Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Semicondutores: - Transistores JFETs

14.636 Aufrufe

Veröffentlicht am

Funcionamento dos transistores de Junção Efeito de Campo, "FETs"

Veröffentlicht in: Technologie

Semicondutores: - Transistores JFETs

  1. 1. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores JFETs MESFETs Não concordo com o acordo ortográfico 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 1
  2. 2. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET  Historial  O transistor de efeito de campo (FET) é um transistor que usa um campo eléctrico para controlar a forma e, consequentemente, a condutividade de um canal de um tipo de transportadores de carga num material semicondutor.  Os FETs são transistores unipolares, pois envolvem a operação de um único tipo de transportadores de cargas (electrão ou lacuna). O conceito do FET antecede o transistor de junção bipolar (BJT), embora não tenha sido fisicamente implementado após os BJTs, devido às limitações dos materiais semicondutores, e à relativa facilidade de fabricação de BJTs, em comparação com os FETs, nesse momento…  O transistor de efeito de campo foi patenteado pela primeira vez por Julius Edgar Lilienfeld em 1926 e por Oskar Heil em 1934, mas os dispositivos semicondutores práticos (o JFET), só foram desenvolvidos muito mais tarde, depois que o efeito transistor ter sido observado e explicado pela equipa de William Shockley na Bell Labs em 1947.  As vantagens do FETs em relação ao transistor bipolar: altíssima impedância de entrada, rápida comutação, pequena dimensão, Fonte (S) e Dreno (D) intermutáveis para baixa frequência, além de ser um dispositivo de baixo ruído. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 2
  3. 3. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET FONTE: (Source) fornece os electrões livres, DRENO: (Drain) drena os electrões, PORTA: (Gate) controla a largura do canal, controlando a corrente entre Fonte e Dreno.  Vantagens dos JFET’s  Alta impedância de entrada (M): (IG=0Zi=) (Sistemas Lineares de amplificação).  Maior estabilidade de temperatura do que os BJTs.  Menores que os BJTs.  Facilidade de Fabrico.  Os BJTs são bipolares – condução de lacunas e electrões.  Os FETs são unipolares – usam somente um tipo de transportadores de corrente.  Menor ruído do que os BJTs.  Uso mais comum – comutador lógico. 0 FET é conhecido como transistor unipolar porque a condução de corrente acontece por apenas um tipo de portador (electrão ou lacuna), dependendo do tipo do FET, de canal n ou de canal p. 0 nome “efeito de campo” decorre do facto do mecanismo de controlo do componente ser baseado no campo eléctrico estabelecido pela tensão aplicada no terminal de controlo (Gate/Porta). 0 Transistor JFET recebe este nome porque é um transistor FET de Junção. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 3
  4. 4. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Existem dois tipos de JFET’s: Canal tipo n e Canal tipo p, sendo o de canal n o mais utilizado. G a) Gate (Porta) D p S p Source (fonte) p D _ ID Drain (Dreno) n -VDD  Têm três terminais: G VG D n S n +VDD G b) S _ - Dreno (Drain (D)) - Fonte (Source (S)) - Porta (Gate (G)) + VG a) Canal n ID D G S + b) Canal P O JFET é formado por um estreito canal semicondutor tipo P ou N em cujas extremidades são feitos contactos denominados de Dreno(D), de onde as cargas eléctricas saem, e Fonte(S), por onde as cargas eléctricas entram. O terminal Gate(G) é que faz o controlo da passagem das cargas. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 4
  5. 5. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polaridades Canal-n Canal-P O+ eElectrões da Fonte (S) para o Dreno (D) Lacunas do Dreno (D) para a Fonte (S)  As figuras mostram as polaridades do JFET cana-n e canal-p. Note-se que em cada caso, a tensão entre a Porta(G) e a Fonte(S), é tal que a Porta (G) está inversamente polarizada.  Esta é a forma normal de ligação dos JFETs. Os terminais de Dreno(D) e Fonte (S) são intermutáveis, i.e. qualquer uma das extremidades pode ser utilizada como Fonte e a outra extremidade com Dreno. Como o circuito de entrada (G/S) está inversamente polarizada, significa que tem uma alta impedância de entrada, sendo a corrente IG  0. O Dreno (D) está polarizado de tal forma em relação á Fonte (S) que os electrões fluem da Fonte para o Dreno. Em todos os JFETS a corrente IS=ID. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 5
  6. 6. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Estrutura Simétrica. Canal “N” A maior parte da estrutura é á base de material tipo n (Canal), entre duas incrustações embutidas de Drain (D) material tipo-p, formando duas junções p-n. Contactos Óhmicos P Canal n Gate(G) A Porta (G) está ligada ao material tipo-p. Em funcionamento normal o dispositivo de Canal n, o Dreno (D) é positivo em relação á Fonte (S).A corrente flui entrando pelo Dreno (D),(sentido convencional + -) atravessa o canal, e sai pela Fonte (S) (electrões fluem da Fonte para o Dreno). P e- Zona de Deplexão Source (S) 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 6
  7. 7. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Estrutura simétrica. Canal “P” Drain (D) A maior parte da estrutura é á base de material tipo P (Canal), entre duas incrustações embutidas de Contactos Óhmicos material tipo-n, formando duas junções p-n. n Canal p Gate(G) A corrente flui da Fonte (S) para o Dreno (D). Lacunas são injectadas na Fonte (S), e vão para o Dreno(D) através do Canal de material tipo-p. n O+ Zona de Deplexão Source (S) 0 JFET de canal p tem as mesmas partes constituintes de um JFET de canal n, porém o seu símbolo apresenta a seta em sentido contrário, e as correntes e tensões são consideradas invertidas em relação ao JFET de canal n. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 7
  8. 8. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores Unijunção de efeito de campo: JFET Estrutura não simétrica (pouco usual). Canal “N” Source (S) Source (S) Gate (G) Gate (G) Drain (D) Drain (D) W  l Substrato -p l 05-02-2014 Zonas de Deplexão Por : Luís Timóteo 8
  9. 9. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores Unijunção de efeito de campo: JFET Características Canal “N” Controlo por Tensão: a corrente entre o dreno (D) e a fonte (S)é controlada pela tensão aplicada na porta(G), em contraste com o transistor BJT, cuja corrente de colector é controlada pela corrente de base. Alta Impedância de Entrada: para que seja possível o controle de corrente do canal n, é necessário que se produza uma polarização inversa das junções da porta(G), provocando desta forma um aumento na região de deplexão destas junções e em consequência disto, um estreitamento do canal; com isto, tem-se baixas correntes de porta (Ig), e consequentemente, alta impedância. Curvas Características: o comportamento do JFET pode ser sumarizado pelas suas curvas de Dreno e de Transcondutância. Outras Características: Os transistores JFET apresentam menores ganhos em relação aos transistores BJT e em decorrência disto, têm maior estabilidade térmica; geometricamente, os JFET tem dimensões menores, quando comparados com os transistores BJT. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 9
  10. 10. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores D Transistores de efeito de campo JFET Princípio de Funcionamento Canal-n n A acção básica de um JFET pode ser compreendida considerando-se um canal de condução. Começa-se com Silício dopado por n, e adiciona-se G p p dois terminais em cada extremidade. O dispositivo agora é uma resistência, cujo valor é fornecido pelo nível de dopagem. Estes dois terminais do JFET são denominados Fonte(S) e Dreno(D). n A Fonte(S), é análoga ao emissor do BJT. A fonte, é a fonte dos portadores maioritários. Portanto, num material de tipo n, os portadores são electrões, e a Fonte(S) é, assim, a fonte de electrões. S O Dreno(D) é análogo ao colector do BJT e, portanto, a corrente dos portadores maioritários flui a partir da Fonte(S) para o Dreno(D). Mais uma vez, em materiais do tipo n, os portadores são electrões e a corrente convencional flui na direcção oposta. Adiciona-se uma estrutura de porta (G) (duas), para formar um canal. As portas são duas regiões de um material do tipo p, que estão dispostas para criar um canal para condução da Fonte (S) para o Dreno(D). As duas regiões de porta são, interligadas internamente de modo que o utilizador só vê um terminal. As duas regiões da Porta(G) são, na verdade, ligadas para definir um canal para a corrente de portadores. O controlo da corrente do FET (resistência) é atingido mudando-se o tamanho das zonas de deplexão que circundam as portas. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 10
