Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

043c - A nova organixação das Nações United (NU)

32 Aufrufe

Veröffentlicht am

A nova organixação das Nações United (NU)

Veröffentlicht in: Seele & Geist
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

043c - A nova organixação das Nações United (NU)

  1. 1. A NOVA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU ou UNO): É indispensável que a nova Organização das Nações Unidas (ONU) seja reorganizada para assumir diretamente a tutela dos direitos humanos e as liberdades fundamentais do homem, impedindo o levantar-se de tiranias e de cada tipo de violência sustendo a soberania dos povos, a soberania que os povos mesmos exercitarão livremente elegendo os seus representantes nos parlamentos dos respectivos Nações . Na nova ONU, nenhum País pode ter o direito de veto, porque tal direito é antidemocrática e lesivo dos interesses da maioria dos povos. Com a colaboração das religiões a Nova O.N.U. manterá com suas Forças de Policiais a justiça, a solidariedade e a paz na terra; todas as Naçãos deverão põr à disposição do O.N.U. seus exércitos, os quais, sob a guia do ONU, terão funções de polícia para impedir que nos singulars Estados as eventuais opressãos dos violentos e as suas injustiças; o Onu também impedirá o trabalho juvenil e de outras formas de desfrutamento dos meninos, das mulheres e dos mesmos homens e sobretudo impedirá a escravidão no Sul do mundo.. O U.N.Ó, com a colaboração das religiões, protegerá todos os Ambientes da Terra e evitará, sempre com suas forças policiais, o talho das florestas e os inquinamentos da da terra, do ar e da água, bem como o sobreaquecimento climático global porque levantando-se o nível dos mares, existem regiões do planeta que são já estados cobertas pelas águas, como em Bangladesh. O U.N.O. deve também proibir a alteração de ambientes naturais da Terra; o U.N.O., poe exemplo proibirá, a construção de diques sôbre os rios para realizar lagos artificiais com conseqüente revolvimento da vida das populações de aquêles territórios. O U.N.O. com a colaboração das religiões, deverá também vigiar que os representantes eleitos dos povos exercitem com honestidade as suas funções, porque até agora a desonestidade de muitos governantes, tem sido uma das principais causas da pobreza dos povos do hemisfério Sul do mundo, sobretudo em África. O segundo motivo foi o egoísmo dos homens ricos dos povos do Norte do mundo, que não tenham tido a caridade para os seus irmãos africanos. As religiões juntas " todos juntos, em seus conjunto", devem proteger os direitos e as liberdades inalienáveis que devem ter reconhecidos a todos os homens. Aos povos deverá ser ensinado a renunciar ao uso da força; quando surgirá um conflito com outro povo será feito recurso ao juízo do U.N.O. No futuro – também se lentamente, para a dureza do nosso coração - as armas não deverão ser mais projectadas, nem construídas. Os cientistas e os técnicos se recusarão de projetar-las os trabalhadores se recusarão de construír-las, os transportadores de transportar-las e os soldados de usar-las. Não serão maid fabricados tão pouco o pedaços de accessórios sejs das armas que das "máquinas de guerra" de qualquer tipo, que restarão como monumentos do egoísmo e da imbecilidade dos homem. Êste começará a acontecer quando as religiões se 1
  2. 2. apresenterão ao U.N.O. e, em cada Estado e em frente das Organizações internacionais dos Estados "Todos juntos, em elas conjunto", como tutores da justiça, da solidariedade, do perdão, da paz e dos direitos inalienáveis do homem, reconhecido pelas Convenções internacionais. A corrupção, filha do egoísmo do homem, deve ser combatida em tôda parte, porque é uma fonte de gravíssimas injustiças, de imoralidade e de ilícitos ganhos. Também sob êste aspecto, as religiões, " todos juntos, em elas conjunto " podem fazer muitaíssimo. No futuro, a força coerciva do U.N.O. deverá fundar-se sempre menos suas Forças de Policia e sempre mais sôbre a Moral ensinada aos homens de todas as religiões verdadeiras, aquelas que pregam