SlideShare ist ein Scribd-Unternehmen logo
1 von 54
O texto é um conjunto de palavras e de frases encadeadas que
permitem interpretação e que transmitem uma mensagem. É uma
ocorrência linguística que tem um sentido completo, dotada de certas
formalidades que lhe permite estabelecer uma comunicação entre o seu
produtor e o destinatário.
Definição
Quais são as qualidades de um texto?
Em um texto é importante observar uma série de
requisitos:
 A concisão;
 A correção;
 A clareza;
 A elegância;
Ser conciso significa
 Não abusar de palavras para exprimir ideias;
 Ir direto ao assunto, não ficar enrolando, enchendo linguiça;
 Eliminar tudo aquilo que é desnecessário.
Concisão
Deve estar de acordo com a norma culta.
 Desvios na linguagem (gramaticais ou ortográficos) são fruto do
desconhecimento das regras da norma culta;
 GRAFIA: cuidado com a grafia das palavras que não conhecemos, em
caso de dúvida. consulte o dicionário ou use sinônimos.
Correção
Consiste na manifestação da ideia de forma objetiva, que possa ser
compreendida rapidamente.
 Ser claro é ser coerente, não se contradizer ou confundir.
 São inimigos da clareza: a desobediência às normas da língua, os
períodos longos, o vocabulário rebuscado, a imprecisão vocabular.
Clareza
Consiste em tornar a leitura um texto agradável.
 A elegância é conseguida com a concisão, com a
correção e com a clareza, além da criatividade e do modo
original de escrever.
 Começa pela estética do texto, que deve ser limpo, sem
borrões ou rasuras e com letra legível.
Elegância
Inúmeras vezes, ao escrever, você deve ter tido as seguintes
preocupações: esta palavra se escreve com s ou com z ? E esta é com x ou
com ch? Será que esta frase ficou clara? Será que não estou me
estendendo demais sobre o assunto?
Vamos tratar de alguns defeitos que empobrecem o texto.
 Ambiguidade;
 Obscuridade;
 Pleonasmo ou tautologia;
 Cacofonia;
 Eco;
 Prolixidade;
 Barbarismo;
Estrangeirismo;
 Arcaísmo;
Neologismo;
 Rebuscamento ou preciosismo.
Ocorre ambiguidade quando a frase apresenta mais de um sentido. Ocorre
geralmente por má pontuação ou mau emprego de palavras ou expressões. É
considerado um defeito da prosa, porque atenta contra a clareza.
O advogado disse ao réu que suas palavras convenceriam o juiz.
As palavras de quem convenceriam o juiz: do réu ou do advogado?
Obscuridade significa "falta de clareza". Vários motivos podem
determinar a obscuridade de um texto: períodos excessivamente longos,
linguagem rebuscada, má pontuação. Observe:
Foi evitada uma efusão de sangue inútil
(Em vez de efusão inútil de sangue).
“Quando as normas, mesmo tendo sido apresentadas e
impressas para dar aos alunos, para que não venham dizer depois
que desconheciam as regras da escola, são desobedecidas é muito
ruim.”
O pleonasmo (ou redundância) consiste na repetição desnecessária de um termo. Veja:
A brisa matinal da manhã enchia-o de alegria.
Ele teve uma hemorragia de sangue.
Convém notar, no entanto, que bons autores costumam recorrer ao pleonasmo com
função estilística, a fim de tornar a mensagem mais expressiva. Nesse caso, o pleonasmo não é
considerado um defeito. Veja os exemplos abaixo:
"A mim, ensinou-me tudo." (Fernando Pessoa)
"A ti, trocou-te a máquina mercante." (Gregório de Matos)
A cacofonia (ou cacófato) consiste na produção de som desagradável
pela união das sílabas finais de uma palavra com as iniciais de outra. Veja:
