SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 66
Downloaden Sie, um offline zu lesen
COMUNICAÇÃO

DIGITAL
CRP-0420
AULA 05: BIG DATA E LIVRE ARBÍTRIO
PROGRAMA:
4/8 - CONTEXTO
11/8 - PÓS-MODERNO E EMERGÊNCIA
18/8 - DEBATES 1
25/8 - BIG DATA
1/9 - DATA SCIENCE E LIVRE ARBÍTRIO
8/9 - SEMANA DA PÁTRIA
15/9 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL
22/9 - VR, AR
29/9 - DEBATES 2
6/10 - IoT E SMART CITIES
13/10 - DATASFERA E DATACRACIA
20/10 - CIBERATIVISMO, HACK E CODE
27/10 - DEBATES 3
3/11 - EDUCAÇÃO
10/11 - INTERFACES
17/11 - UX/UI, VR, AR
24/11 - PECHA KUCHA 1
1/12 - PECHA KUCHA 2
DATA
SCHRÖDINGER:
EFEITO
OBSERVAÇÃO E INFLUÊNCIA.
BASE DE DADOS:
ALIMENTAÇÃO DE UMA
1ª FASE: FUNCIONÁRIOS
2ª FASE: USUÁRIOS
3ª FASE: MÁQUINAS
DATACRACIA
• BIG DATA PODE ÚTIL PARA A TOMADA DE DECISÕES
RACIONAIS. USADA DE FORMA IMPRUDENTE, PODE
SE TORNAR UM INSTRUMENTO DE REPRESSÃO,
CONTROLE OU RETALIAÇÃO.
• DECISÕES ESTRATÉGICAS SÃO TIRADAS DE DADOS
VÁLIDOS EM UM CONTEXTO VÁLIDO. QUANDO
ALGUMA DESSAS CONDIÇÕES NÃO É VERDADEIRA
OU NÃO PODE SER VERIFICADA, O RESULTADO PODE
SER, NO MÍNIMO, IRRELEVANTE. OU PIOR, PERIGOSO.
QUESTÃO ÉTICA
COMO FICA A
DE BIG DATA?
BARRY SCHWARTZ
PARADOXO DA ESCOLHA
• AUTONOMIA E LIBERDADE DE ESCOLHA SÃO
FUNDAMENTAIS PARA O BEM-ESTAR SOCIAL

• ESCOLHA É FUNDAMENTAL PARA A AUTONOMIA. 

