Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

ATS e doenças raras

268 Aufrufe

Veröffentlicht am

Dra. Luciene Schluckebier

Veröffentlicht in: Gesundheit & Medizin
  • Als Erste(r) kommentieren

  • Gehören Sie zu den Ersten, denen das gefällt!

ATS e doenças raras

  1. 1. ATS e Doenças Raras Luciene Schluckebier Professora do Mestrado Profissional em ATS do Instituto Nacional de Cardiologia
  2. 2. • Brasil: afeta até 65 pessoas/100.000 habitantes1 • EUA: até 200.000 pessoas (~62:100.000 hab em 2015)2 • UE: prevalência <5/10.0003 • Medicamentos órfãos Doenças raras 1Portaria 199/2014. Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras 2 FDA. Designation na Orphan Product: Drugs and Biological Products. Disponível em: https://www.fda.gov/ForIndustry/DevelopingProductsforRareDiseasesConditions/HowtoapplyforOrphanProductDe signation/default.htm 3 European Mediciny Agencies. Orphan Designation. Disponível em: http://www.ema.europa.eu/ema/index.jsp?curl=pages/regulation/general/general_content_000029.jsp&mid=WC 0b01ac0580b18a41#
  3. 3. - Necessidades não atendidas (“unmet needs”) - Maior custo por paciente Medicamentos Órfãos Custo anual médio por paciente de um medicamento órfão comparado com o custo de um medicamento regular, entre 2010 a 2014 nos EUA. Análise baseada nos 100 mais vendidos em 2014. Adaptado de: Chris Alcantara/ The Washington Post. Fonte: EvaluatePharma. Disponível em: https://www.washingtonpost.com/business/economy/high-prices-make-once-neglected-orphan-drugs-a- booming-business/2016/08/04/539d0968-1e10-11e6-9c81-4be1c14fb8c8_story.html Medicamentos órfãos Medicamentos regulares
  4. 4. Evidências limitadas • População pequena • Heterogênea e dispersa • Acompanhamento curto • Poucos centros de referência, IC largos, fase IV difícil e cara • Sem consenso para os desfechos • Desfechos substitutos
  5. 5. Desfecho substituto • Plausibilidade biológica • O valor do biomarcador fortemente preditiva da sobrevivência • Deve estar na via causal da doença • O efeito do tratamento deve ser totalmente capturado pelo DS Fonte: Sacket.
  6. 6. Ideal Desfecho Substituto Doença Intervenção • Todos os mecanismos de ação da intervenção até o desfecho finalístico devem ser mediados pelo desfecho substituto Fleming, DeMets. Ann Intern Med. 1996 Desfecho Clínico Finalístico
  7. 7. Desfecho Substituto Doença Intervenção Desfecho Clínico Finalístico Correlação ≠ Desfecho
  8. 8. Por que é importante identificar os DS? • Entender a patogenese e mecanismos de ação de um tratamento • Fase II selecionar medicamentos para prosseguir • Protocolo acelerado (licença adaptativa) • Fase III substitutir estudos longos e com grandes tamanhos amostrais
  9. 9. Orphan Drug Act Concede uma condição especial para um medicamento, a partir do pedido do patrocinador Orphan Status (21 CFR Part 316) -Prioridade na análise -Terapias inovadoras -Aprovação acelerada -Fast track Fonte: FDA. Designating an Orphan Product: Drugs and Biological Products. Disponível em: https://www.fda.gov/ForIndustry/DevelopingProductsforRareDiseasesConditions/HowtoapplyforOrph anProductDesignation/default.htm
  10. 10. Fast track Facilita o processo de desenvolvimento e aprovação - Condições sérias (ex.: SIDA, Alzheimer, insuficiência cardíaca, câncer, depressão) - Necessidades não-atendidas (inexistência de terapia ou terapia potencialmente melhor que a existente) Fonte: FDA. Fast track. Disponível em:https://www.fda.gov/forpatients/approvals/fast/ucm405399.htm