  11. 11. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores D Transistores de efeito de campo JFET Princípio de Funcionamento Canal-n Zonas de Deplexão Como podemos ver, o JFET é um dispositivo NPN, já que a Fonte(S) é do tipo-n, a Porta (G) é do tipo-p, e a Dreno (D) é do tipo-n. Ao redor de cada Porta, há uma zona de deplexão, como em qualquer junção PN. VDS n G p p n S A zona de deplexão reduz o tamanho efectivo do canal dopado por n, e, dessa forma, aumenta a resistência aparente do canal. Modulando-se o Dreno (D), para potencial de porta, o campo eléctrico na zona de deplexão entre a porta e o Dreno varia e, consequentemente, o tamanho da zona de deplexão varia. O funcionamento do JFET é regida, pela variação do potencial entre a Porta(S) e o Dreno(D), e, dessa forma, modificando o tamanho da zona de deplexão. Á medida que VDS aumenta, as zonas de deplexão se movem juntas, aumentando a resistência da Fonte (S) 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 11
  12. 12. Semicondutores: Transistores JFETs D Transistores  Transistores de efeito de campo JFET Princípio de Funcionamento Canal-n As duas junções p-n nos lados, formam duas camadas de deplexão. A condução de corrente de portadores de carga (ou seja, os electrões livres, VGG neste caso) é através do canal entre as duas camadas de deplexão, para o Dreno . VDD G VDS eVGS S A largura e consequentemente a resistência deste canal, pode ser controlada alterando a tensão VGS. Quanto maior for a tensão inversa VGS, maiores serão as camadas de deplexão e mais estreito será o canal condutor. O canal estreito significa uma maior resistência e, consequentemente a corrente de Fonte/Dreno diminui. O Inverso acontecerá se VGS diminuir, sendo este o principio de operação dos JFETs. Por outras palavras, a magnitude da corrente de Dreno (ID) pode ser alterada por alteração de VGS . 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 12
  13. 13. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores D Transistores de efeito de campo JFET Princípio de Funcionamento Canal-n ID VDS n Á medida que a tensão do Dreno(D) para a Porta(G) aumenta, a zona de deplexão aumenta e, dessa forma, a condução do canal diminui. G Para pequenas tensões de VDS, a resistência aumenta linearmente com a tensão, e isso é descrito como a região óhmica. Acima da tensão de Saturação (VP), o canal é saturado, e a resistência se torna constante. p p n S A tensão VDS de saturação (VP), pode ser descrita como a tensão, a partir da qual a corrente ID permanecem constante, embora com estreitamento do canal (não completamente), permitindo a partir desse ponto o controlo da corrente ID, através da tensão VGS. ID RC RC  V I VP 05-02-2014 BV VDS VBSS - Tensão Ruptura(VP), pode ser descrita como a tensão VDS na qual o dispositivo entra em ruptura deixado de funcionar, ficando em curto. VP Por : Luís Timóteo BV VDS 13
  14. 14. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Funcionamento Canal -n Polarização. Zona de Deplexão Dreno D Drain ID VDD VDD  Porta G Gate VGG Source Fonte S A Junção Gate-Source (Porta/Fonte) é inversamente polarizada. A corrente de Porta (Gate) é  zero. Os electrões fluem da Fonte (S) para o Dreno (D). A corrente IDS flui através do canal, e o seu valor é determinado pela largura da zona de deplexão e largura do canal. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 14
  15. 15. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Funcionamento Canal -n Polarização. Assim que VDS alcança o valor de estreitamento - “Pinch-off” VP, a corrente atinge o seu máximo, permitindo controlo completo da corrente ID, por controlo de VGS de zero até ao máximo. A Tensão VGS deve variar entre 0V e -VP. Para VDS  VP, há um estreitamento do canal, mas a corrente permanece constante (IDSS). Para VDS  BVDSS, o FET entra em ruptura e há um fluxo descontrolado de corrente entre Fonte/Dreno.(Curto). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 15
  16. 16. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento de um JFET (canal N) http://www.learnabout-electronics.org/Downloads/Fig3116_new.swf 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 16
  17. 17. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal “N” – Com polarização  JFET é polarizado com duas fontes de tensão:  VDD.  VGG.  VDD fornece é a voltagem de polarização entre a Drain (D) e a Source (S) – VDS.  VDD causa a corrente de Drain, ID fluir da Drain (D) para a Source (S).  VGG gera a voltagem de polarização entre a Gate (G) e a Source (S). Com a polaridade negativa, a Source é conectada á junção da Gate (G) – ficando polarizada inversamente; pelo que a corrente de Gate, IG = 0.  VGG vai produzir a zona de Deplexão no canal N, de modo que controla o fluxo de corrente da Drain ID, que flui através do canal.  IDSS – (Drain-Source Shorted current) corrente máxima que o JFET pode produzir, na qual ocorre o estreitamento do canal quando VGS=0.  VP – tensão VDS máxima de saturação para um valor de VDS  0V.  VPO –(pinch-off voltage) tensão VDS máxima de saturação  IDSS para VGS=0V.  VGS (off) =|VP| – tensão VGS na qual ocorre o corte do dispositivo (fecho completo do canal).  BVDSS – tensão de ruptura do dispositivo para VGS = 0 (Máxima corrente = IDSS). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 17
  18. 18. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal “N” – Com polarização A polarização do JFET é diferente do BJT. Num transistor bipolar polarizamos diretamente o diodo base-emissor, porém, em um JFET, sempre polarizamos inversamente o diodo “Gate-Source”(porta-fonte). Região de deplexão G Essa polarização inversa na Gate faz com que aumente a região de deplexão, diminuindo a largura do canal e dificultando assim a passagem de corrente entre Dreno e Fonte(S). p n S ID  Quanto mais negativa for à tensão da Gate, mais apertado é o canal, portanto a tensão da Gate controla a corrente. ID D ID p + VDD G VGG  Estrangulamento O fluxo de electrões da Fonte(S) para o Dreno, depende da largura do canal, isto é, da polarização inversa da Porta(G), que causa o aumento das regiões de deplexão, diminuindo a largura do canal e dificultando desta forma a passagem da corrente entre o Dreno e a Fonte(S) (é uma região de iões, formada pela difusão através da junção). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 18
  19. 19. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n : VGS  0 V e VDS= 0 D Região de deplexão Consideremos inicialmente VDS=0 e apliquemos uma tensão VGS com a polaridade indicada na figura e que polariza inversamente a junção PN. VDS=0 ID=0 G Canal n ID p p G Inicialmente o canal estará todo aberto e entre e Dreno (D) e a Fonte (S), existirá um canal com uma determinada resistência. Como a tensão aplicada na resistência é zero, a corrente resultante será zero (ID=0). Se a tensão de Porta (G) VGS for aumentada, aumenta a n VGS =VPO polarização inversa o que faz com que a região de Deplexão avançe mais no canal até fechá-lo totalmente. S A tensão de Porta (G) que provoca o fecho total do canal é chamada de tensão de estrangulamento (pinch-off em inglês), VGS(Off), sendo uma quantidade negativa no caso de canal N, e positiva para o canal P. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 19
  20. 20. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET  Polarização Canal-n : Efeitos de VGS com VDS=0 D D G P+ P+ VGS 0v n VGS=0v VDS=0 G S VGS = 0 P+ D P+ VDS=0 n G P+ P+ VDS=0 VGS=-Vp S VGS < 0 S VGS = VGS(off) Quanto mais negativa a tensão de VGS, menor a corrente entre a fonte e o dreno. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 20
  21. 21. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n :VGS = 0 e VDS  0 D Região de deplexão ID  0 VDS O que acontece com a corrente quando VDS varia? ID Canal n +1,5V G p +1V p +0,5V n S 05-02-2014 Agora consideremos VGS=0 e apliquemos uma tensão entre Dreno (D) e a Fonte(S), com a polaridade indicada na figura . Inicialmente com o VDS pequeno, o canal praticamente não se altera e dentro de certos limites o dispositivo se GV GS=0 comporta como uma resistência linear. À medida que VDS aumenta, a corrente de Dreno ID aumenta, provocando uma queda de tensão ao longo do canal, o que faz com que o estreitamento não seja uniforme. Por : Luís Timóteo 21
  22. 22. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n : VGS = 0 V e VDS 0 D Região de deplexão ID = IDSS ID O estreitamento é máximo quando a tensão de Dreno VDS, for igual em módulo à tensão de estragulamento VP. A G VA p B VB n S 05-02-2014 A corrente de Dreno ID, provoca uma queda de tensão VA, entre o VDS = VP ponto A e a Fonte(S), e uma queda de tensão V entre o ponto B e B a Fonte(S), estando claro que VA>VB.. Estas tensões são aplicadas na junção de forma inversa e no ponto onde a tensão inversa é maior, a região de Deplexão avança mais no canal,isto é, o estreitamento é maior próximo do Dreno(D). p GV GS=0 Se a tensão de Dreno VDS aumentar mais ainda, as regiões de carga espacial não se tocam, ao invés disso o estreitamento aumenta ao longo do canal conforme figura, e a corrente de Dreno se mantém aproximadamente constante em IDSS,(corrente de saturação) isto é, o dispositivo passa a se comportar como uma fonte de corrente constante. Na prática existe um pequeno aumento em ID quando VDS aumenta além de VP. Se a tensão de Dreno aumentar mais ainda, eventualmente será atingida uma tensão que provocará a ruptura da junção, destruindo o dispositivo. Esta tensão é designada por BVDSS. Por : Luís Timóteo 22
