Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.
Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
Indicações Comprometimento dos tecidos de sustentação; Comprometimento da estrutura dental;
Comprometimento dos tecidos desustentação Lesão de furca. Reabsoção óssea severa. Mobilidade dental.
Comprometimento da estruturadental Fratura intratável. Comprometimento por cárie. Incluso e supranumerário em região de...
Indicações atípicas Quando a única possibilidade de instalação dos implantes  for onde se têm dentes em boa situação. Qu...
Contra-indicações gerais Patologias cardíacas e P.A. alterada; Diabéticos não compensados; Deficiência de Fatores de co...
Contra-indicações locais Inflamações e edemas (Dificuldade com a anestesia); Infecções locais; Trismo;
 Tempo de sangria: 1,5 a 3 minutos. Tempo de coagulação: 3,5 a 5 minutos. P.A. alterada pode levar a um aumento no temp...
Manobras cirúrgicas  fundamentais
Manobras fundamentais Diérese; Exérese; Síntese ; Hemostasia;
Diérese Incisão: Corte do tecido. Divulsão: Separação sem corte
Requisitos básicos de uma incisão Traço único em 45° (Distal para mesial –    Apical   para cervical). Apoio  em tecido ...
Requisitos básicos de uma incisão Amplitude,   possibilitando visibilidade ao campo operatório e menor trauma tecidual no...
Requisitos básicos de uma incisão Base ampla    Irrigação do retalho Base do retalho (X)  deve ser o maior que a  altur...
Requisitos básicos de uma incisão Maximizar o suprimento sanguíneo De onde vem e por onde vem o aporte sanguíneo
Requisitos básicos de uma incisãoAs margens doretalho, devemrepousar sobretecido ósseo sadio,no momento dasutura
Tipos de incisão Retilíneas;
Tipos de incisão Envelope;
Tipos de incisãoEm arco:   Concavidade para   apical - Partsch   Concavidade para   cervical - Pichler
Tipos de incisão Trapezoidais:   Wasmund – Gengiva    inserida e livre.
Tipos de incisão Trapezoidais:   Neumann      – Gengiva    inserida, livre e papila    dental com 1 relaxante.   Neuman...
Divulsão
Afastamento Os afastadores devem sempre estar apoiados em osso. O retalho não deve estar tencionado e/ou isquêmico. Qua...
Exérese Osteotomia (Desgaste ósseo). Ostectomia (Remoção de fragmento ósseo). Curetagem. Avulsão (via alveolar e via n...
Síntese Sutura; Tamponamento; Drenagem;
Reparo tecidual do alvéolo Reparo ósseo alveolar   Conjunto de reações teciduais desencadeadas no interior    do alvéolo...
Fases do processo de reparo Proliferação Celular Desenvolvimento do Tecido Conjuntivo; Maturação do Tecido Conjuntivo;...
Fase de desenvolvimento do tecidoconjuntivo Grande quantidade de fibroblastos e capilares neoformados; Síntese de fibras...
Fase de maturação do tecidoconjuntivo Caracterizada pelo aumento de fibras colágenas e diminuição do número de células e ...
Fase de diferenciação óssea oumineralização Deposição de matriz osteóide por osteoblastos nas proximidades das paredes al...
Fase de diferenciação óssea oumineralização Por volta do 7º dia inicia-se a formação óssea Por volta do 40º dia cerca de...
Fase de diferenciação óssea oumineralização
Reparo tecidual do alvéolo
Reparo tecidual do alvéolo
Cicatrização das feridas O cirurgião pode criar condições que favoreçam ou atrapalhem o processo natural de reparação das...
Fatores prejudiciais Três fatores principais podem ser prejudiciais no processo de cicatrização:   Corpos estranhos;   ...
Corpo estranho Pode desencadear uma reação inflamatória, prejudicando a reparação tecidual. Qualquer coisa que não faça ...
Tecido necrótico Serve como barreira para o crescimento das células reparadoras. O estágio inflamatório é prolongado. N...
Isquemia Risco de infecção;    Diminuição do aporte sanguíneo ideal. Risco de necrose tecidual;    Suturas muito apert...
