Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
ma boa comunicação terapêutica está
associada a:
 Maior capacidade para obter o consentimento
informado
 Resultados clín...
A comunicação pode ser verbal e não verbal e inclui a

capacidade de nos ligarmos ao outro e compreender as
suas emoções ...
Comunicação Verbal
Competências verbais que promovem a
comunicação na relação terapêutica:
 Cumprimentar os clientes usan...
Comunicação Verbal
Competências verbais que promovem a comunicação
na relação terapeutica:
 Estar preparado para clientes...
Comunicação Verbal
Competências verbais que promovem a
comunicação na relação terapêutica:
 Formulação e reformulação: um...
Comunicação Não-Verbal
O terapeuta pode usar a comunicação não verbal como um complemento
à narrativa do cliente e pode fa...
Comunicação Não-Verbal
O toque em psicoterapia pode ser uma expressão
genuina na relação com o cliente, pode ser uma forma...
Comunicação Não-Verbal
Competências não-verbais que promovem a
comunicação na relação terapeutica:
 Estar atento à comuni...
Competências Comunicacionais
na Gestão de Conflitos
Em momentos de conflito:
 Usar a escuta ativa
 Usar uma comunicação ...
Competências Comunicacionais
na Gestão de Conflitos
Potenciais fontes
de conflito

- Objetivos e expetativas do cliente qu...
Comunicação – estilos,
preferências e diferenças culturais
Alguns comportamentos comunicacionais que possam
ser confusos o...
The RESPECT Model
APPORT: olhar para o ponto de vista do cliente, evitar julgamentos e
preconceitos

EMPATHY: compreender ...
Bibliografia
Bavelas, J. B., McGee, D., Phillips, B. &Routledge, R. Microanalysis of communication
in psychotherapy. Human...
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Comunicação na relação terapêutica

Um resumo sobre comunicação verbal e não-verbal em terapia.
Autora: Sara Guelha, Oficina de Psicologia

