Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Paisagismo Meio Ambiente

A imprtância do trabalho paisagístico dentro dos ambientes urbanos, residenciais ou não.
Conhecer as plantas nativas e exóticas pode ser o grande diferencial no trabalho do paisagismo urbano.
Apresentação eita pelos alunos do Curso de Paisagismo na Semana do Meio Ambiente, CETMAPT-MG.

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Paisagismo Meio Ambiente

  1. 1. C O N C E I T O: Os dicionários definem “Paisagista” como aquele que “pinta ou representa” a paisagem. Dentro deste conceito genérico, Vincent Van Gogh, que captou em sua tela os belos campos de trigo, é um paisagista. No entanto, o conceito de paisagismo está na verdade relacionado com o jardinismo que é a “arte aliada a conceitos e regras experimentais ou científicas, amenizados por considerações estéticas, e, cujo objetivo é o projeto para construções dentro da paisagem, urbana ou não. Apesar da aparente simplicidade, o Paisagismo só atingirá sua expressão máxima se levar em conta diversas ciências, ou técnicas, a ele relacionadas, tais como: Matemática, psicologia, botânica, estudo de solos(edafologia), geografia, história, topografia, engenharia, arquitetura, urbanismo e agronomia entre outras. Sendo uma associação entre técnica e arte, o uso adequado de tais conhecimentos deve-se ao desenvolvimento da sensibilidade, fruto de constante e interminável observação da natureza e das soluções aplicadas.
  2. 2. A IMPORTÂNCIA DO PAISAGISMO: A evolução da arte do paisagismo está diretamente relacionada com o desenvolvimento das civilizações e da relação do homem com a natureza (Meio Ambiente/Ecologia). Desde os primeiros agricultores o paisagismo tem evoluído e espelhado de forma clara e figurativa a cultura, política e a história das civilizações. Hoje paisagismo assume um caráter ambientalista de grande importância, face aos efeitos nocivos do manejo irresponsável dos recursos naturais, da urbanização não planejada e a conseqüente importância da ecologia (diálogo ou relação do homem com o ambiente onde vive). Em todo o mundo a proporção dos espaços verdes tem crescido de maneira sem precedentes. A introdução da noção de meio ambiente e a influência da ecologia transformaram a “Arte paisagística”em um de seus instrumentos de gestão.
  3. 3. A COMPOSIÇÃO DA PAISAGEM: Um jardim é a representação da NATUREZA e os elementos que a compõem estão à ela relacionados. Seguindo regras de composição decorativa, o paisagista, ao definir as espécies vegetais que comporão a paisagem, tira partido, também, das formas, texturas e cores das copas, troncos e folhagens e flores. O emprego correto das cores através dos diferentes matizes de verde, do uso das cores neutras, utilizadas como pano de fundo ou separando cores vibrantes e das chamadas cores aromáticas, que tanto encantam aqueles que visitam jardins famosos, é um recurso bastante refinado e matéria de profunda pesquisa. Um bom projeto paisagístico inclui, ainda, elementos vivos, outros construídos pelo homem, elementos visuais, fixos, móveis e mutáveis. Dependendo da predominância dos elementos a paisagem poderá ser: Paisagem natural Paisagem urbana ou paisagem cultural.
  4. 4. No Brasil, os jardins obedeciam moldes dos jardins medievais da Península ibérica, as casas coloniais possuíam pátios internos, pomares e hortas. Com a vinda da família Real, o Brasil recebeu a influência da cultura erudita européia. A Princesa Leopoldina, vinda da Áustria, trouxe o botânico alemão Karl von Martius (que publicou “Flora Brasiliensis”) e os naturalistas Langersdorff e Sellow. Foi planejado e construído o primeiro Jardim Público brasileiro, na cidade do Rio de Janeiro (Passeio Público). No século XX, Roberto Burle Marx, pintor, escultor e ceramista, utilizou técnicas que revolucionaram o paisagismo. Com uma proposta de vanguarda, Burle Marx sintetizou tudo o que já havia sido feito anteriormente, tirando partido da exuberância de nossa flora, compondo cores, texturas e volumes, de maneira a se tirar quase imperceptível o limite entre o paisagismo criado pelo homem e o criado pela natureza.
  5. 5. “No Japão, existe a crença de que uma casa construída à beira de uma cascata é uma garantia de longevidade...” Ecológico é tudo aquilo relativo à Ecologia; Ecologia é uma área da biologia que analisa/estuda a relação entre os organismos e o ambiente onde vivem; ou ainda, uma relação estabelecida natural ou artificialmente com a finalidade de manter o equilíbrio dentro dos ecossistemas. Existem duas posturas básicas para comportamentos “ecologicamente corretos”: A primeira, e mais comum até nossos dias é a postura de restauração, onde o uso de materiais reciclados e aplicação de sistemas recicláveis é a maior preocupação; A segunda, a postura preventiva e conservadora, é aquela onde a presença e ambientação do elemento “exótico”” crie um mínimo de interferência no ecossistema existente no local.
  6. 6. “A verdadeira arquitetura é poesia; um edifício é o maior dos poemas quando ele alivia as pressões do cotidiano, dando mais valor e mais sentido à vida”, dizia Frank Lloyd Wright. Grande arquiteto americano, que teve em sua carreira posturas ecologicamente corretas. Sua obra mais famosa: Falling Water ( a casa sobre a cascata), foi feita com telhados e terraços sobrepostos, que avançam horizontalmente em direção à floresta. Com lajes de concreto armado, audaciosamente suspensas sobre uma cascata, o que faz da casa uma proeza da arquitetura. A implantação da obra não derrubou nem uma árvore, e não mobilizou nem uma alteração na natureza em torno!
  7. 7. O jardim e as idéias de origem e prazer...
  8. 8. A Antiguidade clássica...
  9. 9. A Idade Média...
  10. 10. A cultura moura e suas influências na cultura latina...
  11. 11. O Renascimento...
  12. 12. Os Reinados nos séculos XVIII e XIX...
  13. 13. A arte da Topiaria...
  14. 14. O limite entre o Natural e o Artificial...
  15. 15. Os grandes Bosques...
  16. 16. A burguesia do Sec XIX
  17. 17. A simbologia Oriental...

×