Nunca gaste dinheiro com bobagens.
Uma herdeira confisca gado em Mato Grosso.
Olha essa fada.
Consiste na repetição de palavras terminadas pelo mesmo som.
Observe:
A decisão da eleição não causou comoção na população.
O aluno repetente mente alegremente.
A prolixidade consiste na utilização de mais palavras do que o necessário para
exprimir uma ideia; é, portanto, o oposto da concisão. Ser prolixo é ficar "enrolando",
"enchendo linguiça", não ir direto ao assunto.
O uso de cacoetes, expressões que não acrescentam nada ao texto, servindo tão-
somente para prolongar o discurso, também pode tornar um texto prolixo. Expressões do
tipo: "antes de mais nada", "pelo contrário", "por outro lado", "por sua vez" são,
muitas vezes, utilizadas só para prolongar o discurso. Cuidado com elas.
1. Aquele que se deixa prender sentimentalmente por criatura destituída de dotes físicos de encanto ou graça acha-a dotada desses
mesmos dotes que outros não lhe veem.
2. Por cada um dos prolongamentos articulados em que terminam pés e mãos do ser humano se estabelece a identidade do ser de
tamanho descomunal.
3. Quando o sol está abaixo da linha do horizonte, a totalidade dos animais domésticos da família dos felídeos é de cor mescla entre
branco e preto.
4. O traje característico que usa não identifica fundamental a pessoa que, por fanatismo, misticismo ou cálculo, se isola da sociedade,
levando vida austera e desligada das coisas mundanas.
5. A criatura canonizada que vive em nosso próprio lar não é capaz de produzir feito extraordinário que vá contra as leis fundamentais da
natureza.
5. Aquele que anuncia por palavras tudo o que satisfaz ao seu ego tende a perceber por seus órgãos de audição coisas que não
desejaria.
6. O Espírito das Trevas não é tão destituído de encantos e graças físicas quanto se o representa por meio de traços e cores.
7. A substância insípida, inodora e incolor que já se foi não é mais capaz de comunicar movimentos ao engenho de triturar cereais.
8. De unidade de cereal em unidade de cereal, a ave de crista carnuda e asas curtas e largas, da família das galináceas, abarrota a bolsa
que existe nessa espécie por uma dilatação do esôfago e na qual os alimentos permanecem algum tempo antes de passarem à moela.
Millôr Fernandes.
Grifo ou pronúncia de uma palavra em desacordo com a norma culta.
“Gratuíto” (em vez de gratuito)
“Rítmo” (em vez de ritmo)
“Nóbel” (Nobel)
“Rúbrica” (rubrica)
É a utilização de palavras que não pertencem ao idioma nacional. Os
estrangeirismos mais frequentes são a) Anclicismos (palavras de origem
inglesa) Hot dog, play ground, shopping, bacon.
b) Galicismo (palavras de origem francesa) Abat-jour, carnet, garage, menu.
c) Italianismo (palavras de origem italiana) Bambino, cascata, cicerone,
fiasco, caricato.
É o uso de palavras ou expressões que já não pertencem ao idioma
na atualidade.
Tinha abrido (em vez de tinha aberto)
Senhôra (ao invés de senhora)
Arreio (ao invés de enfeite)
Consiste na criação desnecessária de palavras novas.
padaria
imexível
sambódromo
danceteria.
É a exagerada delicadeza no falar e escrever, prejudicando a clareza.
Meu genitor sofre de alopecia androgênica.
(Meu pai é careca).
Colóquio flácido para acalentar bovinos.
(Conversa para boi dormir).
Defeitos textuais.pptx
Defeitos textuais.pptx
Defeitos textuais.pptx