o amor, o perdão, a justiça, a paz, a solidariedade e a fraternidade entre os homens. O nova ONU vigiará porque nas singulars Naçãos todos os relaçãos sejam marcados a justiça e a fraternidade, para assegurar a cada homem igual social dignidade, igualdade de direitos e também de salários. Em cada Nação, as religiões irão cooperarão juntos não sòmente para levar a justiça, a solidariedade e a paz sôbre a Terra, mas também cooperarão para ensinar aos homens a não viver só de pão, mas também de cada palavra que sai da boca de Deus 1 . O Senhor Jesus, o Verbo de Deus feito carne, também de acordo com o Corão 2 , ele disse de Si mesmo " (…) Eu sou o pão que dá a vida. Quem se aproxima de mim com a fé não terá mais fome; que põe sua confiança em mim não será mais sede... 3 . O Nova ONU as Naçãos e as Religiões promoverão o auto-controle dos nascimentos ; cada família, formada por um homem e por uma mulher única e depois por seus filhos, como a quer o Senhor Deus 4 pode ter filhos limitadamente aos suas possibilidades econômico-financeiras da casal; em cada caso, ao máximo, cada casal pode ter dois filhos, mas também nenhum filho se a casal mesma par não terá a possibilidade de manter-los bem sem fazer-los trabalhar porque que fazer trabalhar seus próprios filhos rouba-lhes das alegrias da infância. Considerando que na Terra, no início do terceiro milênio eles já vivem mais de sete bilhãos de pessoas é uma necessidade que não pode ser reenviada aqurla de reduzir os nascimentos dos meninos ao mínimo, especialmente entre as populações pobres, porque os recursos alimentares da Terra não são mais suficientes para alimentar um número maior de homens. O Islão é o maior responsável pela procriação excessiva das famílias prescrevendo que cada boa mulher muçulmana deve dar ao luz 5 filhos, porque o escopo dos Califas malvados após a morte de Maomé (exceto para Abu Bakr) é aquêle de dominar o mundo 5 , como também demonstram as perseguições dos pacícos Cristãos em várias partes do mundo após a morte do profeta Maomé. 1 Vangelo di Matteo 4, -11 2 Il Corano, trad. L. Bonelli, sura III 40 e 52-53, Ulrico Hoepli 3 Vangelo di Giovanni 6,35 4 2, 24 Genesi, 5 Magdi Allam, Jihad na Italia, páginas 198-199, Oscar Mondadori 2
  3. 3. A Nova ONU vigiará que a violência não é feito tão pouco dentro das famílias; não será possível, por exemplo, como acontece no Islão, que uma filha de seis anos de idade, poda esposar com um homem adulto e que, daqui, ser cruelmente expulsas de sua própria família. O Nova ONU deve promover a efificação de uma sociedade humana que ressaa à dar a seus filhos a riqueza interior 6 e que não seja mais cruel de como está agora com os pobres homens , mas porque isto seja possível é necessário que o homem superes seu eu e seu egoísmo; por istoo homem deve tornar-se altruísta e ele/ela deve viver segundo os Mandamentos do amor 7 marcando pensamentos, palavras e ações ao regra de ouro de Cristo: << você fazem aos outros o que você querem que eles fazam para você … 8 >>. A economia e as finanças da Terra não deverá mais estar sujeitos ao egoísmo do mais fortes, que impõem a lei do mercado, porque o escopo da vida do homem não é aquêle de enriquecer e de dominar os outros, mas aquêle de ampliar a sua própria consciência, superando seu eu e seu egoísmo; em propósito foi dito pelo Mestre Claudio da Cerchio Firenze 77 (Circulo Florença 77): <<… Cada homem, para quantos propriedades ele/ela possuas, por quanta capacidade e habilidade, ele/ela tenha não é que um homem, isto é um trabalhador digno de seu salário e nada mais. A sociedade do futuro, se quererá sobreviver, não poderá ser fundado sôbre o proveito e sôbre o egoísmo em última análise. É, por isto, necessário inserir o individualism no coletivismo, no sentido de estreitamente absolver suas atribuições, mas trabalhar para a comunidade e não para proveito pessoal. Sòmente da uma fusão do individualismo com o colectivismo poderá nascer uma nova sociedade, fundada e constituída por novos indivíduos. É claro que cada um espera que esta mudança aconteca impostas de