Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Factores explicativos:<br />A – Latitude<br />A norte mais pluvioso, situado a uma maior latitude, é mais vezes afectado, ...
Factores explicativos
Factores explicativos
Factores explicativos
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Factores explicativos

9.624 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Factores explicativos

  1. 1. Factores explicativos:<br />A – Latitude<br />A norte mais pluvioso, situado a uma maior latitude, é mais vezes afectado, no Inverno, pelas perturbações frontais.<br />O sul é mais seco dado que é menos vezes afectado pelas perturbações frontais, mesmo no inverno. Por outro lado, é mais frequentemente influenciado por ar tropical continental, oriundo do norte de África.<br />B - Altitude <br />A precipitação é mais elevada nas terras altas próximas do litoral, principalmente, nas encostas expostas aos ventos marítimos.<br />Nas vastas planuras situadas a sul do Tejo a precipitação é muito mais escassa.<br />Concluímos então que os maiores quantitativos de precipitação ocorrem nos locais de maior altitude e de maior exposição aos ventos marítimos.<br />C – Disposição do relevo<br />Noroeste de Portugal Peninsular com elevadas precipitações e o nordeste com precipitações reduzidas. As linhas de relevo que se situam entre aquelas duas áreas são sensivelmente paralelas à linha de costa – montanhas concordantes – e constituem uma autêntica barreira de condensação. Os ventos húmidos do Atlântico são “forçados” a ascender as encostas voltadas ao mar, originando aí precipitação abundante. Os ventos depois de atravessarem esta barreira, continuam o seu percurso para leste mas muito menos húmidos, pois perderam grande parte da sua humidade na transposição das montanhas. Por outro lado, o vento ao descender as vertentes orientais aquece, chegando assim ao Médio e Alto Vale do douro muito mais quente e seco.<br />No centro do país a Cordilheira Central, disposta obliquamente à linha de costa – relevo discordante – permite a fácil penetração dos ventos húmidos.<br />D – Proximidade / afastamento do mar<br />Nas regiões litorais ocorrem, tendencialmente maiores quantitativos de precipitação devido á maior influência dos ventos húmidos; nas regiões do interior mais afastadas da influência marítimas, os quantitativos são menores. Este efeito do afastamento do mar está bastante atenuado em Portugal dado que a distância litoral-interior raramente é superior a 200 km.<br />O clima de Portugal<br />Amplitude térmica = temp. Máxima – temp. Mínima<br />No continente:<br />Embora com características do clima temperado mediterrâneo a marcar todo o continente a influência atlântica no norte-litoral, continental, no interior e da altitude nas áreas de montanha criam diversidade climática.<br />Assim, podemos considerar em Portugal continental os seguintes conjuntos climáticos:<br />1º Clima temperado mediterrâneo de influência atlântica – no norte litoral (Noroeste desde Viana do Castelo até Leiria).<br />Temperaturas médias amenas ao longo do ano.<br />Verões mais frescos e invernos amenos.<br />Fraca amplitude térmica anual (normalmente inferior a 10ºC.)<br />Precipitação abundante ao longo de todo o ano, sobretudo no Outono e Inverno.<br />Dois meses secos.<br />2º Clima temperado mediterrâneo de influência continental – no norte interior (nordeste desde Bragança passando pela Guarda).<br />Temperaturas relativamente baixas no Inverno e elevadas no Verão.<br />Elevada amplitude térmica anual.<br />Verões muito quentes e invernos muito frios.<br />Precipitação fraca.<br />3/4 meses secos.<br />3º Clima temperado mediterrâneo (sul e centro litoral do país).<br />Temperaturas médias suaves no inverno e elevadas no Verão.<br />Baixa amplitude térmica anual.<br />Verões quentes, longos e secos.<br />Invernos suaves e curtos.<br />Precipitação irregular e fraca.<br />Estação seca entre 4/6 meses.<br />Nesta região existem diferenciações:<br />Litoral ocidental – com temperaturas mais amenas e maior humidade.<br />Interior alentejano – mais quente e seco.<br />Litoral algarvio – com características mediterrâneas mais acentuadas.<br />4º Clima de altitude – relevos montanhosos ( Ex: SERRA DA ESTRELA).<br />Verão fresco e húmido, e Inverno muito rigoroso.<br />Amplitude térmica anual é relativamente alta.<br />Precipitação elevada ao longo do ano e no inverno frequentemente sob a forma de neve.<br />Nas regiões autónomas:<br />Nos Açores – a maior influência do oceano faz com que apresente características mais próximas do clima temperado marítimo.<br />Assim, as características do clima dos Açores são:<br />Temperaturas médias amenas ao longo de todo o ano.<br />A amplitude térmica anual é muito fraca.<br />Precipitação abundante sobretudo no Outono e no Inverno.<br />Estação seca nunca superior a 2 meses e só nas ilhas mais orientais.<br />Na Madeira – situada a uma latitude mais baixa, o clima é predominantemente temperado mediterrâneo, existindo uma diferenciação climática significativa:<br />Na vertente norte da ilha – os ventos húmidos do Atlântico tornam a precipitação mais elevada.<br />Na vertente sul da ilha – mais abrigada dos ventos do Atlântico e exposta a ventos vindos do Norte de África, é mais quente e seca.<br />A ilha de Porto Santo – de relevo quase plano, apresenta temperaturas mais elevadas, precipitações fracas e uma estação seca mais prolongada.<br />Conclusão:<br />Uma característica do clima português: Período seco estival.<br />A característica mediterrânea que mais se evidencia em todo o território continental e na maioria das ilhas do território insular é a existência do período seco estival. – Conjunto de meses secos desde o final da Primavera ao início do Outono.<br />O período seco estival, provocado pela irregularidade na distribuição anual da precipitação tem uma grande influência nas reservas hídricas tanto superficiais como subterrâneas.<br />

×