Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Aula crime esquema

2.730 Aufrufe

Veröffentlicht am

lkhgjjhkjl

Veröffentlicht in: Business
  • Als Erste(r) kommentieren

Aula crime esquema

  1. 1. TEORIA DO CRIME CONCEITO DE CRIME FORM AL – crime é todo o fato humano proibido pela lei penal. MATERIAL - todo o fato humano lesivo de um interesse capaz de comprometer as condições de existência, de conservação e de desenvolvimento da sociedade. ANAL ÍTICO – crime é ação típica (tipicidade), antijurídica ou ilícita (ilicitude) e culpável (culpabilidade). Fato Típico Não há crime sem conduta humana.  Dolosa ou culposa;  Comissiva ou Omissiva;  Resultado;  Nexo de causalidade;  Tipicidade(formal e conglobante). Antijuridicidade Contrariedade ao direito. Quando o agente nãoatua em:  -Estado de necessidade;  - Legítima defesa;  -Estrito cumprimento de dever legal;  - Exercício regular de direito.  Quando não houver o consentimento do ofendido como causa supralegal de exclusão da ilicitude. Culpável Juízo de censura sobre o agente.  Imputabilidade;  - Potencial consciência sobre a ilicitude do fato;  - Exigibilidade de conduta diversa.
  2. 2. Fato Típico Teorias sobre a conduta: a) teoria causal-naturalista da ação: também chamada de mecanicista, a conduta é um movimento corporal causador de modificação no mundo exterior. Ação é a causa voluntária, ou não impeditiva,de um resultado no mundo exterior. Prescinde-se da finalidade pretendida, bastando que tenha sido voluntária para que seja considerada típica. O elemento subjetivo (dolo ou culpa) deve ser apreciado na culpabilidade, como elemento desta. b) teoria finalista da ação: segundo esta teoria, a ordem jurídica não tenciona proibir apenas processos causais, mas somente condutas orientadas finalistiicamente. A conduta humana é uma atividade final, e não um comportamento meramente causal; como a vontade está na ação e esta encontra- se no tipo, também o dolo e a culpa estão na tipicidade. Conduta é uma atividade livre e consciente dirigida à produção de um resultado. Foi a teoria adotada pelo CP a partir de 84. c) teoria social da ação: a ação é a conduta socialmente relevante, dominada ou dominável pela vontade humana. Como o Direito Penal só se preocupa com as condutas socialmente danosas e como socialmente relevante é o comportamento que atinge a relação do indivíduo com seu meio, se não houver relevância social, não haverá relevância jurídico-penal; a ação socialmente adequada, como a do médico que realiza uma incisão cirúrgica no paciente, está, ab initio, excluída do tipo porque se realiza dentro do espectro de normalidade da vida social. É uma ponte entre as duas outras teorias. O Direito não cria condutas, mas as rege, ou seja, proíbe-as, obriga-as ou as permite, sob cominação de sanção. Desta forma, não podem ser puníveis as atuações finalistas regidas como permitidas pelo . O Direito, mas apenas aquelas qualificadas como proibidas. Assim, haverá conduta punível quando o Direito proibir a sua realização (preceito de proibição) e o sujeito, finalisticamente, a realizar (ação) ou quando o Direito determinar a sua realização (preceito de comando) e o sujeito, finalisticamente, não a realizar.
  3. 3. CONDUTA DOLOSA E CULPOSA DOLOSA – ocorre quando o agente quer diretamente o resultado ou assume o risco de produzi-lo; CULPOSA – ocorre quando o agente dácausa ao resultado em virtude de sua imprudência, imperícia ou negligência. CRIMES COMISSIVOS- agente direciona sua conduta a uma finalidade ilícita. CRIMES OMISSIVOS- háuma abstenção de uma atividade que era imposta pela lei ao agente. CRIMES OMISSIVOS PRÓPRIOS – são objetivamente descritos no tipo com uma conduta negativa, de não fazer o que a lei determina, consistindo a omissão na transgressão da norma jurídica e não sendo necessário qualquer resultado naturalístico (são, portanto delitos formais). São delitos nos quais existe o chamado dever genérico de proteção. CRIMES OMISSIVOS IMPRÓPRIOS – somente as pessoas referidas no §2o do artigo 13, do CP, podem praticá-los, pois existe o chamado dever especial de proteção. Nesses crimes, o agente deve encontrar-se numa posição de garante ou garantidor, que pode ocorrer de trêsformas distintas: - deve ter a obrigação legal de cuidado, proteção ou vigilância; - de outra forma, assumiu a responsabilidade de impedir o resultado; - com o seu comportamento anterior, criou o risco da ocorrência do resultado. .
  4. 4. TEORIA DO CRIME CRIME = FATO TÍPICO + ANTIJURÍDICO + CULPÁVEL = TEORIA FINALISTA ▼ CONDUTA RESULTADO NEXO CAUSAL TIPICIDADE ▼ ▼ ▼ ▼
