Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

042c - Paz ou guerra na Palesina e no mundo. La Paz, naturalmente

20 Aufrufe

Veröffentlicht am

Paz ou guerra na Palesina e no mundo. La Paz, naturalmente

Veröffentlicht in: Seele & Geist
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

042c - Paz ou guerra na Palesina e no mundo. La Paz, naturalmente

  1. 1. A PAZ OU A GUERRA NA PALESTINA E NO MUNDO? A PAZ, NATURALMENTE, DEBAIXO A ÉGIDE DO ONU! Resumo 1. Os povos têm a chave da paz ou da guerra página 1 2. O Senhor Jesus Cristo é o Rei da paz " 2 3. Em vez Satanás quer o ódio e a guerra “ 2 4. Os Moderados das religiões da Palestina " 3 Os povo têm a chave da paz ou da guerra : Tal chave está em seus mãos quando eles preparar as consultas eleitorais; por isto eles devem ser muito atentos no selecionar os candidatos aos eleições. O alpinista social e todas aquelas pessoas que entram na política por interesses pessoais não devem ser eleitos e tanto menos os violentos, sempre muito perigoso quando eles têm um poder. O Senhor Jesus, ajuda-nós a reconhecê-los: dos lhes obras; por isto não devemos fazer nós enganar de seus discursos. Devem ser nomeados candidatos aquelas pessoas que já deram demonstração de capacidade e correção, e entre eles, sobretudo, aquelas pessoas que não procuram de ser eleitos, pessoas que não gritam, quem não invectivam, não ofendem, não prometem maravilhas e não fazem proclamações. Dêste deriva que devemos indicar para nós representar sòmente pessoas tranquilas apenas calma, competente na sua profissão ou oficio, as quais jurem sobre as Escrituras Sacras, de empenhar-se na política para não fazer seus interêsses, ao contrário do que para fazer aquêles do povo e para trabalhar para a justiça e a paz. Os povos não devem fazer a guerra á nenhum outro povo, porque só na justiça e na paz, eles podem conviver em amizade progredindo em sapiência e consciência. É assim que eles fazerão a vontade de Deus, como ensina o Senhor Jesus 1 . O verdadeiro político também deve lembrar o escopo espiritual da vida humana e, por isto, ele/ela deve marcar toda sua actividade à Lei Moral, que descende do Decálogo 2 e dos Mandamentos do amor 3 , pois que os escopos da vida terrestre não são aquêles de tornar-se rico, potente ou admirado, mas deviver evangelicamente, como o Senhor Jesus ensinou em primeiro lugar aos Judeus. Nós devemos viver para ampliar nossa consciência renunciando aos vícios e os prazeres do mundo e a carne para ser capaz de retornar à casa do Pai, como o filho pródigo de evangélica memória 4 . Não podemos retornar ao Casa do Pai, se restamos succubus dos ídolos como o sexo, o poder, o dinheiro e os prazeres do mundo e da carne. O caminho do retorno a Deus tem-la traçada o Senhor Jesus nos Evangelhos; se nós observaremos Suas regras de vida, nós não dissiparemos aquela riqueza de valor incomparável que é a vida no 1 Vangeo di Matteo 12, 46-50 2 Deuteronomio 5, 6-22 3 Levitico 19, 17-18 e Deuteronomio 6, 4-9 ; Vangelo di Matteo 22, 34-40 4 Vangelo di Luca 15, 11-32 1
  2. 2. planeta Terra, uma das escolas do Espírito, aquela fundamental 5 , porque é aqui que estamos expostos a lutas, tentações e dores 6 . O verdadeiro político sabe que o bem do povo é fundado sobre a justiça, a partir da qual nasce a paz; com a justiça e a paz, se obte também o respeito dos outros e do ambiente também em que se vive; o político em atividade deve sempre ter em mente a regra de ouro de Jesus Redentor " Fazem também aos outros todo aquêle você querem que eles fazam á você 7 ". Necessita difundir nas pessoas o conceito que a política não deve tornar-se uma profissão e, por isto nenhum deve ficar em política por mais de três ou quatro anos, e isto é para um só mandato, ou bem, o políticos deve entender a a política exclusivamente como um serviço de render e não como o trabalho de sua vida. No mundo, são muitos os exemplos de povos que se fazem a guerra de décadas, mas há uma deles entre os piores: a guerra que se fazem