Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM 
Campus Ituiutaba 
Curso Técnico em Inform...
2 
Introdução 
O congado (ou congada) é uma manifestação cultural e religiosa afro-brasileira. Constitui-se em um bailado ...
3 
A identidade do congado, antes de tudo, é brasileira. A partir da África, são 500 anos de história desde a viagem no At...
4 
entrou na irmandade do rosário fundada por Fr. Lourenço O.P., em Mbanza, capital do Reino do Congo. Entendemos que as i...
5 
No Golfo da Guiné, a recepção do cristianismo não foi passiva. No reino do Congo, surgiram algumas manifestações afro-c...
6 
Oceano pelos marujos do navio negreiro "Madalena" para aplacar a ira dos deuses da tempestade, que quase o afundou. Tod...
7 
história de Nossa Senhora do Rosário ou da cultura afro e, as pessoas que os compõem, se identificam com um tipo de can...
8 
Outra afiguração do congo é a dança de trança de fitas como lembrança de construção de cabanas em algumas regiões de Mi...
9 
Composição 
 Capitão: figura de grande importância para o Terno. É o responsável por organizar o grupo, confeccionar o...
10 
Referências 
Revista Museu, Ecologia e Patrimônio. 
Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.p...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×
Nächste SlideShare
Hino nacional quinteto de cordas
Weiter
Herunterladen, um offline zu lesen und im Vollbildmodus anzuzeigen.

6

Teilen

Herunterladen, um offline zu lesen

Congado - Origens, Características e Organização

Herunterladen, um offline zu lesen

O congado (ou congada) é uma manifestação cultural e religiosa afro-brasileira. Constitui-se em um bailado dramático com canto e música que recria a coroação de um rei do Congo.
Trata basicamente de três temas em seu enredo: a vida de São Benedito; o encontro da imagem de Nossa Senhora do Rosário submergida nas águas; e a representação da luta de Carlos Magno contra as invasões mouras. A congada é muito famosa em Brás Pires, em Minas Gerais, onde os congos se encontram na Igreja do Rosário.

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Congado - Origens, Características e Organização