Weitere ähnliche Inhalte

Was ist angesagt?

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemISJ
 
Musica- Quem de nòs dois
Musica- Quem de nòs doisMusica- Quem de nòs dois
Musica- Quem de nòs doisDeisy Chagas
 
Texto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-VerbalTexto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-VerbalDenise
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominalIsabel Sousa
 
Processo De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das PalavrasAngela Santos
 
Exercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominalExercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominalma.no.el.ne.ves
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgulaRita Cunha
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redaçãoElaine Maia
 
Orações coordenadas resumo e exercícios
Orações coordenadas   resumo e exercíciosOrações coordenadas   resumo e exercícios
Orações coordenadas resumo e exercíciosNAPNE
 
Concordância verbal e nominal certo
Concordância verbal e nominal certoConcordância verbal e nominal certo
Concordância verbal e nominal certoAna Paula Dos Santos
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRayane Roale
 

Was ist angesagt? (20)

Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
DESCRIÇÃO
DESCRIÇÃODESCRIÇÃO
DESCRIÇÃO
 
Musica- Quem de nòs dois
Musica- Quem de nòs doisMusica- Quem de nòs dois
Musica- Quem de nòs dois
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Texto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-VerbalTexto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-Verbal
 
BALADÃO SPAEB 2023.pptx
BALADÃO SPAEB 2023.pptxBALADÃO SPAEB 2023.pptx
BALADÃO SPAEB 2023.pptx
 
Concordância nominal
Concordância nominalConcordância nominal
Concordância nominal
 
Vícios de linguagem
Vícios de linguagemVícios de linguagem
Vícios de linguagem
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
Paralelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semânticoParalelismo sintático e semântico
Paralelismo sintático e semântico
 
Processo De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das Palavras
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Exercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominalExercícios sobre regência verbal e nominal
Exercícios sobre regência verbal e nominal
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Orações coordenadas resumo e exercícios
Orações coordenadas   resumo e exercíciosOrações coordenadas   resumo e exercícios
Orações coordenadas resumo e exercícios
 
Concordância verbal e nominal certo
Concordância verbal e nominal certoConcordância verbal e nominal certo
Concordância verbal e nominal certo
 
Orações adjetivas
Orações adjetivasOrações adjetivas
Orações adjetivas
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominalRegência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 

Ähnlich wie Defeitos textuais.pptx

As qualidades e os defeitos de um texto
As qualidades e os  defeitos de um textoAs qualidades e os  defeitos de um texto
As qualidades e os defeitos de um textoPatricia Cunha
 
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_ead
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_eadComunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_ead
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_eadSuemi Iarussi
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralSonia Amaral
 
50 dicas redação
50 dicas redação50 dicas redação
50 dicas redaçãoPaulo Cesar
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textualRegis Regina
 
Locimar massalai - A arte da oratória
Locimar massalai - A arte da oratória Locimar massalai - A arte da oratória
Locimar massalai - A arte da oratória LOCIMAR MASSALAI
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativaAngélica Manenti
 
Apostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografiaApostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografiaSalomao Severo da Silva
 
Aula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemAula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemMais Educativo
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicioAgassis Rodrigues
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicioAgassis Rodrigues
 

Ähnlich wie Defeitos textuais.pptx (20)

As qualidades e os defeitos de um texto
As qualidades e os  defeitos de um textoAs qualidades e os  defeitos de um texto
As qualidades e os defeitos de um texto
 
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_ead
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_eadComunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_ead
Comunicacao simone 10_jb_aula2_parte1_finalizado_ead
 
Apresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oralApresentação comunicação oral
Apresentação comunicação oral
 
50 dicas redação
50 dicas redação50 dicas redação
50 dicas redação
 
Expr idiom ponto
Expr idiom pontoExpr idiom ponto
Expr idiom ponto
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
Locimar massalai - A arte da oratória
Locimar massalai - A arte da oratória Locimar massalai - A arte da oratória
Locimar massalai - A arte da oratória
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
7º ano E. F. II - Linguagem denotativa e conotativa
 
Dicas para escrever bem
Dicas para escrever bemDicas para escrever bem
Dicas para escrever bem
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Apostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografiaApostila de portugues com nova ortografia
Apostila de portugues com nova ortografia
 
Aula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagemAula sobre vícios de linguagem
Aula sobre vícios de linguagem
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
 
Quebradas (aula 26 de março 2013)
Quebradas   (aula 26 de março 2013)Quebradas   (aula 26 de março 2013)
Quebradas (aula 26 de março 2013)
 
Quebradas (aula 26 de março 2013)
Quebradas   (aula 26 de março 2013)Quebradas   (aula 26 de março 2013)
Quebradas (aula 26 de março 2013)
 
Quebradas (aula 26 de março 2013)
Quebradas (aula 26 de março 2013)Quebradas (aula 26 de março 2013)
Quebradas (aula 26 de março 2013)
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Dislexia1
Dislexia1Dislexia1
Dislexia1
 

Mehr von Caroline Assis

Matriz_LP_3o_ano_EM.pdf
Matriz_LP_3o_ano_EM.pdfMatriz_LP_3o_ano_EM.pdf
Matriz_LP_3o_ano_EM.pdfCaroline Assis
 