• PAÍSES RICOS TEM MAIS OPÇÕES DO QUE
QUALQUER OUTRO POVO OU ÉPOCA E, PORTANTO,
MAIOR LIBERDADE E AUTONOMIA PRESUMIDAS,
MUITOS NÃO PARECEM SE BENEFICIAR
PSICOLOGICAMENTE DELA.
PARADOXO
DA ESCOLHA
• A FELICIDADE É AFETADA PELO SUCESSO OU FRACASSO DA
REALIZAÇÃO DO OBJETIVO. AS PRINCIPAIS QUESTÕES SÃO:
• ESCOLHA E FELICIDADE. A ABUNDÂNCIA DE ESCOLHA MUITAS VEZES LEVA À
DEPRESSÃO E SOLIDÃO. O TECIDO SOCIAL JÁ NÃO É UM DIREITO DE NASCENÇA,
MAS UMA SÉRIE DE ESCOLHAS DELIBERADAS E CUSTOSAS
• DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE. VIVER "PELAS REGRAS" DE UMA DISCIPLINA,
COSTUME OU PRÁTICA ELIMINA INÚMERAS DECISÕES INCÔMODAS NA VIDA
DIÁRIA. SCHWARTZ MOSTRA QUE ESSAS DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE PODEM
SER DIVIDIDAS EM PRESUNÇÕES, PADRÕES E CÓDIGOS CULTURAIS.
• OPORTUNIDADES PERDIDAS. QUANDO HÁ A NECESSIDADE DE ESCOLHER UMA
OPÇÃO ENTRE MUITAS DESEJÁVEIS, NATURALMENTE SE CONSIDERAM AS PERDAS
HIPOTÉTICAS. AS OPÇÕES SÃO AVALIADAS EM TERMOS DE OPORTUNIDADES
PERDIDAS EM VEZ DO POTENCIAL DA ESCOLHA.
RESPONSABILIDADE
A “LIBERDADE DE ESCOLHA”
OFERECIDA PELA INTERNET SE TORNA
MAIS PRÓXIMA DE UMA
DO QUE DE LIBERDADE.
OBSTÁCULOS DIFICULTAM A
REALIZAÇÃO DE TAREFAS.
LIVRE ARBÍTRIO
O QUE É NECESSÁRIO PARA TER
DE VERDADE? ABSOLUTO?
LIVRE ARBÍTRIO
PARA TER REAL
SERIA PRECISO ESTAR CIENTE DE
TODOS OS FATORES QUE DETERMINAM
OS PENSAMENTOS E AÇÕES, E TER
CONTROLE COMPLETO SOBRE ELES.
INFLUÊNCIAS?
MAS O QUE INFLUENCIA AS
NENHUM ESTADO MENTAL É
VERDADEIRAMENTE O INDIVÍDUO.
VOCÊ NÃO CONTROLA A TEMPESTADE,
NEM ESTÁ PERDIDO NELA.
VOCÊ É A TEMPESTADE.
JOHN SEARLE
• NA LITERATURA FILOSÓFICA SÃO ENCONTRADAS
QUATRO ABORDAGENS PARA A QUESTÃO DO
LIVRE ARBÍTRIO:
• DETERMINISMO RADICAL (INCOMPATIBILISMO)
• INDETERMINISMO
• DETERMINISMO MODERADO (COMPATIBILISMO)
• LIBERTARISMO.
DETERMINISMO
RADICAL
• ACONTECIMENTOS, INCLUSIVE OPÇÕES HUMANAS,
SÃO CAUSADOS POR EVENTOS PRÉVIOS.
• EM UM MUNDO REGIDO POR LEIS
DETERMINÍSTICAS, AÇÕES E OS ACONTECIMENTOS
SUCEDEM-SE EM CADEIAS CAUSAIS.
• NÃO SE PODE INTERFERIR NESSAS OCORRÊNCIAS,
MESMO QUE SE TENHA CONSCIÊNCIA DELAS.
• AS LEIS QUE AS REGEM NÃO ESTÃO SOB O
CONTROLE HUMANO, PORTANTO A EXISTÊNCIA DE
LIVRE-ARBÍTRIO É INCOMPATÍVEL COM ELE.
INDETERMINISMO
• A FÍSICA QUÂNTICA CONSIDERA IMPOSSÍVEL
PREVER O COMPORTAMENTO DAS PARTÍCULAS.
ELAS SE COMPORTAM DE MODO DIFERENTE A
CADA MOMENTO SEGUINTE, SEM QUE SE POSSA
ENCONTRAR A CAUSA DESSA MUDANÇA.
• O INDETERMINISMO QUE REGE O MUNDO
NANOSCÓPICO DAS PARTÍCULAS TAMBÉM SE
APLICARIA À VONTADE HUMANA.
• UMA VEZ QUE HÁ INDETERMINISMO NA NATUREZA,
O INDETERMINISMO DEFENDE QUE AS AÇÕES
HUMANAS NÃO PODERIAM SER DETERMINADAS.
DETERMINISMO
MODERADO
• PARTE DO CONCEITO DE LIBERDADE E ACEITA A
CONVICÇÃO DE QUE TODOS PODERIAM TER FEITO
OUTRA COISA SE A TIVESSEM ESCOLHIDO.
• TODOS OS FENÔMENOS DE UM SISTEMA TEM
RELAÇÃO DE CAUSALIDADE.
• A VONTADE HUMANA, DETERMINADA, É LIVRE
QUANDO NÃO FOR COAGIDA A ESCOLHER.
• DEFENDE A COMPATIBILIDADE ENTRE
DETERMINISMO E LIBERDADE.
LIBERTARISMO
• AÇÕES HUMANAS NÃO SÃO DETERMINADAS NEM
ALEATÓRIAS, MAS DUALISTAS.
• MATÉRIA E VONTADE SERIAM ENTIDADES DE
NATUREZA DIFERENTE. OS FENÔMENOS MENTAIS,
POR NÃO SEREM FÍSICOS, SÃO REGIDOS POR LEIS
DIFERENTES.
• AS AÇÕES HUMANAS RESULTARIAM DE
DELIBERAÇÕES RACIONAIS E PODERIAM SER
ALTERADAS CONFORME O CURSO DOS
ACONTECIMENTOS NO MUNDO.
JOHN SEARLELIVRE-ARBÍTRIO: COMPATÍVEL COM DETERMINISMO
• A CONSTITUIÇÃO FÍSICA DO CÉREBRO IMPEDE QUE
A VONTADE HUMANA SEJA LIVRE.
• A IDEIA DE “LIBERDADE HUMANA”, A CERTEZA DE
QUE HAJA ESCOLHA, É PRODUTO DA EXPERIÊNCIA.
• A QUESTÃO REAL NÃO É SABER SE HÁ OU NÃO
RAZÕES PSICOLÓGICAS OU COMPULSÕES, MAS
SABER SE ELAS LEVARIAM A AÇÕES INEVITÁVEIS.
• CONTESTA A VISÃO DUALISTA DE DESCARTES QUE
“ALMA” E CORPO SERIAM DIFERENTES.
• ELES SEGUEM ESTRATÉGIAS DISTINTAS, MAS
TERIAM A MESMA ORIGEM.
EMERGENTE
O COMPORTAMENTO É
DA ESTRUTURA FÍSICA.
90% DAS CÉLULAS DO CORPO SÃO
MICRÓBIOS, EXECUTANDO FUNÇÕES
QUE NÃO SE IDENTIFICAM COM A
PESSOA A QUE PERTENCEM.
INCONSCIENTES
COMO SE PODE SER “LIVRE" SE TUDO
QUE SE CONSIDERA “INTENÇÃO”
É CAUSADO POR EVENTOS
(E INDEPENDENTES) NO CÉREBRO?
SENTIMOS QUE SOMOS AUTORES

DOS PENSAMENTOS E AÇÕES,

POR ISSO CREMOS NO LIVRE ARBÍTRIO.
IMPORTEM.
O FATO DAS NOSSAS ESCOLHAS
DEPENDEREM DE CAUSAS ANTERIORES
NÃO SIGNIFICA QUE NÃO
ESTADOS CAUSAIS
DECISÕES, INTENÇÕES, ESFORÇOS,
OBJETIVOS, FORÇA DE VONTADE SÃO
DO CÉREBRO.
ELES LEVAM A COMPORTAMENTOS,
QUE LEVAM A RESULTADOS.
A ESCOLHA HUMANA É IMPORTANTE.
ELA SÓ NÃO É INDEPENDENTE.
HISTÓRIAS
CONTAMOS
PARA DAR SENTIDO À ENXURRADA