  1. 1. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro – IFTM Campus Ituiutaba Curso Técnico em Informática Integrado ao 3° ano do Ensino Médio Disciplina: Artes Alexandre de Araújo Barreto Filho Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Pedro Henrique Chagas Alves Thales Divino Vilela da Silva Lemes Professora: Ana Paula Oliveira Ituiutaba (MG) Agosto – 2014 Congado
  2. 2. 2 Introdução O congado (ou congada) é uma manifestação cultural e religiosa afro-brasileira. Constitui-se em um bailado dramático com canto e música que recria a coroação de um rei do Congo. Trata basicamente de três temas em seu enredo: a vida de São Benedito; o encontro da imagem de Nossa Senhora do Rosário submergida nas águas; e a representação da luta de Carlos Magno contra as invasões mouras. A congada é muito famosa em Brás Pires, em Minas Gerais, onde os congos se encontram na Igreja do Rosário. Em entrevista ao G1, o historiador Jeremias Brasileiro (pesquisador e comandante geral da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito de Uberlândia - MG) contou como se dá toda a tradição do Congado e os significados de cada manifestação feita pelos grupos de congo durante a festa. “O Congado vem do termo congo, que significa congar, dançar. É uma memória que vem com os escravizados do antigo Reino do Congo, na África Central, com a essência de festejar algum momento. Naquela época era comum eles celebrarem através da dança o nascimento de um príncipe, uma boa colheita e visitas de pessoas de outras províncias, por exemplo”.
  3. 3. 3 A identidade do congado, antes de tudo, é brasileira. A partir da África, são 500 anos de história desde a viagem no Atlântico (calunga), a escravidão, as lutas, os reinados e tudo, até hoje. É brasileira a identidade do congado. Os irmãos do rosário estão vivos e sua identidade é dinâmica, mesmo quando pretendem conservar suas tradições, sabedorias e organização. Vejamos: antigamente não existia a Federação dos Congados. No mundo de hoje, as mudanças são grandes. No congado, mudamos algumas coisas para ver se assim fica melhor. Mas, qualquer adaptação necessária há de ser feita pelos próprios congadeiros a partir da tradição e das raízes, a partir da espiritualidade recebida na irmandade. Falamos de uma identidade dinâmica e brasileira. O congado e a "irmandade do rosário dos Homens Pretos" são fruto de muita criatividade desde o princípio. Esta criatividade é de beleza e fé, mas principalmente de necessidade e sobrevivência. A identidade faz parte do tripé: história, identidade e cultura. As raízes do congado estão na África, principalmente nos povos bantus. Toda identidade tem uma história. Até mesmo a identidade de uma pessoa tem tudo a ver com a história dela desde criança; tudo que ela aprendeu dos pais, da escola, da vida. Uma identidade cultural surge na história de comunidades ou povos. No congado, os antepassados, as almas dos escravos, o fundador da irmandade, reis, rainhas, capitães falecidos são lembrados e reverenciados. A cultura congadeira é fiel aos ancestrais. Nossa Senhora do Rosário Como Nossa Senhora do Rosário entrou na devoção dos negros, em Portugal, na África e no Brasil? Uma lenda contada em todas as irmandades coloca a Senhora do Rosário como sendo a origem do congado. A irmandade do rosário (dos brancos) fundada na Alemanha em 1409, chegou a Lisboa em 1478. A mais antiga menção a uma “Confraria de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos” encontramos em 14 de julho de 1496, portanto quatro anos antes da chegada dos portugueses ao Brasil. Esta informação consta num alvará dado à dita confraria, sita no mosteiro de S. Domingos de Lisboa, "para poderem dar círios e recolher as esmolas nas caravelas que vão à Mina e aos rios da Guiné". Encontramos o importante documento no Arquivo Nacional da Torre do Tombo em Lisboa. Em 1526, já havia na ilha de São Tomé a irmandade dos "Homens Pretos". Outras irmandades do Rosário existem no Congo, na Angola e em Moçambique, desde o Séc. XVII. Antes de 1552, já existia no Brasil uma irmandade para os escravos da Guiné, segundo Frei Odulfo van der Vat.ofm e outros historiadores. Em 1610, o rei do Congo
  4. 4. 4 entrou na irmandade do rosário fundada por Fr. Lourenço O.P., em Mbanza, capital do Reino do Congo. Entendemos que as irmandades do rosário surgidas no Brasil, não vieram só da Europa, mas também da África. Provavelmente, houve escravos africanos que já vieram para cá irmãos do rosário. Origem Povos Bantus e o Cristianismo na África Na África, os bantus (mais de 500 povos) formam um grupo linguístico. O termo "bantu" não se remete à apenas uma cultura. Muito tempo antes dos portugueses chegarem à África, já haviam os povos bantus. Atravessaram as densas florestas do centro da África, e isso demorou séculos. Nessa façanha, misturaram-se com outros povos e venceram outros. Forjaram-se reinados, e uma civilização hierarquizada; não uma única cultura e sim muitas. Explicamos a diversidade cultural dos bantus, pela importância dada aos antepassados. Cada grupo étnico bantu tem seus antepassados como ponto de união. É deles que apreenderam a sabedoria dos provérbios; dos antigos receberam as leis para fazer justiça no caso de uma briga de terras ou entre famílias; é deles que aprenderam a religião, a cura das doenças e os instrumentos musicais e todas as outras coisas da vida. Assim, cada grupo, cada clã, cada povo de bantu tem sua cultura própria. Portanto, existe a civilização bantu na África, o grupo linguístico bantu e muitas culturas bantu; grande parte das tradições afro-brasileiras designam desses povos, como pode-se observar na migração descrita na imagem anterior. Desde que os portugueses chegaram ao Golfo da Guiné, o cristianismo entrou lá e se instalou. Em 1533, foi criada a diocese de Cabo Verde e Guiné; e é fato que muitos escravos bantus do Brasil já eram cristãos na África.