Matriz_Mat_8a_serie.pdf
Matriz_Mat_8a_serie.pdfMatriz_Mat_8a_serie.pdf
Matriz_Mat_8a_serie.pdfCaroline Assis
 
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdf
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdfMatriz_LP_8a_serie_EF.pdf
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdfCaroline Assis
 
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxElementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxCaroline Assis
 
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptx
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptxGêneros Carta aberta - carta do leitor.pptx
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptxCaroline Assis
 
Diferentes formas de tratar uma informação.pptx
Diferentes formas de tratar uma informação.pptxDiferentes formas de tratar uma informação.pptx
Diferentes formas de tratar uma informação.pptxCaroline Assis
 
Gênero Charge e Cartum.pptx
Gênero Charge e Cartum.pptxGênero Charge e Cartum.pptx
Gênero Charge e Cartum.pptxCaroline Assis
 
Finalidade discursiva dos textos.pptx
Finalidade discursiva dos textos.pptxFinalidade discursiva dos textos.pptx
Finalidade discursiva dos textos.pptxCaroline Assis
 
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.ppt
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.pptAULA 24- EMPREGO DA CRASE I.ppt
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.pptCaroline Assis
 
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.ppt
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.pptAULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.ppt
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.pptCaroline Assis
 
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.ppt
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.pptAULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.ppt
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.pptCaroline Assis
 
AULA 21- Funções do SE.ppt
AULA 21- Funções do SE.pptAULA 21- Funções do SE.ppt
AULA 21- Funções do SE.pptCaroline Assis
 
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.ppt
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.pptAULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.ppt
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.pptCaroline Assis
 
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.ppt
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.pptAULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.ppt
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.pptCaroline Assis
 
AULA 20- Funções da palavra QUE.ppt
AULA 20- Funções da palavra QUE.pptAULA 20- Funções da palavra QUE.ppt
AULA 20- Funções da palavra QUE.pptCaroline Assis
 
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.ppt
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.pptAULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.ppt
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.pptCaroline Assis
 

Mehr von Caroline Assis (20)

verbos_de_comando.pdf
verbos_de_comando.pdfverbos_de_comando.pdf
verbos_de_comando.pdf
 
Matriz_LP_3o_ano_EM.pdf
Matriz_LP_3o_ano_EM.pdfMatriz_LP_3o_ano_EM.pdf
Matriz_LP_3o_ano_EM.pdf
 
Matriz_Mat_8a_serie.pdf
Matriz_Mat_8a_serie.pdfMatriz_Mat_8a_serie.pdf
Matriz_Mat_8a_serie.pdf
 
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdf
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdfMatriz_LP_8a_serie_EF.pdf
Matriz_LP_8a_serie_EF.pdf
 
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptxElementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
Elementos da Comunicação e Funções da linguagem.pptx
 
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptx
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptxGêneros Carta aberta - carta do leitor.pptx
Gêneros Carta aberta - carta do leitor.pptx
 
Gênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptxGênero Resenha.pptx
Gênero Resenha.pptx
 
INTERJEIÇÃO.pptx
INTERJEIÇÃO.pptxINTERJEIÇÃO.pptx
INTERJEIÇÃO.pptx
 
Diferentes formas de tratar uma informação.pptx
Diferentes formas de tratar uma informação.pptxDiferentes formas de tratar uma informação.pptx
Diferentes formas de tratar uma informação.pptx
 
Gênero Charge e Cartum.pptx
Gênero Charge e Cartum.pptxGênero Charge e Cartum.pptx
Gênero Charge e Cartum.pptx
 
Finalidade discursiva dos textos.pptx
Finalidade discursiva dos textos.pptxFinalidade discursiva dos textos.pptx
Finalidade discursiva dos textos.pptx
 
ARTIGO.pptx
ARTIGO.pptxARTIGO.pptx
ARTIGO.pptx
 
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.ppt
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.pptAULA 24- EMPREGO DA CRASE I.ppt
AULA 24- EMPREGO DA CRASE I.ppt
 
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.ppt
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.pptAULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.ppt
AULA 18- CONCORDÂNCIA VERBAL I - Sujeito simples.ppt
 
