Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×

Apresentação institucional 1 t17

Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Wird geladen in …3
×

Hier ansehen

1 von 36 Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Diashows für Sie (20)

Ähnlich wie Apresentação institucional 1 t17 (19)

Anzeige

Aktuellste (20)

Anzeige

Apresentação institucional 1 t17

  1. 1. Apresentação Institucional 1T17
  2. 2. 2/36Relações com Investidores | 1T17 |  Perfil e História  O Pine  História  Estratégia de Negócios  Cenário Competitivo  O Foco é Sempre o Cliente  Crédito Corporativo  Mesa para Clientes (FICC)  Pine Investimentos  Parceria Estratégica  Governança Corporativa  Estrutura Organizacional  Governança Corporativa  Responsabilidade Socioambiental  Cenário Econômico  Macroeconomia  Cenário de Crédito  Projeções  Destaques e Resultados Índice
  3. 3. Perfil e História
  4. 4. 4/36Relações com Investidores | 1T17 | O Pine Especializado em prover soluções financeiras para clientes corporate... Faturamento por Cliente Perfil do Cliente Perfil do Banco Large Corporate (> R$ 2.000 milhões) Corporate (R$ 500 - R$ 2.000 milhões) Empresas (R$ 50 - R$ 500 milhões) Varejo (PFs e pequenas empresas)  Balanços auditados por terceiros, governança corporativa, políticas de hedge bem definidas, perfil de menor risco  Focado em estabelecer relacionamentos de longo prazo  Resposta Ágil | Atendimento Especializado  Produtos Customizados | Diversidade de produtos  R$ 6.465 milhões de Carteira de Crédito  R$ 1.154 milhões em P.L.  Rating nacional A pela Fitch  Segmentado em 3 linhas de negócios  Crédito Corporativo: produtos de crédito e financiamento  Mesa para Clientes: produtos de administração de riscos e hedge  Pine Investimentos: Mercado de Capitais, Assessoria Financeira, Project & Structured Finance > R$ 2 bilhões 38% R$ 500 milhões a R$ 2 bilhões 26% Até R$ 500 milhões 36%
  5. 5. 5/36Relações com Investidores | 1T17 | 1997 Noberto Pinheiro vende sua participação no BMC e funda o Pine 1939 A família Pinheiro funda o Banco Central do Nordeste 1975 Noberto Pinheiro torna-se um dos controladores do Banco BMC Desvalori- zação do Real Nasdaq WTC Eleições Brasileiras (Lula) SubprimeCrise Russa Comunidade Europeia 2007 Descontinuidade do Crédito Consignado, com alteração da estratégia para o negócio Corporativo. Com isso, houve a criação da Mesa para Clientes, Pine Investimentos, além da abertura da Agência Cayman Outubro 2011 Aumento de Capital com participação do DEG Agosto 2012 Aumento de Capital com participação do DEG, Proparco, controlador e administradores História ...com vasto conhecimento do ciclo de crédito corporativo no Brasil. 2S2016 Estratégia de inflexão da carteira do banco Março, 2007 IPO Maio, 2016 19 anos 2005 Noberto Pinheiro torna-se o controlador do Pine 2015 Estratégia de desalavancagem da carteira do banco, mediante cenário político/econômico adverso Operação Lava-Jato 155 184 222 341 521 620 755 663 761 1.214 2.854 3.108 4.195 5.763 6.963 7.911 9.920 9.826 6.933 6.445 6.465 18 62 121 126 140 136 152 171 209 335 801 827 825 867 1.015 1.220 1.272 1.256 1.163 1.148 1.154 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Dez-01 Dez-02 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Dez-11 Dez-12 Dez-13 Dez-14 Dez-15 Dez-16 Mar-17 Carteira de Crédito Corporativo (R$ Milhões) Patrimônio Líquido (R$ Milhões)
  6. 6. Estratégia de Negócios