  23. 23. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores G Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n :VP n Ao aumentar a tensão entre Drain e Source VDS, a corrente ID aumenta, ao mesmo tempo que se estreita a “passagem” devido ao incremento das uniões p-n e a ampliação da região de deplexão. p S IS ID VDD p IDSS A passagem estreita-se á tensão VDS = VPo tensão para a qual ID deixa de aumentar ID G O JFET pode ser usado como uma resistência variável, onde VGS controla a resistência Drain-Source (Rd). Quanto mais negativo for VGS maior é o aumento da resistência Rd. 05-02-2014 D Rd  VP Por : Luís Timóteo r0   1  VGS  Vp      2 Voltagem de estreitamento VDS 23
  24. 24. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n :rd Outro Cálculo de rd 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 24
  25. 25. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n :Pinch-off- VGS = 0 V e VDS=Vp D Pinch-off Apesar do estrangulamento, ID ≠0 A. Os portadores passam através da região de deplexão. Nesta condição, IDSS passa a ser constante (IDS = constante na saturação). Característica de uma fonte de corrente. ID G VGS=0v VDS=Vp p p Nível de Saturação IDSS VDS=VPO n S 0 Vpo VDS IDSS é a corrente máxima de ID, definida na condição de VGS = 0V e VDS =VP. IDSS (Drain-Source Shorted) current. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 25
  26. 26. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Polarização Canal-n :Efeitos de VDS na ID para VGS 0 D G P+ VGS D D P+ VDS G n VGS S VDS  VGSRegião Triodo P+ P+ VDS G VGS=0V P+ P+ VDS n n S VDS = VP S VDS =VPO Saturação A partir de um certo valor de VDS ocorre o estrangulamento do canal (estreitamento máximo), fazendo com que a corrente iD permaneça praticamente constante. Essa tensão é chamada de tensão de estrangulamento ou pinch off (VPO) e corresponde à tensão máxima de saturação do JFET com VGS=0. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 26
  27. 27. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal-n: Curvas de Dreno D ID Aplicando-se VGS  0 V, uma tensão de polarização inversa, haverá um aumento na camada de deplexão, fazendo com que o estrangulamento do canal ocorra para valores menores de VDS e ID. VP = 5 V ID (mA) G VGS=-2V =-5V =-1V =-3V =0V p p IDSS VDS0V VGS= 0 V n 5 Curva da transcondutância S I S VPO VGS(off)=-VP VGS (V) 05-02-2014 VGS= -1 V 1 VGS= -2 V VGS= -3 V VDS (V) -5 -4 -3 -2 -1 0 Por : Luís Timóteo 5 VGS= -VP 10 15 27
  28. 28. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal-p: Curvas de Dreno D  ID diminui (ID < IDSS)  Eventualmente ID = 0A  Para níveis mais altos de VDS o JFET atinge mais cedo a zona de ruptura. ID aumenta sem controlo se VDS > BVDSS. ID (mA) I ID DSS ID G IG=0A n n VDS VGS=+VGG VDD 5 P VGS= +1 V VGS= +2 V S I S 1 -VP VGS (V) 05-02-2014 VGS= 0 V IDSS = 8 mA and VP = +5 V. +5 +4 +3 +2 +1 Por : Luís Timóteo 0 VP = -5 V V = +3 V GS VDS (V) -5 V = -V -10 GS P 15 28
  29. 29. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal-n: Curvas de Dreno Para cada valor de VGS, obtém-se uma curva característica de Dreno, até que ele atinja a tensão de corte VGS (off)= VP na qual ID é praticamente zero. Para qualquer FET a tensão de corte VGS(off) é igual, em módulo, à tensão de estreitamento do canal VP A corrente através da Porta (G) (IG) é muito pequena e desprezível, garantindo uma altíssima impedância de entrada (ZE). Essa resistência pode ser calculada através da tensão máxima (negativa) VGS que causa o corte do JFET (com VDS=0) e da corrente de Porta(G) de corte IGSS (Gate-Source Shorted current). Exemplo: ZE  VGS(VDS  0) I GSS 05-02-2014 No JFET BF245, para –VGS = 20V, com VDS = 0, tem-se IGSS = 5nA. Calcule ZE. ZE = 20 / 5x10-9 = 4GΩ Por : Luís Timóteo 29
  30. 30. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno – Estreitamento do canal. S p n p IDSS Estreitamento do canal, aumento da resistência Voltagem de estreitamento, VP 05-02-2014 VDD G Região de comportamento óhmico VP ID ID Corrente de saturação, IDSS /V PO ID D VDS Ao aumentar a tensão entre Dreno e Fonte VDS, a intensidade ID aumenta, ao mesmo tempo que se estreita a passagem, devido ao incremento de das uniões p-n e a ampliação da região de Deplexão. O canal estreita quando: VDS = VP Por : Luís Timóteo 30
  31. 31. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno Inicialmente com VDS=0 a corrente de Dreno ID também é zero. VDS=0 Com VDS aumentando e inicialmente bem menor do que VP o comportamento é de uma resistência, isto é, se a tensão de Dreno dobrar de valor a corrente de dreno também dobra de valor. VDS=V1 Dizemos que a região de operação é chamada de região óhmica ou saturação (o JFET se comporta como uma resistência controlada por VGS). VDS=V2 ID VDS V1 V2 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 31
  32. 32. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno À medida que a tensão de Dreno VDS, se aproxima da tensão de estrangulamento (VPO) e o canal se aproxima do estreitamento máximo, a VDS=0 curva começa a inclinar-se (resistência do Dreno aumenta). A corrente de dreno para VDS=VPO é denominada de IDSS, corrente na saturação. VDS=V1 Se a tensão de Dreno aumentar além desse valor a variação da corrente de dreno fica constante em IDSS. VDS=V2 VDS=VP ID Comportamento resistivo IDss Comportamento como fonte de corrente VDS=VPO VDS=BVDSS 05-02-2014 V1 V2 Vp VPO Por : Luís Timóteo VDS BVDSS 32
  33. 33. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno Se agora for aplicada uma tensão, de Porta(G) de digamos VGS = -1V, e o procedimento é repetido, isto é, a tensão de Dreno é variada a partir de zero, será obtida uma curva semelhante à anterior porém com um valor de corrente na saturação menor que IDSS. Haverá um aumento na camada de deplexão, fazendo com que o estrangulamento do canal ocorra para valores menores de VDS e ID. ID (mA)  De uma forma geral o valor de VDS que provoca o estrangulamento é IDSS dado por: DS P GS V VDSat | VP | VGS Óhmica | V | V Saturação VGS=0 Ruptura VGS=-1  Para cada valor de VGS, obtém-se uma curva característica de dreno, até que ele atinja a tensão de corte = VP, na qual ID é praticamente zero. VGS=-2 VGS=-3 VP VPo 05-02-2014 Por : Luís Timóteo Corte BVDSS VDS (V) 33
  34. 34. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno VDS  VP  VGS IDSS VGS= 0 V (curto) VGS= -1 V VGS= -2 V VGS= -3 V VP V PO 05-02-2014 VGS= -4 V (Pinch-off) Por : Luís Timóteo 34
  35. 35. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno ID [mA] ID VGS = 0V 4 2,5K VGS = -0,5V D G VDS - + VGS - S VGS = 0V > -0,5V 2 + VGS = -1V 10V VGS = -1,5V VGS = -2V 0 4 > -1V > -1,5V > -2V > -2,5V 8 12 VDS [V] VGS = -2,5V Comportamento resistivo Comportamento como fonte de corrente Comportamento como circuito aberto 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 35
  36. 36. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno Há uma grande semelhança entre as curvas do JFET e a curva característica de saída do transistor bipolar.. IDSS - corrente máxima que o JFET pode produzir, na qual ocorre o estreitamento do canal quando VGS=0. VP – tensão VDS, para a qual a corrente ID (mA)Óhmica Activa Ruptura permanece constante, para valores de IDSS VGS=0 VGS 0 VPO – tensão VDS máxima de saturação ou de estreitamento (pinch-off) para VGS=0. BVDSS – tensão de ruptura do dispositivo para VGS = 0 e IDSS. Tendo, inclusive, as mesmas regiões: corte, saturação, activa e de ruptura. Na zona Óhmica, enquanto linear, RDS: VGS=|VP| VP 05-02-2014 VPO Por : Luís Timóteo Corte VDS (V) BVDSS 36
  37. 37. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Dreno Comparação entre BJTs e JFETs R IB V1 B (P) + VBE - ID IC R C (N) IG 0 G (P) V2 + VGS - E (N) V1 D V2 N S Em ambos os casos, as tensões de entrada (VBE e VGS) determinam as correntes de saída (IC e ID). Na zona de comportamento como fonte de corrente, é útil relacionar correntes de saída e de entrada (transistor bipolar) ou corrente de saída com tensão de entrada (JFET).  A potência que a fonte V1 tem que debitar, é muito mais pequena no caso do JFET (a corrente é quase zero, ao estar polarizada inversamente a união Gate-canal). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 37