  11. 11. Designação órfão no ciclo de vida do produto Pesquisa e desenvolvimento Autorização de mercado Pós-autorização Solicitação para designação produto órfão - Relatórios anuais - Incentivos - Transferência para designação órfão Atividades pós-designação - Exclusividade do mercado - Similaridade órfã - Revisão da manutenção da designação órfão - Mudança de patrocinador - Remoção designação órfão - Revisão da exclusividade de mercado Adaptado de: European Medicines Agency. Disponível em: http://www.ema.europa.eu/ema/index.jsp?curl=pages/regulation/general/general_content_000029.jsp& mid=WC0b01ac0580b18a41
  12. 12. "Art. 17-A. Os prazos estabelecidos para a decisão final nos processos de registro e de alteração pós-registro de medicamento levarão em conta os seguintes critérios: I - complexidade técnica; II - benefícios clínicos, econômicos e sociais da utilização do medicamento objeto do requerimento. ... § 2º Os prazos máximos para a decisão final nos processos de registro e de alteração pós- registro de medicamento serão, respectivamente: I - para a categoria prioritária, de cento e vinte dias e de sessenta dias, contados a partir da data do respectivo protocolo de priorização; II - para a categoria ordinária, de trezentos e sessenta e cinco dias e de cento e oitenta dias, contados a partir da data do respectivo protocolo de registro ou de alteração pós-registro.
  13. 13. Art. 6º A Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras é constituída a partir dos seguintes princípios: ... VI - incorporação e uso de tecnologias voltadas para a promoção, prevenção e cuidado integral na RAS, incluindo tratamento medicamentoso e fórmulas nutricionais quando indicados no âmbito do SUS, que devem ser resultados das recomendações formuladas por órgãos governamentais a partir do processo de avaliação e aprovação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) e Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas (PCDT);
  14. 14. Art. 9º. Compete ao Ministério da Saúde: ... II - definir diretrizes gerais para a organização do cuidado às doenças raras na população brasileira; ... IV - estabelecer, através de PCDT, recomendações de cuidado para tratamento de doenças raras, levando em consideração a incorporação de tecnologias pela CONITEC, de maneira a qualificar o cuidado das pessoas com doenças raras;
  15. 15. Dever!
  16. 16. Preferências da Sociedade? • “ Value for money” – utilitarista x base legal (direito dos pacientes) Utilitarismo: princípio ético no qual o que determina se uma decisão ou ação é correta, é o benefício intrínseco exercido à coletividade, ou seja, quanto maior o benefício, tanto melhor será a decisão ou ação.
  17. 17. Fonte: Lancet. Published online April 20, 2016. Is it ethically preferable to provide a larger number of people with cheaper treatments that are less effective (or more toxic), or to restrict treatments to a smaller group to provide a more expensive but more effective or less toxic alternative? Foundational principles of justice: utility, equality, and priority for those worst off.
  18. 18. • Portadores de doenças raras devem ter opções de tratamento • Incentivos para inovações • Fundos • Abono de impostos • Garantia de Mercado • Licença adaptativa e fast-track • Necessidade de estabeler fronteiras para os benefícios pagos pela sociedade Equidade de acesso
  19. 19. Equidade Vertical
  20. 20. Regra do resgate
  21. 21. • Captura de valores e preferências sociais • Custo-oportunidade social (“value foregone”) • Person trade-off, Relative social- WTP, MCDA Preferências da Sociedade
  22. 22. Custo-efetivo? Fonte: Drummond et al. Assessing the economic challenges posed by orphan drugs. Int J of Technology Assessment in Health Care 2007; 23(1): 36-42 A: Critério de eficiência B: Remoção tatuagem Tto de impotência masc C: Doenças raras Câncer terminal
