Successfully reported this slideshow.
Escola EBI/ JI da Malagueira             Língua Portuguesa                     9º AOs Lusíadas de Luís de Camões  ANÁLISE ...
PROPOSIÇÃOAs armas e os barões assinalados *                        (feitos guerreiros – homens ilustres)Que, da ocidental...
E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando *                                  Plano da História de P...
Cessem do sábio Grego *                              (Ulisses)   e do Troiano*            (Eneias)(Deixe-se de se falar de...
PODEMOS DIVIDIR APROPOSIÇÃO EM 2 PARTES
Camões estrutura a sua proposição em duaspartes:  Nas duas estâncias iniciais, enuncia os   heróis que vai cantar; Na se...
1ª e 2ª estrofes    Pode esquematizar-se o conteúdo dessas duas estrofes da seguinte                               maneira...
A proposição segue uma estratégia deengrandecimento dos portugueses.A expressão por mares nunca dantesnavegados evidencia ...
3ª estrofeNa segunda parte, esse esforço deengrandecimento continua, desta vez atravésde um paralelo com os grandes heróis...
E quase a concluir, uma nota final: ... eu cantoo peito ilustre lusitano, / A quem Neptuno eMarte obedeceram. A submissão ...
Em Suma:A Proposição é um sumário do poema.É minha intenção louvar os heróicosnavegadores que, saídos de Portugal,seguiram...
Louvarei também os reis e outros heróismilitares que dilataram a Fé e o Império econverteram à fé cristã as terras pagãs d...
É meu desejo que os heróis antigos,navegadores como Ulisses, o sábio grego, etambém Eneias, o Troiano, - guerreiroscélebre...
De resto, eu vou cantar o peito ilustreLusitano/ a quem Neptuno (deus do Mar) eMarte (deus da Guerra) obedeceram. Por isso...
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Proposição

1.170 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Proposição

  1. 1. Escola EBI/ JI da Malagueira Língua Portuguesa 9º AOs Lusíadas de Luís de Camões ANÁLISE DA PROPOSIÇÃO Professoras: Clara Lourenço e Marta Ferreira
  2. 2. PROPOSIÇÃOAs armas e os barões assinalados * (feitos guerreiros – homens ilustres)Que, da ocidental praia Lusitana, * (Portugal- SINÉDOQUE)Por mares nunca dantes navegados * Plano da ViagemPassaram ainda além da Taprobana,* (Ceilão – ilha que os Portugueses descobriram em 1507)Em perigos e guerras esforçadosMais do que prometia a força humana,E entre gente remota edificaramNovo Reino,* que tanto sublimaram; (Império do Oriente)
  3. 3. E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando * Plano da História de Portugal A Fé, o Império, e as terras viciosas * (gentias, não cristãs) De África e de Ásia andaram devastando, * (percorrendo) E aqueles que por obras valerosas * (grandiosas) Se vão da lei da Morte libertando;*(esquecimento) (Aqueles que se tornaram imortais na memória dos homens pelos feitos ilustres que realizaram). Cantando espalharei por toda a parte,* Plano das Intervenções do Poeta Se a tanto me ajudar o engenho* (talento) e arte. ( HIPÉRBATO)
  4. 4. Cessem do sábio Grego * (Ulisses) e do Troiano* (Eneias)(Deixe-se de se falar de Ulisses e de Eneias)As navegações grandes que fizeram;Cale-se de Alexandro* e de Trajano* (Ambos conquistaram grandes impérios) (Alexandre Magno) (imperador romano)A fama das vitórias que tiveram;Que eu canto o peito ilustre lusitano, * (os Portugueses -sinédoque)A quem Neptuno* e Marte* (deus do Mar) (deus da Guerra)obedeceram. * Plano dos Deuses ou da Mitologia (Poesia – Calíope)Cesse tudo o que a Musa antiga* canta,Que outro valor mais alto se alevanta.Os Lusíadas (I, 1-3)
  5. 5. PODEMOS DIVIDIR APROPOSIÇÃO EM 2 PARTES
  6. 6. Camões estrutura a sua proposição em duaspartes:  Nas duas estâncias iniciais, enuncia os heróis que vai cantar; Na segunda parte, constituída pela terceira estrofe, estabelece um confronto entre os portugueses e os grandes heróis da Antiguidade, afirmando a superioridade dos primeiros sobre os segundos.
  7. 7. 1ª e 2ª estrofes Pode esquematizar-se o conteúdo dessas duas estrofes da seguinte maneira: Através da poesia, se tiver talento para isso, (Cantando espalharei por toda a parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte), tornarei conhecidos em todo o mundo: os homens ilustres que fundaram o império português do Oriente; os reis, que expandiram a fé cristã e o império português; todos os portugueses dignos de admiração pelos seus feitos.
  8. 8. A proposição segue uma estratégia deengrandecimento dos portugueses.A expressão por mares nunca dantesnavegados evidencia o carácter inédito dasnavegações portuguesas; observe-se odestaque dado à palavra nunca. A exaltaçãocontinua com a referência ao esforçodesenvolvido, considerado sobre-humano(esforçados / Mais do que prometia a forçahumana).
  9. 9. 3ª estrofeNa segunda parte, esse esforço deengrandecimento continua, desta vez atravésde um paralelo com os grandes heróis daAntiguidade.O confronto é estabelecido com marinheirosfamosos (Ulisses e Eneias), heróis de duasepopeias clássicas, e conquistadores ilustres(os imperadores Alexandre Magno eTrajano).
  10. 10. E quase a concluir, uma nota final: ... eu cantoo peito ilustre lusitano, / A quem Neptuno eMarte obedeceram. A submissão do deus domar (Neptuno) e do deus da guerra (Marte)aos portugueses (o peito ilustre lusitano) éuma forma concisa e muito expressiva deexaltar o valor do seu herói.
  11. 11. Em Suma:A Proposição é um sumário do poema.É minha intenção louvar os heróicosnavegadores que, saídos de Portugal,seguiram por mares nunca dantesnavegados, ultrapassando a fraca forçahumana, e, assim, ultrapassaram a ilha deCeilão, antiga ilha de Taprobana, tãolongínqua e difícil de atingir.
  12. 12. Louvarei também os reis e outros heróismilitares que dilataram a Fé e o Império econverteram à fé cristã as terras pagãs deÁfrica e de Ásia. Louvarei ainda todos os heróispassados e também presentes – que, por feitosgrandiosos, ficarão para sempre recordadospelos homens e pelos tempos fora aquelesque, por obras valerosas se vão da Lei damorte libertando. A todos vou louvar nestemeu poema, se para tal tiver talento – se atanto me ajudar o engenho e a arte.
  13. 13. É meu desejo que os heróis antigos,navegadores como Ulisses, o sábio grego, etambém Eneias, o Troiano, - guerreiroscélebres como Alexandre Magno e comoTrajano, grandes conquistadores e senhoresde grandes impérios, sejam esquecidos porqueos navegadores e conquistadores que eu voulouvar, portugueses e valentes, osultrapassaram, pelas suas navegações econquistas.
  14. 14. De resto, eu vou cantar o peito ilustreLusitano/ a quem Neptuno (deus do Mar) eMarte (deus da Guerra) obedeceram. Por isso,é meu desejo que cesse tudo o que a Musa (apoesia) antiga canta/ Que outro valor maisalto se alevanta, - o do povo lusíada, povolusitano. in Os Lusíadas em prosa (adaptação) de Amélia Pinto Pais

×