  38. 38. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas Características de Dreno (D). Numa análise gráfica do JFET, a região óhmica é aquela na qual a curva de Dreno é praticamente vertical, sendo ela equivalente à região de Activa do transistor bipolar. Essa parte do gráfico inicia-se com VDS igual a zero e vai até á tensão de constrição VP, que é a tensão onde a curva de Dreno se torna quase horizontal e é onde se separam as duas regiões de operação do JFET. Para um valor constante de VGS,=0V o JFET age como um dispositivo resistivo linear para pequenas variações de VDS até atingir a condição de estreitamento (na região óhmica). Região Saturação Acima da condição de estreitamento e antes da ruptura por avalanche, a corrente de dreno permanece aproximadamente constante para um valor de VGS, independentemente de VDS. rd  05-02-2014 rd  Resistência específica para r0 1  VGS / VP  2 r0  um certo VGS. Resistência com VGS = 0 V Por : Luís Timóteo Região óhmica 38
  39. 39. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas Características de Dreno (D). Região Óhmica – Quando VGS = 0 a camada de Deplexão do canal, é muito pequena e o JFET actua como uma resistência controlada por voltagem. RDS  VP I DSS VGSoff  VP Exemplo: Para um JFET com as seguintes características: VP=5V ; IDSS=10 mA 5V RDS   500Ω 10mA  Zona de Saturação ou Região Activa – O JFET transforma-se numa fonte de corrente constante, com corrente igual a IDSS e é controlado pela voltagem Gate-Source ( VGS ), enquanto que a voltagem Drain-Source, ( VDS ) tem pequeno ou nenhum efeito. I  I  1  V    2 D 05-02-2014 Por : Luís Timóteo DSS   GS VP   39
  40. 40. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas Características de Dreno (D). Região de Corte -Também conhecida como região “pinch-off “, onde a voltagem da Gate, VGS é suficiente, para fazer o JFET actuar como um circuito aberto, com a máxima resistência. � (ID = 0 para VGS  |Vpo |� (VGSoff = -VP ) Região de Ruptura - A voltagem entre a Drain e a Source, ( VDS ) é suficientemente alta para quebrar o canal resistivo dos JFET's e deixar passar uma quantidade incontrolável de corrente (Curtocircuito). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 40
  41. 41. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas Características de Dreno (D). Não-Saturação (Região Óhmica): DS A corrente de Dreno ID é dada por: Região de Saturação (ou Pinchoff)  V  V P  GS    V V    GS P  V ID   V  I DSS 2 1  GS  VP     VDS  VDS   V   V  P   P     2  VP 1  RDS   2 I DSS VGS  VP  gm    V V    DS P  GS V 2         V I  e I DS  I DSS 1  GS DS  VP  Onde , IDSS é a corrente de Dreno em curto e , VP é a voltagem “pinch off”. I DSS V2 P 05-02-2014 Por : Luís Timóteo     2 41
  42. 42. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas Características de Dreno (D). Região de Ruptura Região de Ruptura- VDSat  VGS  VP  1V 1V 1V 1V VB Se VDG exceder a voltagem de ruptura VBDSS, a corrente de Dreno aumenta rapidamente… provocando a ruptura do dióxido da Gate… 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 42
  43. 43. Semicondutores: Transistores JFETs D Transistores G Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Transferência. S A curva de transferência ou de transcondutância mostra como ID varia em função da tensão VGS aplicada à porta (G), conforme mostra a curva. Esta curva é obtida para o maior valor de VDS indicado na curva de Dreno. Esta curva é um trecho de parábola que tem como equação: ID (mA) 2 IDSS  VGS I D  I DSS  1   VP   VGS  I D  I DSS  1   V   P   VGS= 0 V VP = 5 V 5 VGS= -1 V VGS= -VP VGS= -2 V -VP VGS (V) 05-02-2014 -5 1 -4 -3 -2 -1 0 VGS= -3 V 5 Por : Luís Timóteo 10 15 VDS (V) 43     2
  44. 44. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Transferência. A equação que relaciona a corrente de Dreno ID, com a tensão de Porta(G), é dada 2 aproximadamente por:  VGS I D  I DSS  1   VP  Exemplo:     onde IDSS é a corrente de Dreno na saturação. para VGS=0 e VP a tensão de estrangulamento. Se VGS= -1V qual a corrente de dreno considerando o transistor FET 2N4393?  V I D  I DSS  1  GS  VP      2 Do datasheet temos: IDSS Max : 30 mA 2 1  VGS(off) Max: -3V I D  30mA 1    13,333mA  3 Não esquecer que VGS(off)= |VP| 05-02-2014 Por : Luís Timóteo VGS  ID  VP  1   I DSS      44
  45. 45. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores  V I D  I DSS  1  GS  VP  Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Curvas de Transferência. Aplicações da Equação de Shockley 2  0  1   I D  I DSS  VP    2  V  I D  I DSS  1  P   VP    Para VGS = 0 V Para VGS = Vp Para VGS de 0 a |Vp|      V I D  I DSS  1  GS  VP  I D  I DSS ID  0     2 Método Simplificado VGS ID 0 IDSS 0.3Vp IDSS/2 0.5Vp IDSS/4 Vp 0 mA 05-02-2014 VGS   VP  1    Por : Luís Timóteo ID I DSS     45 2
  46. 46. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) Canal-n: Curvas de Transferência. - Exercício Esboce a função de transferência definida por: IDSS = 4 mA VP=3V VGS   VP  1    ID I DSS IDSS      V  1  GS I D  I DSS  VP      VGS IDSS 0.3Vp IDSS/2 0.5Vp IDSS/4 IDSS/4 Vp IDSS/2 ID 0 2 0 mA 05-02-2014 VGS =0.3VP VGS =0.5VP Por : Luís Timóteo 46
  47. 47. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores D  Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Variação da Tensão VGS  A Polarização inversa para funcionamento normal, ou seja, tensão (G) /(S) porta-fonte (VGS) é sempre negativa.  Dessa forma, quanto mais negativa VGS, maior será a camada de deplexão e mais estreito será o canal.  Isso diminui o número de portadores, fazendo com que a corrente de Dreno (ID) máxima diminua. D ID D ID VDS= 10v S VGS= 0v ID(mA) 10 S ID ID aprox. “0” S ID “0” VGS= -4v 9 VGS= -2v VDS= 10v VDS= 10v A G camada deplexão . VGS= -1v VDS= 10v 7 6 5 G A camada de deplexão aumenta um ID dimiunui. A camada de deplexão aumenta um G pouco mais. A camada de deplexão aumenta e bloqueia completamente a corrente ID. VGS(V) -4 -3 05-02-2014 8 de Por : Luís Timóteo 4 3 2 1 -2 -1 47 0
  48. 48. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores  Funcionamento dos transistores JFET Canal-n: Variação da Tensão VDS D D D ID ID S VDS=7v S ID VDS=5v S VDS=4v ID G G VGS=0V VDS=1v G ID(mA) Aumentando VDS a corrente que atravessa o canal aumenta, mas a região de deplexão também…Porque a junção P-N fica ainda mais inversamente polarizada… VDS 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 48
  49. 49. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização fixa DC Tal como para os BJTs que devem ser polarizados de acordo com o modo de operação, também os JFETs devem ser polarizados para um ponto de funcionamento (ID, VGS, VDS). Na maioria dos casos, o ponto ideal de funcionamento (ponto – Q) situar-se-á no ponto médio da curva característica de transferência, que é cerca metade de IDSS. Polarizar um JFET é determinar o seu ponto quiescente ou de operação (IDQ , VGSQ e VDSQ). A potência dissipada pelo JFET polarizado é dada por: PD = VDSQ . IDQ Atenção na hora de polarizar um JFET: A tensão VDD deve ser menor que BDVSS; A potência dissipada pelo JFET deve ser menor que PDmáx, dada pelo fabricante; A configuração Fonte (Source) comum é a mais utilizada para o JFET. Assim os tipos de polarização estarão baseados nela. Há 3 tipos de configuração da polarização DC dos JFETs: Polarização fixa; Autopolarização; Polarização por divisor de tensão. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 49
  50. 50. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC – VGS Constante + Usa duas fontes de tensão: VGG, VDD  RG é utilizado apenas para definir a impedância de entrada do circuito com sinais AC, não influenciando na polarização do JFET.  VGG polariza inversamente a junção Gate – Source (G-S), logo, não flui corrente através de RG (IG = 0). 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 50
  51. 51. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC – Circuito Equivalente DC Todos os condensadores são substituídos por circuitos abertos. Como IG=0A, VRG = 0 V, ou seja, RG pode ser substituída por um curtocircuito.  VGS = - VGG  VS = 0V  VD = VDS  VG = VGS  VDS = VDD-IDRD RD=( VDD – VDSQ)/IDQ 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 51
  52. 52. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC - Solução Gráfica Traçar a curva de transferência  V I D  I DSS  1  GS  VP      2 Solução  VGS = - VGG  VS = 0V  VD = VDS  VG = VGS  VDS = VDD-IDRD 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 52
  53. 53. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC - Exercício Análise DC: Exercício exemplo  Determinar os seguinte valores Solução Matemática 1. VGSQ 2. IDQ  VGSQ  VGG -2V 3. VDS 4. VD  V 5. VG I DQ  I DSS  1  GS  6. VS V  P     2  IDQ    05-02-2014  Por : Luís Timóteo 53
  54. 54. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC - Exercício Análise DC: Exercício exemplo  Determinar os seguinte valores 1. 2. 3. 4. 5. 6. VGG 05-02-2014 I DQ Solução Gráfica VGSQ =-VGG=-2V IDQ =5,625 mA VDS =16V-(5,6mAx2000)=4,75V VD =VDS=4,75V VG =VGS=-2V VS =0V  V  I DSS  1  GS  VP      2 Por : Luís Timóteo 54