Tipos de cicatrização Cicatrização por primeira intenção. Cicatrização por segunda intenção.
Cicatrização por 1ª intenção Quando há coaptação dos bordos da ferida.   Ocorre mais rapidamente.   Menor quantidade de...
Cicatrização por 2ª intenção Quando não há coaptação dos bordos da ferida.   Ocorre mais lentamente.   Maior quantidade...
Instrumentos utilizados emexodontia Instrumentos de Exérese:   Elevadores;   Fórceps;
ElevadoresAlavanca é o movimento feito para a remoção do elemento. Funções:   Luxação, rompendo as fibras do ligamento ...
Elevadores Composto de três partes: Cabo: Porção para apreensão do  instrumento. Haste:    Transmite a força  realizada...
Tipos de elevadores Apical reto (ponta ativa em formato de cunha). Seldin Reta. Seldin angulados. Potts (angulada com ...
Elevador apical reto
Jogo de elevadores Seldin
Elevador Potts
Fórceps Deve ter o cabo estriado e boa apreensão. O fórceps a a ser utilizado dependerá de seu formato e da anatomia do ...
Partes de um Fórceps Cabo: Deve ser estriado para não  escorregar e ter boa apreensão.  Onde a força é realizada. Articu...
Fórceps Maxilares
Fórceps nº 150 Para pré-molares, Caninos e incisivos maxilares.
Fórceps nº 18R e 18L Para Molares maxilares.
Fórceps nº 65 Para raízes residuais  ou raízes seccionadas  cirurgicamente. Pode ser utilizado em  qualquer região.
Fórceps Mandibulares
Fórceps nº 151 Incisivos,  Caninos e  pré-molares  mandibulares
Fórceps nº 17 Molares mandibulares
Fórceps nº 16 Molares inferiores com  comprometimento de  furca periodontal.
Fórceps nº 65 Para raízes residuais  ou raízes seccionadas  cirurgicamente. Pode ser utilizado em  qualquer região.
Princípios mecânicos Alavanca: Pequena força transforma-se em grande movimento. Realizado com o uso de elevadores. Cunha...
Principais movimentos do Fórceps Pressão apical: Rompe as fibras da região apical do ligamento periodontal. Pressão vest...
Exodontia simples
Avaliação clínica Acesso ao dente (Abertura bucal). Condições periodontais. Condições da coroa clínica.
Exame radiográfico Proximidade com estruturas nobres. Condição óssea adjacente. Configuração das raízes:   Presença de...
Etapas de uma exodontia simples Sindesmotomia: Liberação do tecido gengival. Luxação lateral: Com elevadores apoiado sem...
Cuidados trans-operatórios Curetagem (se necessário). Limagem (remoção de espículas ósseas). Manobra de Chompret:      ...
Papel da mão oposta Afastar bochechas, lábios e língua: Melhor visualização do  capo operatório. Suporte e estabilização...
Papel do assistente Mesmo papel da mão oposta do operador. Sucção de fluídos e soluções irrigatórias.
Técnicas auxiliares a     exodontia
 Com a idade os ossos vão ficando cada vez mais com maior conteúdo mineral. É mais fácil fraturar uma raiz, durante a ex...
Odontosecção Visa diminuir a resistência na remoção do dente. Separar as raízes. Evitar fratura radicular e das tábuas ó...
“Divida o dente,  preserve o   paciente”
Exodontia via não-alveolar Fraturas radiculares; Cárie radicular acentuada; Hipercementose;
Exodontia via não-alveolar Para a preservação do osso, visando uma futura instalação de implantes, tenta-se abrir uma jan...
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Nächste SlideShare
Wird geladen in …5
×

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013

  • Loggen Sie sich ein, um Kommentare anzuzeigen.

Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013

  1. 1. Prof. Ms. Guilherme T. C. Terra
  2. 2. Indicações Comprometimento dos tecidos de sustentação; Comprometimento da estrutura dental;
  3. 3. Comprometimento dos tecidos desustentação Lesão de furca. Reabsoção óssea severa. Mobilidade dental.