  5. 5. 5 No Golfo da Guiné, a recepção do cristianismo não foi passiva. No reino do Congo, surgiram algumas manifestações afro-católicas. A jovem Beatrice Kimpa Vita, por exemplo, liderava um movimento de Sto. Antônio, que africanizava o cristianismo. Ela “encarnava Santo Antônio” e dizia que Jesus e muitos santos nasceram no Congo. Beatrice foi condenada pela inquisição e morreu na fogueira, em 1706. Curiosamente, no Brasil, encontramos Luiza Pinta, escrava da Angola e devota de Santo Antônio em Sabará (MG), que foi torturada pela inquisição, em Lisboa no ano de 1742. Quem sabe, a Luiza tenha pertencido ao movimento da Beatriz? A lenda do Chico-Rei A origem do congado refere-se diretamente à lenda do “Chico-Rei”: Chico Rei é um personagem lendário da tradição oral de Minas Gerais, Brasil. Segundo esta tradição, Chico era o rei de uma tribo no reino do Congo, trazido como escravo para o Brasil. Conseguiu comprar sua alforria e de outros conterrâneos com seu trabalho e tornou-se "rei" em Ouro Preto. Nascido no Reino do Congo, chamava-se originalmente Galanga. Era monarca guerreiro e sumo sacerdote do deus Zambi-Apungo e foi capturado com toda a sua corte por comerciantes portugueses traficantes de escravos. Chegou ao Brasil em 1740, no navio negreiro "Madalena", mas, entre os membros da família, somente ele e seu filho sobreviveram à viagem. A rainha Djalô e a filha, a princesa Itulo, foram jogadas no
  6. 6. 6 Oceano pelos marujos do navio negreiro "Madalena" para aplacar a ira dos deuses da tempestade, que quase o afundou. Todo o lote de escravos foi comprado pelo major Augusto, proprietário da Mina da Encardideira, e foi levado para Vila Rica como escravo. Trabalhando como escravo, conseguiu comprar sua liberdade e a de seu filho, adquirindo, também, a mina na qual trabalhava. Aos poucos, foi comprando a alforria de seus compatriotas. Os escravos libertos, então, consideravam- no "rei". Este grupo associou-se em uma irmandade em honra de Santa Ifigênia, que teria sido a primeira irmandade de negros livres de Vila Rica. Ergueram a Igreja de Santa Ifigênia/Nossa Senhora do Rosário. Chico Rei virou monarca em Ouro Preto, antiga Vila Rica, em Minas Gerais, no século XVIII, com a anuência do governador-geral Gomes Freire de Andrada, o conde de Bobadela. No dia de Nossa Senhora do Rosário, ocorriam as solenidades da irmandade, denominadas Reinado de Nossa Senhora do Rosário. Durante estas solenidades, Chico, coroado como rei, aparece com a rainha e acorte, em ricas indumentárias, seguido por músicos e dançarinos, ao som de caxambus, pandeiros, marimbase ganzás. Este cortejo antecedia a missa (tradição que permanece até hoje). Tal conto popular expressa claramente o surgimento do Congado como uma forma de manifestação escravocrata que desejava recuperar suas origens africanas, completamente devastada pelo colonialismo europeu. Pode-se identificar, portanto, o ato de celebração ao rei (Chico) tanto como uma forma de solenidade à Cora Portuguesa quanto à ambição de se recuperar seu território e identidade cultural/histórica. Características Ternos de Congo Geralmente, os grupos em que se dividem os congadeiros de uma região são denominados como Ternos de Congo. Cada um deles representa um momento da
  7. 7. 7 história de Nossa Senhora do Rosário ou da cultura afro e, as pessoas que os compõem, se identificam com um tipo de canto, percussões, vestuários e linhagens de famílias. “Os Moçambiques, por exemplo, são um dos mais tradicionais grupos de congo da nossa região (Triângulo Mineiro) e eles representam o povo que ficou à beira do mar chamando a Senhora do Rosário, entoando cantos, sem dar as costas. Por isso, quando os Ternos de Moçambiques chegam a algum lugar eles saem de costas, justamente para prevalecer esse conto”, explica Jeremias Brasileiro. Os Moçambiques são os congadeiros mais tradicionais e podem entoar apenas cantos de manifestação e fé. São caracterizados por latinhas amarradas em cordas nos pés. Os ternos de Catupés surgiram da influência indígena e utilizam de cantorias irônicas e com críticas sociais. Os Marujos ou Marinheiros têm origem moura e fazem uso de caixas e chocalhos simbolizando, através da cantoria, a submissão final dos mouros ao poder dos cristãos. Já os Penachos fazem cantorias de lamentações e as coreografias são de passos marcados e credenciados, representando os índios africanos inseridos nas congadas. O terno de Vilão representa, na oralidade, os jovens escravos que assaltavam fazendas e engenhos, por isso suas danças fazem referência a esses conflitos. Estas denominações são apenas singularidades que os ternos representam, pois é possível haver mais de um grupo da mesma estrutura, porém cada um com sua própria identidade. No município de Uberlândia, por exemplo, há oito ternos de moçambiques e três catupés. Para comandar a todos, os ternos têm seus capitães e estes podem ser identificados por meio de um bastão, que é utilizado apenas por capitães ou comandantes de irmandades. Cores, Elementos e Significados O desfile da Festa do Congado é marcado por costumes e atividades próprias, a principal delas é o levantamento de mastro. Essa tradição faz referência à época em que os escravos se seguravam aos mastros de navios para se salvarem, tal qual o mastro quando é colocado no chão, ato que também mitifica estes tempos.