alto, de quem governa, dos poderes públicos, sendo cada um convencido de não ter algum rol na coisa pública. Nós afirmamos em vez que cada um tem a sua responsabilidade, e cada um contribute à criar o ambiente no qual ele /ela vive, não fosse outro com o acquiescences tácitas. Isto que dizemos é exatamente o oposto do aquêle que se crê comumente. Ninguém é responsável pela vossa sua ineptidão. Se a sociedade é injusta, é porque você não estão sensibilizados para o problema da justiça, e em seu turno, você são injustos. Como você podem pensar de em investir os outros com a responsabilidade de isto que você devem fazer e não o que não fazem-lo? Quando você observam o triste espectáculo da corrupção e do enriquecimento fácil, que você lamentam de não ser no giro, de não ter a ocasião de enriquecer facilmente também você. Desta forma, igualmente, você condenam o privilégio porque você não são privilegiado. Se uma concepção egoísta da vida não é superada individualmente, nenhum problema que atormenta a humanidade podem ser resolvidos de forma durável. O que você devem fazer? Para primeira coisa, você devem convencer-se que a felicidade não consistem em acumular riquezas ou amizades, você devem libertar-vós do desejo de explorar os outros, e para ser convencidos que a 6 Cerchio Firenze 77, Dizionario del Cerchio, páginas 269-270 (Società), Mediterrranee 7 Levitico 19, 18 e Deuteronomio 6, 4-9 ; Vangelo di Matteo 22, 34-40 8 Vangelo di Matteo 7, 12 3
  4. 4. única riqueza é aquela que reside na profundidade do próprio ser. Cada indivíduo é rico só de si mesmo. É também explorar os outros também querer convencer a suas próprias idéias para ter alguns seguidores. Compreendo a vossa fácil objeção: mas nós não falamos para ter alguns seguidores. Nós pensamos que você podam tirar uma ajuda de nossas palavras; mas se você não creem e não seguir isto que nós dizemos, nós não sofremos. É claro que na base da existência de cada um há o egoísmo, e que o egoísmo não pode ser erradicado, ipso facto. Desta forma o que pedimos que no início é um comportamento mais justo para seu similares, uma existência em que necessidades sejam reduzidos ao essencial, bem sabendo que esto não mudar você, que esta tem valor sòmente para os outros e da sociedade em que você vivem, mas que deixa você inalterados no vosso íntimo; todavia é necessário para que a liberdade individual não devena licença e que o egoísmo individual não transforme-se em crueldade, prepotência, tirania. Mas você devem superar o eu egoístico e pessoal que marca cada vossa ação, cada vosso seu desejo, cada vosso pensamento. Isto é possível sòmente se ele/ela está convencida da necessidade de uma mudança semelhante. O discurso que nós fazemos tem valor para quem sabe que a causa da confusão, de todo isto que não procede retamente, não está fora de si, mas éno íntimo de cada um. Em vez nossas palavras não servem à quem renuncia ao sociedade porque se põe na posição da rapôsa da fábula de Esopo, que renuncia ao uva só porque ele/ela não pode chegar a ela. Mas como é possível superar o eu egoístico e humano? Durante os séculos, os homens, quando têm pensado sôbre este problema, solicitados pelas grandes espiritualidades, creram suficiente comportar-se como dos altruístas para cancelar seu próprio egoísmo, e não ter pensado em vez que mutando a atitude exteriore a natureza interior ficava imutada. É perfeitamente inútil que o ambicioso se asperga a cabeça de cinza. Se ele/ela não tem mudado a sua natureza interior fazerá-lo, indubitávelmente, para merecer-se um pôsto preeminente em uma suposta vida espiritual. A única maneira de superar seus próprios limites, é aquêle de render-se sabedores deles. Você veem, o scopo da vida do homem você podem chamar-lo como querem, mas, em substáncia, significa uma só coisa: superar uma visão egoística da existência. Nenhum sentir de consciência pode ser alcançado se o egoísmo não é superado. Êste, em poucas palavras, o escopo da vida do homem... 