Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
www.oficinadepsicologia.com<br />Apoio na redução de peso<br />INTERVENÇÃO <br />COGNITIVO-COMPORTAMENTAL<br />
www.oficinadepsicologia.com<br />PERDER PESO COM SUCESSO <br />E CONSEGUIR A SUA MANUTENÇÃO IMPLICA<br />MUDAR COMPORTAMEN...
www.oficinadepsicologia.com<br />COMO O PODEMOS FAZER?<br />MUDANDO PENSAMENTOS<br />
www.oficinadepsicologia.com<br />SIM, pois...<br />O que PENSOcondiciona <br />o que SINTO e o que FAÇO<br />PENSAMENTO<br...
www.oficinadepsicologia.com<br />ISTO É...<br />A Interpretação pessoal (Pensamento) acerca de uma situação, determina a r...
www.oficinadepsicologia.com<br />QUER VER COMO É QUE ISTO ACONTECE?...<br />Exemplo:<br />Ao ouvir dizer que “É GORDA”…<br...
www.oficinadepsicologia.com<br />Pois ao ouvir dizer que “É GORDA”…<br /><ul><li>A Maria fica triste;
 A Teresa fica irritada;
 A Isabel solta uma gargalhada;</li></li></ul><li>www.oficinadepsicologia.com<br />Você, se ouvir dizer que “É GORDA”…<br ...
www.oficinadepsicologia.com<br />Pois se ouvir dizer que “É GORDA”…<br />A Maria ficou triste porque pensa que é disforme ...
www.oficinadepsicologia.com<br />Você, se ouvir dizer que “É GORDA”…<br />SENTIU-SE “_____________”<br />PORQUE PENSOU  “_...
www.oficinadepsicologia.com<br />Estes Sentimentos irão determinar o seu Comportamento;<br />Porque pensa que é disforme e...
www.oficinadepsicologia.com<br />RECORDANDO A SUA SEQUÊNCIA….<br />“___________________”	“___________________”	“__________...
www.oficinadepsicologia.com<br />MAS… DE ONDE VÊM OS NOSSOS PENSAMENTOS?<br />* CRENÇAS construídas pela nossa experiência...
www.oficinadepsicologia.com<br />Ai tenderá a interpretar situações ou acontecimentos menores de forma desadequada e/ou ex...
www.oficinadepsicologia.com<br />Vamos tentar adivinhar alguns dos pensamentos que a podem estar a impedir de fazer o que ...
Nunca acabo o que começo
Toda a gente diz que é muito difícil
Pronto já estraguei tudo com este pastel de nata…
Isto é dos genes – a minha família é toda assim…</li></li></ul><li>www.oficinadepsicologia.com<br />Que tal começarmos por...
www.oficinadepsicologia.com<br />DISTORÇÕES COGNITIVAS<br />
www.oficinadepsicologia.com<br />CATASTROFIZAÇÃO<br />Distorções cognitivas<br />“Está tudo perdido”<br />Pensar que a par...
www.oficinadepsicologia.com<br />TUDO OU NADA<br />Distorções cognitivas<br />“Não existe meio termo. É tudo preto ou bran...
www.oficinadepsicologia.com<br />EXIGÊNCIAS<br />“Tenho que… ; Devia…”<br />Impõe a si mesmo e/ou aos outros objectivos ex...
www.oficinadepsicologia.com<br />PREVER O FUTURO<br />Distorções cognitivas<br />“Prevejo o futuro. Já sei o que vai acont...
www.oficinadepsicologia.com<br />RACIOCÍNIO EMOCIONAL<br />“Se sinto é porque é verdade”<br />Acredita que o seus sentimen...
www.oficinadepsicologia.com<br />SOBREGENERALIZAÇÃO<br />	   “Ver o quadro todo negro, quando apenas uma pequena mancha es...
www.oficinadepsicologia.com<br />FILTRO MENTAL<br />“O Mundo está como eu, é só tristeza nos noticiários”<br />Tendência p...
www.oficinadepsicologia.com<br />BAIXA TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO<br />Distorções cognitivas<br />	“Quando o Desconfortável é...
www.oficinadepsicologia.com<br />PASSEMOS À PRÁTICA….<br />REGISTO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS<br /> DISTORÇÕES COGNITIVA...
www.oficinadepsicologia.com<br />E agora?….<br />
www.oficinadepsicologia.com<br />CATASTROFIZAÇÃO<br />VAMOS DESCATASTROFIZAR<br />Que provas, se existirem, evidenciam a m...
www.oficinadepsicologia.com<br />“TUDO OU NADA”<br />VAMOS PENSAR ENTRE EXTREMOS<br />Estarei a focar-me apenas numa parti...