os Palestinos e Hebreus na Palestina a terra do Senhor Jesus. Eles competem á odiar-se e vingar-se dos outros e, assim, continuam a não meter em prática nem a Torá, o Alcorão, para não falar dos Evangelhos que desdobram o Decálogo 8 a Lei válida para todos os povos. Parece que os politicos fundamentalisti Palestinos e Hebreus não aprenderm nada nem do Corão e do Torá e tanto menos dos Evangelhos; eles não aprendem tão pouco dos sofrimentos que os dois povos sofrem. O Senhor Jesus Cristo é o Rei da paz 9 : os dois povos, o hebraico e o palestino, não refletem no fato de que Jesus é o Rei da paz e que Ele é também o Redentor e Salvador de todos os homens 10 Dêste deriva que todos os homens devem recorrer á Êle por ajuda á qualquer povo, religião ou fé política pertencam 11 . Em vez Satanás quer o ódio e a guerra : Hebreus e os Palestinos, também sabendo-lo bem, não refletem tão pouco sôbre o fato que Satanás é o Inganador 12 e, por isto o Inimigo do homem, bem como o Inspirador 13 do ódio e de cada conflito, armados ou menos 14 , e de cada injustiça. Não obstante que a Bíblia e o Corão 15 expressamente dizam que Satanás é o nosso inimigo e que ele quer o ódio e a guerra entre os homens, como a Virgem Maria confirma a 5 Jakob Lorber, Il Signore parla, página 185, arménia 6 Jakob Lorber, Il Signore parla, página 162, Arménia 7 Vangelo di Matteo 7, 12 8 Maria Valtorta, L’Evangelo come mi è stato rivelato, Vol. VII, página 123, CEV srl, 03036 Isola del Liri (Frosinone), Italia 9 Vangelo di Giovanni 14,27 e 16,33 10 Eileen Caddy, Le porte interiori, Mensagens de Dezembro de 24° e 25,° Amrita ; Maria Valtorta, L'evangelo come mi è stato rivelato, vol. X , página 148, CEV srl, 03036 Isola del Liri (Frosinone), Italia ; Cerchio Firenze 77, Le grandi verità ricercate dall’uomo, página 160, Mediterranee 11 Cerchio Firenze 77, Le grandi verità ricercate dall'uomo, página 160, Mediterranee 12 Genesi, capítulo 3 13 Alessandro Nangeroni, Dizionario del Corano, página 113, sura CXIV 4-5, Xenia Tascabili 14 Maria de Nazareth, Messaggi da Medjugorje, Mensagem de Setembro de 2001, MIR 15 Alessandro Nangeroni, Dizionario del Corano, pagina 113, sura II, 36 e 169, sura XXXVI 60-64, Xenia Tascabili 2
  3. 3. Medjugorje 16 em Palestina, a terra de Jesus Cristo, Hebreus e Palestinianos continuam á fazer guerra do décadas. Satanás é incansável no fazer di mal aos homens 17 , pelo menos ao nivel de pensamento 18 . Também a inimizade e isto que dêste consegue até ao guerra nasceu na mente de Satanás que moveu guerra a Deus, a primeira guerra da Criação. Infelizmente, as cabeças dos dois povos Medio Orientais não querem aprender nada, tão pouco da experiência da violência cega do terrorismo, assim devastante como sangue versado, sofrimentos á cidadões inermes e destruição de proprietades. Não obstante as tribulações e os sofrimentos causados pela guerra. os polítocos fundamentalistas Hebreus e Palestinianos ecutam tão pouco as exortações de todos os ensaios do mundo, o primeiro dos quais é o Papa João Paulo II para a autoridade moral. A maioria dos Hebreus e os Palestinianos querem a paz, mas prevalecem os fundamentalistas politicos dos dois povos, que querem a guerra que, também, porque eles não vão à guerra, eles fazem ir os filhos do povo. A paz deve ser uma corajosa conquísta, mas incruenta conquista dos corações, assim como ensinan o Senhor Jesus e o indiano Gandhi, a grande alma da Índia, por isto as maiorias dos Moderados dos povos devem fazer-se ouvir dos políticos belicistas com manifestações para a paz, até que eles não não terão obtida. A paz deve ser objeto de suas orações e suas boas obras (ou bem de resolutas manifestações de pacificação) sob a égide do ONU: justiça e paz para os dois povos. Para tal fim as religiões Hebréia e Mussulmana deveriam fazer frequentes encontros de oraçãos juntamente perdoando-se uns a outra. E os Mass mídia deveriam participar á tais encontros, dando-lhes o máximo ressalto. Os Moderados das religiões da Palestina: os Moderados das religiões da Palestina são a maioria do povo, mas o poder é em mão aos politicos fundamentalistas Hebreus e Palestinianos. Os Moderatos devem declarar que sòmente Satanás tem interesse á fazer a Guerra aos homens porque ele odeia os homens e ama a morte que é distância de Deus. Os Fundamentalistas islâmicos que predicam a guerra e os Terroristas são filhos do Demônio e, por isto são homens-demônios. Geralmente os belicistas e os violentos são succubus de Satanás e que perseguem os escopos; por isto as maiorias dos Moderados devem afastar-se de êles, pois que os violentos ignoram a misericórdia e o perdão, assim como o Alcorão ensina: " sabe perdoar. Invita á cumprir o bem. Afasta te das pessoas que ignoram a fé 19 ". Desde muito tempo os povos palestiniano e hebraico, deveria ter já refletido sobre a identidade, sobre o número e a influência dos respectivos políticos violentos, que não são tão 16 Maria de Nazareth, Messaggi da Medjugorje, Mensagem de 25 de Setembro de 2001 MIR 17 Maria Valtorta, L’Evangelo come mi è stato rivelato, Vol. V, página 348, CEV srl 03036 Isola del Liri (Frosinone), Italia 18 Você nêste Catecismo vê a parte de escrita " Assaltos e ataques demoniacos " que você irá encontrar entre Aprofundimentos na pasta de Anjos e Demônios 19 Alessandro Nangeroni, Dizionario del Corano, página 95 ( Opere buone ), sura VII 199 , Xenia Tascabili 3
  4. 4. poucos como se crê; eles são muitos e, por, fazem danos incalculáveis, também sem o uso de armas de destruição de massa: não re-eleger-los mais! Os dois povos interpretam a lei de retaliação de forma errada, porque eles são dominados por fundamentalistas violentos, oe quais têm a cultura da morte e que levam-la com eles em qualquer lugar eles que vão. A cultura do ódio, da guerra e aa vingança rende-los cegos, porque ignoram a misericórdia e o perdão recíproco. Os Chefes dos dois povos, parece que não conhecem o verdadeiro significado da lei de retaliação, que é uma lei penal não é um mandamento moral. " Nós tomam a lei de retaliação, a famosa fórmula "olho por olho, dente por dente que ao nossa latinidade essa parece pavorosa; nós interpretam-la literalmente (minha nota: assim como eles erroneamente fazem os hebreus e os palestinos em esta época, final do segundo Milénio ) fazendo indignar-nós contra uma ética que ao mal responde com o mal, ao crime com a atrocidade. É um complete contra-senso explicável com a nossa estranidade ao gênio dos Semitas escritos) (minha nota : mas os judeus e os palestinos são de origem semita, por isto eles deveriam saber muito bem como interpreter-la) ) Por outro lado, a lei do retaliação não é uma lei moral, mas uma regra penal. O hebreu do tempo de Jesus, o mesmo Jesus (minha nota: mas também os árabes da época de Maomé) recusando a abstração, não poderiam ter um dicionário jurídico especializado: não se imagina-los, nem meninos e nem mesmo adultos, no tempo que eles desfolham um código penal para encontrar das prescrições gerais ou das normas especificas; todo isto seria mal conciliado com o estilo das parábolas. Quanto é concreto na vida eles expressam-lo em modo concreto: eles usam as metáforas: "olho por olho, dente por dente" desta é uma, mas isto não significa absolutamente que quem cega deve á sua vez ser cegado. Tudo isto seria contrário à lei judaica de amor que ordena de amar o próximo como a nós mesmos e que prescrevede respeitar o nosso inimigo (minha nota: conceitos semelhantes são expressos no Alcorão ). É um modo imaginoso, o único que corresponda ao mentalidade semita, de fazer compreender que para cada delito, deve equivaler um castigo proporcionanado... 