Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Workshop de FacilitAção | Desenvolver skills de pessoa facilitadora

130 Aufrufe

Veröffentlicht am

Atualização no Workshop de FacilitAção em Brasília dia 09/03/19

As pessoas que atuam como facilitadoras são responsáveis pela criação de um ambiente que permita ao grupo atingir o objetivo. Durante o processo, um time pode passar por diferentes momentos que influenciam no nível de colaboração. Para que o ambiente funcione, é necessário que exista empatia, respeito, confiança, liberdade, diálogo, sinergia e compartilhamento. O papel da pessoa facilitadora é garantir que exista responsabilidade, liderança e colaboração entre as pessoas participantes. Para isso, existem habilidades a serem desenvolvidas. E é isso que vamos fazer nesse workshop!

  • Als Erste(r) kommentieren

Workshop de FacilitAção | Desenvolver skills de pessoa facilitadora

  1. 1. Workshop de FacilitAção Desenvolver skills da pessoa facilitadora Mayra Souza, Mila Orrico & Andy Barbosa Baseado em pesquisa e experiência. Práticas do Livro Fun Retrospectives do Paulo Caroli.
  2. 2. Oi! Eu sou Mayra Souza Enterprise Coach, Lean-Agile Coach, Facilitadora e Trainer Lean Inception, Learning e Management 3.0, Idealizadora da AÇÃO e Trainer Agile School. É Engenheira de Produção (PUCRS), Professional & Self Coaching (IBC), Professional Agile Coach (PACC) e tem especializações de Scrum Product Owner, FMEA de processos, Auditoria, Organizações Orgânicas, Kanban, Design Sprint e Visual Thinking. Com um jornada profissional de 15 anos de experiência em gestão de pessoas, treinamentos e reengenharia de processos, gestão de produtos e qualidade. Atuou no Grupo ZAP com transformação de cultura organizacional, e na ThoughtWorks junto com Paulo Caroli em facilitações de Lean Inception e apoiou no desenvolvimento de novas pessoas facilitadoras. Exerceu os papéis de Agile Coach, Analista de Negócios, Coach e Facilitadora de práticas ágeis.
  3. 3. Oi! Eu sou Mila Orrico Consultora Sênior na ThoughtWorks Brasil/Chile Palestrante, facilitadora, consultora sobre Agilidade, Product Owner e Analista de Negócios. Certificada pela LeanKanban University além de CSM, CSPO e CSD, pela Scrum Alliance.
  4. 4. Oi! Eu sou Andy Barbosa ● 25 anos de experiência na área de TI ● 15 anos liderando times de alta performance ● Mestrando em Administração de Empresas ● Especialista em Gestão Estratégica de Negócios ● Especialista em Gestão Estratégica de TI ● MBA em Gestão de Projetos ● Professional Coach (FCC) ● Agile Coach Certified (ICP-ACC e PACC) ● SCRUM Certified (SCAC, SMAC, SPOAC) ● DevOps Professional Certificate (DEPC) ● Especialista em Management 3.0 ● Lean Change Agent ● SAFe Agilist | Scaled Agile ● Passagens por TOTVS, Benner e Desbravador ● Fundador do Agile Institute Brazil ● Criador da Formação e Acreditação PACC
  5. 5. Permissão Peça permissão ao grupo para facilitar todo andamento. Permita-se ter um dia de imersão, entrega e diversão
  6. 6. Acordos Expectativas
  7. 7. Agenda do workshop ◎ O que é facilitação? ◎ O que ocorre durante a facilitação? ◎ O que facilitar? ◎ Quais são as habilidades para uma pessoa facilitadora? ◎ Dicas para facilitação com práticas - MÃO NA MASSA! ◎ Como preparar uma facilitação. ◎ Simulações de facilitação.
  8. 8. Práticas & Simulações Práticas para desenvolver skills para facilitação: 1. Comunicar com empatia 2. Investigar a necessidade 3. Observar 4. Visual Simulações de Facilitação: 1. Facilitação 2. Icebreaker/ Energizer 3. Team Bonding/ Building/ Workflow/ Rules 4. Brainstorming/ Brainwriting 5. Retrospectiva 6. Speed feedback
  9. 9. O que é facilitação?
  10. 10. O que é facilitação? Significado de Facilitação s.f. Ação ou efeito de facilitar (descomplicar). Jurídico. Ajuda que, oferecida a uma outra pessoa, descomplica o desenvolvimento ou a prática de um ato. (Etm. facilitar + ção). O processo de facilitação é dirigir um fluxo de discussões propiciando um diálogo respeitoso, eliminando obstáculos, resumindo diferentes pontos de vista, fomentando o espírito positivo e produtivo, focando nos objetivos. É importante que a facilitação seja neutra ao longo dos debates.
  11. 11. “Facilitação de um grupo é um processo pelo qual uma pessoa cuja escolha é aceitável para todos os membros do grupo, que é suficientemente neutra e que não possui autoridade considerável no processo decisório do grupo, diagnostica e intervém para ajudar o grupo a melhorar como identifica, resolve problemas e toma decisões, para aumentar a efetividade do grupo, aumentando seu grau de autonomia. Roger Schwarz
  12. 12. “As equipes de desenvolvimento têm uma estrutura relativamente única, no qual a divisão do trabalho entre os membros é altamente interdependente; assim, gerenciar o conhecimento é a chave do processo. Ryan; O'connor, 2013
  13. 13. O que ocorre durante a facilitação? Durante as dinâmicas de grupo, uma equipe pode passar por diversos momentos que aumentarão o nível de conhecimento, colaboração, compartilhamento e participação. O importante é entender cada momento e como agir!
