Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Equipe executora:
Diana Lima (doutoranda)
Erbet Almeida (mestrando)
Yuri Guerrieri (doutorando)
Dr. Handerson Jorge Dourad...
Introdução
Portaria n.º 1101/GM, de 12/06/2002
Exames de TC Exames de RM
0,20 % do total de consultas 0,04 % do total de c...
Introdução
Portaria n.º 1101/GM, de 12/06/2002 - Exames e equipamentos de TC e RM
• Aplicação se estende progressivamente ...
Objetivo do Projeto
Avaliar os parâmetros relativos à cobertura e
desempenho de exames de tomografia
computadorizada e res...
Metodologia
• Revisão de Literatura
• Estimativa e avaliação dos indicadores:
▫ Capacidade de Produção (CP)
▫ Grau de Util...
  iiii ZNNCP  87602080 ,24,8
 
i
i
i
CP
P
GU 100%
000.100, 
pop
CP
COB i
iPOT
000.100, 
pop
P
COB i
iREAL
G...
Produtividade do TC e do RM em países selecionados, 2013
Fonte: OCDE (http://stats.oecd.org/Index.aspx?DataSetCode=HEALTH_...
Capacidade de Produção Potencial Nominal do TC e RM
no SUS, Brasil, 2013
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
1.2
1.4
Público Privado-SUS P...
Capacidade de produção Potencial Nominal do TC e RM no
SUS,Brasil, 2013 (por 1.000 habitantes)
Cobertura Potencial Nominal...
Grau de Utilização do TC e RM no SUS, Brasil, 2013
0
5
10
15
20
25
30
35
40
Público Privado-SUS Público Privado-SUS
TC RM
...
Cobertura real versus cobertura potencial nominal do TC
e RM no SUS, 2013
Relação entre produção realizada de exames X cap...
Conclusões preliminares
• A produtividade do TC e RM no Brasil é menor do que a da maioria dos
países selecionados.
▫ Isto...
Conclusões preliminares
• É possível discutir cobertura assistencial e produtividade do TC e RM com
base em indicadores de...
Obrigada!
Diana Lima
Doutoranda – Engenharia Industrial – UFBA
Pesquisadora – Programa Economia da Saúde – ISC – UFBA
dian...
Avaliação da parametrização para tomógrafos computadorizados e ressonância magnética no âmbito do SUS.
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Avaliação da parametrização para tomógrafos computadorizados e ressonância magnética no âmbito do SUS.

241 Aufrufe

Veröffentlicht am

Apresentação feita no Seminário de Discussão de Avaliações de Tecnologias em Saúde de projetos financiados pelo Departamento de Ciência e Tecnologia - DECIT do Ministério da Saúde.

Veröffentlicht in: Gesundheitswesen
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Avaliação da parametrização para tomógrafos computadorizados e ressonância magnética no âmbito do SUS.

