Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Ariane, miguel torga

11.187 Aufrufe

Veröffentlicht am

compreensão do sentido global do poema de Miguel Torga

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Ariane, miguel torga

  1. 1. “Ariane”, Miguel Torga TEXTO POÉTICO, Conto Contigo 7, p. 186
  2. 2. O 1.1 “Ariane é um navio.” ; “E chegou … a este rio”; “mastros…”; “era um navio”. O 1.2. “mastros”, ”velas”, “bandeira”, “proa”,, “rio”, “fundeou”, “âncora”, “veleiro”
  3. 3. O 2. O sujeito poético observa a chegada do navio através das grades de uma prisão: “dentro da claridade destas grades…”, “Sair desta prisão:”
  4. 4. O 3. O sujeito poético encontra-se privado de liberdade, logo não poderá ir ter com o navio que se “balança” à sua espera, ou seja, não poderá embarcar naquele navio.
  5. 5. O 4. A metáfora sugere os bens não materiais desejados pelo ser humano, como a liberdade, a evasão, o conhecimento, o contacto com outros seres e outras terras, o próprio amor.
  6. 6. O 5. Na última estrofe, o sujeito poético revela o desejo de se unir ao veleiro, “cair nos braços/ De Ariane”, recebendo o seu amor e a liberdade.
  7. 7. O 6. Tendo por base a informação, o título “Ariane” pode representar a única hipótese de salvação e de vitória do sujeito poético em direção à liberdade. O (continua no slide seguinte)
  8. 8. O (À semelhança de Teseu dentro do labirinto, o sujeito poético, dentro da prisão, sonha que o navio, metaforicamente Ariane, o ajudará a alcançar a liberdade. Esta liberdade é também conseguida através da própria poesia.)
  9. 9. O Escrita (Hipótese) O O poeta, enquanto está na prisão, observa um navio que fundeou no rio Tejo, num dia de frio. Dá a conhecer as embarcações que vão observar o sucedido, contrastando tal facto com a sua impossibilidade de se deslocar ao local.
  10. 10. O No final, revela o seu desejo de liberdade, de evasão e de sonho. Este desejo é reforçado pela data em que o poema foi escrito, o primeiro dia do ano, propício à formulação de desejos e de planos para o futuro.
  11. 11. O http://estudossobrecomunismo2.wordpress.co m/2006/09/04/miguel-torga-preso-no-aljube- em-1939/ O MIGUEL TORGA E O ALJUBE “Falta-lhe a liberdade. Só essa dor lhe dói. Mas só por ela há-de Não ser o ser que foi.” O Do poema CANÇÃO, escrito a 30 de Dezembro de 1939 na Cadeia do Aljube
  12. 12. “Um Poema por semana” O https://www.youtube.com/watch?feature=pl ayer_detailpage&v=v8FzqSqcmIM O ARIANE, Miguel Torga - Inês Nogueira O https://www.youtube.com/watch?feature=pl ayer_detailpage&v=NGDMCbAI0JM O ARIANE, Miguel Torga - Inês Veiga Macedo
  13. 13. Fuga à realidade, desenho de Agim Sulaj

×