  8. 8. 8 Outra afiguração do congo é a dança de trança de fitas como lembrança de construção de cabanas em algumas regiões de Minas; para outros, representa a travessia marítima de escravos e, para outras pessoas, pode representar também a unidade familiar, antes e após a escravidão. As bandeiras, outro elemento bastante importante do Congado, representam cada um dos Ternos de Congo e firmam a identidade do grupo específico. Em relação ao vestuário, os ternos de congado têm determinados tipos de cores, sejam elas por ligações por santos devocionais, por empatia e beleza ou por estarem associadas à religiosidade afro-brasileira. Algumas dessas cores são:  Rosa: representa o sensível e a humildade.  Roxo: uma homenagem a São Benedito, resultante de coragem contra adversidades.  Azul-piscina: simboliza a alegria dos marinheiros ao resgatarem Santa Ifigênia no fundo do mar.  Verde-piscina: traduz a felicidade dos marinheiros ao buscar Santa Ifigênia no mar de águas límpidas.  Amarelo: espanta o mau olhado, traz riqueza e bem-estar.  Verde: reflete a esperança de que as crianças, os adolescentes e os jovens adultos possam continuar com os rituais do congado.
  9. 9. 9 Composição  Capitão: figura de grande importância para o Terno. É o responsável por organizar o grupo, confeccionar os instrumentos, agendar e organizar os ensaios, além de ser responsável por buscar patrocínios para as necessidades do Terno.  Bandeirinhas: meninas que abrem e apresentam o Terno de Congo, cantando, dançando e segurando as bandeiras dos santos homenageados pelo Terno. Até pouco tempo, era a única forma das mulheres participarem diretamente da dança que envolve os Ternos.  Caixeiros ou Guias: são os dançarinos mais antigos e marcam o ritmo do Terno; ensinam aos jovens, também, o ritmo. Carregam as caixas que fazem o som característico da congada. Curiosidade: estas caixas chegam a pesar 50Kg.  Instrumentistas: são os que tocam o violão, a viola, a sanfona e pandeiros.  Soldados: São os dançarinos mais jovens e compõem as filas do Terno. Dependendo do Terno, podem: carregar grandes caixas, pequenos pandeiros ou bastões coreografando com estes instrumentos.  Conguinhos: são crianças, geralmente filhos dos dançarinos de congo, com idades inferiores a 5 anos que acompanham, junto com suas mães, as últimas fileiras dos ternos. Instrumentos Os instrumentos musicais utilizados são:  A cuíca;  A caixa;  O pandeiro;  O reco-reco;  O cavaquinho;  O tarol;  E a sanfona ou acordeom.
  10. 10. 10 Referências Revista Museu, Ecologia e Patrimônio. Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus/article/viewFile/138/176 Acesso: 08 de Agosto, 2014. Blog: 3° Ano – CAIC. Disponível em: http://3anocaic.blogspot.com.br/2013/08/as-congadas-sao-do-congo- cultura-e.html Acesso: 08 de Agosto, 2014. Folclore. Disponível em: http://www.folclore.net.br/congado.php Acesso: 08 de Agosto, 2014. Festejo. Disponível em: http://www.festejo.art.br/arquivos/Frei Chico - Congado, origens e identidade.pdf Acesso: 09 de Agosto, 2014. Wikipédia: Congado. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Congado Acesso: 09 de Agosto, 2014. Wikipédia: Santa Ifigênia. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Ifigênia Acesso: 09 de Agosto, 2014. G1. Disponível em: http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo- mineiro/noticia/2012/10/pesquisador-explica-tradicao-e-os-costumes-do-congado-de- uberlandia-mg.html Acesso: 10 de Agosto, 2014. Wikipédia: Chico. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Chico_Rei Acesso: 11 de Agosto, 2014.
  • psylonJssicaLemosFer

    May. 4, 2021
  • FrancielenAquino

    May. 7, 2020
  • RyhanCairo

    Jun. 22, 2019
  • LetciaRicci1

    Jun. 6, 2018
  • Breniinhooo

    Apr. 30, 2018
  • CliaFerreira7

    Oct. 11, 2016

O congado (ou congada) é uma manifestação cultural e religiosa afro-brasileira. Constitui-se em um bailado dramático com canto e música que recria a coroação de um rei do Congo. Trata basicamente de três temas em seu enredo: a vida de São Benedito; o encontro da imagem de Nossa Senhora do Rosário submergida nas águas; e a representação da luta de Carlos Magno contra as invasões mouras. A congada é muito famosa em Brás Pires, em Minas Gerais, onde os congos se encontram na Igreja do Rosário.

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

25.723

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

11

Befehle

Downloads

155

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

6

×