Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Revolução liberal 1820

16.248 Aufrufe

Veröffentlicht am

Veröffentlicht in: Bildung
  • Als Erste(r) kommentieren

Revolução liberal 1820

  1. 1. A Revolução Liberal de 1820Rita Santos // nº22 //11ºJ
  2. 2. No início do século XIX, vigoravaem Portugal um regime Introduçãotipicamente absolutista, sob aadministração do príncipe regenteD.João, que substituía D.Maria I,sua mãe, dado o seu estado deloucura.Para além disso, o paísencontrava-se desprovido dosideais iluministas, que há muito setinham espalhado pela Europa.O Absolutismo estava para durar,sendo que a economia eraessencialmente agrícola, a vidaquotidiana era esmagadoramenterural e muito pobre, sentindo-se afalta duma “opinião iluminada” quepusesse em causa a legitimidadedo absolutismo em nome dosprincípios da soberania nacional eda igualdade cívica.
  3. 3. IntroduçãoTodavia, destacavam-se da sociedade umaburguesia comercial (endinheirada) queansiava pela mudança e um restrito grupo deintelectuais que propagavam os ideais daLiberdade, da Igualdade e da Fraternidadeque eram provenientes da França. Estesfrequentavam cafés, botequins e lojasmaçónicas.Assim sendo, as aspirações de mudançadestes “iluminados” viriam a serimpulsionadas pelas Invasões Francesas, quepor sinal tiveram um grande impacto emPortugal.
  4. 4. • As Invasões FrancesasDecidido a pôr fim ao poderio daInglaterra, Napoleão Bonaparte decretouo Bloqueio Continental, em 1806, paraque nenhuma nação europeia mantivessequalquer tipo de contacto comercial comas Ilhas Britânicas.Deste modo, Portugal estava então comgraves problemas: ou se mantinha fiel àsua antiga e leal aliada Inglaterra; ouaceitava o bloqueio, pondo em causa aliberdade do país.
  5. 5. • Atendendo ao Documento 2, anteriormente visto, concluí que mesmo querendo conservar a neutralidade, ainda que hesitando, Portugal manteve-se fiel à sua velha aliada e acabou por não se subordinar aos ditames do Bloqueio. Deu-se então a fuga do príncipe- regente D.João juntamente com a família real e a Corte para as colónias do Brasil. Fuga esta que permitiu a manutenção da independência do país.
  6. 6. Como consequência deste decisão,Portugal foi alvo de três invasõesnapoleónicas, de 1807 a 1811,comandadas, sucessivamente, pelogeneral Junot, pelo marechal Soult e pelomarechal Massena.
  7. 7. Estas invasões foram desastrosas e resultaram nadevastação e destruição, dado que a Inglaterra exerceuum enorme domínio político e económico sobre Portugal.Estes conflitos arruinaram importantes setores, taiscomo o agrícola, industrial e comercial, causaramimensas perdas humanas e o património nacional sofreperdas em consequência do saque de mosteiros, igrejase palácios.O país ficou na miséria durante estes quatro longosanos!
  8. 8. Portugal encontrou-seassim sob o comandoInglês, de 1808 a 1821.Coube ao marechalBeresford a reestruturaçãodo exército e organizar adefesa do reino contra osFranceses. Porém, omesmo ocupou funçõesque foram para além daesfera militar, exercendoum controlo da economia,reativando a Inquisição eenchendo as prisões desuspeitos de atos radicaise revolucionários.
  9. 9. Consequências do domínio britânico Despesas ultrapassavam as receitas A balança comercial A agricultura e o comércio apresentava valores apresentavam sinais de uma deficitários crise estrutural  Com a abertura dos portos do Brasil em 1808 ao comércio internacional, dando-se a perda do exclusivo colonial;  E com o tratado do comércio em 1810 com a Grã-Bertanha, que veio reforçar o Tratado de Methuen, visto que a liberdade de comércio e navegação favoreceu a entrada de mercadorias britânicas nos portos portugueses
  10. 10. Esta atitude repressiva e a deplorávelsituação económica e financeira, gerouum clima de repulsa contra osingleses, por parte da burguesiaportuguesa, visto que esta camadasocial viu a sua atividade mercantildiminuir a larga escala.
  11. 11. • A rebelião em marchaFoi no Porto, em 1817, que nasceu umaassociação maçónica denominada por Sinédrio.Tinham como objetivo intervir no país quando ocontexto fosse favorável…
  12. 12. • Revolução LiberalA tão desejada revolução, ocorreu no Porto, a 24de Agosto de 1820.Esta revolução contou com o apoio de todas as camadas sociais e foi essencialmente um pronunciamento militar.
  13. 13. Entre as suas reivindicações, a mesmaexigiu convocar as cortes para elaboraruma constituição para o país,defendendo a autoridade régia e os direitosdos portugueses.Pretendia-se o imediato Pretendia-se também a retorno da família real restauração dajuntamente com a corte exclusividade do para Portugal comércio
  14. 14. • Constituição de 1822Coube às Cortes Gerais Extraordináriase Constituintes da Nação Portuguesa,reunidas desde Janeiro de 1821, aelaboração do mais antigo textoconstitucional português, assinadopelos deputados em 23 de Setembrode 1822 e jurado pelo rei D.João VI, a1 de Outubro deste mesmo ano.
  15. 15. A Constituição de 1822 é um longodocumento de 240 artigos e:• Reconhece os direitos e deveres do indivíduo, garantindo a liberdade, a segurança, a propriedade e a igualdade perante a lei;• Afirma a soberania da Nação, cabendo aos varões maiores de 25 anos, quer soubessem ler e escrever, a eleição direta dos deputados;• Aceita a independdência dos poderes legislativo, executivo e judicial;
  16. 16. • Não reconhece qualquer prerrogativa à nobreza e ao clero;• Submete o poder real à supremacia das Cortes Legislativas.
  17. 17. • ConclusãoContudo, a Constituição de 1822 foidemasiado progressista para o seutempo.E como tal, provocou reações por partedos absolutistas, tais como a Vilafrancadae a Abrilada, o que levou D.Pedro aoutorgar a Carta Constitucional de 1826,na tentativa de evitar mais confrontosentre liberais e absolutistas.
  18. 18. Apesar de jurar a Carta, D.Miguel não acumpre e iniciasse então uma Guerra Civil,liderada por D.Miguel (por parte dosabsolutistas) e por D.Pedro (por parte dosliberalistas). O liberalismo é finalmente implantadocom o desfecho da Guerra Civil, na qual D.Miguel sai derrotado.
  19. 19. • Bibliografia• Livro História A, Célia Pinto do Couto e MariaAntónia Monterroso Rosas, Porto Editora.• http://www.infopedia.pt/

×