SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 15
Downloaden Sie, um offline zu lesen
Reflexões
Filosofia 10º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Iniciação à atividade
filosófica
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
O que é a filosofia?
Uma noção inicial
A grande aventura de René Magritte (1930) (pormenor)
Módulo Inicial – Iniciação à
atividade filosófica
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
A filosofia como procura racional e
interpretativa de conhecimento e de saber
A preocupação fundamental da filosofia consiste em
questionarmos e compreendermos ideias muito
comuns que usamos todos os dias sem pensarmos
nelas.
Thomas Nagel (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 7 .
A filosofia é uma disciplina do conhecimento humano
com uma dimensão teórica e com uma dimensão prática.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Dimensão teórica da filosofia
 Interpretar; dar sentido à realidade; compreender.
 Tem origem na capacidade de o homem se interrogar,
sobre si e sobre o mundo.
 Implica uma reflexão racional.
Conhecer a realidade a partir das questões colocadas
pelo homem acerca dos aspetos mais básicos do mundo.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
 Guiar os passos no caminho da vida.
 Não percorrer um caminho sem ter analisado
previamente o fundamento das decisões tomadas.
Dimensão prática da filosofia
Caminhar na realidade a partir do conhecimento teórico
produzido.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Tarefa: partindo das dimensões teórica e prática da filosofia,
analisa com o teu colega de carteira, o sentido desta citação
(regista o resultado do trabalho no caderno diário):
Viver sem filosofar é precisamente como ter os olhos fechados e
não tentar abri-los. O prazer de ver tudo o que a nossa vista alcança
não é sequer comparável à satisfação dada pelo conhecimento
adquirido pela filosofia.
Este estudo é mais necessário para regrarmos os costumes e para
nos conduzirmos nesta vida que usarmos os nossos olhos para
guiarmos os nossos passos.
René Descartes (1644), Carta Prefácio. In Os Princípios da Filosofia.
Trad. Laura Mascarenhas, 1995. Lisboa: Texto Editora, p. 18 (adaptado).
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
A filosofia como atividade conceptual e crítica
Como pensar a realidade?
De que forma se constitui e expressa o pensamento
filosófico?
Rafal Olbinski
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
A filosofia como atividade concetual
Tenho a impressão de que todos os filósofos e estudantes de
Filosofia passam por aquele momento de embaraço silencioso
quando alguém nos pergunta inocentemente o que fazemos. Eu
preferiria apresentar-me como engenheiro conceptual. Os nossos
conceitos e ideias constituem o lar mental em que vivemos.
As nossas ideias e conceitos podem ser comparadas com
lentes através das quais vemos o mundo. Em filosofia, são as
próprias lentes que constituem o tema do estudo.
Simon Blackburn (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, p. 11-14 (adaptado).
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
É através de conceitos que o filósofo pensa o mundo.
Os conceitos são o lar mental do pensamento porque é
através deles que se vê, interpreta, conhece e
compreende o mundo.
Refletir sobre os conceitos mais básicos e questioná-los
é uma das tarefas fundamentais da filosofia.
Alguns desses conceitos básicos são noções como a
justiça, o bem, a liberdade, o número, o conhecimento,
entre muitos outros.
O tipo de conceitos analisados pelos filósofos são
conceitos mais gerais e a base do pensamento e da ação
do homem.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Sugestão de atividade complementar: análise em trabalho
individual, a pares ou em grande grupo, do texto 1, pp. 16 do manual.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Tarefa: analisa, com o teu colega de carteira, o sentido desta
citação (regista o resultado do trabalho no caderno diário):
A filosofia como atividade crítica
A maioria dos homens adquire a sua conceção do mundo a partir
de uma tradição que absorve juntamente com o leite materno.
Quem, porém, aspira a uma conceção do mundo filosoficamente
fundada tem de ousar apoiar-se na sua própria razão. Tem de
duvidar, a título de experiência, de todas as opiniões costumeiras
e não lhe é permitido reconhecer aquilo que não é passível de ser
fundamentado pessoalmente de modo inteligível.
Max Scheler. A conceção filosófica do mundo. Trad. João Tiago Proença, 2003. Porto: Porto Editora, p. 13.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
A filosofia como atividade crítica
A análise do pensamento e da ação do homem
pressupõe uma atitude e uma atividade crítica.
Criticar significa:
 analisar com cuidado todos os conhecimentos
transmitidos.
 ter uma atitude anti-dogmática.
 exercer pessoalmente a capacidade de refletir
racionalmente.
 construir racionalmente o nosso próprio pensamento.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Face a isto, o que significa:
“Uma vida não examinada não merece ser vivida” (Sócrates)
A filosofia como atividade crítica
Sócrates
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Tarefa:
1. Elabora por escrito um texto no qual consigas
responder à questão: “O que é a filosofia”.
2. Antes de responderes à questão, esquematiza as
ideias principais que vais desenvolver e as relações
que vais explorar no texto que vais construir.
3. Os trabalhos serão analisados e discutidos em grande
grupo.
Reflexões
Filosofia 10.º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Bibliografia
Blackburn, S. (1997). Dicionário de filosofia. Lisboa: Gradiva.
Blackburn, S. (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 11-22.
Copleston, F. (1994). Historia de la filosofia 1: Grécia e Roma. Barcelona: Editorial Ariel.
Descartes, R. (1644). Carta Prefácio. In Os Princípios da Filosofia. Trad. Laura Mascarenhas,
1995. Lisboa: Texto Editora, p. 18.
Grayling, A. C. (2002). O significado das coisas. Lisboa: Gradiva, pp. 181-185.
Nagel, T. (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 7-
11.
Nagel, T. (1999). A última palavra. Lisboa: Gradiva, pp. 11-20.
Savater, F. (1999). As perguntas da vida. Uma iniciação à reflexão filosófica. Porto:
Publicações D. Quixote, pp. 15-25 e 45-68.
Scheler, M. A conceção filosófica do mundo. Trad. João Tiago Proença, 2003. Porto: Porto
Editora, p. 13.