  55. 55. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC - Exercício Exemplo Determinar: V  I R  10V  0 Quando ID= 0 mA, VGS=10V GS D S VGS  10V  I D(1.5kΩ ) Quando VGS= 0V ID  10V  6,67 mA 1.5kΩ D G I DQ  6.9 mA S VGS  0  ID  6.67 mA I DQ  V  I DSS  1  GS  VP      2 VGS  0,35 V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 55
  56. 56. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC - Exercício (cont.) Exemplo Determinar: Determinação do Ponto “Q” IDQ=6,9mA VGSQ= -0,35V =7,23V =7,58V =0,35V VDS = VDD -  VSS  - I D  R S + R D  = 20 + 10 - (6.9mA)(1.8kΩ + 1.5kΩ) = 7.23V D G I DQ  6.9 mA I DQ  V  I DSS  1  GS  VP      2 VD = VDD - ID  RD  = 7.58V S VS = VD - VDS = 7.58V - 7.23V = 0.35V VGS  0,35 V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 56
  57. 57. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise DC Exemplo Determine os valores do circuito de polarização da Gate no ponto “Q”, sabendo que VGG= -05V, VGSoff (ou VP) = -7V, IDSS=9 mA, VDD =+5V e RD= 500. +5V 500 Uma vez que IG=0  VGSQ=VGG=-05V ID 1,12V -05V, ID(mA)  V  I DSS  1  GS  VP      10 9 2 Q 87,76mA 7 6  0,5  �  (9mA) 1  ID    7,76 mA 7   2 5 4 � VDS = VDD-ID.RD 3 2 V � DS  5  (7,76mA)(500)  1,12 V VGS(V) -8 -7 -6 -5 -4 -3 1 -2 -1 0 VGSQ= - 0,5V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 57
  58. 58. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização Fixa – Análise AC Substituindo pelo modelo de pequenos sinais, tem-se: Impedância de entrada (Zi): Zi = RG Impedância de saída (Zo): Vi=0  Vgs= 0V  gmxVgs = 0V(curto) Ganho de tensão (Av): Vo = - (rd // RD) xgmxVi AV  Zo = rd // RD Vo Vi Vo = - (rd // RD) xgmxVgs  Vgs = Vi V AV  o  (rd // RD )  g m Vi Obs.: o sinal negativo de Av indica que existe uma inversão de fase de 180o entre Vi e Vo. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 58
  59. 59. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Utiliza apenas uma fonte de alimentação, eliminando-se VGG. Isto é feito utilizando-se uma resistência RS em série com a Fonte(S) do JFET, para gerar uma tensão inversa na junção Porta(G) – Fonte(S), através de uma realimentação negativa. Se a corrente de dreno ID aumenta, a tensão sobre RS também aumenta. Isto faz aumentar a tensão inversa Porta-Fonte (VGS), estreitando o canal, reduzindo novamente a corrente ID. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 59
  60. 60. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Usando somente uma fonte de tensão VDD. Uma vez que IG ≈ 0A, VRG= IGRG VRG =0V Ponto “Q” para VGS? 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 60
  61. 61. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Usando somente uma fonte de tensão VDD. Existem duas formas de determinar os valores das resistências de polarização (RS e RD): pela recta de carga traçada sobre as curvas de Dreno; e pela recta de autopolarização traçada sobre a curva de transferência. É mais interessante utilizar a curva de transferência para definir a polarização, pois os manuais sempre fornecem pelo menos os parâmetros IDSS e VP que a definem. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 61
  62. 62. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Determinação da Recta de Autopolarização É traçada sobre a curva de transferência. Podemos obtê-la da malha de entrada. -VGS = RS.ID – RG.IG IG é praticamente nula devido à alta impedância de entrada, tem-se: VGS=-ID x RS Um ponto da recta de autopolarização é a origem, o outro deve encontrar a curva de transferência. VGS 2 I D  I DSS (1  ) VGS (off ) Linha de Autopolarização DC Q VGSQ 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 62
  63. 63. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Determinação da Recta de Autopolarização O ponto quiescente pode estar localizado em qualquer posição entre Q1 e Q2.  A variação possível de IDQ na autopolarização é menor que com VGS constante e este circuito é mais estável. Da equação da reta de autopolarização, obtém-se: RS = - VGSQ / IDQ max IDSS Recta de Autopolarização Q1 Da malha de saída, obtém-se: VDD = RD.IDQ + VDSQ + RS.IDQ Q RD = (VDD- VDSQ + VGSQ) / IDQ O valor de VDSQ é fixado por RD 05-02-2014 max Por : Luís Timóteo VP IDSS min IDQ Q2 VP min 63
  64. 64. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC Exemplo: Dada a curva de transferência do JFET BF245A (PDmáx = 300mW), determinar os valores de RS e RD do circuito de autopolarização para IDQ = 1mA e VDSQ = 15V. 1º Ponto: Q 1mA 2º Ponto: Origem  Do ponto Q da recta de autopolarização, obtém-se: VGSQ = -1V e IDQ= 1mA. Cálculo de RS e RD: RS = -VGSQ / IDQ = -(-1) / 1x10-3  RS = 1KΩ RD = (VDD – VDSQ + VGSQ) / IDQ = (25 – 15 – 1) /1x10-3 = 9KΩ Potência dissipada pelo JFET : PD = VDSQ.IDQ = 15. 1x10-3 = 15mW. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 64
  65. 65. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC- Sem curva de Transferência Exemplo: Para isso utilizam-se os valores mínimos de IDSS e VP, fornecidos pelos manuais. Os dois pontos (IDSS, -VP) e a origem, definem a recta de Autopolarização. Com os parâmetros (IDSSmax, -VPmax) e (IDSSmín, -VPmín), calculam-se dois valores para a resistência RS, sendo um para a parábola máxima e outro para a mínima: RSmax = -VPmax / IDSSmax RSmín = -VPmín / IDSSmín Um valor intermédio entre RSmín e RSmax garante um ponto quiescente próximo ao da parábola correspondente à dos parâmetros típicos do JFET. Para o JFET BF245A, o manual do fabricante fornece os seguintes parâmetros: Cálculo de RS:  RSmax  V  (  0,5)  VPmax  (  8)  250 Ω   1230 Ω  RSmin  Pmin  3 3 I DSSmin 2  10 I DSSmax 6,5  10 Portanto pode-se usar RS= 1K como no exemplo anterior 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 65
  66. 66. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise DC- Ponto “Q” – Solução Matemática Exemplo Determinar: ID  V  I DSS 1  GS  VP      2 Como VGS   I D RS 2 ID  (  I D RS )    I DSS  1    VP   2 2 I D (1k )     6  I D (1k )   8mA 1    8mA  6  6     36I D  8mA 2 36  6kID  6kID  1MID 36 2  0.288  96I D  8kID  8kID  132I D  0.288  0 2 I D1  13.9mA VGS   I D RS  13.9mA(1k )  13.9V I D21  2.588mA VGS   I D RS  2.588mA 1k ) (  2.6V Portanto; Escolhemos I D  2.588mA e VGS  2.6V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 66
  67. 67. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Exercício Exemplo Determinar : Como anterior:V GSQ = - 2.6V ID=IS IDQ = 2.6mA VDS = VDD - I D  R D + R S  = 20V - 2.6mA  4.3kΩ  = 8.82V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 67
  68. 68. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Exercício Exemplo Determinar: Valores de RD e RS RD = VRD VDD  VDQ 20V  12V =  I DQ I DQ 2.5mA = 3.2k RS =   VGSQ  I DQ =   -1 2.5mA  0.4k I DQ  2,5 mA VGSQ  1 V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 68
  69. 69. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores +VDD 9V Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Exercício Exemplo – Recta de Carga (Load Line) Determine o ponto- Q para o seguinte circuito com JFET : RD 2.2K A curva característica é a seguinte. Para ID=0,  VGS=-IDRS=(0)(680)=0V Da curva,  IDSS=4mA; então ID=IDSS=4mA ID (mA) VGS=-IDRS=-(4m)(680)=-2.72V 4 IDSS RG RS 10M 680 Fazendo VGSQ= -1,5 V 2  1,5V  I D  4mA 1    2,25 mA 6V   Q ID=2.25mA VGS=-1.5V VGS (V) -6 VGS(off) 05-02-2014 2.25 O ponto Q é a Intersecção entre a curva de transferência característica e a recta de carga. -2.72 V -1.5V Por : Luís Timóteo 69
  70. 70. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Autopolarização – Análise AC Presente somente em DC. Em AC, RS é colocada em curto por Cs. Substituindo pelo modelo de pequenos sinais, tem-se: XC1=0 XC2=0 RS curto por CS Impedância de entrada (Zi): Zi = RG Impedância de saída (Zo): Zo = rd // RD Ganho de tensão (Av): 05-02-2014 AV  Vo  (rd // RD )  g m Vi Por : Luís Timóteo 70
  71. 71. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão– Análise DC  Este tipo de polarização é uma mistura dos dois processos anteriores. A tensão VGG em R2 e a tensão em RS, impõem VGS na porta do JFET, sendo que VGG deve ser menor que VRS para garantir polarização inversa entre Porta(G) e a Fonte(S).  Como a corrente iG é praticamente zero, VGG pode ser calculada por: R V VGG  2 DD Divisor de Tensão  R1  R2 A tensão VGS fica definida pela diferença entre a tensão VRS e VGG: VGG -VGS = RS.ID – VGG Determinação da Recta de Autopolarização 1º Ponto: para ID = 0  VGS = VGG 2º Ponto: para VGS = 0  ID = VGG / RS 05-02-2014 Por : Luís Timóteo -VGS VRS 71
  72. 72. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão– Análise DC Determinação da Recta de Autopolarização   I  I  VGS  D DSS    VGS ( off )  2 VGG = (VDD. R2)/(R1+R2) VS = IDx RS VGG VGS = VG– VS VGS  0V , I D  VG / RS VGS  VG  I D RS VGG 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 72