  1. 1. Equipe executora: Diana Lima (doutoranda) Erbet Almeida (mestrando) Yuri Guerrieri (doutorando) Dr. Handerson Jorge Dourado Leite Dr. Luis Eugenio Portela Fernandes de Souza Apresentação dos resultados
  2. 2. Introdução Portaria n.º 1101/GM, de 12/06/2002 Exames de TC Exames de RM 0,20 % do total de consultas 0,04 % do total de consultas varia entre 0,16 a 0,25 no país varia entre 0,01 a 0,02 no país Desconsidera possível demanda reprimida de consultas. No. de exames . de TC e RM realizados no SUS MAIOR QUE No. de exames recomendado pela portaria (DATASUS - http://www.datasus.gov.br/). Equipamentos de TC 1/100 mil habitantes 1/1.500 leitos de internação em hospital de atenção terciária. Equipamentos de RM 1/500 mil habitantes 1/1.500 leitos de internação em hospital de atenção terciária. Fragilidades Não considera a distância percorrida pelo paciente ao atendimento. Não é possível coletar esta informação em bancos oficiais.
  3. 3. Introdução Portaria n.º 1101/GM, de 12/06/2002 - Exames e equipamentos de TC e RM • Aplicação se estende progressivamente para o diagnóstico de novas doenças (GEBRIN, 2004; DIAKIDES et al 2006; CORREA et al 2009; COSTA et al 2009; SOUSA et al 2012). • O no. de procedimentos de TC e RM aumentou mais de 100% entre os anos de 2008 a 2013 (DATASUS - http://www.datasus.gov.br/). • O no. de exames de TC e RM realizados no Brasil pelo SUS é superior em mais de 5000% do no. de exames recomendado pela portaria. • Os parâmetros de 2001 podem representar possível subdimensionamento da oferta destas tecnologias. Como avaliar a distribuição de equipamentos de TC e RM, de forma a ajustar a oferta de exames conforme as necessidades da população?
  4. 4. Objetivo do Projeto Avaliar os parâmetros relativos à cobertura e desempenho de exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética, e discutir estratégias de disponibilização destas tecnologias no SUS.
  5. 5. Metodologia • Revisão de Literatura • Estimativa e avaliação dos indicadores: ▫ Capacidade de Produção (CP) ▫ Grau de Utilização (GU) ▫ Cobertura Potencial Nominal e Real (COBPOT, COBREAL ) ▫ Taxa de Exames (TXEXAM) ▫ Matriz de fluxo do paciente (D)
  6. 6.   iiii ZNNCP  87602080 ,24,8   i i i CP P GU 100% 000.100,  pop CP COB i iPOT 000.100,  pop P COB i iREAL Grau de Utilização Capacidade de Produção Nominal Cobertura Potencial de Exames Cobertura Real de Exames Metodologia Taxa de Exames 000.1 pop N TX EXAMi EXAM    i i jijiij i P dP D ,, Matriz de fluxo de pacientes
  7. 7. Produtividade do TC e do RM em países selecionados, 2013 Fonte: OCDE (http://stats.oecd.org/Index.aspx?DataSetCode=HEALTH_PROC#). Adaptado por Lima et al. 2015 Brasil* = Apenas equipamentos e exames do setor público 0 2000 4000 6000 8000 10000 12000 14000 16000 18000 No.examesporequipamento TC RM
  8. 8. Capacidade de Produção Potencial Nominal do TC e RM no SUS, Brasil, 2013 0 0.2 0.4 0.6 0.8 1 1.2 1.4 Público Privado-SUS Público Privado-SUS TC RM No.deexames Millions Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste BRASIL
  9. 9. Capacidade de produção Potencial Nominal do TC e RM no SUS,Brasil, 2013 (por 1.000 habitantes) Cobertura Potencial Nominal do TC e do RM por 1.000 habitantes 0 20 40 60 80 100 120 Público Privado-SUS Público Privado-SUS TC RM No.deexamespor1.000hab. Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste BRASIL
  10. 10. Grau de Utilização do TC e RM no SUS, Brasil, 2013 0 5 10 15 20 25 30 35 40 Público Privado-SUS Público Privado-SUS TC RM Graudeutilização/% Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste BRASIL
  11. 11. Cobertura real versus cobertura potencial nominal do TC e RM no SUS, 2013 Relação entre produção realizada de exames X capacidade de produção potencial nominal 0 20 40 60 80 100 120 140 160 Cobertura potencial nominal Cobertura real Cobertura potencial nominal Cobertura real TC RM No.examespor1.000habitantes NO NE SE SU CO BRASIL 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% NO NE SE SU CO BRASIL % Cobertura - TC % Cobertura - RM
  12. 12. Conclusões preliminares • A produtividade do TC e RM no Brasil é menor do que a da maioria dos países selecionados. ▫ Isto se reflete no baixo GU dos equipamentos selecionados. • Os resultados apontam que é possível aumentar a produtividade dos equipamentos, caso haja demanda. CP médio do Brasil: TC= 755.087 exames RM= 231.543 exames CP médio do Brasil (por 1.000 hab): TC= 92 exames RM= 28 exames GU médio do Brasil: TC= 16,02%; RM= 18,69% TC e RM no SUS: cobertura real de exames = 15% cobertura potencial nominal
  13. 13. Conclusões preliminares • É possível discutir cobertura assistencial e produtividade do TC e RM com base em indicadores de CP e GU. • Estes indicadores fornecem informações mais reais da capacidade de produção dos equipamentos, baseado no tempo de funcionamento e em outros fatores ▫ Quanto mais informações sobre o funcionamento do equipamento, mais real será o indicador. • Há indicativos da necessidade de melhoria na distribuição da oferta de exames e equipamentos de TC e RM, entre as diferentes regiões do país. • Os indicadores CP e GU podem auxiliar nas decisões sobre incorporação de novas tecnologias no SUS.
  14. 14. Obrigada! Diana Lima Doutoranda – Engenharia Industrial – UFBA Pesquisadora – Programa Economia da Saúde – ISC – UFBA diana.lima@ufba.br

×