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnocolegiomb
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo MoralBruno Pedro
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaClaudia Martinho
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperJorge Barbosa
 
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º anoLuis Antonio
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106nanasimao
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesPaula Oliveira Cruz
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radicalIsabel Moura
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoRui Oliveira
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteHelena Coutinho
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantJorge Lopes
 

Was ist angesagt? (20)

Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAnoOs Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
Os Instrumentos Lógicos do Pensamento - Filosofia 10ºAno
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º ano
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo II Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 AnoResumo da disciplina de Português - 10 Ano
Resumo da disciplina de Português - 10 Ano
 
Ondados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzenteOndados fios de ouro reluzente
Ondados fios de ouro reluzente
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 

Andere mochten auch

Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do JuízoPaulo Gomes
 
O que é a filosofia
O que é a filosofiaO que é a filosofia
O que é a filosofiaMariana1112
 
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
Plano Filosofia 10.º -  2017-2018Plano Filosofia 10.º -  2017-2018
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018Isaque Tomé
 
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")Jorge Barbosa
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)António Padrão
 
Dimensão discursiva do trabalho filosófico
Dimensão discursiva do trabalho filosóficoDimensão discursiva do trabalho filosófico
Dimensão discursiva do trabalho filosóficoJulia Martins
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educaçãoPeedagogia
 

Andere mochten auch (12)

A validade indutiva
A validade indutivaA validade indutiva
A validade indutiva
 
Lógica do Juízo
Lógica do JuízoLógica do Juízo
Lógica do Juízo
 
O que é a filosofia
O que é a filosofiaO que é a filosofia
O que é a filosofia
 
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
Plano Filosofia 10.º -  2017-2018Plano Filosofia 10.º -  2017-2018
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
 
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")
Introdução à Filosofia (de acordo com "Pensar Azul")
 
Filosofia 010
Filosofia 010Filosofia 010
Filosofia 010
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
A filosofia e a sua dimensão discursiva (10.º ano - Módulo inicial)
 
Dimensão discursiva do trabalho filosófico
Dimensão discursiva do trabalho filosóficoDimensão discursiva do trabalho filosófico
Dimensão discursiva do trabalho filosófico
 
O que é avaliar argumentos
O que é avaliar argumentosO que é avaliar argumentos
O que é avaliar argumentos
 
Filosofia e educação
Filosofia e educaçãoFilosofia e educação
Filosofia e educação
 
Argumentos
ArgumentosArgumentos
Argumentos
 

Ähnlich wie Iniciação à atividade filosófica

Como trabalha o filósofo
Como trabalha o filósofoComo trabalha o filósofo
Como trabalha o filósofoFilazambuja
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Josivaldo Corrêa Silva
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Josivaldo Corrêa Silva
 
Disciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofiaDisciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofiaFilazambuja
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofiaNuno Pereira
 
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jcaFilosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jcaJosé Carlos S. de Almeida
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºlolaesa
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºlolaesa
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anomluisavalente
 
Ficha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFicha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFilipe Prado
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestreAndrea Parlen
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docxElieidw
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
IntrofilosofiaAida Cunha
 