  73. 73. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão– Análise DC Determinação da Recta de Autopolarização  Verifica-se que a recta é deslocada de zero para VGG na abscissa (eixo horizontal), diminuindo sua inclinação.  Em relação aos processos de polarização anteriores, este processo tem uma variação ainda menor de IDQ. Malha de entrada: RS = (VGG – VGSQ) / IDQ Malha de Saída: RD = VDD – VDSQ – RS IDQ VGG VDS -VGS IDQ VRS 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 73
  74. 74. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão– Análise DC VG - VGS - VRS = 0 VGS = VG VGS = VG - VRS VGS = VG - I D R S ID  VG RS I D =0mA VGS =0V ID I G0A Ponto"Q" VG VGS IS VGS  0V , I D  VG / RS VGS  VG  I D RS VG VRS 05-02-2014 I D  0 mA, VGS  VG Por : Luís Timóteo 74
  75. 75. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão– Efeitos de RS no ponto “Q” VGS  VG  I D RS Ponto"Q" RS 2 Ponto"Q" RS 1  RS 2 05-02-2014 Por : Luís Timóteo Aumento de RS RS 1 75
  76. 76. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão – Exercício Exemplo Determinar: VG = = R2 VDD R1 + R 2  270kΩ 16V  2.1MΩ + 0.27MΩ 2 VGS = VG - I D R S = 1.82V - I D 1.5kΩ  VDD = 1.82V Quando ID = 0mA, VGS = +1,82V Quando VGS = 0V, ID = +1,82V/1.5K= =1,21mA 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 76
  77. 77. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão – Cálculo do ponto “Q” VGS = 1.82V - ID 1.5kΩ IDQ=2.4mA VGSQ=-1.8V VDS = VDD + VSS - I D  RS  R D  = VDS + VS = 8.82V + 2.6V = 11.42V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 77
  78. 78. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão – Exercício Exemplo: Determinar os valores de R1, R2, RS e RD do circuito de autopolarização do JFET BF245A (PDmax = 300mW), para o ponto quiescente: IDQ = 1mA, VGSQ = -1V e VDSQ = 15V. Como VGG deve ser menor que VGSQ, será utilizado: VGG = 0,5V. Para encontrar R1 e R2 devemos arbitrar um deles, neste caso R2 = 10KΩ. VGG R2 10  103  VDD  0,5   25  R1  2(R2 VDD )  R2 R1  R2 R1  (10  103 ) 25V 1mA R1=2(10x103x25)-10x103 R1=490K 15V RS.IDQ – VGG + VGS = 0(VGG-VGS)/IDQ RS=(0,5+1)/0,001 RS=1,5K -1V RD.IDQ + VDSQ + RS.IDQ – VDD =0 RD=[(VDD-VDSQ)/IDQ]-RS RD=[(25-15)/0,001]-1500 RD=8,5K 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 78
  79. 79. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão – Exercício Exemplo – Recta de Carga (Load Line) Determine o ponto- Q para o seguinte circuito com JFET : A curva característica é a seguinte. Para ID=0, VGS  R2   2.2  VDD    VG    8  4V R R   4.4  2   1 Para VGS=0, I D  R1 RD 2.2M 680 R2 RS 2.2M 3.3K VG  VGS VG 4    1.2mA RS RS 3.3K _I ID=1.92mA VGS=-1.8V VP=-3V +VDD 8V DSS=12mA Q O ponto Q é a Intersecção entre a curva de transferência característica e a recta de carga. ID=1,2mA -3V -2V -1V 0V +1V +2V +3V 4V 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 79
  80. 80. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização por Divisor de tensão – Análise AC Substituindo pelo modelo de pequenos sinais, tem-se: Impedância de entrada (Zi): Zi = R1//R2 Impedância de saída (Zo): Zo = rd // RD Ganho de tensão (Av):  Vgs = Vi Vo = - (gmxVgsx(rd // RD) AV  05-02-2014 Vo   g  (rd // RD ) m Vi Para rd > 10.RD, tem-se: Por : Luís Timóteo AV  Vo   g  ( RD ) m Vi 80
  81. 81. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização – Circuito Seguidor de Fonte, ou Dreno Comum O sinal de saída é tirado do terminal de fonte. Substituindo pelo seu equivalente, tem-se: S A fonte de corrente foi invertida, mas Vgs ainda é definida entre os terminais de Porta(G) e Fonte(S). Impedância de entrada (Zi): Zi = RG Impedância de saída (Zo): Z O  05-02-2014 VO IO Por : Luís Timóteo 81
  82. 82. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização – Circuito Seguidor de Fonte, ou Dreno Comum V Impedância de saída (Zo): Z O  O IO Para o cálculo de Zo, considerar Vi = 0V. Pelas leis de Kirchhoff, tem-se:  IO+gmxVgs=Ird+IRS  IO+gmxVgs=VO/rd+VO/RS 1 1   I O  VO     g m  Vgs rd RS   1 1   I O  VO     g m  (VO ) rd RS   1  1 g   I O  VO   m  rd RS  Vgs =-VO  ZO  05-02-2014 VO  IO VO 1 1  1 1  1 1 VO   g  m  rd RS g m rd RS  Por : Luís Timóteo ZO  rd // RS // 1 / g m 82
  83. 83. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n : - Polarização – Circuito Seguidor de Fonte, ou Dreno Comum S Ganho de Tensão Av:  Vi=Vgs+VO  Vgs=Vi -VO  V =gmxVgsx(rd//R ) O S  V =gm(Vi – V )(rd//R ) O O S  V =gmxVi (rd//R )-gmxV (rd//R ) O S O S  V [1+gm(rd//R ) O S  V =gmxVi(rd//R ) O S g m (rd // RS ) VO  Av   Vi 1  g (rd // RS ) m Obs.: Como Av é positivo, não há inversão de fase, mas o ganho é menor que 1. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 83
  84. 84. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET - Parâmetros : Transcondutância Análise:  Transcondutância: É a taxa de variação da corrente de dreno em relação a tensão aplicada na porta/fonte(VGS ). Em outras palavras, transcondutância mede uma variação da corrente de dreno em função de uma tensão aplicada na porta/fonte. Matematicamente temos: I D gm  | VGS Vgs  g m - Transcondutância  I D - Corrente de Dreno  VGS - Tensão Porta/Fonte  Unidade: Se compararmos a relação de transcondutância com Lei de Ohm, visualizamos que a transcondutância é o inverso da relação universal R=V/I , já que ela se apresenta como gm=I/V, então neste caso a unidade oficial de transcondutância é o Siemens. Porém, antigamente e por muito tempo utilizou-se a “Mho”, que vem a ser o “Ohm” escrito ao contrário. E até hoje é encontrada a unidade “ Mho” nos datasheets. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 84
  85. 85. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET - Parâmetros : Transcondutância Análise: Transcondutância é uma característica importante no estudo de um dispositivo de três parâmetros. Considerando o JFET como uma resistência controlada por tensão, e por tanto a corrente de dreno é uma função da tensão da porta/fonte. Sendo que a transcondutância é a razão da corrente de dreno, como uma mudança na tensão, a uma tensão dreno-fonte constante.  A Curva  A curva de transcondutância de qualquer JFET irá apresentar-se com o mesmo formato, como mostra a figura a seguir. Isto acontece porque a física de funcionamento de qualquer JFET é igual. Apenas o tamanho das regiões dopadas, o nível de dopagem etc, é que mudam entre os JFET’s. Deste modo a curva da transcondutância vem a ser o gráfico da ID seguinte equação: IDss Onde: I DSS = Corrente de dreno máxima . VGS (off) = Tensão de corte porta/fonte. I D  I DSS(1  05-02-2014 VGS VGS ( off ) )2 VGS(off) Por : Luís Timóteo 0 VGS 85
  86. 86. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET - Parâmetros : Transcondutância Análise: Exemplo: Encontrar a corrente de dreno máxima (IDSS ) e a tensão de corte portafonte(VGS(off)) para o JFET com a seguinte curva de transcondutância. Do gráfico temos: O fator K: ID 10 9 8 7 I DSS = 6,5 mA. VGS (off) = -8V. 6 5 4 O gráfico apresenta-se como uma boa ferramenta, 3 onde você pode obter respostas rápidas e 2 aproximadas. 1 Porem entre os pontos extremos, o gráfico VGS(V) tende a ser não-linear, que analisado mais -8 -7 -6 -5 -4 -3 -2 -1 0 em pormenor, nos mostra ser parte de uma parábola. Uma parábola é uma curva onde suas grandezas são elevas ao quadrado. Deste modo, voltando à equação da curva temos: VGS I D  I DSS(1  )2 VGS ( off ) 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 86
  87. 87. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Parâmetros O fator K: Tomando (1  VGS VGS ( off ) )2 como sendo um factor K; temos então: K  (1  VGS VGS ( off ) )2 Podemos reescrever a equação da curva como: ID = IDSS .K Então se possuirmos o valor K de qualquer circuito, podemos calcular o valor da corrente de dreno, dada a corrente de dreno máxima. Suponha que um JFET tem a IDSS= 7 mA e VGS(off)= -3V. calcule a corrente de dreno para uma tensão porta-fonte de -1V. Com a equação da curva, podemos calcular o fator K: K = (1 – 1/3)2 => K = (0,667)2 => K = 0,445 ID= 7 mA x 0,445= 3,115 mA 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 87
  88. 88. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Parâmetros  Transcondutância de Transfe rência : g fs  ΔI D (VDS constante) ΔVGS  gfs – Transcondutância de Transferência para: IDQ  IDSS e VGSQ  VP 2  VGS   Corrente de Dreno : I D  I DSS 1   VGS ( off )     V  V  GS ( off ) P  Factor de (A)mplificação ou (  )  rd  g fs  Transcondutância : g m    V ΔI D  g mo  1  GS   V  ΔVGS GS ( off )    gm – Transcondutância em qualquer ponto da curva característica  gmo – Transcondutância máxima com VGS=0.  Transcondutância máxima : g mo  05-02-2014 2 I DSS ΔVDS Resistência AC do Dr eno : rd  ΔI (VGS constante) VGS ( off ) D Por : Luís Timóteo 88