20 . Os Hebreus e os Árabes, conhecendo a lei da retaliação, deveria compreender bem a lei divina da causa e do efeito, porque todo isto que lhes acontecer em esta época, deriva de uma concatenacão de causas de êles mesmo movidas no passado e dos efeitos que são derivados dêste. Eles sabem ou deveria saber de ter pesadas responsabilidades, á nível dos povos 21 , não só no passado, mas também em esta época (final do segundo Milênio), para os comportamentos de êstes últimos quarenta anos, durante o quais cada parte beligerante moveu-se horrendas causas cujos efeitos recaem e recairão e eles vão reverter infalivelmente em cada parte, também, no futuro, com o único escopo de lhes dar os necessários ensinamentos do dor 22 , os únicos que 20 Robert Aron, Gli anni oscuri di Gesù página 56, Oscar Mondadori 21 Cerchio Firenze 77, Dizionario del Cerchio, página 156 (Karma collettivo), Mediterranee 22 Cerchio Firenze 77, Dizionario del Cerchio, páginas 75-77 (Dolore) e páginas 153-156 (Karma), Mediterranee 4
  5. 5. o homem, m fin ele/ela entende; essa compreensão amplia sua consciência, escopo da vida humana. Esperamos , sobretudo, seu próprio bem de Hebreus e Palestinianos, que eles entendam pronto os erros que nós cometeram até agora e escolham o perdão e a paz para sempre, pois que todo isto que nos acontece na vida, de bem ou de mal depende de remunerações 23 ou correcções divina 24 , consequentes á comportamentos errados sôbre a base de uma lei imutável: a lei de causa e de efeito ou lei cármica 25 , a lei da misericórdia e do amor 26 . Daqui, o terror, os sofrimentos, as mortes ou o matanças atuais derivam das recentes ou passadas violações aos leis de Deus, o Decálogo 27 e os Mandamentos do amor 28 ; tais Mandamentos são válidas para todos os homens e a todas as religiões. Também as recentes violações de tais leis, causas terão como efeitos, futuras, tribulações e sofrimentos que têm o escopo de ensinar aos homens á não fazer il Mal. A espiral do vinganças, mais sempre mais atrozes, que são culminadas com as acções dos kamikazes islâmicos e as consequentes represálias judaica sempre mais violentas deve ser talhada ao raiz, ao mais pronto possível, também para evitar que as consequências do seu ódio continuem á difundir-se não só no Médio Oriente, mas em todo o mundo. Também esta é uma responsabilidade cármica que cae e cairá sobre suas cabeças. Contudo é bem conhecido aos dois povos beligerantes que o escopo da vida do homem é o amor, assim como ensinam o Antigo Testamento 29 e o Corão 30 . A história ensina-nós que as guerras não resolvem os problemas dos homens, pelo contrário, agravam-los; no caso dos Hebreus e os Palestinianos se vingam porque eles interpretam erroneamente a lei talionis. O único remédio é o perdão recíproco para se tornar capaz de observar a Nova Justiça (você amam vossos inimigos e rogam por vossos perseguidores) pregada pelo Messias 31 de todos os povos e todas as religiões 32 . A Nova Justiça do Cristo muda a maneira de pensar, de falar e de agir do homem, contanto que o homem mesmo quera-lo. O homem, de qualquer religião, que começa a viver evangelicamente, ele próprio muda gradualmente ele/ela muda graduamente si mesmo e transforma-se do ser material em ser espiritual + com a ajuda determinante da Grande Mãe 23 Carlo Maglietta, perché il dolore? La risposta della Bibbia, páginas 61-62, Gribaudi 24 Carlo Maglietta, perché il dolore? La risposta della Bibbia, páginas 47-52 e 118-126, Gribaudi 25 Cerchio Firenze 77, Dizionario del Cerchio, páginas 157-159 (Legge di causa e di effetto o Legge karmica), Mediterranee 26 Cerchio Firenze 77, Maestro perché?, páginas 75-77 (La legge della misericordia e dell’amore), Mediterranee 27 Deuteronomio 5, 6-22 28 Levitico 19, 18 ; Deuteronomio 6, 4-9 ; Vangelo di Matteo 22, 34-40 29 Levitico 19, 18 ; Deuteronomio 6, 4-9 ; Vangelo di Matteo 22, 34-40 30 Alessandro Nangeroni, Dizionario del Corano, página 94 (Onestà), sura XVI 90 e páginas 94-95 (Opere buone), sura III 195, sura IV 36 e 40, sura VII, 199, sura XLV 30, Xenia Tascabili 31 Vangelo di Matteo 5, 43-48 32 Vangelo di Matteo 28, 16-20 ;Vangelo di Marco 16, 15-18 ; Vangelo di Luca 24, 44-49 5