  7. 7. 7/36Relações com Investidores | 1T17 | MERCADO  Consolidação do setor bancário diminuiu a oferta de linhas de crédito e instrumentos financeiros para empresas  Processo de desalavancagem dos bancos estrangeiros PINE  Completa gama de serviços – Crédito, Hedging e Banco de Investimentos – com espaço para crescimento  ~ 15 clientes por officer  Vantagens competitivas:  Foco  Resposta ágil: Forte relacionamento com o cliente; Comitê de Crédito semanal garante retorno rápido à necessidade do cliente  Atendimento especializado  Soluções sob medida  Diversidade de produtos Grandes Bancos Múltiplos PMEs e Varejo Corporate e PMEs 100% Corporate 100% focado no atendimento completo a empresas, oferecendo produtos customizados Bancos Estrangeiros e de Investimento Cenário Competitivo O pine atende a um nicho de empresas com poucas opções de bancos. Varejo
  8. 8. 8/36Relações com Investidores | 1T17 | Além da matriz em São Paulo/SP, possuímos 6 agências espalhadas pelo Brasil, nos estados do Mato Grosso, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. A rede de originação se complementa com a agência das Ilhas Cayman, principalmente para O Foco é Sempre o Cliente Produtos que permitem atender individualmente às necessidades de cada cliente. as linhas de Trade Finance
  9. 9. 9/36Relações com Investidores | 1T17 |  Reuniões semanais – análise de ~ 25 propostas  Quórum obrigatório: 5 membros Membros do Comitê:  Presidente  Vice-Presidente de Negócios  Vice-Presidente de Administrativo  Vice-Presidente de Corporate Banking e Investment Banking  Superintendente de Crédito Membros do Comitê Superior:  Dois membros do Conselho Participantes:  Diretor da Mesa de Clientes  Equipe de Analistas de Crédito  Outros membros da área de Originação (Corporate Banking) Atuação Comitê de Crédito Processo de Aprovação de Crédito: Esteira Eletrônica Officer de Originação Originação do crédito Análise de crédito, visita a clientes, atualização de dados, interação com a equipe interna de análise Analista de Crédito Opinião sobre o volume da operação, garantias, estruturas etc. Superintendentes de Originação e Análise de Crédito Exposição das propostas ao comitê Diretores e Analistas de Crédito Processo de tomada de decisão centralizada e unânime COMITÊ DE CRÉDITO  Atendimento personalizado, muito próximo e ágil, graças ao baixo número de clientes por officer: cada um atende ~15 grupos econômicos  Equipe de originadores organizados regionalmente, o que garante informações de crédito extremamente atualizadas  Relacionamento de longo prazo com mais de 500 grupos econômicos  O Pine possui um time de aproximadamente 20 profissionais na área de análise de crédito, que garantem uma análise fundamentalista e baseada em inteligência setorial  Processos eficientes de empréstimo, garantias, documentação e controles, que resultam, historicamente, em baixos índice de inadimplência Crédito Corporativo Sólido processo de originação e aprovação de crédito Transações acima de R$ 15 MM COMITÊ SUPERIOR
  10. 10. 10/36Relações com Investidores | 1T17 | Mesa para Clientes (FICC) Sólido trackrecord. Segmentos de Mercado Vantagens Competitivas Transação na Mesa para Clientes  One Stop Shop: crédito e mitigação do risco  Toda a transação exige a aprovação prévia de crédito  Garantias superam o limite de derivativos aprovado  Agilidade | Foco no Cliente| Diversificação  Média de 30 dias para fechar uma transação de derivativos (média nacional dos grandes bancos é de 90 dias)  Moedas (80%): Dólar, Euro, Libra, Dólar Canadense, Dólar Australiano  Commodities (15%): Açúcar, Soja (Grãos, Farinha e Óleo), Milho, Algodão, Metais e Energia  Juros (5%): Pré-fixado, Flutuante, Inflação, Libor Trader precifica a transação, incluindo spread Tesouraria faz o hedge das transações Transação é firmada Tesouraria informa preço spot Contrato Global de Derivativos (ISDA Master Agreement) • Limites • Tipos de Derivativos • Garantias • Risco: 100% hedgeadas • Limites PINE Processo de Análise de Crédito FICC • Análise de Crédito • Garantias • Oportunidades de Cross-selling • Aprovação do Comitê de Crédito Clientes 1o 2o Gestão de Chamada de Margem Derivativos