Ähnliche Bücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen

Ähnliche Hörbücher

Kostenlos mit einer 30-tägigen Testversion von Scribd

Alle anzeigen
  • Als Erste(r) kommentieren

Comunicação na relação terapêutica

  1. 1. ma boa comunicação terapêutica está associada a:  Maior capacidade para obter o consentimento informado  Resultados clínicos positivos  Maiores níveis de satisfação do cliente  Níveis mais elevados de adesão ao tratamento
  2. 2. A comunicação pode ser verbal e não verbal e inclui a capacidade de nos ligarmos ao outro e compreender as suas emoções e estados psicológicos. Uma comunicação eficaz é uma parte essencial de uma relação terapêutica de confiança.
  3. 3. Comunicação Verbal Competências verbais que promovem a comunicação na relação terapêutica:  Cumprimentar os clientes usando o seu nome preferido e apresentar-se como profissional (disponibilizando informação académica)  Informar o cliente sobre o processo psicoterapêutico (quais as fases, expectativas)  Usar linguagem profissional, respeitosa e clara, evitando termos técnicos  Ter algum cuidado com o sentido de humor
  4. 4. Comunicação Verbal Competências verbais que promovem a comunicação na relação terapeutica:  Estar preparado para clientes com limitações cognitivas, dificuldades auditivas e/ou visuais e outras perturbações  Escutar activamente, validar as palavras do cliente para garantir que foi compreendido correctamente  Estar preparado para possíveis barreiras à linguagem (língua e/ou culturas distintas)
  5. 5. Comunicação Verbal Competências verbais que promovem a comunicação na relação terapêutica:  Formulação e reformulação: uma das técnicas comunicacionais mais neutras e comuns que o terapeuta deve usar para resumir ou parafrasear o que o cliente diz, uma vez que não influencia a narrativa do mesmo e pode ser co-construtiva (Phillips, 1998)
  6. 6. Comunicação Não-Verbal O terapeuta pode usar a comunicação não verbal como um complemento à narrativa do cliente e pode fazê-lo trazer à consciencia do cliente que a linguagem corporal é comunicar algo diferente que na narrativa (Leijssen, M. 2006). Quando uma expressão não verbal não é coerente com a narrativa do cliente, um determinado gesto do cliente pode ser identificado pelo terapeuta, incentivando o cliente a reconhecer a linguagem corporal e aceder a emoções que possam estar bloqueadas (Leijssen, M. 2006).
  7. 7. Comunicação Não-Verbal O toque em psicoterapia pode ser uma expressão genuina na relação com o cliente, pode ser uma forma estratégica e subtil de promover o apoio, a empatia e a expressão de sentimentos mais profundos (Smith, 1998 cit. por Leijssen, M.,2006)
  8. 8. Comunicação Não-Verbal Competências não-verbais que promovem a comunicação na relação terapeutica:  Estar atento à comunicação não-verbal que se manifesta frequentemente com os clientes, à expressão do olhar do terapeuta, a frequência com que este olha para o relógio. Estamos constantemente a dar informação nãoverbal aos nossos clientes.  Estar atento aos preconceitos, que poderão manifestar-se de forma nãoverbal (através da expressão facial, por exemplo)  Agir sobre os sinais/indicadores não-verbais do cliente. Muitas vezes, ele dá informação não-verbal do nível de sofrimento na forma como se agarra a si prório, pelas expressões faciais ou estremecimento
  9. 9. Competências Comunicacionais na Gestão de Conflitos Em momentos de conflito:  Usar a escuta ativa  Usar uma comunicação calma e objetiva  Pensar antes de agir, para evitar uma resposta emocional
  10. 10. Competências Comunicacionais na Gestão de Conflitos Potenciais fontes de conflito - Objetivos e expetativas do cliente que diferem das do terapeuta - Limites entre a relação terapeutica e pessoal - Personalidades distintas, estilos e sistema de valores Prevenção do conflito - Gestão do conflito - Recolha de informação Comunicação de forma clara dos objetivos e expetativas (verbal e por escrito, se necessário) Ser respeitoso em todos os momentos – ouvir atentamente e falar com respeito Identificar áreas potenciais de conflito/desacordo e resolvê-las de imediato Encontrar um local e tempo adequados para abordar a situação conflituosa, permitindo a gestão das emoções de raiva, medo por forma a regulá-las antes de iniciar a conversa com o cliente Colocar de lado preconceitos sobre o cliente/situação e tentar resolver o problema através do diálogo - renegociar as condições do contrato terapeutico quando a resolução do conflito nao pode ser alcançada, planear uma transição suave da situação-problema que garanta que as necessidades de tratamento do cliente não serão comprometidas -Quando o processo terapeutico é afetado de alguma forma, é necessaria uma recolha de informação clara e completa: os fatos da situação, as medidas tomadas para resolver o problema, as soluções e o acordo atingido
  11. 11. Comunicação – estilos, preferências e diferenças culturais Alguns comportamentos comunicacionais que possam ser confusos ou frustrantes:  Rir sem motivo aparente, poderá ser sinal de nervosismo  Dar um aperto de mão “frouxo”  Manter-se demasiado perto enquanto conversam  Nao disponibilizar muita informação  Fazer perguntas pessoais
  12. 12. The RESPECT Model APPORT: olhar para o ponto de vista do cliente, evitar julgamentos e preconceitos EMPATHY: compreender o raciocínio do cliente e conhecer os seus sentimentos UPPORT: compreender as barreiras aos cuidados de saúde e envolver a família e a rede social se for caso disso ARTNERSHIP: reforçar que este é um trabalho em equipa XPLANATIONS: peça, com frequencia explicações para facilitar a compreensão ULTURAL COMPETENCE: respeitar os clientes, a sua cultura e crenças RUST: trabalhar com tempo e preseverança para ganhar e manter a confiança
  13. 13. Bibliografia Bavelas, J. B., McGee, D., Phillips, B. &Routledge, R. Microanalysis of communication in psychotherapy. Human systems: the jounal of systemic consultation e management Department of Psychology. University of Victoria, Canada. Leijssen, M. (2006). Validation of the Body in Psychotherapy. Journal of Humanistic Psychology. 46, 2, 126-146. Making a connection, communication in the therapeutic relationship (2012). College of Physical Therapists of British Columbia

    Als Erste(r) kommentieren

    Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

  • danielaalexandre1297

    Aug. 25, 2015
  • AparecidaOliveiraDos

    Aug. 17, 2017
  • carmenmferreira

    Oct. 30, 2017
  • NielyRibeiro1

    Jan. 4, 2018
  • DLRocha1

    Mar. 26, 2018
  • Dominijus

    May. 7, 2021

Um resumo sobre comunicação verbal e não-verbal em terapia. Autora: Sara Guelha, Oficina de Psicologia

Aufrufe

Aufrufe insgesamt

6.730

Auf Slideshare

0

Aus Einbettungen

0

Anzahl der Einbettungen

418

Befehle

Downloads

235

Geteilt

0

Kommentare

0

Likes

6

×