  6. 6. Espírito Santo 33 . A tal transformação corresponde uma ampliação da nossa consciência que nós faz tprnar-se tornarmos altruístas. A paz não é conquistada com o uma lógica demoniaca-humana da vingança , ao contrário, com aquela divina: é a lógica do Espírito, aquela que nós ensina á fazer triunfar o Bem sôbre o Mal e a amar nós porque se faz parte da mesma familia 34 . Não é fácil fazer a paz, porque a paz pede o perdão e o homem, nós sabemos-lo, não é propenso a perdoar, também por causa das tentações e interferências de Satanás, que quer o ódio e a guerra 35 . Nós sabemos que o Demônio influe negativamente sôbre os nossos pensamentos e sôbre a nossa psique com vibrações e pensamentos malévolos 36 . O perdão cristão recíproco é o único caminho para a paz duradoura na Palestina, em conjunto com a busca dos valores que unem Hebreus e Palestinianos, quais o mesmo Deus a origem comum, o território comum, a crer no único Deus. O Senhor Jesus teve a mesma descendência e também esta deveria ser um valor para eles. A paz na Palestina, como em outros lugares é sempre o fruto do perdão recíproco, e pode ser obtida sòmente se a maioria dos Moderados dos dois povos recuserá seus filhos aos respectivos exércitos. Não será fácil, mas não existe outro caminho que a desobediência civil, que já é iniciada em Israel. Entre os Palestinianos é mais dificil, também porque são succubuses dos Fundamentalistas islâmicos; por isto, entre eles, as pessoas que estão dispostas a fazer a guerra aos Hebreus deveria ser em maior número que em Israel; pior ainda: muitos os Palestinianos são dispostos a meter sua vida nas mãos satânicas dos Terroristas se tornando kamikazes. A situação entre os Palestinianos deveria ser portanto muito mais grave também porque são muitas as escolas islâmicas que ensinam a combater lcontra o inimigo, ensinando falsamente que a Gihad o Jihad é a guerra santa para impor o Islã á outros povos, no tempo que Gihad ou Jihad significa " o esforço individual para a fé ou para a ação e a missão morais 37 " . A paz na Palestina, também será possível quando os dois povos decidir-se a viver evangelicamente porque os Evangelhos sou a explicação do Decálogo 38 . . Para fazer a paz nós quer consciência, coragem e bom sentido: seria suficiente que Hebreus e Palestinianos refletiriam sôbre o que coisa eles têm obtido fazendo-se a guerra, nêstes últimos quarenta anos: mortos, feridos, sofrimentos, lágrimas, destruições e terror. 33 Tomás Apóstolo, Il quinto Evangelho, trad. Mario Pincherle, páginas 101-105, Macroedizioni 34 Eileen Caddy, Le porte interiori, Mensagem de 4 de Setembro, Amrita 35 Medjugorje, I Messaggi della Regina della pace, Mensagem de 25 de Setembro de 2001, Shalom 36 Você vê nêste Catecismo o documento " Assaltos e ataques demoníacos " na pasta de Anjos e Demônios dos Aprofundamentos 37 Ralf Elger e Friederike Stolleis, Piccolo dizionario dell'Islam, página 136, Einaudi Tascabili 38 Maria Valtorta, L’Evangelo come mi è stato rivelato, Vol. VII, página 123, CEV srl, 03036 Isola del Liri (Frosinone), Italia 6
  7. 7. Hebreus e os Palestinos devem entender que, se os dois povos descendem de Abrão e eles vivem no mesmo território, isto significa que Deus lhes assinou a prova da covivência 39 e o respeito recíproco com a finalidade de induzir-los a amar-se uns aos outros como irmãos. O Senhor Deus disse: << Não chocam ódio contra um irmão, mas não hesitam em censurar-lhe para não carregar vód de um pecado em seu respeita . Não vingam vós e não conservam rancor contra vossos compatriotas. Cada um de você deve amar seu próximo como a si mesmo. Eu sou o Senhor 40 . Séculos depois, o Levítico , o Altísimo se encarnou no homem Jesus 41 o Qual levou á perfeição o segundo Mandamento do amor aquêle para os irmãos homens, que tenho já citado 42 . Os beligerantes da Palestina devem também compreender que no Evangelho eles/elas trovam escrita a maneira com a qual eles/elas podem resolver os seus problemas, contanto que renunciem, os Hebreus ao sentido de superioridade e ao vontade de domínio e os Árabes ao ódio e ao bazófia e determinar-lhes á conviver pacificamente refletindo sòmente sôbre os