  4. 4. Comprometimento da estruturadental Fratura intratável. Comprometimento por cárie. Incluso e supranumerário em região de interesse de instalação de implantes. Decíduos.
  5. 5. Indicações atípicas Quando a única possibilidade de instalação dos implantes for onde se têm dentes em boa situação. Quando o elemento está atrapalhando a confecção da prótese ideal ou planejada. Segundos e Terceiros molares que não terão oclusão na futura prótese; Indicações ortodônticas.
  6. 6. Contra-indicações gerais Patologias cardíacas e P.A. alterada; Diabéticos não compensados; Deficiência de Fatores de coagulação; Infecções sistêmicas; Gestantes (Principalmente 1º e 3º Trimestre); Lactante; Período menstrual (Risco de anemia);
  7. 7. Contra-indicações locais Inflamações e edemas (Dificuldade com a anestesia); Infecções locais; Trismo;
  8. 8.  Tempo de sangria: 1,5 a 3 minutos. Tempo de coagulação: 3,5 a 5 minutos. P.A. alterada pode levar a um aumento no tempo de sangria e no volume de sangria.
  9. 9. Manobras cirúrgicas fundamentais
  10. 10. Manobras fundamentais Diérese; Exérese; Síntese ; Hemostasia;
  11. 11. Diérese Incisão: Corte do tecido. Divulsão: Separação sem corte
  12. 12. Requisitos básicos de uma incisão Traço único em 45° (Distal para mesial – Apical para cervical). Apoio em tecido ósseo sadio.
  13. 13. Requisitos básicos de uma incisão Amplitude, possibilitando visibilidade ao campo operatório e menor trauma tecidual no afastamento.
  14. 14. Requisitos básicos de uma incisão Base ampla  Irrigação do retalho Base do retalho (X) deve ser o maior que a altura do retalho (Y) Idealmente X=2Y
  15. 15. Requisitos básicos de uma incisão Maximizar o suprimento sanguíneo De onde vem e por onde vem o aporte sanguíneo
  16. 16. Requisitos básicos de uma incisãoAs margens doretalho, devemrepousar sobretecido ósseo sadio,no momento dasutura
  17. 17. Tipos de incisão Retilíneas;
  18. 18. Tipos de incisão Envelope;
  19. 19. Tipos de incisãoEm arco:  Concavidade para apical - Partsch  Concavidade para cervical - Pichler
  20. 20. Tipos de incisão Trapezoidais:  Wasmund – Gengiva inserida e livre.
  21. 21. Tipos de incisão Trapezoidais:  Neumann – Gengiva inserida, livre e papila dental com 1 relaxante.  Neumann modificada – Gengiva inserida, livre e papila dental com 2 relaxantes.
  22. 22. Divulsão
  23. 23. Afastamento Os afastadores devem sempre estar apoiados em osso. O retalho não deve estar tencionado e/ou isquêmico. Quanto menor o trauma aos tecidos gengivais melhor é a reparação tecidual.
  24. 24. Exérese Osteotomia (Desgaste ósseo). Ostectomia (Remoção de fragmento ósseo). Curetagem. Avulsão (via alveolar e via não alveolar).
  25. 25. Síntese Sutura; Tamponamento; Drenagem;
  26. 26. Reparo tecidual do alvéolo Reparo ósseo alveolar  Conjunto de reações teciduais desencadeadas no interior do alvéolo após a exodontia, com o objetivo do seu preenchimento ósseo.  Muito semelhante à sequencia de respostas reparacionais do restante do organismo, porém com algumas particularidades.
  27. 27. Fases do processo de reparo Proliferação Celular Desenvolvimento do Tecido Conjuntivo; Maturação do Tecido Conjuntivo; Diferenciação óssea ou Mineralização.
  28. 28. Fase de desenvolvimento do tecidoconjuntivo Grande quantidade de fibroblastos e capilares neoformados; Síntese de fibras colágenas e substância fundamental.
  29. 29. Fase de maturação do tecidoconjuntivo Caracterizada pelo aumento de fibras colágenas e diminuição do número de células e de vasos sanguíneos.