  14. 14. Comunicação Consenso/ consentimento Processo de facilitação ColaboraçãoProblema! Solução? Atingiu o objetivo? Todas pessoas pensando Alinhando ideias Alinhando ações Plano de ação: O que? Como? Quando? Onde? Quanto?
  15. 15. Processo de facilitação Problema Facilitação Falta de Clareza (IDEIA) Comunicação deficiente Conflitos interpessoais Papéis x Responsabilidades Visualização Comunicação Envolvimento entre as pessoas Identificação
  16. 16. "Facilitar significa saber aplicar os métodos e as dinâmicas no momento certo, de forma a alcançar o resultado esperado. Para tanto, é preciso entender e fazer uma gestão do comportamento humano combinando e moderando a firmeza com o humor, a disciplina com o tato, e o resultado com a colaboração. Tudo isso se torna mais fácil quando você tem o entendimento de qual momento o grupo está e como agir!" Mayra Souza
  17. 17. Curva de Tuckman
  18. 18. Curva de Tuckman Normalizar e Acordo Desempenho Formação Contestar e Conflito Direcionar Coach Suportar Delegar
  19. 19. Team Bonding (Criar Laços) - Teste de Personalidade Fonte: https://www.16personalities.com/br/teste-de-personalidade
  20. 20. O que facilitar? Em que processo uma pessoa facilitadora (neutra) é indicada, quais técnicas…..
  21. 21. Tipos de pessoas facilitadoras ◎ Facilitadoras de negócios ◎ Facilitadoras de treinamento ◎ Facilitadoras educacionais ◎ Facilitadoras para resolução de conflitos ◎ Facilitadoras sociais ◎ Facilitadoras de pequenos grupos
  22. 22. O que facilitar na metodologia ágil? ◎ Reuniões (refinamento, planning, daily...) ◎ Lean Inception; ◎ Design Sprint, Thinking e Service Design: ◉ Personas; ◉ Jornadas do usuário ◎ Feedbacks: ◉ Speed feedback ◉ Autofeedback ◎ Icebreaker e Energizer; ◎ Team Building/ Workflow/ Rules; ◎ Retrospectivas: ◉ Futurospective ◉ Pre-mortem e Post-mortem
  23. 23. Quais as habilidades necessárias para uma facilitadora? Facilitadoras são responsáveis pela criação de um ambiente para o grupo atingir o objetivo da dinâmica. Um ambiente de aceitação, empatia, respeito, confiança, liberdade, diálogo ou seja, sinergia e compartilhamento.
  24. 24. Facilitar é... Observar Organizar Regular Instruir e orientar para as descobertas Comunicar (Ouvir mais do que falar) Integrar Liderar Apoiar Treinar Neutralidade Incentivar a auto-organização Perguntar mais do que responder Prover recursos Coordenar Colaborar Explorar Estar sempre à disposição Agente da realidade Direcionar Moderar Iniciar Fomentar o espírito positivo e produtivo
  25. 25. Habilidades de uma pessoa facilitadora ◎ Guiar o processo sem interferir diretamente no conteúdo das discussões; ◎ Guiar o time para que pensem sobre o necessário e cheguem a um consenso ou consentimento; ◎ Garantir que todas pessoas sejam ouvidas e que todas entendam os pontos da mesma forma; ◎ Incentivar que o time se comunique e cresça sozinho (auto-organização) ; ◎ Estimular acordos e comprometimento das pessoas presentes. ◎ Fazer a gestão de tempo para que as atividades sejam todas contempladas confortavelmente no tempo estipulado.
  26. 26. Dicas para facilitar A pessoa facilitadora tem de estar aberta para feedbacks. É muito importante a troca de dicas e dificuldades entre pessoas facilitadoras.
  27. 27. A arte de se comunicar Comunicação é a relação de emitir, transmitir, receber e entender a mensagem: ◎ Linguagem falada (bom uso tom de voz); ◎ Escrita; ◎ Linguagem não-verbal com gestos corporais; ◎ Sonoro e/ou visual.
  28. 28. A regra 7-38-55 7% da comunicação é atribuída ao componente verbal (seu significado); 38% ao componente vocal (no caso específico, o tom da voz) 55% ao componente facial (expressão facial). A comunicação não verbal é responsável por 93% de toda a comunicação. MAS DEPENDE… DO CONTEXTO E DAS PALAVRAS
  29. 29. Comunicação não violenta | CNV ◎ Observar sem julgar ◎ Identificar sentimentos ◎ Entender necessidades ◎ Fazer pedidos/perguntas
  30. 30. Estar presente ◎ Quem eu sou? ◎ Onde estou? ◎ O que estou fazendo?
  31. 31. Comunicação mal estabelecida ◎ Bloqueios: mensagem não é captada e a comunicação é interrompida ◎ Filtragens: a mensagem é recebida apenas em parte ◎ Ruídos: a mensagem é distorcida ou mal-interpretada Existem barreiras que impedem a mensagem de chegar à pessoa receptora. Existem obstáculos e barreiras muito mais sutis, quanto mais fortes mais escondidas.
