Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

teoria e pratica cientifica

9.052 Aufrufe

Veröffentlicht am

  • Als Erste(r) kommentieren

teoria e pratica cientifica

  1. 1. Teoria eprática <br />científica<br />
  2. 2. METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTIFICO-<br />Antonio Joaquim Severino<br />UFSCar: Universidade Federal de São CarlosCECH – Centro de Estudos em Ciências HumanasCurso de Biblioteconomia e Ciência da informaçãoDisciplina: Introdução à pesquisa científica (Turma 2011)<br />Ana Tereza de Pádua-405060<br />
  3. 3. Introdução:<br /><ul><li>Ciência como construção do conhecimento: sua formação histórica e constituição teórica.
  4. 4. Surge na modernidade como ruptura crítica ao modo metafísico de pensar (Antiguidade e Idade Média).
  5. 5. Ciência como leitura do mundo natural, usando métodos, procedimentos técnicos e fundamentos epistemológicos .</li></li></ul><li>3.1. O método como caminho do <br />conhecimento científico <br /><ul><li> O uso de instrumentos tecnológicos na pesquisa científica é feito através da prática dos métodos que estão sendo usados na pesquisa.
  6. 6. Contudo, para se completar o entendimento geral é necessário- além de técnicas e métodos- que o pesquisador se apóie em um fundamento epistemológico. Esse fundamento justificará sua pesquisa.
  7. 7. Todo conhecimento tem uma condição previa, relacionado ao que sabemos e pressupomos.
  8. 8. Para se diferenciar do senso comum, da arte, da filosofia e da religião, a ciência utiliza seu próprio método, que é o método científico. </li></li></ul><li><ul><li>A primeira atividade do cientista é a observação de fatos, que pode ser casual ou espontânea ( mas devem ser os mesmos fatos em diferentes circunstâncias).
  9. 9. Como os fatos não se explicam por si só, ao os observamos estamos problematizando-os.
  10. 10. Assim, a razão formula uma hipótese (explicação provisória que após confirmada torna-se lei) e o cientista tenta comprová-la através de verificação experimental.
  11. 11. Quando várias leis podem ser unificadas em uma lei mais abrangente, ela torna-se uma teoria.
  12. 12. Várias teorias unificadas transformam-se em sistema.</li></li></ul><li><ul><li>O método científico se compõe de dois momentos:
  13. 13. Momento experimental: fase indutiva em que há o processo de generalização fundado no determinismo universal. Assim o cientista conclui que o que acontece com alguns fatos isolados se aplica a todos de mesma natureza.
  14. 14. Momento matemático: a conclusão é estabelecida pela dedução. Desse modo há a passagem do universal para o singular.
  15. 15. Quando a ciência passa de fatos às leis, pelas hipóteses, ela trabalha com a indução. Quando passa de leis às teorias e destas aos fatos, usa a dedução.</li></li></ul><li><ul><li>O processo lógico-dedutivo está presente na ciência e permitiu que ela construísse a imagem mecânica do mundo.
  16. 16. A ciência criou leis para o funcionamento do universo e do mundo físico, obtendo grande êxito na era moderna e consolidando sua hegemonia epistêmica, cultural e política.
  17. 17. A técnica serviu para a Revolução Industrial e para aumentar o poder do homem manipular a natureza.</li></li></ul><li>3.2.Os fundamentos teórico-metodológicos da ciência<br /><ul><li>Os modernos conceberam a ciência como única forma de conhecimento valido e verdadeiro.
  18. 18. Ao se fazer ciência o homem parte de algumas concepções pressupostas da natura e do real que não precisam ser provadas. Elas são aceitas e sua sistematização são chamadas de paradigmas.
  19. 19. Paradigmas epistemológicos: o pesquisador usa um pressuposto de sujeito/objeto ao construir seu conhecimento e aplica recursos metodológicos e técnicos compatíveis com o paradigma que reúne esses pressupostos.</li></li></ul><li><ul><li>Durante a Antiguidade e a Idade Média o homem tinha a concepção metafísica (capacidade da razão humana de conhecer a essência das coisas) do real.