  30. 30. Fase de diferenciação óssea oumineralização Deposição de matriz osteóide por osteoblastos nas proximidades das paredes alveolares, principalmente onde há restos de ligamento periodontal; Processo Concêntrico Formação das trabéculas ósseas primárias
  31. 31. Fase de diferenciação óssea oumineralização Por volta do 7º dia inicia-se a formação óssea Por volta do 40º dia cerca de 2/3 do alvéolo já estão preenchidos por trabéculas ósseas Por volta do 64º dia o alvéolo já se encontra totalmente preenchido por tecido ósseo neoformado e com a crista alveolar remodelada. A epitelização do alvéolo já é notada no 4º dia e a oclusão completa do alvéolo se dá por volta do 24º ao 35º dia pós- operatório
  32. 32. Fase de diferenciação óssea oumineralização
  33. 33. Reparo tecidual do alvéolo
  34. 34. Reparo tecidual do alvéolo
  35. 35. Cicatrização das feridas O cirurgião pode criar condições que favoreçam ou atrapalhem o processo natural de reparação das feridas cirúrgicas. A adesão aos princípios cirúrgicos favorece a cicatrização ideal restabelecendo a função do tecido lesado.
  36. 36. Fatores prejudiciais Três fatores principais podem ser prejudiciais no processo de cicatrização:  Corpos estranhos;  Tecido necrótico;  Isquemia;
  37. 37. Corpo estranho Pode desencadear uma reação inflamatória, prejudicando a reparação tecidual. Qualquer coisa que não faça parte dos tecidos e do processo de cicatrização.  Fragmentos ósseos e/ou dentários, fragmentos de instrumentos, detritos, etc...
  38. 38. Tecido necrótico Serve como barreira para o crescimento das células reparadoras. O estágio inflamatório é prolongado. Nicho de proteção das bactérias.
  39. 39. Isquemia Risco de infecção;  Diminuição do aporte sanguíneo ideal. Risco de necrose tecidual;  Suturas muito apertadas.  Retalhos mal planejados.  Pressão externa sobre a ferida.  Próteses mal adaptadas.  Pressão interna na ferida.  Hematoma.
  40. 40. Tipos de cicatrização Cicatrização por primeira intenção. Cicatrização por segunda intenção.
  41. 41. Cicatrização por 1ª intenção Quando há coaptação dos bordos da ferida.  Ocorre mais rapidamente.  Menor quantidade de reepitelização.  Menor risco de infecção.  Menor cicatriz.
  42. 42. Cicatrização por 2ª intenção Quando não há coaptação dos bordos da ferida.  Ocorre mais lentamente.  Maior quantidade de reepitelização.  Maior risco de infecção.  Maior cicatriz.
  43. 43. Instrumentos utilizados emexodontia Instrumentos de Exérese:  Elevadores;  Fórceps;
  44. 44. ElevadoresAlavanca é o movimento feito para a remoção do elemento. Funções:  Luxação, rompendo as fibras do ligamento periodontal e expandindo cortical óssea.  Remover as raízes fraturadas ou seccionadas cirurgicamente.
  45. 45. Elevadores Composto de três partes: Cabo: Porção para apreensão do instrumento. Haste: Transmite a força realizada no cabo à ponta ativa. Ponta ativa (Lâmina): Parte onde será colocada entre o dente a ser removido e o osso sadio adjacente. Onde a força será despendida.
  46. 46. Tipos de elevadores Apical reto (ponta ativa em formato de cunha). Seldin Reta. Seldin angulados. Potts (angulada com ponta ativa em formato de colher)
  47. 47. Elevador apical reto
  48. 48. Jogo de elevadores Seldin
  49. 49. Elevador Potts
  50. 50. Fórceps Deve ter o cabo estriado e boa apreensão. O fórceps a a ser utilizado dependerá de seu formato e da anatomia do colo do dente a ser removido. Dividido em três partes: Cabo, articulação e ponta ativa.