DE INFORMAÇÕES DO MUNDO FÍSICO QUE
FLUI ATRAVÉS DOS SENTIDOS.
PASSADO
FATOS SÃO COMPARADOS COM O
E ANALISADOS

PARA TOMAR DECISÕES FUTURAS.
CRIAR,
ESTAMOS ANSIOSOS PARA
NÃO APENAS RECORDAR, CENÁRIOS
CONCORRENTES EM TEMPOS VARIADOS.
COMPARADO
CADA CENÁRIO É
COM OS OUTROS DE ACORDO COM AS
EMOÇÕES GERADAS E SEU EFEITO.
REINVENTAMOS A NOSSA HISTÓRIA
O TEMPO TODO.
INCONSCIENTES
A ESCOLHA É FEITA NOS CENTROS
DO CÉREBRO E OCORRE ALGUNS
SEGUNDOS ANTES DE CHEGAR

À PARTE CONSCIENTE.
CONFABULAÇÃO.
A VIDA MENTAL CONSCIENTE É
CONSTRUÍDA INTEIRAMENTE POR
ELA CONSISTE DE UMA AVALIAÇÃO
CONSTANTE DE HISTÓRIAS VIVIDAS NO
PASSADO E PREVISÕES PARA O FUTURO.
ABSTRAÇÕES,
ALGUMAS MEMÓRIAS SÃO ALTERADAS EM
METÁFORAS, VALORES E MITOS, QUE
AUMENTAM A VELOCIDADE E EFICÁCIA
DO PROCESSO DE CONSCIÊNCIA.
DETECTÁVEL,
A IDENTIDADE É
MAS NÃO É FÍSICA. ELA É UMA DE
FICÇÃO CONVENIENTE, CENTRO DE
GRAVIDADE, FORMA DE RESOLVER
PROBLEMAS, MESMO QUE NÃO
CORRESPONDA A NADA TANGÍVEL.
2 PREMISSAS FALSAS:
• EU PODERIA TER ME COMPORTADO DE FORMA
DIFERENTE DO QUE FIZ NO PASSADO, E

• EU SOU A FONTE CONSCIENTE DA MAIORIA DOS
NOSSOS PENSAMENTOS E AÇÕES NO PRESENTE.
FATO SUBJETIVO
O LIVRE ARBÍTRIO NEM SEQUER
CORRESPONDE A UM
A RESPEITO DO INDIVÍDUO.
ATOS VOLUNTÁRIOS SURGEM
ESPONTANEAMENTE E NÃO PODEM
SER ATRIBUÍDOS A UM PONTO DE
ORIGEM NA MENTE CONSCIENTE.
SIMULACRO:
GILLES DELEUZE PROPÕE O
FENÔMENOS SÃO APARÊNCIAS,

SEM ORIGEM QUE OS FUNDAMENTE.
NÃO EXISTE NADA ALÉM DE

UM ENXAME DE APARÊNCIAS,
ORGANIZADAS PELA MENTE.
HISTÓRIAS
PARA ALIMENTAR ESSA FICÇÃO O
CÉREBRO CRIA
PARA CONTEXTUALIZAR
E ATRIBUIR SIGNIFICADO.
INTERFERE
BIG DATA
NO CONTEXTO. ISSO ALTERA

A DEFINIÇÃO DE IDENTIDADE?
OBSTÁCULOS DIGITAIS
• “PARADOXO DA ESCOLHA”
• VIESES E HEURÍSTICAS DO PENSAMENTO
• EXCESSO DE INFORMAÇÃO SEM GATEKEEPERS
• LIMITAÇÕES DA PERCEPÇÃO
• TÉCNICAS DE PERSUASÃO IMPLÍCITAS
• REDES SOCIAIS E ISOLAMENTO IDEOLÓGICO
• BOLHAS DE FILTRO
PAGERANK
• COMPUTA O NÚMERO E A QUALIDADE DOS LINKS
QUE UMA PÁGINA RECEBE PARA DETERMINAR UMA
ESTIMATIVA APROXIMADA DE SUA IMPORTÂNCIA.
• OS SITES MAIS IMPORTANTES SÃO SUSCEPTÍVEIS
DE RECEBER MAIS LINKS DE OUTROS SITES.
EDGERANK
• QUATRO VARIÁVEIS PRINCIPAIS DO ALGORITMO:
• EDGE (E) É O USUÁRIO QUE ACESSA A INFORMAÇÃO;
• AFFINITY SCORE (U) INDICA QUANTO CADA USUÁRIO ESTÁ CONECTADO COM O
EDGE. SEU VALOR É CALCULADO PELA FORÇA DA RELAÇÃO; PROXIMIDADE DO
USUÁRIO; E TEMPO DESDE A ÚLTIMA INTERAÇÃO;
• EDGE WEIGHT (W) INDICA A INTENSIDADE DA RELAÇÃO (COMENTÁRIOS EM
PUBLICAÇÕES, POR EXEMPLO, VALEM MAIS DO QUE “CURTIDAS”); E
• TIME DECAY (D) CONSIDERA O TEMPO EM QUE A HISTÓRIA FOI PUBLICADA. À
MEDIDA QUE UMA HISTÓRIA FICA MAIS VELHA, ELA PERDE PONTOS. 