  11. 11. 11/36Relações com Investidores | 1T17 | Pine Investimentos 4º lugar no ranking de valor de originação de emissão de CRI e o 5º lugar em número de operações de securitização Modelo de Atuação Operações Selecionadas Pine Investimentos Assessoria FinanceiraMercado de Capitais Project Finance Investidores  Family Offices  Pessoas Físicas  Empresas  Asset Managers  Instituições Financeiras  Fundos de Pensão  Investidores Estrangeiros  Hedge Funds  Renda Fixa (CRIs, CRAs)  Debêntures de Infraestrutura  Renda Variável  Securitização  Operações híbridas de capital  Projetos financeiros  Estruturação Dezembro, 2016 CCBI R$ 8.500.000 Coordenador Líder Dezembro, 2016 CRI R$ 50.000.000 Coordenador Líder Janeiro, 2017 NCE R$ 25.000.000 Coordenador Líder Janeiro, 2017 CCB Estruturada R$ 6.000.000 Coordenador Líder Janeiro, 2017 CCB Estruturada R$ 15.000.000 Coordenador Líder Março, 2017 CCBI R$ 15.000.000 Coordenador Líder Março, 2017 Nota Promissória R$ 35.000.000 Coordenador Março, 2017 CRI R$ 47.000.000 Coordenador Líder Março, 2017 CCB Estruturada R$ 90.000.000 Coordenador Líder
  12. 12. 12/36Relações com Investidores | 1T17 | Parceria Estratégicas DEG e PROPARCO  Fundada em 1962 na Alemanha, DEG é uma das maiores instituições da Europa que contribuem para o crescimento e desenvolvimento das empresas privadas no mercado emergente  Pertence ao KFW Bankengruppe, o maior banco público de desenvolvimento da Alemanha  Promove o desenvolvimento de empresas privadas nos mercados emergentes por meio do financiamento de longo prazo Sobre DEG Estrutura do Grupo Ativo Consolidado EUR 5,8 bilhões Dezembro, 2016 Sobre PROPARCO Estrutura do Grupo  Fundada em 1977, em Paris, iniciou suas atividades no Brasil em 2006  PROPARCO é a subsidiária da Agence Francaise de Dévelopement (AFD)  Focada no setor privado a fim de apoiar o crescimento sustentável dos mercados emergentes Ativos Consolidados EUR 5,4 bilhões Dezembro, 2016 57% Instituições Financeiras francesas Organizações Internacionais da França Empresas francesas Fundos de Investimento & Fundações 26% 13% 3% 1%
  13. 13. Governança Corporativa
  14. 14. 14/36Relações com Investidores | 1T17 | Estrutura Organizacional Cultura não-burocrática, empreendedora e meritocrática, com uma hierarquia horizontal. CEO Norberto Zaiet Jr. Corporate & IB Mauro Sanchez Finanças Welinton Gesteira Administrativo Ulisses Alcantarilla Negócios João Brito AUDITORIA INTERNA COMITÊ REMUNERAÇÃO COMITÊ AUDITORIA AUDITORIA EXTERNA PWC Noberto Pinheiro Rodrigo Pinheiro Igor Pinheiro Norberto Zaiet Gustavo Junqueira Mailson de Nóbrega Presidente Vice-Presidente Membro Membro Membro Independente Membro Independente Estruturação- DCM Investment Banking Corporate Banking Back-office de Ativos e Passivos Gestão de Garantias Adm. Ativos Especiais Middle Office Câmbio Serviços e Patrimônio Cadastro Sales & Trading Internacional Research Macro / Commodities/ Empresas Captação & Distribuição Marketing Relações com Investidores Produtos Estruturados ALM e FLOW Contabilidade e Planejamento Tributário Risco de Liquidez e Mercado Planejamento Estratégico e P&L Planejamento Comercial e Modelagem CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO COMITÊ RISCOS TI Eugenio Fabbri RH Camilla Suave Crédito Marcelo Camargo Jurídico & Compliance Jefferson Miceli