www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS PENSAR ENTRE EXTREMOS<br />Que outras particularidades da situação me podem ajudar ...
www.oficinadepsicologia.com<br />EXIGÊNCIAS<br />VAMOS SER FLEXÍVEIS<br />Estarei a usar termos como “Tenho que” e “Devo”?...
www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS SER FLEXÍVEIS<br />Serão as minhas exigências realistas?  (0-100)<br />Será que, em...
www.oficinadepsicologia.com<br />PREVER O FUTURO<br />VAMOS PARAR DE SER ADIVINHOS<br />Como é que eu posso testar a minha...
www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS PARAR DE SER ADIVINHOS<br />O que é que eu posso fazer, no sentido de me ajustar, s...
www.oficinadepsicologia.com<br />RACIOCÍNIO EMOCIONAL<br />VAMOS OLHAR PARA OS FACTOS<br />Qual é a situação?<br />Que emo...
www.oficinadepsicologia.com<br />SOBREGENERALIZAÇÃO<br />VAMOS FOCAR NO PARTICULAR<br />Em que é que eu me estou a basear ...
www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS FOCAR NO PARTICULAR<br />Posso suspender este julgamento mais amplo e avaliar apena...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Apoio na redução de peso

3.254 Aufrufe

Veröffentlicht am

Apoio na redução de peso através de técnicas cognitivo-comportamentais

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin, Technologie, Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Apoio na redução de peso

  1. 1. www.oficinadepsicologia.com<br />Apoio na redução de peso<br />INTERVENÇÃO <br />COGNITIVO-COMPORTAMENTAL<br />
  2. 2. www.oficinadepsicologia.com<br />PERDER PESO COM SUCESSO <br />E CONSEGUIR A SUA MANUTENÇÃO IMPLICA<br />MUDAR COMPORTAMENTOS:<br />- Hábitos Alimentares;<br />- Actividade Física;<br />
  3. 3. www.oficinadepsicologia.com<br />COMO O PODEMOS FAZER?<br />MUDANDO PENSAMENTOS<br />
  4. 4. www.oficinadepsicologia.com<br />SIM, pois...<br />O que PENSOcondiciona <br />o que SINTO e o que FAÇO<br />PENSAMENTO<br />SENTIMENTO<br />COMPORTAMENTO<br />
  5. 5. www.oficinadepsicologia.com<br />ISTO É...<br />A Interpretação pessoal (Pensamento) acerca de uma situação, determina a reacção emocional (Sentimento) e comportamental (Comportamento) a essa situação;<br />PENSAMENTO<br />SENTIMENTO<br />COMPORTAMENTO<br />
  6. 6. www.oficinadepsicologia.com<br />QUER VER COMO É QUE ISTO ACONTECE?...<br />Exemplo:<br />Ao ouvir dizer que “É GORDA”…<br />O QUE SENTE?...<br />
  7. 7. www.oficinadepsicologia.com<br />Pois ao ouvir dizer que “É GORDA”…<br /><ul><li>A Maria fica triste;
  8. 8. A Teresa fica irritada;
  9. 9. A Isabel solta uma gargalhada;</li></li></ul><li>www.oficinadepsicologia.com<br />Você, se ouvir dizer que “É GORDA”…<br />SENTIU-SE “_____________”<br />O QUE PENSOU QUE A LEVOU A SENTIR-SE ASSIM?...<br />
  10. 10. www.oficinadepsicologia.com<br />Pois se ouvir dizer que “É GORDA”…<br />A Maria ficou triste porque pensa que é disforme e feia;<br />A Teresa ficou irritada porque pensa que não emagreceu o suficiente;<br />A Isabel soltou uma gargalhada porque pensa que o seu corpo é gracioso;<br />Lá está, o que determina os Sentimentos que cada um experimenta perante uma determinada situação, <br />são os seus Pensamentos acerca dessa situação;<br />
  11. 11. www.oficinadepsicologia.com<br />Você, se ouvir dizer que “É GORDA”…<br />SENTIU-SE “_____________”<br />PORQUE PENSOU “____________”<br />…E COMO REAGE A ISSO?…<br />
  12. 12. www.oficinadepsicologia.com<br />Estes Sentimentos irão determinar o seu Comportamento;<br />Porque pensa que é disforme e feia. A Maria ficou triste. A reacção foi a de se isolar de todos, não saindo à rua durante todo o fim-de-semana; <br />Porque pensa que não emagreceu o suficiente. A Teresa <br />ficou irritada. Reage agredindo verbalmente os outros;<br />Porque pensa que o seu corpo é gracioso. A Isabel solta uma gargalhada. Epermanece divertida a conversar com a Rita;<br />