  32. 32. Barreiras da comunicação ◎ As opiniões e atitudes da pessoas receptora (ouvir apenas o que interessa); ◎ O egocentrismo (não enxerga do ponto de vista do outro ou interrompe com seu comentário); ◎ A percepção que temos do(a) outro(a) (preconceitos, estereótipos); ◎ A competição (monólogo coletivo ou diálogo de surdos); ◎ A frustração (impede de ouvir e entender o outro); ◎ A transferência (inconsciente de sentimentos dita uma predisposição favorável ou desfavorável); ◎ A projeção (emprestar a alguém intenções que nunca teve, mas que teria no lugar desta pessoa); ◎ A inibição.
  33. 33. “ Quem não se comunica se trumbica. Ditado popular
  34. 34. Quando interromper a fala/raciocínio de uma pessoa? Normalmente uma interrupção é reflexo da escuta com julgamentos, mas em alguns casos também pode ser necessária para acabar com uma conversa improdutiva, ou passivo-agressiva. Quando for necessário interromper faça isso o quanto antes, através inicialmente de gestos, depois da fala. Interrompa através de perguntas, usando empatia, a intenção ao interromper é ajudar quem fala a se conectar com uma pessoa ou o grupo.
  35. 35. MÃO NA MASSA Prática 1 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  36. 36. Prática para Comunicar com Empatia – 7 minutos Objetivo: Praticar a audição, comunicação interpessoal com empatia e estar presente. ◎ Dividir em duplas; ◎ Uma pessoa conte algo que ocorreu no trabalho esta semana que lhe marcou, e a outra pessoa tem de ouvir com atenção; ◎ Após o(a) receptor(a) repetirá o que a pessoa lhe falou e junto pedirá a confirmação do que ouviu; ◎ Depois trocar emissor(a) e receptor(a) fazendo a mesma prática; ◎ Ao final, todas as pessoas compartilham a experiência e dar feedback construtivo.
  37. 37. Não subestime o poder do silêncio ◎ Quando fizer uma pergunta, seja paciente e espere pela resposta em silêncio. Não tente explicar sua pergunta logo após questionar. ◎ Se a pessoa não responder, pergunte: posso repetir minha pergunta de outra forma? ◎ Não responsabilize a pessoa por não entender o que você disse, a responsabilidade de ser assertiva é sua.
  38. 38. Programação de Neurolinguística @paola_mayra
  39. 39. Perguntas com contexto ERRO COMUM: SUPOR AO INVÉS DE PERGUNTAR! Perguntas são necessárias para intervir e auxiliar nas discussões e reuniões, não faça perguntas genéricas. Use perguntas abertas e com contexto para ter respostas adequadas e objetivas (traz valor a pergunta e a resposta).
  40. 40. Perguntas reativas Crie um ambiente que favoreça as diferenças de opiniões e que minimize o ego das pessoas participantes. Tenha "jogo de cintura" e cuidado nas abordagens. ◎ Investigação direta: “Por que você acha que isso é importante?” ◎ Investigação indireta: “Você acha isso importante porque…?” ◎ Esclarecimento: “Parece que o que você está dizendo é __________, certo?” ◎ Direcionamento: “Vocês já pensaram em algo ligado a _________?” ◎ Desvio do assunto: “Interessante o ponto de vista, mas o que acham de colocar no parking lot?” ◎ O grupo travou: "Já falamos de A, B e C. Alguma nova sugestão para lidar com isso?”
  41. 41. Perguntas poderosas Mais Poderosa ◉ Por que? ◉ Como? ◉ O que? ◉ Como? Quando? Onde? ◉ Qual (senão/ou) ou Sim/Não Perguntas Exemplo: ◎ Você está feliz no trabalho? ◎ Quando você estava mais feliz no trabalho? ◎ O que sobre o seu trabalho que te faz feliz? ◎ Porque deveria sua felicidade no trabalho ter seus altos e baixos? Qual pergunta estimula mais pensamentos reflexivos e um profundo nível de conversação?
  42. 42. A Pirâmide DIKW (Pirâmide do Conhecimento) modelada por Russel Ackoff | análise da estrutura de conteúdo que compõe a nossa mente Fonte: https://medium.com/software-zen/como-um-agile-coach-pode-responder-perguntas-dificeis "Saber quando usar sua inteligência para oferecer certeza ou sua sabedoria para oferecer clareza…." "…..Mas quando o processo tem a ver com fazer escolhas, encontrar caminhos, tomar decisões difíceis, o foco não é certeza, mas clareza. Aí, é a sua sabedoria que vai te ajudar." Alisson Vale
  43. 43. O "design do agir" "É necessário ultrapassar a fronteira do tecnicismo e penetrar o mundo dos humanos — sua história, sua psicologia, sua sociologia, sua arte e sua filosofia. Só assim poderemos entender como e porque eles produzem os sistemas que produzem." Alisson Vale
  44. 44. MÃO NA MASSA Prática 2 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  45. 45. Prática para investigar a necessidade – 10 min. Objetivo: Praticar a investigação com perguntas poderosas, com objetivo de entender as necessidades, percebendo a importância da comunicação para o bom relacionamento interpessoal. ◎ Em duplas 1º Etapa: ◎ Conversar sobre situações ou falas que ouvem frequentemente e que consideram agressivas, ofensivas ou que causam desconforto; 2º Etapa: ◎ De todas escolham a mais forte; ◎ Pensar e identificar quais perguntas poderiam ser feitas para identificar a necessidade por trás deste comportamento/ fala. Ao final, todas pessoas comentam o que descobriram, refletindo sobre as diferenças entre a situação/ fala original e após refletindo com as perguntas, como seria o cenário futuro.