  15. 15. 15/36Relações com Investidores | 1T17 | Governança Corporativa O Pine adota as melhores práticas de Governança Corporativa...  Dois Membros Independentes no Conselho de Administração  Mailson Ferreira da Nóbrega: Ministro das Finanças do Brasil de 1988 a 1990  Gustavo Junqueira: ex Vice-Presidente da Pine Investimentos, Membro do Conselho de Administração na EZTEC, Assessor Financeiro da Arsenal Investimentos e Diretor Financeiro da Gradiente Eletrônica  Nível 2 de Governança Corporativa na BM&FBOVESPA  Comitê de Auditoria e Remuneração reportam diretamente ao Conselho de Administração  Tag along de 100% para todos tipos de ações, inclusive as sem direito de voto  Procedimentos de arbitragem para a resolução rápida de processos judiciais
  16. 16. 16/36Relações com Investidores | 1T17 | Investimento Social Reconhecimento Parceria Most Green Bank Reconhecido pelo International Finance Corporation (IFC), agência de programas privados do Banco Mundial, como o banco mais “verde” em decorrência de suas operações no âmbito do Global Trade Finance Program (GTFP) e voltadas para empréstimos a empresas focadas em energia renovável e mercado de etanol. Eficiência Energética Reconhecimento do Banco Mundial no Apoio ao Setor de Eficiência Energética. Crédito Responsável “Listas de exclusão” no financiamento, de projetos ou organizações que agridam o meio ambiente, que tenham práticas trabalhistas ilegais ou que envolvam produtos ou atividades considerados nocivos à sociedade. Sistema, financiado pelo BID e coordenado pela FGV, de monitoramento ambiental e relatórios internos de sustentabilidade para empréstimos corporativos. Protocolo Verde, acordo entre a FEBRABAN e o Ministério do Meio Ambiente em prol de um desenvolvimento que não comprometa as gerações futuras Exposições e patrocínios a expoentes da arte Brasileira, como Paulo von Poser e Miguel Rio Branco. Além de patrocínios e apoios a filmes e documentários, como Quebrando o Tabu (Fernando Henrique Cardoso sobre combate às drogas), O Brasil deu certo, e agora? (idealizado por Mailson da Nóbrega), Além da Estrada (Charly Braun) e outros. Relatório Anual de Sustentabilidade Sétimo ano consecutivo de divulgação do Relatório de Sustentabilidade no padrão GRI. O Relatório de 2015, com o seu alto nível de clareza, transparência e qualidade, foi reconhecido com a quarta colocação do Prêmio Abrasca Relatório Anual, considerando sua categoria de empresas com receita líquida até R$ 3 bilhões. Responsabilidade Socioambiental Manutenção dos negócios no curto, médio e longo prazo.
  17. 17. Cenário Econômico
  18. 18. 18/36Relações com Investidores | 1T17 | Macroeconomia PIB real SELIC Inflação Dívida Pública/PIB Dado o cenário econômico desafiador... 4,4 1,4 3,1 1,1 5,8 3,2 4,0 6,1 5,1 -0,1 7,5 3,9 1,9 3,0 0,1 -3,9-3,6 0,3 3,0 1,5 1,5 -6 -4 -2 0 2 4 6 8 10 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 2020 Projeção Crescimento do PIB real (%) Média móvel 4 anos 17,617,5 19,2 23,5 16,4 19,1 15,3 12,0 12,5 10,19,9 11,8 8,6 8,3 11,0 13,5 14,1 10,3 8,5 9,5 9,5 5 10 15 20 25 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 2020 Projeção Selic (% a.a., média anual) Média móvel 4 anos 67,3 76,1 71,5 68,067,0 55,5 56,756,0 59,2 51,8 51,3 53,8 51,7 57,2 66,5 69,5 74,1 74,9 77,0 79,0 50 60 70 80 90 2001 2003 2005 2007 2009 2011 2013 2015 2017 2019 Projeção Dívida bruta / PIB (%, final de período) 6,0 7,7 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6,4 10,7 6,3 3,8 4,2 4,3 4,3 3 5 7 9 11 13 15 2000 2002 2004 2006 2008 2010 2012 2014 2016 2018 2020 Projeção IPCA (% acum. 12 meses)