Aprender Filosofia 8 ano - Editora Enovus
Aprender Filosofia 8 ano - Editora EnovusAprender Filosofia 8 ano - Editora Enovus
Aprender Filosofia 8 ano - Editora EnovusEditoraEnovus
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Joao Carlos
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoJoao Carlos
 

Ähnlich wie Iniciação à atividade filosófica (20)

Como trabalha o filósofo
Como trabalha o filósofoComo trabalha o filósofo
Como trabalha o filósofo
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
 
A reflexão filosófica
A reflexão filosóficaA reflexão filosófica
A reflexão filosófica
 
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
Areflexofilosfica 120219080955-phpapp01 (2)
 
Disciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofiaDisciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jcaFilosofia 10   sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
Filosofia 10 sumários desenvolvidos 2011-2012 - jca
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
 
Prep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10ºPrep. 1º teste fil. 10º
Prep. 1º teste fil. 10º
 
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe AssunçãoAula 3   a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
Aula 3 a filosofia presente na nossa vida - Prof. Noe Assunção
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Ficha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10ºFicha trab. 2 10º
Ficha trab. 2 10º
 
V dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducaoV dfilo cap01_introducao
V dfilo cap01_introducao
 
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia   6o ef - 1o bimestreApostila de filosofia   6o ef - 1o bimestre
Apostila de filosofia 6o ef - 1o bimestre
 
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docxATIVIDADE DE FILOSOFIA  2.docx
ATIVIDADE DE FILOSOFIA 2.docx
 
Introfilosofia
IntrofilosofiaIntrofilosofia
Introfilosofia
 
Aprender Filosofia 8 ano - Editora Enovus
Aprender Filosofia 8 ano - Editora EnovusAprender Filosofia 8 ano - Editora Enovus
Aprender Filosofia 8 ano - Editora Enovus
 
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
Atitude filosofica e abordagem do direito (aula prática)
 
Para que filosofia do direito
Para que filosofia do direitoPara que filosofia do direito
Para que filosofia do direito
 
Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?Para que Filosofia do Direito?
Para que Filosofia do Direito?
 

Mehr von Filazambuja

Textos política
Textos políticaTextos política
Textos políticaFilazambuja
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoFilazambuja
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estadoFilazambuja
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_alunoFilazambuja
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politicaFilazambuja
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e políticaFilazambuja
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandesesFilazambuja
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontosFilazambuja
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasFilazambuja
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart millFilazambuja
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de deverFilazambuja
 

Mehr von Filazambuja (20)

Textos política
Textos políticaTextos política
Textos política
 
Esquema
EsquemaEsquema
Esquema
 
Sociedade justa
Sociedade justaSociedade justa
Sociedade justa
 
Esquema rawls
Esquema rawlsEsquema rawls
Esquema rawls
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estado
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politica
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
Dilema de pedro
Dilema de pedroDilema de pedro
Dilema de pedro
 
Ataque
AtaqueAtaque
Ataque
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandeses
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontos
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart mill
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Texto kant
Texto kantTexto kant
Texto kant
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de dever
 
Texto kant 2
Texto kant 2Texto kant 2
Texto kant 2
 

Kürzlich hochgeladen

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Kürzlich hochgeladen (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