  13. 13. www.oficinadepsicologia.com<br />RECORDANDO A SUA SEQUÊNCIA….<br />“___________________” “___________________” “___________________”<br />PENSAMENTO<br />SENTIMENTO<br />COMPORTAMENTO<br />
  14. 14. www.oficinadepsicologia.com<br />MAS… DE ONDE VÊM OS NOSSOS PENSAMENTOS?<br />* CRENÇAS construídas pela nossa experiência pessoal e transmitidas na interacção com pessoas significativas;<br />* VALORES aprendidos;<br />E QUANDO ELES SÃO <br />ERRADOS ou SÃO IRRACIONAIS?<br />
  15. 15. www.oficinadepsicologia.com<br />Ai tenderá a interpretar situações ou acontecimentos menores de forma desadequada e/ou exagerada; A experimentar sentimentos extremos e/ou desadequados à situação; E a reagir em conformidade com esses sentimentos;<br />
  16. 16. www.oficinadepsicologia.com<br />Vamos tentar adivinhar alguns dos pensamentos que a podem estar a impedir de fazer o que precisa para emagrecer…<br /><ul><li>Nunca vou ser capaz
  17. 17. Nunca acabo o que começo
  18. 18. Toda a gente diz que é muito difícil
  19. 19. Pronto já estraguei tudo com este pastel de nata…
  20. 20. Isto é dos genes – a minha família é toda assim…</li></li></ul><li>www.oficinadepsicologia.com<br />Que tal começarmos por aqui? Substituir estes pensamentos por outros mais úteis e mais realistas?<br />Como?<br />Bem, ajuda perceber algumas ratoeiras mentais….<br />
  21. 21. www.oficinadepsicologia.com<br />DISTORÇÕES COGNITIVAS<br />
  22. 22. www.oficinadepsicologia.com<br />CATASTROFIZAÇÃO<br />Distorções cognitivas<br />“Está tudo perdido”<br />Pensar que a partir de um acontecimento negativo menor, se vão desencadear terríveis consequências;<br />
  23. 23. www.oficinadepsicologia.com<br />TUDO OU NADA<br />Distorções cognitivas<br />“Não existe meio termo. É tudo preto ou branco”<br />As situações tendem a ser interpretadas como inteiramente boas ou inteiramente más;<br />
  24. 24. www.oficinadepsicologia.com<br />EXIGÊNCIAS<br />“Tenho que… ; Devia…”<br />Impõe a si mesmo e/ou aos outros objectivos extremamente difíceis de cumprir; Culpabilização;<br />Distorções cognitivas<br />
  25. 25. www.oficinadepsicologia.com<br />PREVER O FUTURO<br />Distorções cognitivas<br />“Prevejo o futuro. Já sei o que vai acontecer”<br />Acredita firmemente que as suas previsões do futuro, habitualmente negativas, estão correctas. Não actua; <br />
  26. 26. www.oficinadepsicologia.com<br />RACIOCÍNIO EMOCIONAL<br />“Se sinto é porque é verdade”<br />Acredita que o seus sentimentos reflectem a verdadeira realidade; Desconsidera toda a informação que os contradiga;<br />Distorções cognitivas<br />
  27. 27. www.oficinadepsicologia.com<br />SOBREGENERALIZAÇÃO<br /> “Ver o quadro todo negro, quando apenas uma pequena mancha está presente”<br />Julgar o todo como negativo a partir de uma só parte negativa;<br />Distorções cognitivas<br />
  28. 28. www.oficinadepsicologia.com<br />FILTRO MENTAL<br />“O Mundo está como eu, é só tristeza nos noticiários”<br />Tendência para filtrar informação que se adequa às suas convicções; Enviesamentos;<br />Distorções cognitivas<br />
  29. 29. www.oficinadepsicologia.com<br />BAIXA TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO<br />Distorções cognitivas<br /> “Quando o Desconfortável é Intolerável”<br />Tendência para desistir quando sente adversidade; <br />
  30. 30. www.oficinadepsicologia.com<br />PASSEMOS À PRÁTICA….<br />REGISTO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS<br /> DISTORÇÕES COGNITIVAS<br />
  31. 31. www.oficinadepsicologia.com<br />E agora?….<br />
  32. 32. www.oficinadepsicologia.com<br />CATASTROFIZAÇÃO<br />VAMOS DESCATASTROFIZAR<br />Que provas, se existirem, evidenciam a minha conclusão?<br />Que provas, se existirem, contradizem a minha conclusão?<br />Posso adoptar uma perspectiva mais exacta da situação?<br />Que conclusões menos más posso tirar da situação?<br />O que posso fazer na prática para lidar com esta situação?<br />