  89. 89. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Parâmetros Como os tubos de vácuo, ou válvulas electrónicas, os JFETs têm certos parâmetros que determinam o seu desempenho num circuito. Os principais parâmetros de um JFET são: Resistência de Dreno AC – (rd).  Transcondutância – (gm) Factor amplificação – () Resistência AC do Dreno ou resistência dinâmica(rd): É a razão de variação da tensão de Dreno/Fonte (VDS), para a variação da corrente de Dreno (ID), com a tensão Porta/Fonte (VGS)constante. I.e: ΔV Por exemplo, se uma variação na tensão de dreno de 2 V produz uma mudança na corrente ID de 0,02 mA. Então: rd  DS ΔI D (VGS constante ) Em referência ás características de um JFET, é claro que, acima da 2V rd   100KΩ tensão de estrangulamento (Pinch-off ) VP, a variação de ID é 0,02mA pequena para uma grande variação de VDS porque a curva é quase plana. No entanto a resistência de um JFET tem um valor elevado, variando de 10K a 1 M . 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 89
  90. 90. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) JFET: - Como Amplificador A disposição do circuito e análise de um amplificador JFET, é muito semelhante a um amplificador de BJTs. A estrutura do modelo AC também é muito semelhante. O circuito do amplificador de Fonte Comum (CS), produz um sinal amplificado invertido, tal como no amplificador de Emissor Comum (CE). O circuito do amplificador seguidor de Fonte (SF) apresenta uma impedância de entrada muito alta e um ganho de menos do que um, assim como no amplificador seguidor de emissor (EF) com BJTs. Io gm  Vin 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 90
  91. 91. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Circuitos equivalentes DC e AC Como num amplificador de transistor BJTs, tanto as condições DC como as AC, têm que ser consideradas num amplificador com JFET. As fontes e polarizações DC configuram as correntes e tensões de funcionamento, enquanto que a corrente e tensão alternada (isto é, do sinal) produz oscilações nas correntes e tensões da polarização do JFET. Uma maneira simples para analisar a acção de um amplificador JFET é dividir o circuito em duas partes: Circuito equivalente DC. Circuito equivalente AC. O circuito equivalente DC irá determinar o ponto “Q” de funcionamento (níveis de polarização DC do circuito) que já vimos anteriormente, enquanto que o circuito equivalente AC determina a tensão de saída e, portanto, o ganho de tensão do circuito. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 91
  92. 92. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Circuitos equivalente DC No circuito equivalente DC de um amplificador com JFET, só as condições DC são consideradas, presumindo que nenhum outro sinal está aplicado. Como a corrente DC não passa através dos condensadores, estes são considerados circuitos abertos, no circuito equivalente DC, assim como reduzir todas as fontes de sinal AC a zero. Deste modo, o circuito amplificador anterior é: 05-02-2014 equivalente DC do Por : Luís Timóteo 92
  93. 93. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Circuitos equivalente AC No circuito equivalente AC de um amplificador JFET, apenas as condições AC (sinais) devem ser consideradas. Obviamente as tensões DC não são importantes para esta análise, e podem ser consideradas zero. Os condensadores são geralmente usados ​para acoplar ou fazerem o “by-pass” dos sinais AC. O designer do circuito, intencionalmente selecciona condensadores que são suficientemente grandes para parecerem um curto circuito para os sinais AC. Deste modo, o circuito equivalente AC do amplificador anterior é: Note-se que uma extremidade de R1 e R2 está ligada a um ponto, e a outra extremidade de R1 e R2 está ligada à terra. Por conseguinte, R1//R2. Semelhante é o caso com o RD e RL modo que RD // RL 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 93
  94. 94. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Análise da Linha de carga DC - (DC Load line) O ponto de funcionamento DC ou ponto “Q” de um amplificador JFET pode ser determinado graficamente pelo desenho da linha de carga DC, sobre as curvas características de Dreno (VDS - ID). Este método é idêntico ao utilizado para os transistores BJTs. O circuito DC equivalente do Amplificador JFET com polarização por divisor de tensão é mostrado na figura. Está claro que: VDD = VDS + ID (RD + RS) D G VDS = VDD — ID (RD + RS) S 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 94
  95. 95. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Análise da Linha de carga DC - (DC Load line) Para o circuito que estamos a analisar, VDD e (RD + RS) são constantes. A expressão da corrente ID é uma equação do primeiro grau e pode ser representada por uma linha recta sobre as características de Dreno. Esta é conhecida como a linha de carga de corrente continua para JFET e determina um ponto de funcionamento característico de ID - VDS, na ausência do sinal. A linha de carga DC pode ser facilmente traçada, localizando as duas extremidades da linha recta. O valor de VDS será máxima quando ID = 0. Portanto, colocando ID = 0 na expressão seguinte: VDS = VDD — ID (RD + RS) Obtemos VDS=VDD O valor de ID será máximo quando VGS = 0. Outro ponto, o ponto A. Unindo os 2 pontos , temos traçada a linha (recta ) de carga DC Isto localiza o primeiro ponto B = VDD da Linhas de Carga DC no eixo da tensão VDS. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 95
  96. 96. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Análise da Linha de carga DC - (DC Load line) O ponto de funcionamento “Q” está localizado na intersecção da linha de carga DC , com a curva da corrente ID, que corresponde ao VGS fornecido pela polarização do divisor de tensão. VDD  R2 VGS  R1  R2  I D  RS Se assumirmos na figura, que VGS = - 2V então o ponto Q está localizado na intersecção da linha de carga DC de VGS = - 2V n nas curvas da corrente de Dreno ID. 05-02-2014 VGS Por : Luís Timóteo 96
  97. 97. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) JFET – Ganho de voltagem do Amplificador Se observarmos o circuito equivalente AC do amplificador que temos vindo a analisar, nota-se que R1R2 e podem ser substituídas por uma única resistência RT. Similarmente, RD RL e podem ser substituídas por uma única resistência RAC (resistência total AC do Dreno). O circuito equivalente AC simplificado será: A tensão de saída do amplificador será : vout = id x RAC Sendo o ganho gm: g m  ΔI D i  D  iD  g m  vGS ΔVGS vGS Relacionando, temos : Como: vin = vGS Resultando: 05-02-2014 vout = gm x vGS x RAC Vem: vout = gm x vin x RAC v A  out  gm  RAC RAC – pode ser referenciado como rd ou ro. vin Por : Luís Timóteo 97
  98. 98. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 98
  99. 99. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) – Ponto de funcionamento ID  VDD RD  RS ID [mA] 5 A 4 Linha de Carga DC Declive= – 1/(RD+RS) VDS(sat) = VGS – VT VGS = 0V VGS = -0,1V 3 Q 2 VGS = -0,2V VGS = -0,3V VGS = -0,4V 1 B 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 VDS min 05-02-2014 VGS = -0,6V VGS = -0,8V VDS Q VDS [V] VDS max Por : Luís Timóteo 99
  100. 100. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) Lembre-se que os condensadores de acoplamento e bypass, são "curtos", para o sinal AC, por conseguinte, o sinal é alimentado directamente para a Porta(G), e o sinal AC de entrada é aplicado entre a Porta (G) e a Fonte (S). A tensão de Porta (VGS) produz uma corrente AC no Dreno (D),que por sua vez provoca uma queda de tensão através de RD e RL. Fonte Comum (CS)-Modelo AC A impedância de saída rd ou r0: rd = RD || RL O ganho A:  Vout  Gm  Vin  rd Vin Vin  A  Gm  rd Dissemos anteriormente que a corrente de entrada, Ig de um amplificador JFET de Fonte comum, é muito pequena por causa da extremamente alta impedância da Porta, Rg. Portanto, este amplificador tem uma boa relação entre impedância de entrada e de saída para qualquer quantidade de corrente de saída, proporcionando bons ganhos de corrente e tensão…. gfs = ID / VGS , com VDS = 0 05-02-2014 Gmo = |2 * (IDSS/VP)| VGS=0 Gm = |2 * (IDSS/VP) * [1 - (VGS/VP)]| Por : Luís Timóteo 100
  101. 101. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) Canal-n JFET : - Como Amplificador - Fonte comum (CS)– Divisor de tensão) Gfs – é o número mágico para os JFETs - a transcondutância para a frente, o que é normalmente expressa em Siemens ou milli-Siemens. Um Siemen é o inverso de um ohm. Gfs = ID / VGS , com VDS = 0 Por exemplo para um Gfs de 2 para 6.5 mS, ou 2 a 6.5 miliamperes por volts, significa que pela variação de 1 volt na VGS, provocará uma variação de corrente IDS na ordem de 2 a 6,5 mA. O ganho directo de um JFET é melhor expresso como Vout = - Gfs * VGS * rd, onde as tensões são as alterações de tensão, não a tensão absoluta. Se você tem um JFET com Gfs = 2ms, e mudança Vgs de um volt, então você começa com uma variação de 2ma na correte de Dreno, e que é multiplicada pela resistência de Dreno para obter a tensão de saída. Se rd é 5K neste exemplo, então a tensão de saída é alterada por Vo =-2mS * 1V * 5K = 10V, e o ganho é dez - assumindo que as tensões de alimentação e outros elementos de circuito estão configurados para permitir essa variação. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 101
