Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Dia nacional do Espiritismo

81 Aufrufe

Veröffentlicht am

Mensagem espírita

Veröffentlicht in: Seele & Geist
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Dia nacional do Espiritismo

  1. 1. O dia Nacional do Espiritismo, 18 de abril, é uma homenagem ao dia em que Allan Kardec lançou, em 1857, na França, o Livro dos Espíritos, marco inicial da doutrina espírita. Foi numa manhã que, na Galeria D’Orleans, na bela Paris, França, o honorável professor Allan Kardec levou a público a obra basilar do Espiritismo – “O LIVRO DOS ESPÍRITOS” – que resume a Doutrina Espírita. Seu conteúdo é apresentado em quatro partes, a saber: “As causas primárias”, que deu origem ao livro A Gênese; “Mundo espírita ou dos espíritos” que originou O Livro dos Médiuns; “Leis morais”, que originou O Evangelho Segundo o Espiritismo, e “Esperanças e consolações”, que originou O Céu e o Inferno e, de certa forma, oficializou o Espiritismo, o que resulta considerarmos esta data simbolicamente como o dia oficial de aniversário da nossa amada Doutrina.
  2. 2. No ensejo de mais um aniversário, convém uma reflexão, a respeito de o quanto o Espiritismo tem contribuído para o desenvolvimento da Humanidade. A Doutrina Espírita celebra, neste ano de 2019, 162 anos do lançamento de O Livro dos Espíritos. Não se pode deixar de reconhecer que os ensinos contidos nesse livro, em sua essência, permanecem absolutamente aplicáveis aos dias atuais, o que, por si, recomenda a leitura, a releitura e, sobretudo, a reflexão, em torno de tão preciosa obra, que contém os princípios sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade. Verdadeira síntese do conhecimento humano, é um tesouro colocado em nossas mãos, ...
  3. 3. ... que merece, por isso mesmo, repetimos de caso pensado, ser lido e refletido de capa a capa, palavra por palavra. Com efeito, para dizer o mínimo, convém salientar que o Espiritismo nada impõe a seus profitentes, e muito menos a terceiros. Ao contrário, procura orientar sempre, pela palavra escrita ou falada, que somos dotados de livre-arbítrio, da faculdade de decidir livremente sobre quaisquer assuntos, esclarecendo ao mesmo tempo que, exatamente por isso, somos responsáveis pelas decisões que tomemos, sejam quais forem e nos mais variados campos, e naturalmente responsáveis pelas suas consequências. Por outra parte, enfatiza lições seculares, procurando demonstrar com exemplos e com fatos que “A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória” e que “A cada um será concedido de acordo com suas obras”.
  4. 4. Consola, ao salientar que ninguém será condenado irremediavelmente pelos erros, males e equívocos cometidos, porquanto até mesmo em outra encarnação, que detalha e aprofunda, poderá repará-los, parcial ou totalmente, até quitá-los integralmente, contando com todas as oportunidades de que necessite para tal, uma vez que Deus, sendo o Pai Celestial de todos nós, a nenhum de seus filhos abandona ou desampara. Consola, igualmente, ao demonstrar cabalmente que as Leis Naturais são perfeitas e por isso mesmo imutáveis, advindo daí a certeza de que a Justiça Divina, que nelas se baseia, é absolutamente imparcial, não havendo seres privilegiados na Criação ou privilégio de qualquer espécie a quem quer que seja, prevalecendo a convicção de que Deus não pune, não castiga e não premia a ninguém, sendo, assim, soberanamente bom e justo.
  5. 5. Ele que é a inteligência suprema do Universo, causa primária de todas as coisas. Por fim, nestas rapidíssimas observações, o Espiritismo ensina que o amor à lei maior da vida, consubstanciada por Cristo na sentença que constitui o seu ensino máximo “Amar ao próximo como a si mesmo”, vale dizer, aconselhando que façamos ao próximo aquilo que gostaríamos que ele nos fizesse, porque quem assim procede estará, por esse mesmo motivo, “Amando a Deus sobre todas as coisas”. Aliás, esta sentença de Jesus de Nazaré, o Cristo, modelo e guia da Humanidade, nosso mestre e amigo de todas as horas, também ensina e deixa muito claro que para que amemos ao próximo é absolutamente indispensável que nos amemos, de modo que é necessário, no mínimo, que tenhamos elevada autoestima.
  6. 6. O Livro dos Espíritos lança luz sobre a existência humana com explicações lógicas para os variados questionamentos do homem, até então sem resposta. O conhecimento espírita abre-nos uma visão ampla e racional da vida, explicando-a de maneira convincente e permitindo-nos iniciar uma transformação íntima, para melhor. Uma história produzida pelo livro luz: Sou encadernador desde a meninice, trabalhando em grande casa desta capital. Há cerca de dois anos casei-me com aquela que se revelou minha companheira ideal. Nossa vida corria normalmente e tudo era alegria e esperança, ...
