Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
http://correio.rac.com.br/_conteudo/2015/06/capa/campinas_e_rmc/290671-sanasa-
aguarda-estudo-da-usp-sobre-agua-de-esgoto-...
reúso nos rios Capivari e Atibaia e poder, assim, aumentar a vazão nos pontos de
captação para abastecimento.
O presidente...
Atibaia e que abastece 95% de Campinas, e Capivari, responsável pelo fornecimento para
5% da cidade.
Debate sobre reúso
A ...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Anexo 2

186 Aufrufe

Veröffentlicht am

doc

Veröffentlicht in: Präsentationen & Vorträge
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Anexo 2

  1. 1. http://correio.rac.com.br/_conteudo/2015/06/capa/campinas_e_rmc/290671-sanasa- aguarda-estudo-da-usp-sobre-agua-de-esgoto-tratado.html 24/6/15 Sanasa aguarda estudo da USP sobre água de esgoto tratado Duas opções estão em análise: construir estação de tratamento de água para deixar águia de esgoto potável ou descarregar a água de reúso nos rios para aumentar a vazão nos pontos de captação 24/06/2015 - 05h00 - Atualizado em 24/06/2015 - 13h21 | Maria Teresa Costa teresa@rac.com.br Foto: César Rodrigues/AAN O operador Alexander Pereira da Silva visita estação produtora de água de reuso da Sanasa no Campina Grande A Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa) aguarda estudos encomendados ao Centro Internacional de Referência em Reúso de Água (Cirra) da Universidade de São Paulo (USP) para definir a melhor alternativa para abastecer Campinas com água de esgoto tratado. Duas opções estão em análise - construir uma nova estação de tratamento de água para potabilizar a água do esgoto tratado ou implantar adutoras para descarregar a água de
  2. 2. reúso nos rios Capivari e Atibaia e poder, assim, aumentar a vazão nos pontos de captação para abastecimento. O presidente da Sanasa, Arly de Lara Romêo, disse na terça-feira (23) que a empresa já decidiu que vai usar a água do esgoto tratada para reforçar o abastecimento público e só espera os estudos que mostrarão a forma mais segura para fazer isso. O estudo do Cirra, que vem sendo negociado desde fevereiro, está em vias de ser contratado - o maior especialista brasileiro em reúso, o professor Ivanildo Hespanhol, comanda as avaliações necessárias. Se for viável o tratamento da água de reúso para ser distribuída à população, a Sanasa irá construir uma nova estação, ao lado da Estação Produtora de Água de Reúso (Epar). A chamada potabilização de água de reúso é bastante utilizada no exterior, mas não tem exemplos no Brasil. A Sanasa deverá ser pioneira no sistema que abastece regiões nos Estados Unidos, como Nova Iorque, Texas, ou países como Singapura, Namíbia, Africa do Sul, Austrália. O projeto é complementar o tratamento da água de reuso com dois ou três processos que serão objeto do estudo e fazer a distribuição na rede. Isso implicará na adoção de um sistema oxidativo avançado, o uso de carvão ativado e demais químicas necessárias para garantir a potabilidade, dentro do que prevê a legislação definida pela portaria 2914 do Ministério da Saúde. O estudo vai avaliar também parâmetros que serão exigidos do órgão controlador de qualidade, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), como avaliações de toxicidade, mutagenicidade e poluentes emergentes como hormônios, cosméticos, fármacos e biológicos. O tratamento do esgoto feito pela Sanasa produz, segundo a empresa, uma água com 99% de pureza - membranas ultrafiltrantes são usadas no tratamento de efluentes. São fibras ocas com porosidade nominal de 0,04µm (micras), milhares de vezes menores que o diâmetro de um fio de cabelo. Essa tecnologia, importada da Hungria, permite a remoção de vírus, bactérias, sólidos e nutrientes, deixando a água com 99% de pureza para reúso industrial. A operação é totalmente automática e com baixo consumo de produtos químicos. Como esse tratamento retira tudo da água, inclusive os minerais, será preciso ter um reservatório para fazer o balanceamento químico, que poderá ocorrer com a mistura da água de reúso e água potável e a adição de produtos químicos. É um processo mais econômico de abastecimento porque o custo de uma rede de água representa dois terço do custo total de abastecimento. A Sanasa planeja usar a água de reúso para fins potáveis como mais um manancial de abastecimento da cidade, que hoje depende exclusivamente da água que passa nos rios
  3. 3. Atibaia e que abastece 95% de Campinas, e Capivari, responsável pelo fornecimento para 5% da cidade. Debate sobre reúso A Comissão Especial da Crise Hídrica da Câmara dos Deputados fará audiência pública em Campinas, na próxima sexta-feira, para debater o reúso da água como alternativa de consumo. O objetivo da audiência é ouvir a população em relação a essa alternativa para consumo em Campinas e região. A audiência ocorrerá por requerimento do deputado federal Luiz Lauro Filho, que integra a comissão. Estão previstas as presenças de representantes da Agência Nacional de Águas (ANA), e dos presidente e relator da comissão, Celso Pansera (PMDB) e Givaldo Vieira (PT), respectivamente. A água de reúso será também tema de discussão hoje, no encontro do Sindicato Nacional das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Sindcon), que ocorrerá no Hotel Mercure, em Campinas, às 9h. Ivanildo Hespanhol, da USP, é o convidado do evento. Além dele, serão apresentados durante o encontro as experiências bem-sucedidas das concessionárias privadas em reuso, como o projeto Aquapolo, do ABC Paulista, e a estação de tratamento de água de reuso da Prolagos, na região dos Lagos, Rio de Janeiro.

×