  102. 102. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) JFETs: - Montagens Comuns Voltage Controlled Switch:-Comutador controlado por Voltagem Para o estado “on”, a voltagem é VGS = 0 e para o estado “off” |VGS| > |VP| (maior que VP e com o mesmo sinal). O sinal da voltagem depende do tipo de FET, negativo para o canal-n e positivo para canal-p.� Current Source: -Fonte de corrente A corrente de Drain (D) ID, é determinada por RS tal que VGS = IDRS.� Qualquer valor de corrente pode ser escolhido entre zero e IDSS…. Source Follower/Comun Source:- Seguidor ou de Fonte Comum (CS) Um circuito simples de seguidor de Fonte.� A versão melhorada, usa dois JFETs. �O JFET de baixo, forma uma fonte de corrente.� O resultado é um VGS mantido constante, eliminando os defeitos do circuito simples. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 102
  103. 103. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Funcionamento dos transistores JFET (canal N) JFETs: - Montagens Comuns Voltage Controlled Resistor :- Resistência controlada por Voltagem VGS deve ter valor entre zero e VGS,off. (VP) JFET Diode: - Diodo JFET A junção pn da Gate (G), pode ser usada como um diodo, ligando os terminais da Source (S) e da Drain (D).� Isto deve ser feito em casos que se requerem, muito baixas correntes de fuga. A corrente de fuga é muito baixa, porque a corrente de fuga inversa, é determinada pela área da Gate(G). Gates com áreas muito pequenas, são desenhadas nos JFETs porque isso diminui as capacidades Gate-Source e Gate-Drain. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 103
  104. 104. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET: Montagens VDD VDD CS RD CG R1 io D ii Rs + vs _ +Ci + RL S CSS RSS _ Amplificador Fonte Comum (CS) ii rd R D R L R Th Zo rd R D Ci RD G + RL vi R SS R2 VCC A vs Amplificador Porta Comum (CG) VDD VDD AI R1 D ii Rs vs _ AP G +Ci S _ io Co R2 vi RSS + RL Amplificador Dreno Comum (CD) ou “Seguidor de Fonte”) 05-02-2014 rd R D R L R SS 1 gm rd R D vo _ R1 C2 _ + gmR g m R 'L 1  g m R 'L R SS R L R Th Co + _ R 'L io + Rs vs D S -g m R ' L vo _ R2 vi A vi Zi Co G ' L CD vo _ R SS 1 gm  Zi   Zi   Zi  A vi  A vi  A vi      R s + Zi   R s + Zi   R s + Zi  Z  A vi  i   RL  A vi A I Z  A vi  i   RL  A vi A I Z  A vi  i   RL  A vi A I where R Th = R1 R 2 Onde Nota: O circuito de polarização é o mesmo para todos os amplificadores. Por : Luís Timóteo 104
  105. 105. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores JFETs: - Montagens Comuns Montagem Zin Zout Av Ai Ideal 0 ∞ ∞ Fonte Comum (CS) Alto Alto Alto Alto Fonte C/Resistência (SR) Alto Alto Médio Médio Porta Comum (CG) Baixo Baixo Alto Baixo  1 Seguidor de Fonte (SF)/ Dreno comum (CD) 05-02-2014 ∞ Alto Baixo Baixo  1 Alto Por : Luís Timóteo 105
  106. 106. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Estrutura real de um JFET (canal P) SiO2 S N+ G D N+ P+ Contactos metálicos N- P+ R Canal N IG 0 G (N) G Uso de um JFET de canal P -ID V1 + VGS - D V2 P S  Há que inverter os sentidos reais das tensões e correntes para operar nas mesmas zonas de trabalho. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 106
  107. 107. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal P Estrutura. Canal “P” A maior parte da estrutura é á base de material tipo P (Canal), entre duas incrustações embutidas de Drain (D) material tipo-n, formando duas junções p-n. Contactos Óhmicos Gate(G) n Canal p A corrente flui da Fonte (S) para o Dreno (D). Lacunas são injectadas na Fonte (S), e vão para o Dreno(D) através do Canal de material tipo-p. n Zona de Deplexão Source (S) 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 107
  108. 108. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de efeito de campo JFET Canal P Á medida que VGS aumenta positivamente, aumenta a Zona de Deplexão; D  ID diminui (ID < IDSS)  Eventualmente ID = 0A  Para níveis mais altos de VDS o JFET atinge mais cedo a zona de ruptura. ID aumenta sem controlo se VDS > VDSmax. ID (mA) I ID DSS ID G IG=0A n n VDS VGS=+VGG VDD 5 P VGS= +1 V VGS= +2 V S I S 1 -VP VGS (V) 05-02-2014 VGS= 0 V IDSS = 8 mA and VP = +5 V. +5 +4 +3 +2 +1 Por : Luís Timóteo 0 VP = -5 V V = +3 V GS VDS (V) -5 V = -V -10 GS P 108 15
  109. 109. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de Efeito de Campo de união Metal-Semicondutor MESFET MESFET significa Transistor de efeito de campo de metal Semicondutor (MEtal Semiconductor Field Effect Transistor . É muito semelhante a um JFET na construção e na terminologia. A diferença é que em vez da utilização de uma junção pn na Porta (Gate), é usado um metal-semicondutor de junção Schottky. Os MESFETs são geralmente construídos com tecnologias de semicondutores compostos sem necessidade de passivação de superfície de alta qualidade, tais como GaAs, InP, ou SiC, e é mais rápido, mas mais caro do que os JFETs ou MOSFETs baseados em silício. Os MESFETs operam a frequências até cerca de 45 GHz, e são normalmente usados ​para comunicações de frequências de micro-ondas e radar. Os primeiros MESFETs foram desenvolvidos em 1966 e um ano depois, a sua frequência extremamente elevada foi demonstrada no desempenho em amplificação de micro-ondas. A partir de uma perspectiva de desenho de circuitos digitais, é cada vez mais difícil de utilizar MESFETs como base para circuitos integrados digitais, á medida que a escala de integração sobe, em relação ao CMOS baseada em silício D S MESFET - Deplexão 05-02-2014 D S MESFET - Enriquecimento Por : Luís Timóteo 109
  110. 110. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de Efeito de Campo de união Metal-Semicondutor MESFET A possibilidade de ter um material semisolante com (ρ ~ 106 Ω-cm) em semicondutores compostos, facilita a construção do canal pouco profundo, (fácil de esvaziar, sendo assim mais rápido, devido a ser altamente sensível às variações de tensão). Vantagens: W A mobilidade não é degradada pelas superfícies ou interfaces, como num MOSFET. O dispositivo é muito rápido porque a espessura do canal pode ser controlado com muita precisão (minimizado) fazendo com que o canal tenha fácil deplexão com uma tensão de Porta(G) relativamente pequena. Mais barato, uma vez que apenas é necessário um material para a fina camada epitaxial na homojunção num substrato semisolante. O processamento é mais barato, porque exige implantação de iões padrão, e metalização simples. 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 110
  111. 111. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de Efeito de Campo de união Metal-Semicondutor MESFET Estrutura Região de Deplexão n+ Canal n a t n+ n GaAs – Substrato semi-isolante Região de Deplexão Canal EC Ef Metal n GaAs EV t 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 111
  112. 112. Semicondutores: Transistores JFETs Transistores Transistores de Efeito de Campo de união Metal-Semicondutor MESFET Contacto rectificador (Schottky) S G D N- N+ ID GaAs N+ Contactos óhmicos VGS > 0 VGS = 0 GaAs isolante VGS<0 VDS G Pequena polarização directa GS. 05-02-2014 G G Tensão GS nula. Polarização inversa GS, zona resistiva. Por : Luís Timóteo G Polarização inversa GS, zona fonte de corrente. 112
  113. 113. Semicondutores: Transistores JFETs 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 113
  114. 114. Semicondutores: Transistores JFETs 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 114
  115. 115. Semicondutores: Transistores JFETs Bibliografias http://wwwlasmea.univ-bpclermont.fr/Personnel/Francois.Berry/teaching/Microelectronics/composant.swf http://www.williamson-labs.com/480_xtor.htm http://www.powershow.com/view1/2291d5-MTc1M/Chapter_3__BJTs_Bipolar_Junction_Transistors_powerpoint_ppt_presentation http://www.learnabout-electronics.org/Downloads/Fig316dl_bjt_operation.swf http://www2.eng.cam.ac.uk/~dmh/ptialcd/ http://www.yteach.co.za/page.php/resources/view_all?id=potential_resistance_voltage_semiconductor_conductor_insulator_n_type_p_ty pe_p_n_junction_n_p_diode_t_page_3 http://www.infoescola.com/quimica/dopagem-eletronica/ http://www.prof2000.pt/users/lpa El transistor bipolar por - Javier Ribas Bueno -Escuela Universitaria de Ingenierías Técnicas de Mieres http://www.electronics-tutorials.ws/diode/diode_3.html http://content.tutorvista.com/physics_12/content/media/pn_junct_diode.swf http://hyperphysics.phy-astr.gsu.edu/hbase/electronic/photdet.html http://www.thorlabs.com/tutorials.cfm?tabID=31760 http://informatica.blogs.sapo.mz/671.html http://www.electronicstutorials.ws/transistor/tran_6.html http://www.learnabout-electronics.org/index.php http://www.electronics-tutorials.ws/amplifier/amp_3.html http://www.pucsp.br/~elo2eng/ Transístor de Efeito de Campo, Paulo Lopes, ISCTE 2003 05-02-2014 Por : Luís Timóteo 115

×