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.ppt
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.pptAULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.ppt
AULA 22- REGÊNCIA VERBAL I.ppt
 
AULA 21- Funções do SE.ppt
AULA 21- Funções do SE.pptAULA 21- Funções do SE.ppt
AULA 21- Funções do SE.ppt
 
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.ppt
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.pptAULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.ppt
AULA 23- REGÊNCIA VERBAL II.ppt
 
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.ppt
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.pptAULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.ppt
AULA 19- CONCORDÂNCIA VERBAL II - Sujeito composto.ppt
 
AULA 20- Funções da palavra QUE.ppt
AULA 20- Funções da palavra QUE.pptAULA 20- Funções da palavra QUE.ppt
AULA 20- Funções da palavra QUE.ppt
 
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.ppt
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.pptAULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.ppt
AULA 17- CONCORDÂNCIA NOMINAL - Casos especiais.ppt
 

Defeitos textuais.pptx

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4. O texto é um conjunto de palavras e de frases encadeadas que permitem interpretação e que transmitem uma mensagem. É uma ocorrência linguística que tem um sentido completo, dotada de certas formalidades que lhe permite estabelecer uma comunicação entre o seu produtor e o destinatário. Definição
  • 5.
  • 6. Quais são as qualidades de um texto? Em um texto é importante observar uma série de requisitos:  A concisão;  A correção;  A clareza;  A elegância;
  • 7. Ser conciso significa  Não abusar de palavras para exprimir ideias;  Ir direto ao assunto, não ficar enrolando, enchendo linguiça;  Eliminar tudo aquilo que é desnecessário. Concisão
  • 8. Deve estar de acordo com a norma culta.  Desvios na linguagem (gramaticais ou ortográficos) são fruto do desconhecimento das regras da norma culta;  GRAFIA: cuidado com a grafia das palavras que não conhecemos, em caso de dúvida. consulte o dicionário ou use sinônimos. Correção
  • 9. Consiste na manifestação da ideia de forma objetiva, que possa ser compreendida rapidamente.  Ser claro é ser coerente, não se contradizer ou confundir.  São inimigos da clareza: a desobediência às normas da língua, os períodos longos, o vocabulário rebuscado, a imprecisão vocabular. Clareza
  • 10. Consiste em tornar a leitura um texto agradável.  A elegância é conseguida com a concisão, com a correção e com a clareza, além da criatividade e do modo original de escrever.  Começa pela estética do texto, que deve ser limpo, sem borrões ou rasuras e com letra legível. Elegância
  • 11.
  • 12. Inúmeras vezes, ao escrever, você deve ter tido as seguintes preocupações: esta palavra se escreve com s ou com z ? E esta é com x ou com ch? Será que esta frase ficou clara? Será que não estou me estendendo demais sobre o assunto?
  • 13. Vamos tratar de alguns defeitos que empobrecem o texto.  Ambiguidade;  Obscuridade;  Pleonasmo ou tautologia;  Cacofonia;  Eco;  Prolixidade;  Barbarismo; Estrangeirismo;  Arcaísmo; Neologismo;  Rebuscamento ou preciosismo.
  • 14.
  • 15. Ocorre ambiguidade quando a frase apresenta mais de um sentido. Ocorre geralmente por má pontuação ou mau emprego de palavras ou expressões. É considerado um defeito da prosa, porque atenta contra a clareza. O advogado disse ao réu que suas palavras convenceriam o juiz. As palavras de quem convenceriam o juiz: do réu ou do advogado?
  • 16.
  • 17.
  • 18. Obscuridade significa "falta de clareza". Vários motivos podem determinar a obscuridade de um texto: períodos excessivamente longos, linguagem rebuscada, má pontuação. Observe: Foi evitada uma efusão de sangue inútil (Em vez de efusão inútil de sangue).
  • 19. “Quando as normas, mesmo tendo sido apresentadas e impressas para dar aos alunos, para que não venham dizer depois que desconheciam as regras da escola, são desobedecidas é muito ruim.”
  • 20.