• A FÓRMULA CONSIDERA A SOMATÓRIA DAS TRÊS ÚLTIMAS
VARIÁVEIS COM RELAÇÃO À PRIMEIRA, MAS NÃO REVELA SEUS
PESOS RELATIVOS NEM A MANEIRA COMO SÃO CALCULADAS.
FIM
TAREFAS:
PALESTRAS TED:
DAN ARIELY: ARE WE IN CONTROL OF OUR DECISIONS?
DANIEL KAHNEMAN: EXPERIENCE VS. MEMORY
JEAN-BAPTISTE MICHEL: THE MATHEMATICS OF HISTORY
JOHN SEARLE: OUR SHARED CONDITION - CONSCIOUSNESS
LEITURAS
SIMULACRA & SIMULATION - CAPS 1, 13, 18
SEEING THINGS AS THEY ARE - CAP 1
THE SIGNAL AND THE NOISE - CAPS 1, 13
THE INTELLIGENT WEB - CAP 5
THINKING, FAST AND SLOW - CAPS 2, 5, 38
FICÇÃO
THE MATRIX
SYNECDOCHE, NEW YORK
DOCUMENTÁRIOS:
WORMHOLE - DO WE LIVE IN THE MATRIX?
HORIZON - TOMORROW’S WORLD
STANFORD - THE FUTURE OF DATA SCIENCE
PENSADOR DO TEMA:
SANDY PENTLAND - BIT.LY/CD04-1

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCMichel Lent Schwartzman
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCMichel Lent Schwartzman
 
Cenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteCenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteDawison Calheiros
 
8 abciber aline corso
8 abciber aline corso8 abciber aline corso
8 abciber aline corsoAline Corso
 
O consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeO consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeMichel Lent Schwartzman
 
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitais
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitaisA gestão das pessoas na era das novas mídias digitais
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitaisPaulo Milreu
 
Social Good Brasil - O programa
Social Good Brasil - O programa Social Good Brasil - O programa
Social Good Brasil - O programa Social Good Brasil
 

Was ist angesagt? (20)

Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACESAula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
Aula CRP-0420-2016-07: VR, AR, INTERFACES
 
Aula CRP-0420-2015-02
 Aula CRP-0420-2015-02 Aula CRP-0420-2015-02
Aula CRP-0420-2015-02
 
CRP 0420-2015-01
CRP 0420-2015-01CRP 0420-2015-01
CRP 0420-2015-01
 
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKINGAula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
Aula CRP-0420-2016-11-BIOHACKING
 
Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03Aula CRP-0420-2015-03
Aula CRP-0420-2015-03
 
Aula CRP-0420-2015-05
 Aula CRP-0420-2015-05 Aula CRP-0420-2015-05
Aula CRP-0420-2015-05
 
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-2
 
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
Aula CRP-0420-2015-PECHA-KUCHA-1
 
Aula CRP-0420-2015-06
 Aula CRP-0420-2015-06 Aula CRP-0420-2015-06
Aula CRP-0420-2015-06
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PC
 
Design, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PCDesign, projeto e produto na era pós-PC
Design, projeto e produto na era pós-PC
 
Cenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participanteCenários futuros de uma sociedade participante
Cenários futuros de uma sociedade participante
 
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro CrescimentoBase De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
Base De Clientes Valiosa Futuro Crescimento
 
8 abciber aline corso
8 abciber aline corso8 abciber aline corso
8 abciber aline corso
 
XXI Curso Abril de Jornalismo
XXI Curso Abril de JornalismoXXI Curso Abril de Jornalismo
XXI Curso Abril de Jornalismo
 
O consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidadeO consumidor é o rei na era da mobilidade
O consumidor é o rei na era da mobilidade
 
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitais
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitaisA gestão das pessoas na era das novas mídias digitais
A gestão das pessoas na era das novas mídias digitais
 
Tecnologia e Sociedade
Tecnologia e SociedadeTecnologia e Sociedade
Tecnologia e Sociedade
 
Mobile Social
Mobile SocialMobile Social
Mobile Social
 
Social Good Brasil - O programa
Social Good Brasil - O programa Social Good Brasil - O programa
Social Good Brasil - O programa
 

Andere mochten auch (18)

CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01CRP0357-2016-01
CRP0357-2016-01
 
Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
 Aula CRP-0420-2016-08-UX (1) Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
Aula CRP-0420-2016-08-UX (1)
 
CRP-5215-0420-2014-07
CRP-5215-0420-2014-07CRP-5215-0420-2014-07
CRP-5215-0420-2014-07
 
FOTO 2016-04
FOTO 2016-04FOTO 2016-04
FOTO 2016-04
 
CRP-5215-0420-2014-05
CRP-5215-0420-2014-05CRP-5215-0420-2014-05
CRP-5215-0420-2014-05
 
CRP-422-2016-05
CRP-422-2016-05CRP-422-2016-05
CRP-422-2016-05
 
Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12Aula CRP-0420-2015-12
Aula CRP-0420-2015-12
 
CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02CRP0357-2016-02
CRP0357-2016-02
 
CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14CRP0357-2014-14
CRP0357-2014-14
 
CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08CRP-422-2016-08
CRP-422-2016-08
 
CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08CRP-5215-0420-2014-08
CRP-5215-0420-2014-08
 
CRP-420-2014-01
CRP-420-2014-01CRP-420-2014-01
CRP-420-2014-01
 
CRP-0420-5215-2014-02
CRP-0420-5215-2014-02CRP-0420-5215-2014-02
CRP-0420-5215-2014-02
 
CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09CRP0357-2014-09
CRP0357-2014-09
 
Aula CRP-0420-2015-07
 Aula CRP-0420-2015-07 Aula CRP-0420-2015-07
Aula CRP-0420-2015-07
 
CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09CRP-5215-0420-2014-09
CRP-5215-0420-2014-09
 
CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10CRP-5215-0420-2014-10
CRP-5215-0420-2014-10
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04
 

Ähnlich wie Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2

Datacracia 2
Datacracia 2Datacracia 2
Datacracia 2SIBiUSP
 
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcitiesLuis Pedro
 
Das massas para as redes - Rodrigo Padron
Das massas para as redes - Rodrigo PadronDas massas para as redes - Rodrigo Padron
Das massas para as redes - Rodrigo PadronMedia Education
 
Trabalho Jonathan 23/09/2009
Trabalho Jonathan 23/09/2009Trabalho Jonathan 23/09/2009
Trabalho Jonathan 23/09/2009Ricardo
 
