Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
As construções que se afastam das estruturas
regulares e que visam transmitir à frase mais

concisão, expressividade ou el...
 Elipse: é a omissão de um termo ou oração que

facilmente subentender no contexto. É uma
espécie de economia de palavras...
 PLEONASMO: é o emprego de palavras com

o fim de reforçar o enfatizar a expressão.

Exemplo:
* Foi o que vi com os meus ...
 Polissíndeto: é a repetição intencional do

conectivo coordenativo (geralmente a
conjunção e). É particularmente eficaz ...
 Inversão: Consiste em alterar a ordem

normal dos termos ou orações com o fim
de lhes dar destaque.

Exemplo:
* “Passari...
 Anacoluto: É a quebra ou interrupção do fio

da frase, ficando termos sintaticamente
desligados do período, sem função. ...
 Silepse: Ocorre esta figura quando efetuamos a

concordância não com os termos expressos mas
com a ideia a eles associad...
 Onomatopeia: Consiste no aproveitamento de

palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz
natural dos seres. É um recurso...
 Repetição: Consiste em reiterar (repetir) palavras

ou orações para intensificar ou enfatizar a
afirmação ou sugerir ins...
Figuras de construção
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Figuras de construção

3.479 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Figuras de construção

  1. 1. As construções que se afastam das estruturas regulares e que visam transmitir à frase mais concisão, expressividade ou elegância, dá-se o nome de figuras de construção ou sintaxe.
  2. 2.  Elipse: é a omissão de um termo ou oração que facilmente subentender no contexto. É uma espécie de economia de palavras. Exemplo: * João estava com pressa. Preferiu não entrar. * As mãos erram pequenas e os dedos, delicados.
  3. 3.  PLEONASMO: é o emprego de palavras com o fim de reforçar o enfatizar a expressão. Exemplo: * Foi o que vi com os meus próprios olhos. * Detalhes tão pequenos de nós dois.
  4. 4.  Polissíndeto: é a repetição intencional do conectivo coordenativo (geralmente a conjunção e). É particularmente eficaz para sugerir movimentos contínuos ou séries de ações que se sucedem rapidamente. Exemplo: * “Trejeita, e canta, e ri nervosamente.” * “Mão gentil, mas cruel, mas traiçoeira.”
  5. 5.  Inversão: Consiste em alterar a ordem normal dos termos ou orações com o fim de lhes dar destaque. Exemplo: * “Passarinho, desisti de ter.” * “Tão leve estou que sombra tenho.”
  6. 6.  Anacoluto: É a quebra ou interrupção do fio da frase, ficando termos sintaticamente desligados do período, sem função. O termo sem nexo sintático coloca-se, em geral, no início da frase para se lhe dar realce. Exemplo: * “Essas criadas de hoje não se pode confiar nelas.” * A rua onde moras, nela é que desejo morar.
  7. 7.  Silepse: Ocorre esta figura quando efetuamos a concordância não com os termos expressos mas com a ideia a eles associada em nossa mente. A silepse, ou concordância ideológica, pode ser: a) De gênero: Vossa Majestade será informado acerca de tudo. b) De número: “Corria gente de todos os lados, e gritavam.” c) De pessoa: Ele e eu temos a mesma opinião.
  8. 8.  Onomatopeia: Consiste no aproveitamento de palavras cuja pronúncia imita o som ou a voz natural dos seres. É um recurso fonêmico ou melódico que a língua proporciona ao escritor. Exemplo: * “ Pedrinho, sem mais palavras, deu rédea e, lept! lept! arrancou estrada afora.”
  9. 9.  Repetição: Consiste em reiterar (repetir) palavras ou orações para intensificar ou enfatizar a afirmação ou sugerir insistência, progressão: Exemplo: * “O surdo pede que repitam, que repitam a última frase.” * “Tudo, tudo parado: parado e morto.”

×