  19. 19. 19/36Relações com Investidores | 1T17 | 0 10 20 30 40 50 60 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Saldo do crédito total/PIB Cenário de Crédito Pessoa Física e Jurídica Saldo de Crédito/PIB Bancos Públicos, Privados Nacionais e Privados Estrangeiros Juros e Spread PJ ... o cenário de crédito é diretamente afetado... 48,7 -20 -10 0 10 20 30 40 50 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Crescimento do saldo de crédito (% a/a, nominal) Pessoa jurídica Pessoa física -9,8 3,3 -20 -10 0 10 20 30 40 50 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Crescimento do saldo de crédito (% a/a, nominal) Bancos públicos Privados nacionais Privados estrangeiros -3,7 3,8 -16,1 0 5 10 15 20 25 30 35 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Juros e Spread PJ - Recursos Livres (% a.a.) Aplicação Captação Spread 28,7 10,4 18,3
  20. 20. 20/36Relações com Investidores | 1T17 | Projeções ... porém, espera-se que esse cenário tenha uma leve melhora em 2017. Brasil: Principais Indicadores Econômicos - Banco Pine INDICADORES ECONOMICOS 2012 2013 2014 2015 2016 2017E 2018E Crescimento do PIB Real (%) 1,9% 3,0% 0,1% -3,9% -3,6% 0,3% 3,0% R$/US$ (final de período) 2,08 2,35 2,65 3,87 3,35 3,25 3,40 R$/US$ (média) 1,95 2,16 2,35 3,33 3,49 3,17 3,33 IPCA 5,8% 5,9% 6,4% 10,7% 6,3% 3,8% 4,2% IGP-M 7,8% 5,5% 3,5% 10,5% 7,2% 3,5% 5,0% Selic (fim de período) 7,25% 10,00% 11,75% 14,25% 13,75% 8,50% 8,50% Selic (média) 8,46% 8,44% 11,02% 13,58% 14,15% 10,27% 8,50% Saldo comercial (US$bn) 19,4 2,6 -3,9 19,7 47,7 55,0 35,0 Conta corrente (US$bn)¹ -78,4 -83,0 -103,6 -58,9 -23,5 -30,0 -45,0 Conta corrente (% do PIB)¹ -3,5% -3,8% -4,8% -3,3% -1,3% -1,5% -2,2% Investimento direto no país (US$bn)¹ 87 69 97 75 79 80,0 90,0 Superávit primário (% do PIB) 2,2% 1,7% -0,6% -1,9% -2,5% -2,1% -1,8% Dívida bruta/PIB 54,8% 53,3% 58,9% 66,4% 69,5% 74,1% 74,9% ¹ Houve mudança de metodologia recentemente Fonte: Banco Pine, Março 2017
  21. 21. Destaques e Resultados
  22. 22. 22/36Relações com Investidores | 1T17 |  Balanço líquido com caixa equivalente a R$ 1,1 bi, ou 26% dos depósitos a prazo.  Folga de capital, com um Índice de Basileia de 15,1%, sendo 14,7% no capital nível I.  Índice de cobertura de aproximadamente 6%, resultado do importante incremento em provisões nos últimos períodos.  Retração de 2,1% nas despesas de pessoal e administrativas no trimestre.  Continuidade na gestão de passivos, com destaque para a diversificação das fontes e maior pulverização dos depósitos. Destaques
  23. 23. 23/36Relações com Investidores | 1T17 | 7.409 6.859 Set-15 Dez-15 Captação Total -7,4% 7.691 6.933 Set-15 Dez-15 Carteira de Crédito 1 -9.9% 10 10 3T15 4T15 Lucro Líquido +0,0% 2,9% 3,2% 3T15 4T15 Margem Financeira 0,33 p.p. 3,5% 3,6% 3T15 4T15 ROAE 0,1 p.p 1.181 1.163 Set-15 Dez-15 Patrimônio Líquido -1,5% Destaques Financeiros 1 Inclui Cartas de Crédito a utilizar, Fianças, Títulos de Creditos a Receber e Títulos (debêntures, CRIs, eurobonds e cotas de fundos) R$ milhões 6.608 6.445 6.465 Mar-16 Dez-16 Mar-17 Carteira de Crédito1 + 0,3% -2,2% 6.270 5.692 5.697 Mar-16 Dez-16 Mar-17 + 0,1% -9,1% 1.174 1.148 1.154 Mar-16 Dez-16 Mar-17 + 0,5% -1,7% 8 (9) 1 1T16 4T16 1T17 -92,1% + 107,2% 2,0% 1,0% 3,4% 1T16 4T16 1T17 Margem Financeira + 1,4 p.p. + 2,4 p.p. 2.9% (3.1%) 0.2% 1T16 4T16 1T17 ROAE -2,7 p.p. + 3,3 p.p.