  33. 33. www.oficinadepsicologia.com<br />“TUDO OU NADA”<br />VAMOS PENSAR ENTRE EXTREMOS<br />Estarei a focar-me apenas numa particularidade de toda a situação?<br />Estarei a dar demasiada importância a uma só particularidade da situação?<br />Que pontuação justa e precisa poderei dar a esta particularidade? (1 a 100)<br />
  34. 34. www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS PENSAR ENTRE EXTREMOS<br />Que outras particularidades da situação me podem ajudar a ver a coisas de uma forma mais realista?<br />Considerando todas as particularidades da situação, qual será a pontuação mais correcta a atribuir-lhe? (1 a 100)<br />
  35. 35. www.oficinadepsicologia.com<br />EXIGÊNCIAS<br />VAMOS SER FLEXÍVEIS<br />Estarei a usar termos como “Tenho que” e “Devo”?<br />Estou a aceitar que os outros tenham as suas próprias regras e vontades?<br />Ser-me-á possível aceitar que tenho os meus próprios padrões, mas que posso ficar aquém deles?<br />
  36. 36. www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS SER FLEXÍVEIS<br />Serão as minhas exigências realistas? (0-100)<br />Será que, em última análise, a(s) minha(s) exigência(s) me ajuda(m) realmente? <br />De que forma posso manter os meus padrões e ideais, mas transformar as minhas exigências em preferências?<br />
  37. 37. www.oficinadepsicologia.com<br />PREVER O FUTURO<br />VAMOS PARAR DE SER ADIVINHOS<br />Como é que eu posso testar a minha previsão?<br />O que é que eu posso ganhar, se decidir agir, mesmo que a minha previsão seja negativa?<br />Que acontecimentos do meu passado podem influenciar a forma como prevejo o desenrolar desta situação?<br />
  38. 38. www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS PARAR DE SER ADIVINHOS<br />O que é que eu posso fazer, no sentido de me ajustar, se o resultado desta acção for negativo?<br />O que é que posso fazer para resolver potenciais problemas?<br />
  39. 39. www.oficinadepsicologia.com<br />RACIOCÍNIO EMOCIONAL<br />VAMOS OLHAR PARA OS FACTOS<br />Qual é a situação?<br />Que emoção é que estou a sentir?<br />De que forma é que os meus sentimentos me podem levar a distorcer os factos?<br />Que factos posso estar eu a ignorar, devido a estes fortes sentimentos?<br />Se antes de tirar conclusões ,der tempo aos meus sentimentos para que se desvaneçam, como é que verei a situação, ai que me sinto mais calma? <br />
  40. 40. www.oficinadepsicologia.com<br />SOBREGENERALIZAÇÃO<br />VAMOS FOCAR NO PARTICULAR<br />Em que é que eu me estou a basear , para fazer estes julgamentos?<br />Estarei a fazer um julgamento amplo de mim mesmo / dos outros / ou da situação, baseando-me apenas num aspecto específico?<br />Que outros aspectos de mim mesmo / dos outros / ou da situação, estou a ignorar?<br />
  41. 41. www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS FOCAR NO PARTICULAR<br />Posso suspender este julgamento mais amplo e avaliar apenas os aspectos específicos de mim mesmo / dos outros / ou da situação?<br />Que benefícios posso tirar ao ser mais específico nos meus julgamentos? <br />
  42. 42. www.oficinadepsicologia.com<br />FILTRO MENTAL<br />VAMOS “DESFILTRAR”<br />Que filtro identifico em mim?<br />Que informação(ões) o meu filtro me está a impedir de considerar?<br />De que forma poderia pensar e comportar-me se retirasse o(s) meu(s) filtro(s)?<br />
  43. 43. www.oficinadepsicologia.com<br />BAIXA TOLERÂNCIA<br />FRUSTRAÇÃO<br />VAMOS TOLERAR O DESCONFORTO<br />Será que o que estou a sentir é realmente intolerável e insuportável?<br />Será que o que estou a sentir é apenas difícil de tolerar ou suportar?<br />Que razões existem, que podem fazer com que valha a pena suportar este desconforto?<br />
  44. 44. www.oficinadepsicologia.com<br />VAMOS TOLERAR O DESCONFORTO<br />Que provas existem para apoiar a ideia de que eu consigo tolerar este desconforto?<br />Que outras coisas que valham a pena, posso-me determinar a fazer, mesmo que sejam desconfortáveis ou desagradáveis?<br />
  45. 45. www.oficinadepsicologia.com<br />E mais????<br />Bem, mais só mesmo no psicólogo…<br />Na Oficina de Psicologia, olhamos por si!<br />

×