  46. 46. Comportamento disfuncional Observar o comportamento das pessoas participantes, pois o comportamento disfuncional é uma forma consciente ou inconsciente de demonstrar/ expressar o descontentamento ou uma opinião sobre algo. ◎ Facilite a criação de Acordos do Time: o próprio time reforça o comportamento funcional; ◎ Identifique quem não está participando e envolva nas discussões com perguntas como: ◉ O que você acha disso? ◉ Na sua opinião, qual é a melhor forma de _________?
  47. 47. MÃO NA MASSA Prática 3 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  48. 48. Prática para Observar – 10 min. Objetivo: Praticar a observação do comportamento disfuncional e a expressão corporal, desenvolver a atenção e a capacidade de interpretação. Auxiliando a compreensão da linguagem não-verbal. ◎ Dupla ou em grupo; ◎ Pegue um papel com a frase de como irá se comportar com sua expressão corporal (o(a) emissor(a) não utilize linguagem verbal); ◎ O(A) observador(a) irá falar o que o(a) emissor(a) quer dizer com a expressão corporal.
  49. 49. Consenso e Consentimento O debate é muito importante, e os argumentos que levam a melhor decisão devem ser apresentados. ◎ Consenso: Acordo, um fim homogêneo de ambas as partes, ou seja um acordo comum de todas pessoas. ◎ Consentimento: Permissão, autorização, concordância. Do verbo consentir, daquilo que recebeu aprovação. O acordo é quebrado se existe uma restrição que bloqueia a decisão. Técnicas para tomada de decisão: ◎ Votação (vence pela maioria - menos discussão) ◎ Compra (ganha N pontos e distribui nas opções que apoia) ◎ Planning Poker / Five Fingers (Uso dos dedos para indicar o nível de apoio - mais discussão)
  50. 50. Ser o máximo visual http://www.viamosaico.com.br/site/facilitacao-grafica/
  51. 51. MÃO NA MASSA Prática 4 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  52. 52. Prática Visual – 10 min. Objetivo: Praticar a facilitação gráfica, como colocar uma explicação/ ideia em um formato visual apoia no melhor entendimento da situação. 1º Etapa: ◎ Baseado na situação/ ideia; ◎ Em grupo ou individual com papel e caneta coloridas, expor a situação atual em um formato visual 2º Etapa: ◎ Visualmente proponha uma solução para essa situação; ◎ Todos compartilham a sua exposição visual. Ao final, todos podem dar feedback construtivo.
  53. 53. Grupo 1 - Situação para a prática visual Uma equipe está com problemas de comunicação e junto não estão entregando nas iterações. As pessoas se atrasam para a daily e há um desconforto no ar, pois ninguém se dá feedbacks.
  54. 54. Grupo 2 - Situação para a prática visual Uma equipe está com problemas com a pessoa PO. PO não está participando das cerimônias, está distante e não alinha sobre o produto, as pessoas do time estão chateadas e não sabem como fazer esse alinhamento.
  55. 55. Grupo 3 - Situação para a prática visual Uma equipe está desmotivada, devido as demandas e tomada de decisão ser top down. A gestão da equipe não está apoiando o time, com isso vêm reduzindo as entregas e a qualidade no trabalho.
  56. 56. Como preparar uma facilitação Planejar e se preparar lhe dará segurança e confiança para a facilitação, mas lembre que tudo pode mudar então tenha planos alternativos.
  57. 57. Antes da Facilitação ◎ Saber o número de participantes; ◎ Saber o objetivo e qual é o resultado esperado; ◎ Planejar a agenda e se preparar (estudar a prática) e inclua um icebreaker/ energizer; ◎ Preparar o time previamente (e-mails, dicas, informações); ◎ Conversar com as pessoas envolvidas (reuniões ou 1:1 para entender e alinhar expectativas); ◎ Tempo, reserva da sala e agendamento.
  58. 58. Campanha de e-mails
  59. 59. Campanha de e-mails
  60. 60. Durante a Facilitação ◎ Pedir permissão e informar seu estilo no início; ◎ Pedir ajuda em relação a suas limitações como pessoa facilitadora; ◎ Fazer um acordo com as regras da dinâmica; ◎ Alinhamento de expectativa; ◎ Utilizar canetas sharpie (maior visibilidade de todos); ◎ Check-in e check-out nas dinâmicas; ◎ Não force a participação; ◎ Esteja flexível para mudança (planejar atividades coringa) para adaptar quando necessário; ◎ Deixar claro o objetivo do encontro e caso tenha os resultados esperados (deixar visível), se houver dúvidas, peça aos participantes explicarem qual o entendimento deles em relação aos objetivos; ◎ Expor informações/ explicações sobre a dinâmica (deixar visível);
  61. 61. Colaboração "Vamos desconectar, para nos conectar? " Carlos Rosemberg
  62. 62. Durante a Facilitação ◎ Deixar visível a agenda, modifique se necessário; ◎ Fazer a gestão do tempo (cronômetro online); ◎ Expor o envolvimento esperado dos participantes; ◎ Conhecer o background (conhecimento) e quanto as pessoas conhecem sobre o assunto; ◎ Usar post-its/ quadro para capturar ideias; ◎ Dividir em grupos para reduzir o caos e aumentar o consenso; ◎ Usar parking lot, mapa de afinidade (agrupamento), RAID, discussão e votação; ◎ Ter pessoa responsável para ações planejadas; ◎ Se for uma dinâmica recorrente, pode perguntar quem será a próxima pessoa para facilitar; ◎ Celebração! O quanto é importante comemorar as conquistas do grupo; ◎ Fazer uma retrospectiva simples da dinâmica.