Comunidade Virtual - Luciano Matsuzaki
Comunidade Virtual - Luciano MatsuzakiComunidade Virtual - Luciano Matsuzaki
Comunidade Virtual - Luciano MatsuzakiLuciano Matsuzaki
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Fernando de Assis Rodrigues
 
Convergência Digital - Evento Ágora
Convergência Digital - Evento ÁgoraConvergência Digital - Evento Ágora
Convergência Digital - Evento ÁgoraVictor Gonçalves
 
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
Tecnologia e  O Ritmo de EvoluçãoTecnologia e  O Ritmo de Evolução
Tecnologia e O Ritmo de EvoluçãoRuy De Queiroz
 
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSO
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSORedação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSO
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSOAprenderPreparatrio
 
A quarta revolução industrial klaus schwab
A quarta revolução industrial   klaus schwabA quarta revolução industrial   klaus schwab
A quarta revolução industrial klaus schwabRita Casiraghi Moschen
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1Ruy De Queiroz
 
A personalização da esfera pública e a bolha de filtros
A personalização da esfera pública e a bolha de filtrosA personalização da esfera pública e a bolha de filtros
A personalização da esfera pública e a bolha de filtrosDaniel Guedes
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Ruy De Queiroz
 
Seminário Sérgio Amadeu da Silveira
Seminário Sérgio Amadeu da SilveiraSeminário Sérgio Amadeu da Silveira
Seminário Sérgio Amadeu da SilveiraMíriam Santos
 
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux Uruguaiana
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux UruguaianaSegurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux Uruguaiana
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux UruguaianaTchelinux
 
Visual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoVisual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoAna Barroso
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergência
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergênciaCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergência
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergênciaCauê de Souza
 

Ähnlich wie Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2 (20)

Datacracia 2
Datacracia 2Datacracia 2
Datacracia 2
 
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities
2012 11 09_v_baldi_filtros_smartcities
 
News Media
News MediaNews Media
News Media
 
Conversas nutritivas - Homero Reis
Conversas nutritivas - Homero ReisConversas nutritivas - Homero Reis
Conversas nutritivas - Homero Reis
 
Das massas para as redes - Rodrigo Padron
Das massas para as redes - Rodrigo PadronDas massas para as redes - Rodrigo Padron
Das massas para as redes - Rodrigo Padron
 
Trabalho Jonathan 23/09/2009
Trabalho Jonathan 23/09/2009Trabalho Jonathan 23/09/2009
Trabalho Jonathan 23/09/2009
 
CD - Aula 02
CD - Aula 02CD - Aula 02
CD - Aula 02
 
Comunidade Virtual - Luciano Matsuzaki
Comunidade Virtual - Luciano MatsuzakiComunidade Virtual - Luciano Matsuzaki
Comunidade Virtual - Luciano Matsuzaki
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
 
Convergência Digital - Evento Ágora
Convergência Digital - Evento ÁgoraConvergência Digital - Evento Ágora
Convergência Digital - Evento Ágora
 
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
Tecnologia e  O Ritmo de EvoluçãoTecnologia e  O Ritmo de Evolução
Tecnologia e O Ritmo de Evolução
 
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSO
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSORedação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSO
Redação- 1701 CURSO APRENDER PARA CONCURSO
 
A quarta revolução industrial klaus schwab
A quarta revolução industrial   klaus schwabA quarta revolução industrial   klaus schwab
A quarta revolução industrial klaus schwab
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.1
 
A personalização da esfera pública e a bolha de filtros
A personalização da esfera pública e a bolha de filtrosA personalização da esfera pública e a bolha de filtros
A personalização da esfera pública e a bolha de filtros
 
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
Discurso de Paraninfo - Centro de Informática/UFPE - 2015.2
 
Seminário Sérgio Amadeu da Silveira
Seminário Sérgio Amadeu da SilveiraSeminário Sérgio Amadeu da Silveira
Seminário Sérgio Amadeu da Silveira
 
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux Uruguaiana
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux UruguaianaSegurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux Uruguaiana
Segurança cibernética e software livre - Lourival Araujo - TchêLinux Uruguaiana
 
Visual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana BarrosoVisual Sensemaking | Ana Barroso
Visual Sensemaking | Ana Barroso
 
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergência
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergênciaCRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergência
CRP- 0420: Comunicação Digital - Aula 3: Redes e emergência
 

Mehr von Aulas LULI: CRP-0357, CRP-0422 e CRP-0420 (8)

2019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 32019 CRP-0422 - AULA 3
2019 CRP-0422 - AULA 3
 
2019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 22019 CRP-0422 - AULA 2
2019 CRP-0422 - AULA 2
 
2019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 12019 CRP-0422 - AULA 1
2019 CRP-0422 - AULA 1
 
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
Aula CRP-0420-2016-09-UX (2)
 
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - LightroomAula 10 de Fotografia - Lightroom
Aula 10 de Fotografia - Lightroom
 
CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04CRP0357-2016-04
CRP0357-2016-04
 
CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03CRP0357-2016-03
CRP0357-2016-03
 
Aula CRP-0420-2015-08
 Aula CRP-0420-2015-08 Aula CRP-0420-2015-08
Aula CRP-0420-2015-08
 

Kürzlich hochgeladen

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 

Kürzlich hochgeladen (20)

Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 

Aula CRP-0420-2016-04: Big Data 2

  • 2. PROGRAMA: 4/8 - CONTEXTO 11/8 - PÓS-MODERNO E EMERGÊNCIA 18/8 - DEBATES 1 25/8 - BIG DATA 1/9 - DATA SCIENCE E LIVRE ARBÍTRIO 8/9 - SEMANA DA PÁTRIA 15/9 - INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL 22/9 - VR, AR 29/9 - DEBATES 2 6/10 - IoT E SMART CITIES 13/10 - DATASFERA E DATACRACIA 20/10 - CIBERATIVISMO, HACK E CODE 27/10 - DEBATES 3 3/11 - EDUCAÇÃO 10/11 - INTERFACES 17/11 - UX/UI, VR, AR 24/11 - PECHA KUCHA 1 1/12 - PECHA KUCHA 2
  • 3.
  • 5.
  • 7.
  • 8. BASE DE DADOS: ALIMENTAÇÃO DE UMA 1ª FASE: FUNCIONÁRIOS 2ª FASE: USUÁRIOS 3ª FASE: MÁQUINAS
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22. DATACRACIA • BIG DATA PODE ÚTIL PARA A TOMADA DE DECISÕES RACIONAIS. USADA DE FORMA IMPRUDENTE, PODE SE TORNAR UM INSTRUMENTO DE REPRESSÃO, CONTROLE OU RETALIAÇÃO. • DECISÕES ESTRATÉGICAS SÃO TIRADAS DE DADOS VÁLIDOS EM UM CONTEXTO VÁLIDO. QUANDO ALGUMA DESSAS CONDIÇÕES NÃO É VERDADEIRA OU NÃO PODE SER VERIFICADA, O RESULTADO PODE SER, NO MÍNIMO, IRRELEVANTE. OU PIOR, PERIGOSO.
  • 23.
  • 24. QUESTÃO ÉTICA COMO FICA A DE BIG DATA?
  • 25.
  • 26. BARRY SCHWARTZ PARADOXO DA ESCOLHA • AUTONOMIA E LIBERDADE DE ESCOLHA SÃO FUNDAMENTAIS PARA O BEM-ESTAR SOCIAL
 • ESCOLHA É FUNDAMENTAL PARA A AUTONOMIA. 
 • PAÍSES RICOS TEM MAIS OPÇÕES DO QUE QUALQUER OUTRO POVO OU ÉPOCA E, PORTANTO, MAIOR LIBERDADE E AUTONOMIA PRESUMIDAS, MUITOS NÃO PARECEM SE BENEFICIAR PSICOLOGICAMENTE DELA.
  • 27. PARADOXO DA ESCOLHA • A FELICIDADE É AFETADA PELO SUCESSO OU FRACASSO DA REALIZAÇÃO DO OBJETIVO. AS PRINCIPAIS QUESTÕES SÃO: • ESCOLHA E FELICIDADE. A ABUNDÂNCIA DE ESCOLHA MUITAS VEZES LEVA À DEPRESSÃO E SOLIDÃO. O TECIDO SOCIAL JÁ NÃO É UM DIREITO DE NASCENÇA, MAS UMA SÉRIE DE ESCOLHAS DELIBERADAS E CUSTOSAS • DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE. VIVER "PELAS REGRAS" DE UMA DISCIPLINA, COSTUME OU PRÁTICA ELIMINA INÚMERAS DECISÕES INCÔMODAS NA VIDA DIÁRIA. SCHWARTZ MOSTRA QUE ESSAS DECISÕES DE SEGUNDA CLASSE PODEM SER DIVIDIDAS EM PRESUNÇÕES, PADRÕES E CÓDIGOS CULTURAIS. • OPORTUNIDADES PERDIDAS. QUANDO HÁ A NECESSIDADE DE ESCOLHER UMA OPÇÃO ENTRE MUITAS DESEJÁVEIS, NATURALMENTE SE CONSIDERAM AS PERDAS HIPOTÉTICAS. AS OPÇÕES SÃO AVALIADAS EM TERMOS DE OPORTUNIDADES PERDIDAS EM VEZ DO POTENCIAL DA ESCOLHA.
  • 28. RESPONSABILIDADE A “LIBERDADE DE ESCOLHA” OFERECIDA PELA INTERNET SE TORNA MAIS PRÓXIMA DE UMA DO QUE DE LIBERDADE. OBSTÁCULOS DIFICULTAM A REALIZAÇÃO DE TAREFAS.
  • 29. LIVRE ARBÍTRIO O QUE É NECESSÁRIO PARA TER DE VERDADE? ABSOLUTO?
  • 30. LIVRE ARBÍTRIO PARA TER REAL SERIA PRECISO ESTAR CIENTE DE TODOS OS FATORES QUE DETERMINAM OS PENSAMENTOS E AÇÕES, E TER CONTROLE COMPLETO SOBRE ELES.
  • 31. INFLUÊNCIAS? MAS O QUE INFLUENCIA AS NENHUM ESTADO MENTAL É VERDADEIRAMENTE O INDIVÍDUO. VOCÊ NÃO CONTROLA A TEMPESTADE, NEM ESTÁ PERDIDO NELA. VOCÊ É A TEMPESTADE.
  • 32. JOHN SEARLE • NA LITERATURA FILOSÓFICA SÃO ENCONTRADAS QUATRO ABORDAGENS PARA A QUESTÃO DO LIVRE ARBÍTRIO: • DETERMINISMO RADICAL (INCOMPATIBILISMO) • INDETERMINISMO • DETERMINISMO MODERADO (COMPATIBILISMO) • LIBERTARISMO.