  20. 20. Após o Renascimento, essa concepção foi questionada e chegaram à conclusão que o homem só pode conhecer os fenômenos, nunca a sua essência.
  21. 21. A ciência busca conhecer a relação de causa e efeito dos fenômenos e acredita que eles se comportam sempre da mesma maneira, seguindo leis.
  22. 22. Desse modo, as mesmas causas têm sempre os mesmos efeitos.
  23. 23. A ciência é ao mesmo tempo um saber teórico e um poder pratico.</li></li></ul><li>3.3. A formação das Ciências Humanas e os novos paradigmas epistemológicos<br /><ul><li>As Ciências Humanas foram se constituindo a partir do século XIX.
  24. 24. Ao estudar as Ciências Humanas os pesquisadores tentaram tratar o homem e suas manifestações como fenômenos idênticos aos fenômenos naturais. Viam o homem como objeto acessível às leis de experimentação e observação.
  25. 25. Porém, os pesquisadores chegaram à conclusão que há várias maneiras de se ver a relação homem/objeto e de compreensão/explicação do modo de ser do homem.</li></li></ul><li><ul><li>O paradigma positivista (observação de fenômenos e fatos) tornou-se ineficaz para explicar as relações do homem. Assim, surgiram várias perspectivas epistemológicas para o estudo da relação sujeito/objeto:
  26. 26. Funcionalismo: sociedade e cultura são como um organismo que funciona para atender às necessidades de todos.
  27. 27. Estruturalismo: todo sistema é uma estrutura que gera interdependência entre as partes e o que acontece com um elemento afeta ao conjunto inteiro.
  28. 28. Fenomenologia: exclui toda influência subjetiva, psicológica ou teoria previa sobre o objeto, mas analisa e descreve o objeto em toda sua complexidade.</li></li></ul><li><ul><li> Hermenêutica: Toda realidade humana se expressa através de uma manifestação simbólica. Tendo a linguagem como símbolo, ela é atividade central na pesquisa hermenêutica.
  29. 29. Arqueogenealogia: define o homem não como um animal racional, mas como uma máquina de desejos.
  30. 30. Dialética: vê a reciprocidade sujeito/objeto através da interação social que se forma com o passar do tempo. Prioriza a práxis humana e a ação histórica/social. Baseia-se em alguns pressupostos: </li></li></ul><li>-Totalidade: pessoa não se explica isoladamente da sociedade.<br /><ul><li> Historicidade: cada momento faz parte de um processo histórico maior.
  31. 31. Complexidade: o real é um fluxo permanente de transformações.
  32. 32. Dialeticidade: a historia não tem uma evolução linear, mas uma luta de contrários, permanente conflitos e contradições.</li></li></ul><li><ul><li> Praxidade: acontecimentos e fenômenos se desenvolvem através da prática.
  33. 33. Cientificidade: a explicação cientifica explica as causas, que se expressão mediante um processo histórico-social, sempre em conflito.
  34. 34. Concreticidade: empiricidade real dos fenômenos. O que está em pauta é a prática do homem, no espaço social e histórico.</li></li></ul><li>3.4. Modalidades e metodologias de pesquisa científica<br /><ul><li>As Ciências Naturais e Ciências Humanas tem diferentes modos de investigação e práticas científicas.
  35. 35. Mas dentro de cada uma também há a possibilidade de se usar diversas perspectivas epistemológicas e vários enfoques.
  36. 36. “Por essa razão, várias são as modalidades de pesquisa que se pode praticar, o que implica ocorrência epistemológica, metodológica e técnica, para o seu adequado desenvolvimento” Severino</li></li></ul><li>3.4.1. Pesquisa quantitativa, pesquisa qualitativa<br /><ul><li> A abordagem quantitativa e qualitativa são conjunto de metodologias que envolvem diversas referências epistemológicas, pois varias metodologias de pesquisa podem utilizá-las.</li></li></ul><li>3.4.2. Pesquisa etnográfica<br /><ul><li> Utiliza métodos e técnicas compatíveis com a abordagem qualitativa e visa compreender os processos do dia-a-dia, em suas diversas modalidades.</li></li></ul><li>Referência:<br /><ul><li>SEVERINO, J. A. Teoria e prática científica. In: ________Metodologia do trabalho científico. São Paulo, Cortez, 2007. Somente das páginas 99 a 118</li>

×