  63. 63. Após a Facilitação ◎ Enviar rapidamente o seu feedback da reunião para as pessoas participantes, com as decisões tomadas e itens de ação; ◎ Enviar fotos ou vídeos; ◎ Solicitar feedback das pessoas participantes sobre a facilitação; ◎ Após um tempo saber com o time se o objetivo esperado realmente ocorreu (se ocorreu uma entrega, melhorou o convívio do time…). @paola_mayra
  64. 64. Crie uma exposição | Memória coletiva Durante a facilitação tenha templates visuais e fomente com que as informações pensadas e faladas sejam materializadas em post-its. ◎ Expectativa ◎ Happiness radar ◎ Objetivo ◎ Diretiva primária ◎ Retrospectiva ◎ Parking Lot ◎ RAID ◎ Glossário ◎ Perguntas & ideias ◎ Agenda Burn up
  65. 65. Crie uma exposição | FEEDBACK EXPRESS FEEDBACK & ROI TERMÔMETRO ESCALA DE APRENDIZADO
  66. 66. Ciclo de PrOpER Canvas https://www.andybarbosa.com.br/blog
  67. 67. Reunião Lean Canvas https://www.andybarbosa.com.br/blog
  68. 68. Pontos de Atenção ◎ Esteja atento a conversas paralelas; ◎ Preste atenção no relógio. Seja flexível, balance a necessidade de participação com a necessidade de manter a agenda; ◎ Aprenda o que fazer quando uma discussão não está chegando a uma conclusão.; ◎ Esteja atento às pessoas que não estão participando adequadamente; ◎ Esteja atento ao comportamento verbal e não-verbal do grupo; ◎ Interromper e mediar imediatamente caso tenham conflitos pessoais entre as pessoas participantes; ◎ Não seja representante do time e não crie uma dependência com o time.
  69. 69. Dilema O que lhe impede? O que lhe atrai?
  70. 70. Ambiente seguro ◎ Nenhuma pergunta é besta e/ou piada preconceituosa é engraçada. Seja consciente disso e não ria, não seja irônica. Se as pessoas rirem de alguém peça ao time para dar atenção a necessidade da pessoa. ◎ Ensine gestos para que as pessoas possam se expressar de forma silenciosa quando concordarem, discordarem ou quiserem falar sobre o mesmo tema. ◎ Explique a necessidade de levantar as mãos para falar. Esteja atenta e cuide para que a ordem de fala seja respeitada. ◎ O português é um idioma machista, então se esforce para utilizar linguagem neutra, por exemplo: pessoas desenvolvedoras as pessoas BAs, as pessoas PMs, etc.).
  71. 71. Management 3.0
  72. 72. Management 3.0 Kudo Cards Improv Cards
  73. 73. Gestão 4.0 Management 4.0 https://www.andybarbosa.com.br/blog
  74. 74. Management 3.0 - Moving Motivators
  75. 75. Management 4.0 https://www.andybarbosa.com.br/blog
  76. 76. Management 4.0 https://www.andybarbosa.com.br/blog Sobrevivência Segurança Relacionamento Auto Estima Auto Realização “Fazer a Diferença” Aprendizado, Desafios, Autonomia Reconhecimento, Prêmios, Prestígio Boas Relações, Alinhamento Estabilidade, Salário Políticas & Regras, Segurança 5 4 3 2 1
  77. 77. Management 4.0 https://www.andybarbosa.com.br/blog
  78. 78. Daily com Ask Kanban Fonte: https://blog.huge.io/ending-stale-stand-ups -with-ask-kanban-64de6c084d60
  79. 79. Dicas para facilitação remoto ◎ Comunicação: appear.in, hangout, Skype, fuze... ◎ Boards: IdeaBoadz, Fun Retro, Trello, Waffle.io... ◎ Quadros online: Realtime Board, blank canvas, web white board, zite board, stormboard, mindmeister, sketchboard.io, stoodle, deekit... ◎ Planning poker online
  80. 80. Dicas de busca e leitura ◎ Livro Tool BOX 360º do Jorge Horácio "Kotick" Audy; ◎ Sites com dinâmicas e jogos: ◉ Retroagil ◉ Hi Toolbox ◉ KOMBO gestão e estratégia de pessoas; ◉ Tasty Cupcakes (Indicação Guilherme Motta); ◉ TOOLBOX. ◉ Site slideshare artigos com 110 dinâmicas de grupo.
  81. 81. MÃO NA MASSA Simulação 1 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  82. 82. Simulação de Facilitação– 10 min. Objetivo: Praticar o questionamento com perguntas abertas e com contexto para instruir e direcionar as pessoas participantes atendendo o objetivo da reunião. Utilize todas as dicas com apoio visual, observar o comportamento das pessoas participantes e inclua todas pessoas na atividades para chegarem em um consenso. ◎ Dividir em grupos com 5 pessoas; ◎ Cada grupo deve eleger um(a) facilitador(a); ◎ Cada pessoa receberá o papel que deve desempenhar durante a reunião, junto com a explicação de como agir; ◎ A pessoa facilitadora receberá o objetivo da reunião e o tempo de duração; ◎ Ao final, cada grupo deve ter alcançado o objetivo entregue ao facilitador.