  24. 24. 24/36Relações com Investidores | 1T17 | Mix de Receitas Linhas de Negócio Diversificação de Produtos e Receitas Crédito 66,3% Mesa de Clientes 17,1% Pine Investimentos 8,0% Tesouraria 8,6% 1T17 Crédito 73,7% Mesa de Clientes 23,1% Pine Investimentos 3,2% Tesouraria 0,0% 1T16
  25. 25. 25/36Relações com Investidores | 1T17 | Margem Financeira e Índice de Eficiência Margem Financeira Despesas e Índice de Eficiência 20 22 21 16 18 18 81,6% 111,1% 61,2% -200,0% -150,0% -100,0% -50,0% 0,0% 50,0% 100,0% 150,0% 0 5 10 15 20 25 30 35 40 1T16 4T16 1T17 Despesas de pessoal Outras despesas administrativas Índice de Eficiência Recorrente (%) 2,0% 1,0% 3,4% 1T16 4T16 1T17 Margem Financeira + 1,4 p.p. + 2,4 p.p.
  26. 26. 26/36Relações com Investidores | 1T17 | 3.172 3.139 3.275 3.468 3.673 747 659 520 437 370 2.250 2.122 2.104 2.120 2.022 438 351 339 419 399 Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 Trade finance: 6,2% Fiança: 31,3% Repasses BNDES: 5,7% Capital de giro : 56,8% 6.271 6.238 6.445 6.608 6.465 1 Inclui cartas de crédito a utilizar. 2 Inclui debêntures, CRIs, cotas de fundo, eurobonds, carteira de crédito adquirida de instituições financeiras com coobrigação e pessoa física. R$ milhões Carteira de Crédito A carteira encerrou o período em R$ 6,5 bilhões... 1 2 -2,2% + 0,3%
  27. 27. 27/36Relações com Investidores | 1T17 | Contínua Gestão do Portfólio de Crédito Setores Rebalanceamento ...com relevante diversificação setorial,...  Crescimento pulverizado (diminuição do ticket médio e aumento do número de clientes).  A carteira dos 20 maiores clientes apresentou mudança na sua composição acima de 25% ao longo dos últimos doze meses.  A proporção dos 20 maiores clientes sobre a carteira total manteve-se ao redor de 30%, em linha com pares. Imobiliário 12% Açúcar e Etanol 12% Agricultura 11% Energia 11% Engenharia 9% Transportes e Logística 7% Telecomunicações 5% Comércio Exterior 4% Comércio Varejista 4% Serviços Especializados 3% Metalurgia 2% Materiais de Construção e Decoração 2% Mineração 2% Veículos e Peças 2% Processamento de Carne 2% Alimentos 1% Outros 10% 38%37%39%40%39% 7%7%7%5%5% 9%10%8%8%7% 11%12%12%12%12% 11%10%10%10%8% 12%13%13%12%15% 12%12%12%13%11% Mar-17Mar-16Mar-15Mar-14Mar-13 Imobiliário Açúcar e Etanol Agricultura Energia Engenharia Transportes e Logística Outros
  28. 28. 28/36Relações com Investidores | 1T17 | 10,5% 13,7% 15,5% 4,9% 5,9% 5,9% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% 16,0% 18,0% Mar-16 Dez-16 Mar-17 Carteira D-H Cobertura da Carteira Total 31 de março de 2016 Contratos em atraso: valor total dos contratos em atraso há mais de 90 dias / Carteira de Crédito excluindo Fianças e Cartas de Crédito a Utilizar. 1Carteira D-H: Carteira D-H / Carteira de Crédito Res. 2682 2Cobertura da Carteira Total: Provisão/Carteira de Crédito Res. 2682 Qualidade da Carteira de Crédito 86,3% dos créditos classificados entre AA-C. Qualidade da Carteira de Crédito – Res. 2682 Índice de Cobertura Non Performing Loans > 90 dias (Contrato Total) Garantias 1 2 AA-A 26,6% B 24,0% C 34,0%D-E 9,5% F-H 6,0% 0,7%0,6% 1,5%1,3% 0,7% 1,7% 1,2% 1,8% 2,1% Mar-17Dez-16Set-16Jun-16Mar-16Dez-15Set-15Jun-15Mar-15 Alienação Fiduciária de Produtos 32% Recebíveis 7% Alienação Fiduciária de Imóveis 56% Aplicações Financeiras 5%