  • 33. DETERMINISMO RADICAL • ACONTECIMENTOS, INCLUSIVE OPÇÕES HUMANAS, SÃO CAUSADOS POR EVENTOS PRÉVIOS. • EM UM MUNDO REGIDO POR LEIS DETERMINÍSTICAS, AÇÕES E OS ACONTECIMENTOS SUCEDEM-SE EM CADEIAS CAUSAIS. • NÃO SE PODE INTERFERIR NESSAS OCORRÊNCIAS, MESMO QUE SE TENHA CONSCIÊNCIA DELAS. • AS LEIS QUE AS REGEM NÃO ESTÃO SOB O CONTROLE HUMANO, PORTANTO A EXISTÊNCIA DE LIVRE-ARBÍTRIO É INCOMPATÍVEL COM ELE.
  • 34. INDETERMINISMO • A FÍSICA QUÂNTICA CONSIDERA IMPOSSÍVEL PREVER O COMPORTAMENTO DAS PARTÍCULAS. ELAS SE COMPORTAM DE MODO DIFERENTE A CADA MOMENTO SEGUINTE, SEM QUE SE POSSA ENCONTRAR A CAUSA DESSA MUDANÇA. • O INDETERMINISMO QUE REGE O MUNDO NANOSCÓPICO DAS PARTÍCULAS TAMBÉM SE APLICARIA À VONTADE HUMANA. • UMA VEZ QUE HÁ INDETERMINISMO NA NATUREZA, O INDETERMINISMO DEFENDE QUE AS AÇÕES HUMANAS NÃO PODERIAM SER DETERMINADAS.
  • 35. DETERMINISMO MODERADO • PARTE DO CONCEITO DE LIBERDADE E ACEITA A CONVICÇÃO DE QUE TODOS PODERIAM TER FEITO OUTRA COISA SE A TIVESSEM ESCOLHIDO. • TODOS OS FENÔMENOS DE UM SISTEMA TEM RELAÇÃO DE CAUSALIDADE. • A VONTADE HUMANA, DETERMINADA, É LIVRE QUANDO NÃO FOR COAGIDA A ESCOLHER. • DEFENDE A COMPATIBILIDADE ENTRE DETERMINISMO E LIBERDADE.
  • 36. LIBERTARISMO • AÇÕES HUMANAS NÃO SÃO DETERMINADAS NEM ALEATÓRIAS, MAS DUALISTAS. • MATÉRIA E VONTADE SERIAM ENTIDADES DE NATUREZA DIFERENTE. OS FENÔMENOS MENTAIS, POR NÃO SEREM FÍSICOS, SÃO REGIDOS POR LEIS DIFERENTES. • AS AÇÕES HUMANAS RESULTARIAM DE DELIBERAÇÕES RACIONAIS E PODERIAM SER ALTERADAS CONFORME O CURSO DOS ACONTECIMENTOS NO MUNDO.
  • 37. JOHN SEARLELIVRE-ARBÍTRIO: COMPATÍVEL COM DETERMINISMO • A CONSTITUIÇÃO FÍSICA DO CÉREBRO IMPEDE QUE A VONTADE HUMANA SEJA LIVRE. • A IDEIA DE “LIBERDADE HUMANA”, A CERTEZA DE QUE HAJA ESCOLHA, É PRODUTO DA EXPERIÊNCIA. • A QUESTÃO REAL NÃO É SABER SE HÁ OU NÃO RAZÕES PSICOLÓGICAS OU COMPULSÕES, MAS SABER SE ELAS LEVARIAM A AÇÕES INEVITÁVEIS. • CONTESTA A VISÃO DUALISTA DE DESCARTES QUE “ALMA” E CORPO SERIAM DIFERENTES. • ELES SEGUEM ESTRATÉGIAS DISTINTAS, MAS TERIAM A MESMA ORIGEM.
  • 38. EMERGENTE O COMPORTAMENTO É DA ESTRUTURA FÍSICA. 90% DAS CÉLULAS DO CORPO SÃO MICRÓBIOS, EXECUTANDO FUNÇÕES QUE NÃO SE IDENTIFICAM COM A PESSOA A QUE PERTENCEM.
  • 39. INCONSCIENTES COMO SE PODE SER “LIVRE" SE TUDO QUE SE CONSIDERA “INTENÇÃO” É CAUSADO POR EVENTOS (E INDEPENDENTES) NO CÉREBRO? SENTIMOS QUE SOMOS AUTORES
 DOS PENSAMENTOS E AÇÕES,
 POR ISSO CREMOS NO LIVRE ARBÍTRIO.
  • 40. IMPORTEM. O FATO DAS NOSSAS ESCOLHAS DEPENDEREM DE CAUSAS ANTERIORES NÃO SIGNIFICA QUE NÃO
  • 41. ESTADOS CAUSAIS DECISÕES, INTENÇÕES, ESFORÇOS, OBJETIVOS, FORÇA DE VONTADE SÃO DO CÉREBRO. ELES LEVAM A COMPORTAMENTOS, QUE LEVAM A RESULTADOS. A ESCOLHA HUMANA É IMPORTANTE. ELA SÓ NÃO É INDEPENDENTE.
  • 42. HISTÓRIAS CONTAMOS PARA DAR SENTIDO À ENXURRADA
 DE INFORMAÇÕES DO MUNDO FÍSICO QUE FLUI ATRAVÉS DOS SENTIDOS.
  • 43. PASSADO FATOS SÃO COMPARADOS COM O E ANALISADOS
 PARA TOMAR DECISÕES FUTURAS.
  • 44. CRIAR, ESTAMOS ANSIOSOS PARA NÃO APENAS RECORDAR, CENÁRIOS CONCORRENTES EM TEMPOS VARIADOS.
  • 45. COMPARADO CADA CENÁRIO É COM OS OUTROS DE ACORDO COM AS EMOÇÕES GERADAS E SEU EFEITO. REINVENTAMOS A NOSSA HISTÓRIA O TEMPO TODO.