  83. 83. Simulação de Facilitação - OBJETIVO Papel da pessoa facilitadora: O Time deve decidir em 10 minutos quais treinamentos serão contratados no primeiro semestre de 2020. O orçamento disponível é de R$35.000,00 e as opções são: ◎ Técnicas de Facilitação: R$15.000,00 ◎ Management 3.0: R$25.000,00 ◎ Certified Scrum Developer: R$20.000,00 ◎ Agile Testing: R$20.000,00 O time deve reservar um valor para participar de eventos. Quanto?
  84. 84. Simulação de Facilitação - PAPÉIS Papel da pessoa conectada: Seu objetivo é tornar a vida da pessoa facilitadora mais difícil. Você deve ficar sempre acessando o celular e não prestar atenção no que está sendo discutido. Se a pessoa facilitadora pedir sua opinião não dê atenção, saia da sala por alguns instantes, volte e continue mexendo no celular. Papel da pessoa do contra: Seu objetivo é tornar a vida da pessoa facilitadora mais difícil. Você deve discordar de todas as propostas e não ser razoável nas discussões. Se a pessoa facilitadora pedir sua opinião, discorde sem apresentar argumentos válidos.
  85. 85. Simulação de Facilitação - PAPÉIS Papel da pessoa participativa: Você deve participar sempre, fale e tente atrapalhar os outros de falarem. Crie conversas paralelas com os colegas do lado. Dê sua opinião como se ela fosse sempre a melhor opção e interrompa as outras pessoas e a pessoa facilitadora. Papel da pessoa tímida: Você deve ser uma pessoa tímida que tem dificuldade de expressar sua opinião. Não participe, não responda as perguntas, e se a pessoa facilitadora te perguntar algo, fale baixo e expresse sua dificuldade de falar em público.
  86. 86. Análise - Desafios, como fazer? A pessoa conectada: ◎ Procurar envolver a pessoa participante, chamando-a para as discussões e pedindo sua opinião; ◎ Quando há muitas conversas paralelas, o ideal é utilizar recursos como o quadro branco. Levante-se e escreva um resumo dos pontos já discutidos, o objetivo é capturar a atenção do grupo. ◎ Definir algumas regras no início da sessão, como limitação de uso de laptops e celulares.
  87. 87. Análise - Desafios, como fazer? A pessoa do contra e a participativa: ◎ Valorize a participação, sempre agradecer a contribuição da pessoa participante. Mostrar para ele/ela que as outras pessoas podem não ter o mesmo entendimento; ◎ Pedir a opinião de mais pessoas quanto à sugestões ou questionamentos apresentados; ◎ Quando a pessoa fizer uma pausa, interromper fazendo um resumo do que foi apresentado e relançar o debate para todo o grupo.
  88. 88. Análise - Desafios, como fazer? A pessoa tímida: ◎ Tentar envolver essa pessoa, neste caso, pode ser que diretamente, você intimide ainda mais a pessoa participante; ◎ Procure uma abordagem indireta, converse com ele/ela antes da reunião para saber sua opinião e peça para que ele/ ela compartilhe com o grupo durante a sessão. Com esta ação pode gerar mais confiança por ser um tema já conhecido e discutido anteriormente.
  89. 89. MÃO NA MASSA Simulação 2 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  90. 90. Icebreaker e Energizer ◎ Quebra gelo ◎ Interação ◎ Socialização ◎ Descontração ◎ Movimento ◎ Energizante Blog Fun Retrospectives do Paulo Caroli www.funretrospectives.com/
  91. 91. MÃO NA MASSA Simulação 3 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  92. 92. As 5 Disfunções de Times - livro Os 5 desafios das equipes do autor Patrick Lencioni
  93. 93. Espiral Positiva de Times de Alta Performance Fonte: http://www.knowledge21.com.br/blog/espiral-positiva-de-times-de-alta-performance
  94. 94. Team Bonding Objetivos: ◎ Criar laços dentro e entre suas equipes ◎ Devido a interação das pessoas, elas se conhecem melhor num âmbito meramente pessoal ◎ Foco em socializar e conviver Benefícios: ◎ Aproximação das pessoas ◎ Fomentar o relacionamento ◎ Conhecer as pessoas e seus limites ◎ Criar empatia
  95. 95. Team Bonding ◎ Atividades informais ◎ Momentos descontraídos como: ◉ Team outing ◉ Happy hour ◉ Coffeebreak ◎ Atividades ao ar livre: tiroleza, rafting, arvorismo e etc. ◎ Hackathon/ Dojo/ Hackday ◎ Fishbowl/ World Café
  96. 96. Team Building Objetivos: ◎ Criar, manter e enriquecer os níveis de desenvolvimento de um grupo de pessoas, no sentido de os transformar numa unidade ou equipe/ time ◎ Desenvolve e utiliza os laços para melhorar o desempenho no plano profissional do grupo ◎ Criar senso de pertencimento de time ◎ Definir propósito, visão e valores Benefícios: ◎ Moldar e unir evolutivamente a equipe ◎ Fomentar a inteligência coletiva ◎ Fortalecer o protagonismo e relacionamento
  97. 97. Fonte: http://theteamcanvas.com/ Team Building
  98. 98. Fonte: http://theteamcanvas.com/
