Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

Alfabetização

485 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

Alfabetização

  1. 1. História social da infância e da família. Reflexões sobre alfabetização
  2. 2. G -5 Alana Sousa Helen do Socorro Joana Ferraz Luzineide Fiel Maria Lúcia Gonçalves
  3. 3. Resenha do livro de Philippe Aries “ História social da infância e da família. 1º Sentimento de infância – As idades da vida.  No século XVI ou XVII as exigências de identidade civil ainda não eram tão impostas.
  4. 4. O traje das crianças • Na idade média as crianças eram vestidas indiferentemente de idade, nada na roupa a separava do adulto.
  5. 5. Pequena contribuição a história dos jogos e brincadeiras. • Por volta de 1600 as brincadeiras apareciam apenas na primeira infância, a criança jogava os mesmos jogos e participavam das mesma atividades dos adultos.
  6. 6. Do despudor a inocência. • Na sociedade medieval o sentimento de infância não existia.
  7. 7. A vida escolástica. Observando a história da educação no período medieval podemos notar o progresso do sentimento da infância.
  8. 8. 1- Jovens e velhos escolares da idade média. 2 -Uma instituição nova: o colégio. No início um asilo para pobres ( bolsistas); No princípio os menores (alunos da gramática), os grandes (alunos de lógica e física); 3- Origens das classes escolares. Século XV, divisão da população escolar em grupos da mesma capacidade; A necessidade de adaptar o ensino do mestre ao nível do aluno; 4- As idades dos alunos. Final do século XVII, eliminação das crianças muito pequenas. 5- Os progressos da disciplina. Ideias da fraqueza da infância; Sentimento da responsabilidade do mestre; Disciplina humilhante; 6- As pequenas escolas. Dois tipos de ensino: para o povo, para a burguesia e aristocracia. 7- A rudeza da infância escolar. Os hábitos das classes do século XIX foram impostos conceitos sem os viverem concretamente.
  9. 9. Reflexões sobre alfabetização. Antes da década de 80 a alfabetização era realizada por meio de dois métodos: 1 Sintético ( das partes para o todo), está dividido em alfabético, fonético e silábico. 2 Analítico ( do todo para as partes), está dividido em palavração, sentênciação e global. Após a década de 80 a alfabetização passou a ser realizada através de estágios, esses estágios podem ser representados pelos níveis pré-silábico, silábico, silábico- alfabético e alfabético.
  10. 10. A compreensão do sistema de escrita: construção originais da criança e informação específica dos adultos. Emília Ferreiro e Ana Teberosky. Informações específicas – Leitores adultos ou crianças maiores. Algumas implicações pedagógicas – Valorização das capacidades da criança.
  11. 11. Deve-se ou não se deve ensinar a ler e escrever na pré-escola? Um problema mal colocado.  Para Emília Ferreiro a função da pré-escola deveria ser de permitir ás crianças que não tiveram convivência com a escrita, informações básicas sobre ela, em situações de uso social ( não meramente escolar).
  12. 12. Resenha do livro “ Reflexões sobre a alfabetização”, de Emília Ferreiro. • O texto é importante para o educador, para dar subsídio para que ele questione a sua prática, reveja o modo de conceber o ensino e a aprendizagem.
  13. 13. Fim!

×