  • 46. INCONSCIENTES A ESCOLHA É FEITA NOS CENTROS DO CÉREBRO E OCORRE ALGUNS SEGUNDOS ANTES DE CHEGAR
 À PARTE CONSCIENTE.
  • 47. CONFABULAÇÃO. A VIDA MENTAL CONSCIENTE É CONSTRUÍDA INTEIRAMENTE POR ELA CONSISTE DE UMA AVALIAÇÃO CONSTANTE DE HISTÓRIAS VIVIDAS NO PASSADO E PREVISÕES PARA O FUTURO.
  • 48. ABSTRAÇÕES, ALGUMAS MEMÓRIAS SÃO ALTERADAS EM METÁFORAS, VALORES E MITOS, QUE AUMENTAM A VELOCIDADE E EFICÁCIA DO PROCESSO DE CONSCIÊNCIA.
  • 49. DETECTÁVEL, A IDENTIDADE É MAS NÃO É FÍSICA. ELA É UMA DE FICÇÃO CONVENIENTE, CENTRO DE GRAVIDADE, FORMA DE RESOLVER PROBLEMAS, MESMO QUE NÃO CORRESPONDA A NADA TANGÍVEL.
  • 50. 2 PREMISSAS FALSAS: • EU PODERIA TER ME COMPORTADO DE FORMA DIFERENTE DO QUE FIZ NO PASSADO, E
 • EU SOU A FONTE CONSCIENTE DA MAIORIA DOS NOSSOS PENSAMENTOS E AÇÕES NO PRESENTE.
  • 51. FATO SUBJETIVO O LIVRE ARBÍTRIO NEM SEQUER CORRESPONDE A UM A RESPEITO DO INDIVÍDUO. ATOS VOLUNTÁRIOS SURGEM ESPONTANEAMENTE E NÃO PODEM SER ATRIBUÍDOS A UM PONTO DE ORIGEM NA MENTE CONSCIENTE.
  • 52. SIMULACRO: GILLES DELEUZE PROPÕE O FENÔMENOS SÃO APARÊNCIAS,
 SEM ORIGEM QUE OS FUNDAMENTE. NÃO EXISTE NADA ALÉM DE
 UM ENXAME DE APARÊNCIAS, ORGANIZADAS PELA MENTE.
  • 53.
  • 54. HISTÓRIAS PARA ALIMENTAR ESSA FICÇÃO O CÉREBRO CRIA PARA CONTEXTUALIZAR E ATRIBUIR SIGNIFICADO.
  • 55. INTERFERE BIG DATA NO CONTEXTO. ISSO ALTERA
 A DEFINIÇÃO DE IDENTIDADE?
  • 56. OBSTÁCULOS DIGITAIS • “PARADOXO DA ESCOLHA” • VIESES E HEURÍSTICAS DO PENSAMENTO • EXCESSO DE INFORMAÇÃO SEM GATEKEEPERS • LIMITAÇÕES DA PERCEPÇÃO • TÉCNICAS DE PERSUASÃO IMPLÍCITAS • REDES SOCIAIS E ISOLAMENTO IDEOLÓGICO • BOLHAS DE FILTRO
  • 57. PAGERANK • COMPUTA O NÚMERO E A QUALIDADE DOS LINKS QUE UMA PÁGINA RECEBE PARA DETERMINAR UMA ESTIMATIVA APROXIMADA DE SUA IMPORTÂNCIA. • OS SITES MAIS IMPORTANTES SÃO SUSCEPTÍVEIS DE RECEBER MAIS LINKS DE OUTROS SITES.
  • 58. EDGERANK • QUATRO VARIÁVEIS PRINCIPAIS DO ALGORITMO: • EDGE (E) É O USUÁRIO QUE ACESSA A INFORMAÇÃO; • AFFINITY SCORE (U) INDICA QUANTO CADA USUÁRIO ESTÁ CONECTADO COM O EDGE. SEU VALOR É CALCULADO PELA FORÇA DA RELAÇÃO; PROXIMIDADE DO USUÁRIO; E TEMPO DESDE A ÚLTIMA INTERAÇÃO; • EDGE WEIGHT (W) INDICA A INTENSIDADE DA RELAÇÃO (COMENTÁRIOS EM PUBLICAÇÕES, POR EXEMPLO, VALEM MAIS DO QUE “CURTIDAS”); E • TIME DECAY (D) CONSIDERA O TEMPO EM QUE A HISTÓRIA FOI PUBLICADA. À MEDIDA QUE UMA HISTÓRIA FICA MAIS VELHA, ELA PERDE PONTOS. 
 • A FÓRMULA CONSIDERA A SOMATÓRIA DAS TRÊS ÚLTIMAS VARIÁVEIS COM RELAÇÃO À PRIMEIRA, MAS NÃO REVELA SEUS PESOS RELATIVOS NEM A MANEIRA COMO SÃO CALCULADAS.
  • 59.
  • 60. FIM
  • 62. PALESTRAS TED: DAN ARIELY: ARE WE IN CONTROL OF OUR DECISIONS? DANIEL KAHNEMAN: EXPERIENCE VS. MEMORY JEAN-BAPTISTE MICHEL: THE MATHEMATICS OF HISTORY JOHN SEARLE: OUR SHARED CONDITION - CONSCIOUSNESS
  • 63. LEITURAS SIMULACRA & SIMULATION - CAPS 1, 13, 18 SEEING THINGS AS THEY ARE - CAP 1 THE SIGNAL AND THE NOISE - CAPS 1, 13 THE INTELLIGENT WEB - CAP 5 THINKING, FAST AND SLOW - CAPS 2, 5, 38
  • 65. DOCUMENTÁRIOS: WORMHOLE - DO WE LIVE IN THE MATRIX? HORIZON - TOMORROW’S WORLD STANFORD - THE FUTURE OF DATA SCIENCE
  • 66. PENSADOR DO TEMA: SANDY PENTLAND - BIT.LY/CD04-1