  51. 51. Partes de um Fórceps Cabo: Deve ser estriado para não escorregar e ter boa apreensão. Onde a força é realizada. Articulação. Ponta ativa: Dependendo de seu formato será a indicação de seu uso. Encaixa-se no colo do dente.
  52. 52. Fórceps Maxilares
  53. 53. Fórceps nº 150 Para pré-molares, Caninos e incisivos maxilares.
  54. 54. Fórceps nº 18R e 18L Para Molares maxilares.
  55. 55. Fórceps nº 65 Para raízes residuais ou raízes seccionadas cirurgicamente. Pode ser utilizado em qualquer região.
  56. 56. Fórceps Mandibulares
  57. 57. Fórceps nº 151 Incisivos, Caninos e pré-molares mandibulares
  58. 58. Fórceps nº 17 Molares mandibulares
  59. 59. Fórceps nº 16 Molares inferiores com comprometimento de furca periodontal.
  60. 60. Fórceps nº 65 Para raízes residuais ou raízes seccionadas cirurgicamente. Pode ser utilizado em qualquer região.
  61. 61. Princípios mecânicos Alavanca: Pequena força transforma-se em grande movimento. Realizado com o uso de elevadores. Cunha: Ponta ativa do instrumento toma o lugar do dente, fazendo o movimento de cunha. Realizado com o uso de fórceps e elevadores. Roda e eixo: Elevadores apoiando em osso sadio e dente a ser removido. Fazer movimento de rotação.
  62. 62. Principais movimentos do Fórceps Pressão apical: Rompe as fibras da região apical do ligamento periodontal. Pressão vestíbulo-lingual: expansão das corticais por pressão firme, controlada e de velocidade lenta. Rotação somente em pré-molares inferior.
  63. 63. Exodontia simples
  64. 64. Avaliação clínica Acesso ao dente (Abertura bucal). Condições periodontais. Condições da coroa clínica.
  65. 65. Exame radiográfico Proximidade com estruturas nobres. Condição óssea adjacente. Configuração das raízes:  Presença de hipercementose, anquilose, dilaceração radicular, número de raízes, etc...
  66. 66. Etapas de uma exodontia simples Sindesmotomia: Liberação do tecido gengival. Luxação lateral: Com elevadores apoiado sempre em osso sadio. Nunca em dente que não será extraído. Luxação apical e lateral: Pressão apical e movimentos vestíbulo-lingual com fórceps. Avulsão via alveolar do elemento.
  67. 67. Cuidados trans-operatórios Curetagem (se necessário). Limagem (remoção de espículas ósseas). Manobra de Chompret: reposiciona as paredes alveolares. Tamponamento com gaze.
  68. 68. Papel da mão oposta Afastar bochechas, lábios e língua: Melhor visualização do capo operatório. Suporte e estabilização da mandíbula do paciente: Evitar luxação condilar. Apoio do processo alveolar: evitar fratura das tábuas ósseas. Proteger os outros dentes dos instrumentos.
  69. 69. Papel do assistente Mesmo papel da mão oposta do operador. Sucção de fluídos e soluções irrigatórias.
  70. 70. Técnicas auxiliares a exodontia
  71. 71.  Com a idade os ossos vão ficando cada vez mais com maior conteúdo mineral. É mais fácil fraturar uma raiz, durante a exodontia, de um idoso do que de uma criança. Quando ocorre uma fratura radicular ou se não é possível realizar a exodontia por via alveolar (curvatura de raízes , hipercementose, etc...) temos de lançar mão de técnicas auxiliares.
  72. 72. Odontosecção Visa diminuir a resistência na remoção do dente. Separar as raízes. Evitar fratura radicular e das tábuas ósseas. Realizar com alta rotação fresas diamantadas ou laminadas.
  73. 73. “Divida o dente, preserve o paciente”
  74. 74. Exodontia via não-alveolar Fraturas radiculares; Cárie radicular acentuada; Hipercementose;
  75. 75. Exodontia via não-alveolar Para a preservação do osso, visando uma futura instalação de implantes, tenta-se abrir uma janela mais apical e remover as raízes ou fragmentos, preservando a porção mais cervical da tábua óssea vestibular.

×