Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Ética em experimentação animal

Rita Leal Paixão

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Ética em experimentação animal

  1. 1. Rita Leal Paixão Médica Veterinária, Instituto Biomédico -UFF
  2. 2. LEI No 11.794, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008 Regulamenta o inciso VII do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo procedimentos para o uso científico de animais; revoga a Lei no 6.638, de 8 de maio de 1979; e dá outras providências. Decreto 6.899 /2009 ...repensando a experimentação animal
  3. 3. NASCIMENTO DA BIOÉTICA Contexto cultural- anos 60-70: -Transformação Científica e a “Biotecnociência”. - Transformação Cultural Questão animal ...a partir da Bioética
  4. 4. As origens da Questão Animal - Movimento Filosófico : -Peter Singer - Tom Regan A questão não é : eles pensam? eles falam? mas sim eles sofrem? Jeremy Bentham – séc.XVIII
  5. 5. As origens da Questão Animal -Movimento Científico : - O surgimento da ciência do bem-estar animal O que se constitui em bem-estar animal?
  6. 6. As origens da Questão Animal -Movimento social : -Caso “Pepper” -Caso “Silver Spring” Quem tem a autoridade moral?
  7. 7. Lei 11794/2008 CAPÍTULO II DO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL - CONCEA Art. 4o Fica criado o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal - CONCEA. CAPÍTULO III DAS COMISSÕES DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUAs Art. 8o É condição indispensável para o credenciamento das instituições com atividades de ensino ou pesquisa com animais a constituição prévia de Comissões de Ética no Uso de Animais - CEUAs Controle da Experimentação Animal
  8. 8. 1o ASPECTO: Quem tem a autoridade moral? “ Comissões de Ética no uso de Animais”. “ A bioética continuará sendo um campo de estudo que exige conhecimentos interdisciplinares e que supõe, por conseguinte, conversação e deliberação, entre muitos.” Ferrer & Alvarez, 2005
  9. 9. 1975 O Surgimento da Revisão Ética em Pesquisas Envolvendo Seres Humanos Declaração de Helsinque Principialismo
  10. 10. ??????????? Suécia O Surgimento da Revisão Ética em Pesquisas com Animais 1979
  11. 11. Lei 11794/2008 Art. 9o As CEUAs são integradas por: I - médicos veterinários e biólogos; II - docentes e pesquisadores na área específica; III - 1 (um) representante de sociedades protetoras de animais legalmente estabelecidas no País, na forma do Regulamento.
  12. 12. 20 ASPECTO: Qual o critério ético para a tomada de decisão? “ Esse experimento deve ser feito?” Qual a questão ética fundamental? 3 Rs Relação custo - beneficio
  13. 13. Controle da experimentação animal Leis CEUAs Agências de financiamento Políticas editoriais 3 Rs Russel & Burch, 1959  Replace  Reduce  Refine
  14. 14. Escopo da proteção legal seres sencientes -animais mortos -formas fetais e embrionárias -invertebrados – cefalópodes Lei 11794 /2008 Art. 2o O disposto nesta Lei aplica-se aos animais das espécies classificadas como filo Chordata, subfilo Vertebrata, observada a legislação ambiental.
  15. 15. - Métodos substitutivos Estímulo à pesquisa A validação dos métodos - ECVAM “O acesso à Informação e a utilização” A questão do ensino
  16. 16. Aspectos em debate na Revisão 86/609 da União Européia Primatas não -humanos -Proibição do uso de animais capturados da natureza, permitindo poucas exceções e reforçando a restrição do uso de grandes antropóides.
  17. 17. - A redução do número de animais. Substituição Estatística adequada “Delineamentos experimentais mais precisos” FESTING, M.F.W. : estatística voltada para essa questão.
  18. 18. - O Refinamento A Questão da dor animal PRINCÍPIO DA ANALOGIA (neuroanatomia, neurofisiologia, neuroquímica) “ Qualquer procedimento ou lesão que seja considerada dolorosa para seres humanos adultos, também o é para animais, mesmo quando não há uma evidência patente do comportamento doloroso”.
  19. 19. § 5o Experimentos que possam causar dor ou angústia desenvolver-se-ão sob sedação, analgesia ou anestesia adequadas. § 6o Experimentos cujo objetivo seja o estudo dos processos relacionados à dor e à angústia exigem autorização específica da CEUA, em obediência a normas estabelecidas pelo CONCEA. § 7o É vedado o uso de bloqueadores neuromusculares ou de relaxantes musculares em substituição a substâncias sedativas, analgésicas ou anestésicas. § 8o É vedada a reutilização do mesmo animal depois de alcançado o objetivo principal do projeto de pesquisa. § 9o Em programa de ensino, sempre que forem empregados procedimentos traumáticos, vários procedimentos poderão ser realizados num mesmo animal, desde que todos sejam executados durante a vigência de um único anestésico e que o animal seja sacrificado antes de recobrar a consciência.
  20. 20. Tipo de Trabalho Nº de trabalhos Trabalhos na íntegra que envolveram cirurgia 27 Em relação à anestesia Especificada 13 Não especificada 8 Não citada 6 Em relação à analgesia pós-cirúrgica Citada 7 Não citada 18 Não se aplica* 2 Em relação a cuidados pós-cirúrgicos Citados 16 Não citados 9 Não se aplica* 2 Paixão, R. L. & Labarthe, N. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, 9 (1): 41-47, 2002. * Dois trabalhos não envolveram a recuperação do animal após a cirurgia, ocorrendo a morte do animal sob anestesia.. Aspectos relacionados às cirurgias apresentados nos trabalhos apresentados no V Congresso Brasileiro de Cirurgia e Anestesiologia, sem parecer da Comissão de Ética.
  21. 21. Anestesia e Analgesia pós-operatória em cirurgia experimental com roedores de laboratório: estamos progredindo? Estudos dolorosos envolvendo roedores em periódicos indexados. 1990-1992 2000-2002 112 126 ANALGESIA ? 3% 20% Richardson & Flecknell, ATLA, 33:119-127, 2005.
  22. 22. “Não é o conhecimento, mas sim o conhecimento do conhecimento, que cria o comprometimento. Não é saber que a bomba mata, e sim, saber o que queremos fazer com ela que determina se a faremos explodir ou não. Em geral, ignoramos ou fingimos desconhecer isso, para evitar a responsabilidade que nos cabe em todos os nossos atos cotidianos, já que todos estes – sem exceção – contribuem para formar o mundo em que existimos e que validamos, precisamente por meio deles, num processo que configura o nosso porvir... Confundimos a imagem que buscamos projetar, o papel que representamos, com o ser que verdadeiramente construimos em nosso viver cotidiano”. (Maturana & Varela, 2003)
  23. 23. rpaixao@vm.uff.br

×