  29. 29. 29/36Relações com Investidores | 1T17 | R$ milhões Captação Fontes de captação diversificadas... 52% 50% 29%31% Caixa sobre Depósitos53% 787 648 617 460 464 348 261 376 384 460 1.662 1.939 2.600 2.980 3.241 218 156 133 46 72 17 19 29 17 11 759 668 530 454 383 284 296 198 213 240 761 734 259 247 203244 216 206 204 86 838 718 698 448 386 352 270 262 239 150 6.270 5.925 5.908 5.692 5.697 Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 Trade Finance: 2,6% Multilaterais: 6,8% Mercado de Capitais Internacional: 1,5% Letra Financeira: 3,6% Mercado de Capitais Local: 4,2% Repasses: 6,7% Depósitos a Vista: 0,2% Depósitos a Prazo Interfinanceiros: 1,3% Depósitos a Prazo PF: 56,9% Depósitos a Prazo PJ: 8,1% Depósitos a Prazo de Institucionais: 8,1%
  30. 30. 30/36Relações com Investidores | 1T17 | Alavancagem: Carteira de crédito expandida / PL Carteira de crédito excluindo fianças e carta de crédito a utilizar / PL Índice de Crédito sobre Captação Total: Carteira de crédito excluindo fianças e carta de crédito a utilizar / Captação total Gestão de Ativos e Passivos ... apresentando prazos adequados em relação aos ativos. Alavancagem Asset and Liability Management (ALM) Crédito sobre Captação Total Depósitos totais sobre Captação Total R$ milhõesR$ bilhões 5,6x 5,4x 5,4x 5,6x 5,6x 3,7x 3,6x 3,6x 3,8x 3,8x - 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 Carteira Expandida Carteira sem Fiança 69% 70% 70% 76% 78% Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 48% 51% 64% 68% 75% 52% 49% 36% 32% 25% Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 Depósitos Totais Outros 5.6926.270 5.925 5.908 5.697 1,2 1,2 5,2 0,0 0,5 0,6 Obrigações por operações com compromisso de recompra (REPO) Financiamento através de títulos e valores mobiliários Outras Obrigações Financiamento por depósitos, títulos emitidos, empréstimos e repasses Depósitos à vista Patrimônio Líquido Ativos 0,1 0,5 4,0 3,2 0,4 0,6 Passivos 8,7 8,7 Cobertura de 130% Disponibilidades e Equivalentes Ativos vinculados a compromissos de recompra (REPO) Outros Ativos Carteira de Crédito Títulos e Valores Mobiliários Ativos Ilíquidos
  31. 31. 31/36Relações com Investidores | 1T17 | Basileia III Índice de Basileia de 15,1%, sendo 14,7% no capital Nível I. 14,7% 15,4% 15,3% 15,0% 14,7% 0,4% 0,5% 0,5% 0,4% 0,4% Mar-16 Jun-16 Set-16 Dez-16 Mar-17 Nível II Nível I Capital Regulatório Mínimo (10,5%) 15,1%15,4% 15,8%15,9% 15,1%
  32. 32. 32/36Relações com Investidores | 1T17 | Rating
  33. 33. 33/36Relações com Investidores | 1T17 | Balanço Patrimonial
  34. 34. 34/36Relações com Investidores | 1T17 | Demonstrativo de Resultado Gerencial (ex-efeito overhedge) R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Tri (%) 12M (%) Receitas da intermediação financeira 173 208 94 -16,7% 85,4% Operações de crédito 118 101 122 16,4% -3,0% Resultado de operações com títulos e valores mobiliários 75 76 77 -1,8% -2,6% Resultado com instrumentos financeiros derivativos 14 15 (72) -9,4% 119,1% Resultado de operações de câmbio (33) 15 (33) -317,1% 0,1% Despesas da intermediação financeira (145) (205) (87) 29,4% -66,1% Operações de captação no mercado (133) (163) (111) 17,9% -20,5% Operações de empréstimos e repasses 6 (32) 50 119,2% -87,9% Provisão para créditos de liquidação duvidosa (17) (11) (26) -58,4% 34,2% Resultado bruto da intermediação financeira 29 3 6 814,9% 347,3% Receitas (despesas) operacionais (22) (19) (24) -17,5% 6,6% Receitas de prestação de serviços 20 22 