  7. 7. ... quando, no início deste ano, de modo inesperado, minha Antoinette partiu desta vida, levada por sorrateira moléstia. Meu desespero foi indescritível e julguei-me condenado ao desamparo extremo. Sem confiança em Deus, sentindo as necessidades do homem do mundo e vivendo com as dúvidas aflitivas de nosso século, resolvera seguir o caminho de tantos outros, ante a fatalidade. A prova da separação vencera-me, e eu não passava, agora, de trapo humano. Faltava ao trabalho e meu chefe, reto e ríspido, ameaçava-me com a dispensa. Minhas forças fugiam. Namorara diversas vezes o Sena e acabei planeando o suicídio. “Seria fácil, não sei nadar”, pensava. Sucediam- se noites de insônia e dias de angústia. Em madrugada fria, quando as preocupações e o desânimo me dominaram mais fortemente, busquei como um autômato a Ponte Marie, ...
  8. 8. ... quase apagada pela forte cerração. Olhei em torno, contemplando a corrente. E, ao fixar a mão direita para atirar-me, toquei um objeto algo molhado que se deslocou da amurada, caindo-me aos pés. Surpreendido, distingui um livro que o orvalho umedecera. Tomei o volume nas mãos e, procurando a luz mortiça de poste vizinho, pude ler, logo no frontispício, entre irritado e curioso: “Esta obra salvou-me a vida. Leia-a com atenção e tenha bom proveito. A. Laurent.” Estupefato, li a obra O Livro dos Espíritos, ao qual acrescentei breve mensagem, volume esse que passo às suas mãos abnegadas, autorizando o distinto amigo a fazer dele o que lhe aprouver.” Ainda constavam da mensagem agradecimentos finais, a assinatura, a data e o endereço do remetente.
  9. 9. O Codificador da Doutrina Espírita, naquela triste manhã de abril de 1860, estava exausto, acabrunhado. Fazia frio. Muito embora a consolidação da Sociedade Espírita de Paris e a promissora venda de livros, escasseava o dinheiro para a obra gigantesca que os Espíritos Superiores lhe haviam colocado nas mãos. A pressão aumentava. Missivas sarcásticas avolumavam- se à mesa. Quando mais desalentado se mostrava, chega a paciente esposa, Madame Rivail, a doce Gaby, a entregar-lhe certa encomenda, cuidadosamente apresentada. O professor abriu o embrulho, encontrando uma carta singela, com os seguintes dizeres: Com a minha gratidão, remeto- lhe o livro anexo, bem como a sua história, rogando-lhe, antes de tudo, prosseguir em suas tarefas de esclarecimento da Humanidade, pois tenho fortes razões para isso.
  10. 10. Em seguida, o autor da carta narrava a história acima. Allan Kardec abriu a obra e leu em seu frontispício: Esta obra salvou-me a vida. Leia-a com atenção e tenha bom proveito. E, logo após a primeira assinatura de A. Laurent, dizia: Salvou-me também. Deus abençoe as almas que cooperaram em sua publicação. Assinado: Joseph Perrier. Kardec, após a leitura da carta providencial, experimentou nova luz a banhá-lo por dentro. Aconchegando o livro ao peito, raciocinava, não mais em termos de desânimo ou sofrimento, mas sim na pauta de radiosa esperança, entendeu a sublime missão que lhe cabia como Codificador da Doutrina Espírita, mensageira de consolo e esperança para a Humanidade sofrida. Era preciso continuar, desculpar as injúrias, abraçar o sacrifício e desconhecer as pedradas.
  11. 11. Diante de seu espírito turbilhonava o mundo necessitado de renovação e consolo. Allan Kardec levantou-se da velha poltrona, abriu a janela à sua frente, contemplando a via pública, onde passavam operários e mulheres do povo, crianças e velhinhos. O notável obreiro da Grande Revelação respirou a longos haustos e, antes de retomar a caneta para o serviço costumeiro, levou o lenço aos olhos e limpou uma lágrima. Estimulado pelas vendas de O livro dos espíritos, pelo número crescente de assinantes da Revista Espírita e pela adesão de novos sócios contribuintes à Sociedade recém-fundada, o professor passou a dedicar cada vez mais tempo à sua missão. Logo, Rivail seria uma sombra de Kardec, a cada dia mais atuante e confiante.
  12. 12. Com informação e divulgação, acreditava, seria possível vencer os preconceitos contra o Espiritismo e provar ao mundo que, em torno das esfuziantes e polêmicas mesas girantes, havia um mundo novo a se revelar. Essa obra que conseguiu, com suas páginas de luz, deter aqueles dois homens às portas do suicídio, foi lançada em Paris, e intitula-se O livro dos Espíritos. Depois desta simples leitura, você poderá ter dúvidas e perguntas a fazer. Se tiver, é um bom sinal. Sinal que você está procurando explicações racionais para vida. Você as encontrará lendo todos os livros da Codificação Espírita e procurando uma Sociedade Espírita, seguramente doutrinária, e que seja indiscutivelmente espírita. Parabéns a todos os espíritas!
  13. 13. Muita Paz! Visite o meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br A serviço da Doutrina Espírita; com estudos comentados, cujo objetivo é levar as pessoas a uma reflexão sobre a vida. Leia Kardec! Estude Kardec! Pratique Kardec! Divulgue Kardec!

×