  5. 5. A conduta é a realização material da vontade humana, mediante a prática de um ou mais atos.. Ação é uma conduta humana significativa no mundo exterior, que é dominada ou ao menos dominável pela vontade. Ação em sentido estrito (fazer o que o ordenamento proíbe) e a omissão (não fazer o que a lei obriga). -Consciente e Voluntária -Dolo e culpa -Finalidade Teoria Finalista O caráter final da ação se baseia em que o homem, graças a seu saber causal, pode prever, dentro de certos limites, as consequências possíveis de sua atividade, conforme endereçado desses fins. No Crime culposo a finalidade do agente não é contraria ao direito. A reprovação recai sobre os meio que o agente elegeu para a consecução seus fins. * Há vontade: -atos impusivos (emoção e paixão) -atos automáticos -atos de inimputáves na coação moral -atos instintivos AUSÊNCIA DE CONDUTA Ocorre nos casos de: a) força irresistível (seja proveniente da natureza ou da ação de um terceiro); b)movimentos reflexos (só Conceito Teoria Naturalista- modificação da mundo exterior provocada pela conduta (lesão corporal, morte). Nem todos os crimes tem um resultado naturalístico. Teoria Normativo- o resultado é a lesão ou perigo de lesão ao bem jurídico. Todos os crimes possuem necessariamente um resultado normativo. Resultado ≠ Evento | | Conseqüência da conduta Qualquer fato Classificação dos crimes segundo a exigência (ou não) de resultado naturalístico para a consumação. Crimes de mera conduta: o legislador sequer prevê resultado naturalístico; Crimes formais (de consumação antecipada): o resultado naturalístico, más não exige que ocorra para que o crime venha a se consumas; Crimes materiais (de resultado naturalístico) ; para a ocorrência do crime exige o resultado naturalístico. Âmbito de incidência : somente nos crimes materiais. Elo objetivo existente entre a conduta e o resultado Teoria da equivalência dos antecedentes causais sine quo non | Relação de Causa e Efeito Art. 13. Considera-se causa a ação ou omissão sem qual o resultado não teria ocorrido Superveniência de causa independente Art. 13 & 1º Praticada a conduta, é possível que ocorra uma segunda causa que determine a ocorrência do resulto. Sendo independente da Enquadramento da conduta praticada à descrição contida no tipo.
  6. 6. TIPICIDADE Tipicidade é a adequação do fato da vida real ao modelo descrito abstratamente na lei penal; a)- formal: Tipicidade formal é a adequação perfeita da conduta do agente ao modelo abstrato (tipo) previsto na lei penal. Tipicidade formal é aquela em que o legislador fez previsão expressa para o delito que se amolda ao fato típico. b)- Tipicidade material = avaliação da significância do bem, no caso concreto, a ser protegido. Ex: uma pessoa ao fazer manobra em um carro, encosta na perna de uma outra, causando lhe lesão de apenas um arranhão na perna. Ao analisar o fato: a conduta foi culposa, houve um resultado; existe um nexo de causalidade entre a conduta e o resultado; c) Tipicidade conglobante surge quando comprovado, no caso concreto, que a conduta praticada pelo agente é considerada antinormativa, isto é, contrária à norma penal, e não imposta ou fomentada pela norma penal, isto é, não é possível que no ordenamento jurídico, possa existir uma norma que proíba aquilo que outra imponha ou fomente. Um ordenamento jurídico constitui um sistema, não podem coexistir normas incompatíveis, e ainda, bem como ofensiva a bens de relevo para o Direito Penal (tipicidade material). Ex. carrasco que recebe ordens de execução de uma sentença de morte. A proibição de matar do art. 121 CP não se dirige ao carrasco, porque a sua conduta não seria antinormativa, contrária à norma, mas de acordo, imposta pela norma.
  7. 7. Porém, ao verificar a tipicidade material, analisa-se que, embora a nossa integridade física seja importante a ponto de ser protegida pelo direito penal, nem toda e qualquer lesão estará abrangida pelo tipo penal. Em virtude do conceito de tipicidade material, excluem-se dos tipos penais aqueles fatos reconhecidos como de bagatela, nos quais tem aplicação o princípio da insignificância.
  8. 8. CAUSALIDADE NA OMISSÃO A omissão penalmente relevante para o Direito Penal é o não cumprimento de um dever jurídico de agir em circunstâncias tais que o omitente tinha a possibilidade física ou material de realizar a conduta devida. Na omissão não há propriamente uma relação de causalidade, mas de “não-impedimento”, porque a causalidade na omissão não é física, mas normativa. Deve, pois, preencher os seguintes pressupostos: a) dever jurídico que impõe uma obrigação de agir ou de evitar um resultado proibido; b) possibilidade física ou material de agir; c) evitabilidade do resultado. . Art. 13, §2o, CP – a posição de garantidor pode advir de: a) dever legal de cuidado, proteção ou vigilância; (ex; mãe que deixa de amamentar o filho); b) assunção, de outra forma, da responsabilidade de impedir o resultado; (ex: professor de natação que deixa o aluno afogar-se); c) criação de risco da ocorrência do resultado com o seu comportamento anterior. (quem causa um incêndio e podendo, se nega a prestar socorro) Nos exemplos citados, o agente não responde por omissão de socorro (crime omissivo próprio), mas por homicídio (na forma comissiva por omissão), porque existe o dever específico, oriundo da lei, do contrato ou de fato causado pelo agente, de evitar o resultado.

×