  99. 99. Team Workflow Objetivos: ◎ Mapear, elaborar, definir e/ou melhorar o fluxo de trabalho ◎ Definir cerimônias Benefícios: ◎ Fortalecer o protagonismo ◎ Conhecer, definir e melhorar o processo de trabalho ◎ Ter autonomia e auto organização
  100. 100. Matriz de papéis e responsabilidades
  101. 101. Statik Fonte: http://agile.pub/assuntos-diversos/caipira-agil-2017-primu-baum/
  102. 102. Roda ágil | Assessment Fonte:https://www.anagsoares.com/conheca-a-roda-agil-um-assessment-para-equipes-de-desenvolvimento-agil/
  103. 103. Summit - Team Workflow & Building
  104. 104. Team Rules Objetivos: ◎ Fazer acordos e estipular regras/ padrões ◎ Estipular níveis de permissões Benefícios: ◎ Fortalecer o protagonismo ◎ Definir limites/ restrições de trabalho ◎ Ter autonomia e auto organização
  105. 105. Management 3.0
  106. 106. Management 3.0 | Delegation Board
  107. 107. Inspirado na fonte: https://jorgeaudy.com/2016/09/29/scrum-setup-canvas-balizas-para-o-planejamento/ https://jorgekotickaudy.files.wordpress.com/2017/11/manual-ssc-scrum-setup-canvas-ed-5.pdf Team Workflow & Rules
  108. 108. Team Building – 10 min. Objetivo: Mapear os valores de cada pessoa do time, ou seja, após a atividade temos os valores do time ◎ Cada pessoa descreve um comportamento/ atitude ◉ Confortável ◉ Desconfortável ◎ Cada pessoa apresenta ◎
  109. 109. MÃO NA MASSA Simulação 4 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  110. 110. Tipos de BRAINSTORMING SCAMPER: ◎ Substituir ◎ Combinar ◎ Adaptar ◎ Minimizar ou modificar ◎ Pensar em outros usos ◎ Eliminar ◎ Reverter ou rearranjar
  111. 111. Tipos de BRAINSTORMING Técnica dos 6 chapéus: ◎ Branco: dados e fatos; ◎ Preto: crítico, analítico, riscos e dificuldades; ◎ Vermelho: sentimento, emoções e instinto; ◎ Azul: agenda, coordenar, síntese e conclusão; ◎ Amarelo: benefício, aspectos positivos e atrativos; ◎ Verde: ideias e alternativas.
  112. 112. Tipos de BRAINSTORMING Mapa mental
  113. 113. Tipos de BRAINSTORMING MÉTODO 635/ Brainwriting 6 pessoas 3 ideias/ soluções em 5 minutos = 108 Prática de IdeAção 1 e 2
  114. 114. Brainstorming – 20 min. Objetivo: Explorar a potencialidade criativa das pessoas e do grupo, colocando-a a serviço dos objetivos pré-determinados. A técnica Brainstorming propõe que o grupo se reúna e utilize a diversidade de pensamentos e experiências para gerar soluções inovadoras, sugerindo qualquer pensamento ou ideia que vier à mente a respeito do tema tratado. Com isso, espera-se reunir o maior número possível de ideias, visões, propostas e possibilidades que levem a um denominador comum e eficaz para solucionar problemas e entraves que impedem um projeto de seguir adiante. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Brainstorming
  115. 115. 1º 3º 4º 2º 5º Link: Template Learning Canvas.
  116. 116. 1° Problema Eu papel me sinto emoção quando ação porque motivo Eu analista SAC fico frustrada quando não consigo resolver o problema do cliente, por não ter acesso ao sistema. ◎ Fazer um Problem Pitch (flipchart) com a narrativa acima ◎ Após levante os problemas, unir por afinidade ◎ A cada grupo por afinidade, escrever uma pergunta que queira responder ◎ Votar nas perguntas mais críticas ◎ Pergunta mais votada será o tema do Learning Canvas ◎ Os post-its relacionados a pergunta vão para o Canvas ◎ Levantar mais problemas relacionados que estão no Canvas
  117. 117. 2° Resultados Esperados ◎ Em grupo ou individual levantar os resultados esperados solucionando os problemas. O objetivo é ter a visão futura que os problemas não mais existirão e também servirá para a validação do plano de ação. ◎ Em grupo ou individual, levantar experiências vivenciadas ou observadas de perto em outros contextos, mas relacionado aos problemas e aos resultados esperados ◎ Realizar a leitura de todos post-its levantados 3° Experiências
  118. 118. 4° Ideias ◎ Levantar ideias para solucionar os problemas, não precisa ter certeza ou experiência, este é o momento brainstorming. Ou seja, um caminho para a “aprendizagem emergente é conhecimento confrontado com a realidade”. ◎ Planejar itens de ação que valem ser testados, baseado em tudo que foi realizado até o momento. As ações podem conter experiências e/ou ideias apresentadas, e neste momento podem surgir ainda novas ideias. 5° Tentar
  119. 119. MÃO NA MASSA Simulação 5 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  120. 120. Atividades de alinhamento e co-criação Objetivo: Gerar discussão, brainstorming, criação, alinhamento, definição, planejamento e validação de ideias de produtos, serviços, processos e papéis. Benefício: Promover o direcionamento, a redução de custos e desperdícios, melhoria contínua, aumento na qualidade, comunicação e entrega de valor.