16 -4,8% 24,4% Despesas de pessoal (21) (22) (20) 5,3% -3,8% Outras despesas administrativas (18) (18) (16) 1,9% 15,8% Despesas tributárias (4) (4) (7) -6,2% -41,3% Outras receitas operacionais 37 8 10 345,6% 263,1% Outras despesas operacionais (36) (5) (8) -704,8% -362,4% Resultado operacional 6 (16) (17) 140,8% 137,0% Resultado não-operacional 0 4 9 -89,7% -95,2% Resultado antes da tributação sobre lucro e participações 7 (12) (9) 158,6% 178,9% Imposto de renda e contribuição social (0) 6 22 -101,1% -100,3% Participações no resultado (6) (4) (5) -72,4% -15,0% Lucro líquido 1 (9) 8 107,2% -92,1%
  35. 35. 35/36Relações com Investidores | 1T17 | Demonstrativo de Resultado Contábil R$ milhões 1T17 4T16 1T16 Tri (%) 12M (%) Receitas da intermediação financeira 182 211 132 -14,0% 37,7% Operações de crédito 118 101 122 16,4% -3,0% Resultado de operações com títulos e valores mobiliários 75 76 77 -1,8% -2,6% Resultado com instrumentos financeiros derivativos 22 18 (33) 20,2% -165,9% Resultado de operações de câmbio (33) 15 (33) -317,1% 0,1% Despesas da intermediação financeira (145) (205) (87) 29,4% -66,1% Operações de captação no mercado (133) (163) (111) 17,9% -20,5% Operações de empréstimos e repasses 6 (32) 50 119,2% -87,9% Provisão para créditos de liquidação duvidosa (17) (11) (26) -58,4% 34,2% Resultado bruto da intermediação financeira 37 6 45 485,0% -17,4% Receitas (despesas) operacionais (22) (19) (24) -17,5% 6,6% Receitas de prestação de serviços 20 22 16 -4,8% 24,4% Despesas de pessoal (21) (22) (20) 5,3% -3,8% Outras despesas administrativas (18) (18) (16) -1,9% -15,8% Despesas tributárias (4) (4) (7) 6,2% 41,3% Outras receitas operacionais 37 8 10 345,6% 263,1% Outras despesas operacionais (36) (5) (8) -704,8% -362,4% Resultado operacional 15 (13) 21 216,9% -29,7% Resultado não-operacional 0 4 9 -89,7% -95,2% Resultado antes da tributação sobre lucro e participações 15 (9) 30 278,0% -48,9% Imposto de renda e contribuição social (8) 3 (16) -375,8% -47,8% Participações no resultado (6) (4) (5) -72,4% 15,0% Lucro líquido 1 (9) 8 107,2% -92,1%
  36. 36. 36/36Relações com Investidores | 1T17 | As afirmações contidas neste documento relacionadas a perspectivas sobre os negócios, projeções sobre resultados operacionais e financeiros e aquelas relacionadas a perspectivas de crescimento do PINE são meramente projeções e, como tais, são baseadas exclusivamente nas expectativas da administração sobre o futuro dos negócios. Essas expectativas dependem, substancialmente, das condições de mercado, do desempenho da economia brasileira e do setor (mudanças políticas e econômicas, volatilidade nas taxas de juros e câmbio, mudanças tecnológicas, inflação, desintermediação financeira, pressões competitivas sobre produtos e preços e mudanças na legislação tributária) e, portanto, sujeitas a mudanças sem aviso prévio. As informações financeiras são apresentadas neste documento em milhões de Reais e, portanto, os valores totais apresentados nas tabelas podem apresentar diferenças de arredondamento em relação ao somatório dos valores individuas das respectivas linhas. Relações com Investidores Norberto Zaiet Junior CEO João Brito CFO Raquel Varela Bastos Diretora de RI, Captação Local e Comunicação Luiz Maximo Gerente de Relações com Investidores Kianne Paganini Analista de Relações com Investidores Fone: (55 11) 3372-5343 ri.pine.com ri@pine.com

×