rotação interna e externa. No lado do compartimento que o paciente relatar dor é sugestivo de lesão meniscal (geralmente associado ao movimento de rotação externa, o paciente relata dor no compartimento medial e vice-versa). Aplley por Tração: Mesmo posicionamento que o anterior, mas agora o terapeuta realiza uma força de tração associada a rotação interna e externa. Em caso de ausência de dor o teste é positivo para lesão meniscal. Mas se ocorrer dor associada a moviemento articular o teste é sugestivo de lesão dos ligamentos colaterais. (pois a distenção provoca tensão nos ligamentos colaterais medial e lateral). Steinman: paciente sentado com joelho fletido e pendular a maca, terapeuta vai segurar no calcâneo e no dorso do pé então realizar uma tração da perna associada ao movimento de dorsiflexão e extensão joelho. Se o paciente relatar melhora da dor ou ausênciada dor o teste é sugestivode lesãomeniscal.Se o paciente referir dor na região anterior do joelho o teste pode indicar tendinite patelar. Obs: Este teste deve ser realizado após o Mc Murray e o Appley. Comprerssão Patelar: paciente em posição supina, terapeuta apoia uma das mãos no bordo superior da patela e realiza um pressão no sentido posterior e inferior
  • 8. ao mesmo que o paciente realiza a contração do quadríceps. Dor associada a um estalido, o teste é positivo para condromalacea patelar. Raspagem Patelar: Paciente em posiçãosupina, terapeuta move a patela medial e lateralmente enquante exerce uma pressão para baixo. Dor embaixo da patela é sugestivo de condromalacea patelar ou de doença degenerativa. TORNOZELO: Instabilidade Lateral (Stress em inversão): paciente em posição supina, o terapeuta, com a mão distal apóia a região posterior levemente superior a articulação do tornozelo e com a mão proximal no antepé realiza o movimento de inversão. O teste é sugestivo a lesão dos ligamentos quando na região dos ligamentos houver depressão ou espaço, após histórico de trauma. Instabilidade Medial (Stress em eversão): o mesmo posicionamento do teste de instabilidadelateral sóque agorao terapeuta realizao movimento de stress emeversão. O teste é sugestivo a lesão dos ligamentos quando na região dos ligamentos houver depressão ou espaço, após histórico de trauma. Thompson: Paciente em posição prona, solicitar a flexão do joelho a 90. Comprimir com as mãos os músculos da panturrilha de encontro à tíbia e à fibula. Se não acontecer o movimento de flexão plantar, o teste é sugestivo para ruptura do tendão calcâneo. Sinal da Gaveta do Pé: Paciente em posição supina, estabilizar o tornozelo com uma mão e com a outra apoiar o calcâneo, exercer uma pressão no sentindo posterior empurrado a tíbia. Se ocorrer um espaçamento o teste é sugestivo para lesão do ligamento talofibular anterior. A seguir, estabilzar com uma mão o dorso do pé e com a outra apoiada na região posterior da tibia, exercer uma pressão no sentido anterior, caso ocorra um espaçamento o teste é sugestivo para lesão do ligamento talofibular posterior.