9 >>. A Nova U.N.O. assegurará que nos singulars Estados todas as leis e todos os relacionamentos sejam marcados à critérios de justiça, de fraternidade e de solidariedade, para garantir a cada homem a dignidade social. O caos que está no mundo tem sido causado pelo egoísmo dos ricos homens do passado e do presente; por isto, é indispensável que todas as religiões aceitem o ensinamento do Cerchio Firenze (Circulo Florença 77) do "conhecer si mesmos 10 " de tal modo que dito ensinamento seja dado a conhecer ao maior número possível de pessoas para que os indivíduos, por sua vez, 9 Cerchio Firenze 77, La voce dell'ignoto, páginas 45-50, Mediterranee 10 Cerchio Firenze 77, Per un mondo migliore, páginas 63-75 (L'insegnamento del Conoscere se stessi) ; Dizionario del Cerchio, páginas 54-55 (Conoscere se stessi), Mediterranee 4
  5. 5. aceitem para ser capaz de superar a si próprio eu e o próprio egoísmo a fim de que o maior número de pessoas podam ter os primeiros "sentir" de consciência, sem o quais não poderá haver uma generosidade e uma solidariedade difusa. É necesário fazer tornar-se as pessoas generosas e solidárias um grande exército para ajudar seus irmãos mais pobres e mais débiles. Só então o caos que está no mundo e o mar de injustiças que poderão ser muito reduzido da nível atual e assim a humanidade será capaz de viver uma era de justiça e de paz. A Nova UNO deve ser confiada a tarefa de proteger todos os ambientes naturais da Terra, entre os quais as águas internacionais dos oceanos e dos mares, porque eles são desfrutadas para além do limite supportável para a reprodução de muitas espécies de peixes, que agora estão em risco de extinção, como por exemplo as baleias nos oceanos ou o atum vermelho no Mediterrâneo. Não temos muito tempo para salvar da destruição interias espécie de habitantes do mar, entre os quais também os corais das barreiras coralinas cunas de vida marinha; por isto, o U.N.O. deve fazer de mais e melhor do aquêle que fazem os Estados para disciplinar a pesca nas suas águas territoriais para fazer reproduzir todas as espécies habitants das águas. A Nova UNO deve ao mais logo possível, para evitar o desfrutamento intensivo das águas internacionais que não pertencem da jurisdição dos singulars Estados ribeirinhos nos mares e nos oceanos. A vida vegetal e animal de todas as águas do planeta, deve ser salvaguardada e, por isto, deve ser impedida a pesca indiscriminada no mesmo interesse dos pescadores e da humanidade em geral. Os pescadores devem ser induzidos a longas abstenções da pescar com subsidio adequados para consenter aos peixes de reproduzir-se. A Nova UNO deve ter jurisdição sobre todas as águas internacionais; é também uma questão de consciência, a auto-regulamentação da pesca para não alterar o equilíbrio da vida no berço da mesma vida: as águas dos mares e dos oceanos, mas também aquelas dos rios e dos lagos. Que Deus querera que a consciência dos homens se amplie antes que seja demasiado tarde em modo que a humanidade se torne a custódia amorável da vida nas águas. Os Estados que possuem frotas de navios, meterão à disposição da Nova UNO uma ou mais de seus navios para consenter-la de patrulhar as águas internacionais para impeder abusos dos pescadores sem escrúpulos. A Nova UNO deverá ter também jurisdição sôbre a Terra para impedir que há-de sejam também no futuro os inquinamentos da terra, do ar e das águas, em particular nos territórios da China e dos Estados Unidos da América (EUA). A Nova UNO, as Nações e as Religiões revelarão aos homens que o segredo da felicidade é aquêle de partilhar com os outros isto que se tem. Os homens, assim fazendo, descobrirão que a partilha faze estar bem; por isto - por estar bem e ser feliz - os homens devem sòmente abrir os seus coraçãos e seus mãos. Na expectative que êste sonho de felicidade-partilha-comunhão de bens se realize a Nova UNO (ONU) deverá impeder ou fazer cessar todos os tipos de violência e de opressão com suas 5
  6. 6. Forças de Polícia, no tempo que os Cabos dos povos deverão ter cura dos habitantes de suas Nações. Para êstas mudanças do mundo as Religiões deveriam orar e agir " Todas juntos, no seus conjunto ". 6

×