  23. 23. Desafios ATSPreços altos ICERs elevados Falta de tratamento alternativo Evidências limitadas Demanda pequena / recuperação dos investimentos Identificação das necessidades individuais Adaptado de: NICE.Challenges for Highly Specialised Technology Evaluations at NICE – The assessment of OMP. Disponível em http://www.birmingham.ac.uk/Documents/college-social-sciences/social- policy/hsmc-library/Priorities2016/Sheela-Upadhyaya.pdf
  24. 24. Fonte: Winquist et al An evaluation framework for funding drugs for rare dieases. Value in Health 2012; 15: 982-6
  25. 25. Desafios ATSPreços altos ICERs elevados Falta de tratamento alternativo Evidências limitadas Demanda pequena / recuperação dos investimentos Identificação das necessidades individuais Adaptado de: NICE.Challenges for Highly Specialised Technology Evaluations at NICE – The assessment of OMP. Disponível em http://www.birmingham.ac.uk/Documents/college-social-sciences/social- policy/hsmc-library/Priorities2016/Sheela-Upadhyaya.pdf
  26. 26. Fonte: CONITEC. Icatibanto para o tratamento da crise aguda moderada ou grave do angioedema hereditário. Relatório de recomendação nº163, 2015.
  27. 27. Desafios ATSPreços altos ICERs elevados Falta de tratamento alternativo Evidências limitadas Demanda pequena / recuperação dos investimentos Identificação das necessidades individuais Adaptado de: NICE.Challenges for Highly Specialised Technology Evaluations at NICE – The assessment of OMP. Disponível em http://www.birmingham.ac.uk/Documents/college-social-sciences/social- policy/hsmc-library/Priorities2016/Sheela-Upadhyaya.pdf
  28. 28. Schlander et al. How (Not) To Assess the Social Value of Medical Interventions for Ultra-Rare Disorders (URDs): Recommendations from the URD Evaluation Project. ISPOR Connections; vol20, n. 6, 2014 A meta Pacientes: acesso a intervenções efetivas Indústria farmacêutica: incentivos para PDI Gestores e fonte pagadora: estabelecimento de limites
  29. 29. Abordagem diferenciada - Valores da sociedade ≠ utilidades individuais agregadas - Preferências sociais: equidade e compartilhamento, não benefício direto - All-or-nothing decisions não vai de encontro à perspectiva do cidadão - QALYs não incorporam equidade de acesso ao tto - Limiar de custo-efetividade pode levar à decisões não- éticas - Custo não implica raridade Schlander et al. How (Not) To Assess the Social Value of Medical Interventions for Ultra-Rare Disorders (URDs): Recommendations from the URD Evaluation Project. ISPOR Connections; vol20, n. 6, 2014
  30. 30. Prêmio por raridade? NICE’s Citizens’ Council considerou que, com certas condições, o NHS deveria considerer o pagamento de um preço prêmio para terapias de pacientes com doenças muito raras. Critérios: - Grau de severidade da doença - Se o tratamento iria prover ganho em saúde, e não somente estabilização da condição clínica - Se a doença ou condição era potencialmente fatal Fonte: National Institute for Clinical Excellence. NHS should consider paying premium prices for drugs to treat patients with very rare diseases says NICE Citizen's Council. Press release 26Jan. www.nice.org.uk/pdf/2005_002_CitizensCouncilreport.pdf
  31. 31. Fonte: EMA. Orphan Medicines Figures 2000-2016. Disponível em: http://www.ema.europa.eu/docs/en_GB/document_library/Other/2015/04/WC500185766.pdf
  32. 32. - A farmacogenética vem desagregando doenças prevalentes em doenças geneticamente distintas - Medicamentos órfãos passam a ser muito comuns - Status órfão é mantido para medicamentos com múltiplas indicações
  33. 33. - Oportunidade estratégica da legislação de doenças raras - Evita decisões desfavoráveis na alocação de recursos - Impõe aumento substancial do uso de recursos no sistema de saúde.

×