frutos da justiça e da paz e sôbre isto que une-los: a fraternidade humana porque também eles/elas descem do Pai/Mãe/Deus 43 de todos os homens 44 . Se os Árabes interpretariam bem o Corão 45 e os Hebreus a Torá, as três povos que vivem na área do rio Jordão (Jordânia, Israel e a OLP) poderia pensar á fundar um estado federal como os ESTADOS UNIDOS ou como querem fazer os Europeus. E, em seguida, eles poderiam alagar ao todo o Oriente Médio, tal união, para seu bem e de todos os povos de aquela região. Para realizar êste projeto é indispensável, que os Árabes reconhecam os erros de interpretação do Alcorão, entre os quais também aquêle da excessiva procriação, que é fundada tanto sôbre a poligamia que sôbre fazer procriar aos suas espôsas demasiados filhos, também de pessoas que não têm os meios para manter ão bem mais de uma espôsa e mais de um filho; para os êrros de interpretação do Corão ver o Elaborado n°4 de êste Catecismo entre os Aprofundamentos das religióes “ Contribuição ao conhecimento do Corão com assinalação de numerosos êrros de interpretação da Revelação de Deus ao profeta Maomé com “etidos com astúcia e malvadez dos Fundamentalistas islâmícos “ É geralmente sabido - também porque alguns Fundamentalistas árabes têm-lo dito abertamente em televisão - que a procriação excessiva constitue para eles um instrumento para um plano para uma future dominação em outros países 46 declarando a assim chamada guerra 39 Il Corano, trad. L. Bonelli, sura V 52-53, Ulrico Hoepli 40 Levitico 19, 17-18 41 Maria de Nazareth, Messaggi Medjugorje, Mensagem de 25 de Abril de 1966, a MIR 42 Vangelo di Matteo 5, 43-48 e 7, 12 43 Eileen Caddy, La voce di Dio a Findhorn, página 103-104, Mediterranee 44 Eileen Caddy, Le porte interiori, Mensagem, de 4 de Setembro, Amrita 45 você vê no nosso Catecismo entre os Aprofundamenyos das religiões o Elaborada N°4 "Contribuição para o conhecimento do Alcorão com sinalização de inúmeros erros de interpretação de temas fundamentais da Revelação de Deus ao profeta Maomé cometidos com astúcia e maldade pelos Fundamentalistas islâmicos" 46 Magdi Allam, Jihad na Italia, páginas 198-199, Oscar Mondadori 7
  8. 8. santa (que, em vez é demoníaca). Tal procriação excessiva também é um dos obstáculos ao paz em Palestina. Pois que é bem difícil que os Fundamentalistas islâmicos reconhecam seus êrros de interpretação do Corão, porque odiam os Hebreus e eles querem a guerra para dominar os outros povos, é indispensável que tais êrros sejam reconhecidos pelo Moderados árabes, que constituem a maioria islâmica. Tal maioria deve reunir-se Mesquita para Mesquita - Mesquita - para declarar ao mundo que os Fundamentalistas violentos, criminais, belicistas, ou terroristas não pertencam ao Islã e constituem uma religião satânica isto é uma antireligião 47 . Naturalmente, uma semelhante declaração pública, ao qual deve ser dado o máximo ressalto sôbre os Meios de comunicação de Massa, pode ser feita sòmente nos Países onde ha um regime democrático ou similares. Os princípios expostos para os povos Hebraico e Palestiniano são válidos também para os outros povos ou tribos que se fazem a guerra em todas as partes do mundo iniciando da África. Mas até que existirão religiões que interpretam mal a sua própria Escrita sacra, como fazem os Árabes e os outros Maometanos com o Corão, será difícil que a paz possa reinar sôbre a Terra porque ao homem necessitam conhecimento, consciência e coragem para reconhecer seus próprios êrros e os direitos de outras pessoas… e as orações ; não por nada de Medjugorje, a Virgem Maria nós exorta a orar com o coração 48 , como fazia Seu filho Jesus 49 ". Concluindo pode-se dizer que a paz está nas mãos dos homens, mas eles devem escolher-la e conquistar-la com a égide do ONU. Que Deus nós ajudas! 47 Cerchio Firenze 77, Dizionario del Cerchio, página 30 (Anticristo), Mediterranee 48 Maria di Nazareth, Messaggi da Medjugorje, Mensagem de 2 de Maio de 1985, MIR 49 Vangelo di Giovanni, capítulo 17 8

×