Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Die SlideShare-Präsentation wird heruntergeladen. ×
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige
Anzeige

Hier ansehen

1 von 15 Anzeige
Anzeige

Weitere Verwandte Inhalte

Diashows für Sie (20)

Andere mochten auch (17)

Anzeige

Ähnlich wie Filosofia Medieval (20)

Weitere von Juliana Corvino de Araújo (16)

Anzeige

Aktuellste (20)

Filosofia Medieval

  1. 1. Filosofia Patrística (séc. I a VII d.C.)
  2. 2. •Tem início com as Epístolas de São Paulo e de São João. •A patrística resultou do esforço feito pelos dois apóstolos intelectuais (Paulo e João) e pelos primeiros Padres da Igreja para conciliar a nova religião – o Cristianismo - com o pensamento filosófico dos gregos e romanos. •Liga-se, portanto, à tarefa religiosa da evangelização e à defesa da religião cristã contra os ataques teóricos e morais que recebia dos antigos.
  3. 3. •Divide-se em patrística grega (ligada à Igreja de Bizâncio) e patrística latina (ligada à Igreja de Roma). •Teve como principais pensadores Justino, Santo Agostinho e Tomás de Aquino. •Introduziu ideias desconhecidas para os filósofos greco-romanos, como por ex., a ideia de criação do mundo, de pecado original, de Deus como trindade una, de encarnação e morte de Deus, de juízo final ou de fim dos tempos e ressurreição dos mortos, etc. •Como o mal pode existir, já que tudo foi criado por Deus? -> homem interior: consciência da moral e do livre-arbítrio, pelo qual o homem se torna responsável pela existência do mal no mundo.
  4. 4. •Para impor as ideias cristãs, foram criados os dogmas. •Surge uma distinção entre verdades sobrenaturais (reveladas pela fé) e verdades naturais (reveladas pela razão) •Dessa forma, o grande tema de toda a Filosofia patrística é o da possibilidade de conciliar razão e fé.
  5. 5. •Surgem 03 correntes de pensamento: •1 – Os que julgavam a fé e a razão irreconciliáveis e a fé superior à razão. •“Creio porque absurdo” •2 – Os que julgavam fé e razão conciliáveis, mas subordinavam a razão à fé. •“Creio para compreender” •3 – Os que julgavam razão e fé irreconciliáveis, mas afirmavam que cada uma delas tem seu campo próprio de conhecimento e não devem misturar-se (a razão se refere à vida temporal dos homens no mundo; a fé, a tudo o que se refere à salvação da alma e à vida eterna futura).
  6. 6. Santo Agostinho
  7. 7. •O cristianismo trouxe a ideia de que cada ser humano é uma pessoa. •Direito Romano, que define a pessoa como um sujeito de direitos e de deveres. •Nossa pessoa é nossa consciência, que é nossa alma dotada de vontade, imaginação, memória e inteligência. •A vontade é livre e aprisionada no corpo. Pode mergulhar nossa alma na ilusão e no erro.
  8. 8. •Logo, estar no erro ou na verdade dependerá de nós mesmos e por isso precisamos saber se podemos ou não conhecer a verdade e em que condições tal conhecimento é possível. •Sua filosofia se constrói baseada no neoplatonismo e nos ensinamentos bíblicos de Pedro e Paulo.
  9. 9. •Platonismo: ideia de preparação da alma. •Mas de resto, Santo Agostinho a considerava insuficiente e por isso é preciso crer primeiro para depois entender. •“Se não credes, não entendereis” (Isaías 7,9) •Defende então que a verdadeira e legítima ciência é a teologia, que só as coisas divinas proporcionam sabedoria.
  10. 10. •Primeiramente Agostinho se pautou na ideia do maquineísmo, que se baseava na ideia da existência de dois princípios opostos no universo: o bem e o mal. •Posteriormente, ao ter contato com o cristianismo, concluiu que a crença numa fonte sobrenatural do mal não é necessária, pois os homens por si sós são capazes de qualquer perversidade. •Por isso temos o livre arbítrio.
  11. 11. A Verdade Interior – Teoria da Iluminação •Primeiro filósofo a construir a ideia de interioridade, um prenúncio da teoria da subjetividade fundamentada pela filosofia moderna. •Como a mente humana é falível, mutável e imperfeita, como poderá entender a verdade que é infalível, eterna e perfeita? •Busca explicar o significado de ensinar e aprender (De Magistro) e o papel da linguagem, grande tratado sobre pedagogia e linguística. •Reflexão sobre o signo = não são as palavras que compreendemos, mas sim a verdade que elas nos transmite. •Se a verdade não está na palavra, está aonde? Na alma.
  12. 12. •A verdade interior é o próprio Cristo que ilumina a alma humana para nos dar a compreensão. •A alma humana possui uma centelha divina, por ser à imagem e semelhança de Deus, que lhe permite compreender a verdade. •“Não aprendemos pelas palavras que repercutem exteriormente, mas pela verdade que ensina interiormente. (...) Cristo é a verdade que ensina interiormente.” •Logo, a Teoria do Conhecimento proposta por Agostinho estabelece uma relação entre interior-exterior, colocando na interioridade humana a morada da Verdade. •“In interiore Homine habitat veritas”
  13. 13. História da Criação do Juízo Final – um processo que faz sentido •Antes de Agostinho, a história era concebida como uma sucessão de fatos que se repetiam. •No seu livro “A cidade de Deus”, faz uma interpretação da história à luz das Sagradas Escrituras. •Processo de ruptura e conciliação com Deus –> Adão – Juízo Final – Redenção. •Ou seja, a história é um processo com início, meio e fim, possuindo sentido nos acontecimentos que são parte essencial do desenvolvimento compreensível e interpretável a partir da revelação.
  14. 14. •Apesar do teor religioso, a ideia de que a história possui um processo com sentido será de grande importância para toda a reflexão sobre o que é a história nos séc. seguintes. •Ainda, a Teoria da Iluminação influenciou a Igreja a adotar uma postura de converter os bárbaros e não mais combatê-los.

×