Iniciação à atividade filosófica

  • 1. Reflexões Filosofia 10º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Iniciação à atividade filosófica
  • 2. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale O que é a filosofia? Uma noção inicial A grande aventura de René Magritte (1930) (pormenor) Módulo Inicial – Iniciação à atividade filosófica
  • 3. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A filosofia como procura racional e interpretativa de conhecimento e de saber A preocupação fundamental da filosofia consiste em questionarmos e compreendermos ideias muito comuns que usamos todos os dias sem pensarmos nelas. Thomas Nagel (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 7 . A filosofia é uma disciplina do conhecimento humano com uma dimensão teórica e com uma dimensão prática.
  • 4. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Dimensão teórica da filosofia  Interpretar; dar sentido à realidade; compreender.  Tem origem na capacidade de o homem se interrogar, sobre si e sobre o mundo.  Implica uma reflexão racional. Conhecer a realidade a partir das questões colocadas pelo homem acerca dos aspetos mais básicos do mundo.
  • 5. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale  Guiar os passos no caminho da vida.  Não percorrer um caminho sem ter analisado previamente o fundamento das decisões tomadas. Dimensão prática da filosofia Caminhar na realidade a partir do conhecimento teórico produzido.
  • 6. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Tarefa: partindo das dimensões teórica e prática da filosofia, analisa com o teu colega de carteira, o sentido desta citação (regista o resultado do trabalho no caderno diário): Viver sem filosofar é precisamente como ter os olhos fechados e não tentar abri-los. O prazer de ver tudo o que a nossa vista alcança não é sequer comparável à satisfação dada pelo conhecimento adquirido pela filosofia. Este estudo é mais necessário para regrarmos os costumes e para nos conduzirmos nesta vida que usarmos os nossos olhos para guiarmos os nossos passos. René Descartes (1644), Carta Prefácio. In Os Princípios da Filosofia. Trad. Laura Mascarenhas, 1995. Lisboa: Texto Editora, p. 18 (adaptado).
  • 7. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A filosofia como atividade conceptual e crítica Como pensar a realidade? De que forma se constitui e expressa o pensamento filosófico? Rafal Olbinski
  • 8. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A filosofia como atividade concetual Tenho a impressão de que todos os filósofos e estudantes de Filosofia passam por aquele momento de embaraço silencioso quando alguém nos pergunta inocentemente o que fazemos. Eu preferiria apresentar-me como engenheiro conceptual. Os nossos conceitos e ideias constituem o lar mental em que vivemos. As nossas ideias e conceitos podem ser comparadas com lentes através das quais vemos o mundo. Em filosofia, são as próprias lentes que constituem o tema do estudo. Simon Blackburn (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, p. 11-14 (adaptado).
  • 9. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale É através de conceitos que o filósofo pensa o mundo. Os conceitos são o lar mental do pensamento porque é através deles que se vê, interpreta, conhece e compreende o mundo. Refletir sobre os conceitos mais básicos e questioná-los é uma das tarefas fundamentais da filosofia. Alguns desses conceitos básicos são noções como a justiça, o bem, a liberdade, o número, o conhecimento, entre muitos outros. O tipo de conceitos analisados pelos filósofos são conceitos mais gerais e a base do pensamento e da ação do homem.
  • 10. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Sugestão de atividade complementar: análise em trabalho individual, a pares ou em grande grupo, do texto 1, pp. 16 do manual.
  • 11. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Tarefa: analisa, com o teu colega de carteira, o sentido desta citação (regista o resultado do trabalho no caderno diário): A filosofia como atividade crítica A maioria dos homens adquire a sua conceção do mundo a partir de uma tradição que absorve juntamente com o leite materno. Quem, porém, aspira a uma conceção do mundo filosoficamente fundada tem de ousar apoiar-se na sua própria razão. Tem de duvidar, a título de experiência, de todas as opiniões costumeiras e não lhe é permitido reconhecer aquilo que não é passível de ser fundamentado pessoalmente de modo inteligível. Max Scheler. A conceção filosófica do mundo. Trad. João Tiago Proença, 2003. Porto: Porto Editora, p. 13.
  • 12. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale A filosofia como atividade crítica A análise do pensamento e da ação do homem pressupõe uma atitude e uma atividade crítica. Criticar significa:  analisar com cuidado todos os conhecimentos transmitidos.  ter uma atitude anti-dogmática.  exercer pessoalmente a capacidade de refletir racionalmente.  construir racionalmente o nosso próprio pensamento.
  • 13. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Face a isto, o que significa: “Uma vida não examinada não merece ser vivida” (Sócrates) A filosofia como atividade crítica Sócrates
  • 14. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Tarefa: 1. Elabora por escrito um texto no qual consigas responder à questão: “O que é a filosofia”. 2. Antes de responderes à questão, esquematiza as ideias principais que vais desenvolver e as relações que vais explorar no texto que vais construir. 3. Os trabalhos serão analisados e discutidos em grande grupo.
  • 15. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Bibliografia Blackburn, S. (1997). Dicionário de filosofia. Lisboa: Gradiva. Blackburn, S. (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 11-22. Copleston, F. (1994). Historia de la filosofia 1: Grécia e Roma. Barcelona: Editorial Ariel. Descartes, R. (1644). Carta Prefácio. In Os Princípios da Filosofia. Trad. Laura Mascarenhas, 1995. Lisboa: Texto Editora, p. 18. Grayling, A. C. (2002). O significado das coisas. Lisboa: Gradiva, pp. 181-185. Nagel, T. (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 7- 11. Nagel, T. (1999). A última palavra. Lisboa: Gradiva, pp. 11-20. Savater, F. (1999). As perguntas da vida. Uma iniciação à reflexão filosófica. Porto: Publicações D. Quixote, pp. 15-25 e 45-68. Scheler, M. A conceção filosófica do mundo. Trad. João Tiago Proença, 2003. Porto: Porto Editora, p. 13.