  121. 121. Lean Inception
  122. 122. Dicas Lean Inception
  123. 123. Design Sprint
  124. 124. Dicas Design Sprint ● Sem distrações (notebooks, smartphones e iPads) ● Momento galeria de arte ● Votos em silêncio e mapa de calor ● Uso do Time timer para manter o foco e cria sensação de urgência ● Almoço por volta 13h, preserva níveis de energia e evita filas ● Post-its amarelos, multicoloridos causam sobrecarga cognitiva desnecessária ● Lanchinhos saudáveis ● Registre tudo (sintetizar) ● Decisões lentas consomem energia e ameaçam a agenda ● Trabalho individual em conjunto
  125. 125. ToolBox 360º
  126. 126. ToolBox 360º
  127. 127. ToolBox 360º
  128. 128. ToolBox 360º
  129. 129. ToolBox 360º
  130. 130. Retrospectivas - Team Workflow
  131. 131. Retrô Poker http://www.knowledge21.com.br/blog/retro-poker/
  132. 132. Check-list retrospectiva ◎ Entender o contexto do time, para elaborar a agenda; ◎ Objetivo e período da retro; ◎ Ler a Diretiva Primária; ◎ Check-in; ◎ Levantamento de informações; ◎ Ler, votar e discutir; ◎ Plano de ações/ acordos (pessoas responsáveis); ◎ Check-out; ◎ Retratar as ações e acordos; ◎ Quando será a próxima retro? Quem facilitará? Obs.: No início ou no final rever acordos e ações da última retro e verificar se está sendo atendida
  133. 133. Retrospectiva “Independentemente do que descobrimos, nós entendemos e realmente acreditamos que todos fizeram o melhor trabalho que poderiam, dado o que era conhecido na época, suas habilidades e competências, os recursos disponíveis, bem como a situação em questão.” (diretiva primária da Retrospectiva, do livro Fun Retrospectives) A Diretiva Primária é uma declaração que ajuda a conduzir as pessoas para uma mentalidade colaborativa.
  134. 134. Futurospectiva "A esperança e a confiança vêm da participação adequada e uma vontade de prever o imprevisível. Vamos exercer plenamente esta oportunidade de nos unir em torno de uma visão inclusiva, e dar as mãos para construir um futuro comum.” (diretiva primária da Futurospectiva, do livro Fun Retrospectives) A Diretiva Primária é uma declaração que ajuda a conduzir as pessoas para uma mentalidade colaborativa.
  135. 135. Pré-Mortem "Dado tudo que já passamos na nossa jornada profissional. Vamos compartilhar nossas experiências de sucesso e fracasso, com intuito de realizarmos um melhor trabalho neste novo projeto. Sem julgamentos e com objetivo de fazer melhor e mitigar riscos.” (diretiva primária da Pré-mortem) A Diretiva Primária é uma declaração que ajuda a conduzir as pessoas para uma mentalidade colaborativa.
  136. 136. Pós-Mortem "Encerrando um ciclo de trabalho colaborativo, queremos mapear as nossas falhas e sucessos durante todo o projeto, com o objetivo de aprender. Sabemos que a responsabilidade é da equipe e que fizemos o nosso melhor, com os recursos e as capacidades disponíveis na época.” (diretiva primária da Pós-mortem) A Diretiva Primária é uma declaração que ajuda a conduzir as pessoas para uma mentalidade colaborativa.
  137. 137. MÃO NA MASSA Simulação 6 Aprender é colocar em prática. Ser ágil é aprender continuamente!
  138. 138. “ Feedback uma ferramenta de transformação!
  139. 139. Auto - Speedback Pré-dinâmica: ◎ Solicitar para que as pessoas pensem o que trouxeram de melhor e o que podem melhorar no período de trabalho X Dinâmica: ◎ Cada pessoa vai expor para o time
  140. 140. Feedback Canvas https://www.andybarbosa.com.br/blog
  141. 141. Feedback Canvas Auto avaliação do João Avaliação do time (percepção)
  142. 142. Speedback – 10 min. Pré-dinâmica: ◎ Enviar e-mail as pessoas participantes para refletir sobre os feedbacks para as pessoas e para si mesma. ◎ Chegue na sala antes para organização (quantidade de pessoas é par ou ímpar?), colocar flechas para apoiar no direcionamento. Durante a dinâmica: ◎ Kick-off sobre Feedback; ◎ Icebreaker; ◎ Cronômetro online; ◎ Explicação sobre fluxo das cadeiras, tempo; ◎ Música ambiente.
  143. 143. “A pessoa facilitadora conduz o grupo como um maestro que conduz uma orquestra - com cientificidade, tecnicidade, espontaneidade, sensibilidade, poder de entrega e capacidade para criar. A condução do grupo envolve teoria e técnica, intuição e criação coletiva. Macedo (1998, p. 48) http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v15n2/03.pdf
  144. 144. Feedback e sugestões? Andy Barbosa anderlb@gmail.com https://www.linkedin.com/in/andybarbosa/ @albarbosa78 Mila Orrico https://www.linkedin.com/in/milaorrico/ https://medium.com/@milaorrico Mayra Souza https://br.linkedin.com/in/mayrarodriguesdesouza www.medium.com/@mayrarodriguesdesouza @paola_mayra Agradecemos a todes!

×