  • 21. O pleonasmo (ou redundância) consiste na repetição desnecessária de um termo. Veja: A brisa matinal da manhã enchia-o de alegria. Ele teve uma hemorragia de sangue. Convém notar, no entanto, que bons autores costumam recorrer ao pleonasmo com função estilística, a fim de tornar a mensagem mais expressiva. Nesse caso, o pleonasmo não é considerado um defeito. Veja os exemplos abaixo: "A mim, ensinou-me tudo." (Fernando Pessoa) "A ti, trocou-te a máquina mercante." (Gregório de Matos)
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. A cacofonia (ou cacófato) consiste na produção de som desagradável pela união das sílabas finais de uma palavra com as iniciais de outra. Veja: Nunca gaste dinheiro com bobagens. Uma herdeira confisca gado em Mato Grosso. Olha essa fada.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. Consiste na repetição de palavras terminadas pelo mesmo som. Observe: A decisão da eleição não causou comoção na população. O aluno repetente mente alegremente.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. A prolixidade consiste na utilização de mais palavras do que o necessário para exprimir uma ideia; é, portanto, o oposto da concisão. Ser prolixo é ficar "enrolando", "enchendo linguiça", não ir direto ao assunto. O uso de cacoetes, expressões que não acrescentam nada ao texto, servindo tão- somente para prolongar o discurso, também pode tornar um texto prolixo. Expressões do tipo: "antes de mais nada", "pelo contrário", "por outro lado", "por sua vez" são, muitas vezes, utilizadas só para prolongar o discurso. Cuidado com elas.
  • 34.
  • 35. 1. Aquele que se deixa prender sentimentalmente por criatura destituída de dotes físicos de encanto ou graça acha-a dotada desses mesmos dotes que outros não lhe veem. 2. Por cada um dos prolongamentos articulados em que terminam pés e mãos do ser humano se estabelece a identidade do ser de tamanho descomunal. 3. Quando o sol está abaixo da linha do horizonte, a totalidade dos animais domésticos da família dos felídeos é de cor mescla entre branco e preto. 4. O traje característico que usa não identifica fundamental a pessoa que, por fanatismo, misticismo ou cálculo, se isola da sociedade, levando vida austera e desligada das coisas mundanas. 5. A criatura canonizada que vive em nosso próprio lar não é capaz de produzir feito extraordinário que vá contra as leis fundamentais da natureza. 5. Aquele que anuncia por palavras tudo o que satisfaz ao seu ego tende a perceber por seus órgãos de audição coisas que não desejaria. 6. O Espírito das Trevas não é tão destituído de encantos e graças físicas quanto se o representa por meio de traços e cores. 7. A substância insípida, inodora e incolor que já se foi não é mais capaz de comunicar movimentos ao engenho de triturar cereais. 8. De unidade de cereal em unidade de cereal, a ave de crista carnuda e asas curtas e largas, da família das galináceas, abarrota a bolsa que existe nessa espécie por uma dilatação do esôfago e na qual os alimentos permanecem algum tempo antes de passarem à moela. Millôr Fernandes.
  • 36.
  • 37. Grifo ou pronúncia de uma palavra em desacordo com a norma culta. “Gratuíto” (em vez de gratuito) “Rítmo” (em vez de ritmo) “Nóbel” (Nobel) “Rúbrica” (rubrica)
  • 38.
  • 39.
  • 40. É a utilização de palavras que não pertencem ao idioma nacional. Os estrangeirismos mais frequentes são a) Anclicismos (palavras de origem inglesa) Hot dog, play ground, shopping, bacon. b) Galicismo (palavras de origem francesa) Abat-jour, carnet, garage, menu. c) Italianismo (palavras de origem italiana) Bambino, cascata, cicerone, fiasco, caricato.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. É o uso de palavras ou expressões que já não pertencem ao idioma na atualidade. Tinha abrido (em vez de tinha aberto) Senhôra (ao invés de senhora) Arreio (ao invés de enfeite)
  • 45.
  • 46.
  • 47. Consiste na criação desnecessária de palavras novas. padaria imexível sambódromo danceteria.
  • 48.
  • 49.
  • 50.
  • 51. É a exagerada delicadeza no falar e escrever, prejudicando a clareza. Meu genitor sofre de alopecia androgênica. (Meu pai é careca). Colóquio flácido para acalentar bovinos. (Conversa para boi dormir).