Diese Präsentation wurde erfolgreich gemeldet.
Wir verwenden Ihre LinkedIn Profilangaben und Informationen zu Ihren Aktivitäten, um Anzeigen zu personalisieren und Ihnen relevantere Inhalte anzuzeigen. Sie können Ihre Anzeigeneinstellungen jederzeit ändern.

MANUAL DA CERVEJA

25.528 Aufrufe

Veröffentlicht am

MANUAL DA CERVEJA

Veröffentlicht in: Bildung, Business
  • Als Erste(r) kommentieren

MANUAL DA CERVEJA

  1. 1. Antarctica-- A pioneira Antarctica nasceu em São Paulo em 1885. Antes de se juntar com a Brahma, comprou pequenas cervejarias descoladinhas, como a Bohemia. • Veredicto: a mais forte entre as populares desce agarrando na língua e tem um final meio áspero. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5% • Nota: 5,5 Antarctica Malzbier- Sabe aquele sabor docinho das malzbier? Vem do caramelo em calda utilizado no processo de fabricação. • Veredicto: menos açucarada que a Brahma, a Malzbier da Antarctica é levinha e tem uma textura escuríssima. Freezer na posição 9 • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4% • Nota: 5 Bavaria Pilsen É uma das marcas mais antigas do Brasil (só que agora pertence à empresa canadense Molson), "a cervejaria mais antiga da América do Norte". • Veredicto: fraquinha e sem nenhuma pegada especial, pelo menos não deixa sabor residual no gogó. Sorte dos sertanejos. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,3% • Nota: 4,5 Bavaria Premium Para consolidar a fusão Brahma-Antarctica, a Ambev teve de vender uma de suas marcas. A Bavaria, ex-Antarctica, foi eleita. • Veredicto: azar da Ambev. A premium da Bavaria (hoje da empresa canadense Molson), tem sabor equilibrado, com razoável complexidade e corpo bem decente. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5,5% • Nota: 7 Bishops Finger - Só essa inglesinha pode usar a denominação geográfica "Kentish Strong Ale". A água é de uma fonte artesiana de 300 anos. • Veredicto: esqueça o rótulo horroroso. O aroma de terra, a textura adstringente e o sabor levemente amargo coroam de prazeres esse néctar avermelhado e encorpado. • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 5,4% • Nota: 9
  2. 2. Bohemia Ainda bem que a Ambev vem tratando essa marca clássica de Petrópolis com mais carinho nos últimos tempos. Nossa Urquel quase tinha ido pro saco. • Veredicto: falta um longo caminho até virar um must. O sabor precisa ganhar vigor e perder açúcar. . • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5% • Nota: 7 Brahma Chopp Sem pensar muito, até refresca pensamento. Mas o odor ácido que sobra no copo faz a gente refletir sobre a manhã seguinte. • Veredicto: um gosto de ferro enferrujado (alguém sabe como é?) e um retrogosto ácido nos fazem pensar em tira-gostos pouco condimentados. Deixe gelar bem. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5% • Nota: 5 Brahma Extra O aroma característico deixa a Extra da Brahma o mais próximo do que se poderia chamar de maresia engarrafada. • Veredicto: melhor corpinho das pilsen da terra. Tem leve toque amargo, o suficiente para enriquecer o sabor, mas não para destruir o paladar. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5,5% • Nota: 7 Brahma Light Pilsen da Brahma feita para a garotada beber no verão. É a cerveja com a mais baixa graduação alcoólica do teste. • Veredicto: se o freezer estiver sem energia, danou-se: essa cerveja azeda. Sem corpo, só tomando quase congelada. Por que será que essas lights todas têm um retro-gosto de ovo? • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 3,1% • Nota: 3 Brahma Malzbier As grávidas beberam muita malzbier (essa é de 1918!), até que o papo de ser "boa para o aleitamento" virou piada. • Veredicto: parece que alguém esqueceu a torneira do caramelo aberta. É até bem cremosa mas, na dúvida, garanta o freezer no máximo • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 3,7% • Nota: 4
  3. 3. Caracu Centenária (1899), a Caracu é uma stout (do tipo irlandesa). Contém resíduos de levedura, é anunciada como nutritiva. • Veredicto: não tão doce como já foi conhecida, a Caracu foi uma grata surpresa. Mas para stout de verdade ainda faltam quilômetros... • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5,35 • Nota: 4,5 Carlsberg Produzida aqui desde 1997, agora pela Ambev, a tradicional marca dinamarquesa tem uma espuma generosa e bem leve. • Veredicto: é uma das pilsen mais "aguadas" do mercado. Um saborzinho mais forte não faria mal. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,8% • Nota: 5,5 Cerpa Há uns 15 anos, quando essa marca do Pará chegou ao Sul maravilha, era uma das melhores do país. O que rolou? • Veredicto: tudo bem que é draft, cervejinha de tiro rápido, mas precisava ser tão sem gracinha? Ao menos é bem gasosa. Refresca sem enervar. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: (não informado) • Nota: 5 Chimay Maravilha dos monges trapistas belgas, tem segunda fermentação na garrafa e a maior graduação alcoólica do teste. • Veredicto: com essa neve cremosa você vai aprender que espuma é legal. A breja desce alisando, mesmo com resíduos naturais da produção • Origem: Bélgica • Teor alcoólico: 9% • Nota: 8 Corona Essa pilsen nem precisa ser bebida com limão, como manda a tradição no México. Mas ajuda. • Veredicto: com corpo razoável em se tratando de uma mexicana (cerveja, diga- se), a Corona desce amistosa desde o primeiro contato. • Origem: México • Teor alcoólico: 4,6% • Nota: 6
  4. 4. Dos Equis -- Gás na medida, mas quase sem espuma, essa cerveja é uma das prediletas dos bares de blues de Austin, Texas. Vai saber por quê... • Veredicto: típica loirinha (bem amarela) pra consumo rápido. É uma lager leve, sem nenhum aroma, que desce sequinha e redonda. Honestinha... • Origem: México • Teor alcoólico: 4,5% • Nota: 6,5 Duvel Maravilha belga que ganha segunda fermentação na garrafa. É a mais deliciosa espuma do teste - e não é escura. • Veredicto: bira pra macho. Começa suave, com aroma até frutado, mas acaba grudando na língua, infernalmente amarga. Boa com um charuto. • Origem: Bélgica • Teor alcoólico: 8,5% • Nota: 7,5 Erdinger Além de cevada, a Erdinger também leva trigo na fórmula. Adoravelmente turva, traz ainda espuma espessa como clara em neve. • Veredicto: que surpresa! Em geral breja de trigo é frutada e mais doce, mas essa, mesmo suave, é coisa pra macho e tem sabor bem rico. • Origem: Alemanha • Teor alcoólico: 5,3% • Nota: 6,5 Grolsh Premium Larger O slogan é descolado e soa verdadeiro: "Você só bebe quando estiver pronta". Mas o grande charme do produto é o bocalzinho de cerâmica. • Veredicto: diferente das aguadas pilsen brasileiras, essa delícia holandesa tem corpo e sabor pra ninguém reclamar. Sofisticação pura. • Origem: Holanda • Teor alcoólico: 5% • Nota: 7,5 Heineken -- É inimitável o sabor da Heineken, feita no Brasil pela Kaiser sob licença da marca holandesa. • Veredicto: tem quem não goste do sabor "oxidado" dessa loira rechonchuda, e muito menos do travo na língua no final. É, na vigésima garrafinha tive mesmo de dar um tempo... • Origem: Brasil
  5. 5. • Teor alcoólico: 5% • Nota: 7 Hurlimann Premium Quem diria que a Suíça produz uma brejinha tão singular? Quer dizer, vale o test- drive. • Veredicto: ao mesmo tempo leve e amarga, ao mesmo tempo, essa lager não passa batida pela sua língua. Até porque ela começa suave e só depois é que sua pegada azedinha brota. • Origem: Suíça • Teor alcoólico: 5% • Nota: 6,5 Kaiser Fundada em 1982 por engarrafadores da Coca-Coca, a Kaiser tem parceiros que garantem sua qualidade: a Coca tem 10% e a Heineken, 14%. • Veredicto: a loirinha consegue uma equação razoável entre os sabores doces e os amargos. Vai bem nas refeições. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5% • Nota: 5,5 Kaiser Summer Draft A garrafa clara só é permitida porque, segundo a Kaiser, na fórmula é usado lúpulo, que resiste à luz. • Veredicto: típica cerveja que deve ser bebida estupidamente gelada. Até porque não vai muito além de um liquidozinho leve, meio adocicado e com gostinho de... nada. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,5% • Nota: 4 Master Brew Essa ale tem baixa graduação alcoólica e uma sensual cor de caramelo. • Veredicto: deliciosamente amarga até a última borbulha, ainda oferece um final com pegada de terra, enquanto se curte um forte aroma amadeirado. Especiaria de macho é isso. • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 4% • Nota: 7,5 Miller Primeira draft nacional, produzida aqui pela Ambev. Já que não sofre pasteurização, a draft é uma espécie de chope engarrafado, mas tem filtragem reforçada. • Veredicto: loirinha suave, mas de sabor razoavelmente complexo e espuma cremosa. Pra variar, é bom, não? • Origem: Brasil
  6. 6. • Teor alcoólico: 4,6% • Nota: 6,5 Morland Old Speckeld Hen Enfim, uma pale ale. Mas pale hoje não quer dizer "clara", como no século passado. • Veredicto: a espuma densa e a textura turva sugerem mais do que se tem. O sabor é pouco complexo, ainda que o corpinho segure a onda. • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 5,2% • Nota: 6,5 Newcastle Brown Ale Sabe qual o apelido dessa delícia no norte da Inglaterra? "Dog". A brincadeira é: "Ei, vou ali levar o cachorro pra mijar". • Veredicto: esse sumo escuro cremoso é um desbunde. Tem uma leve pegada adstringente, mas não trava a língua. Receita divertida pacas. • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 4,7% • Nota: 8,5 Ruddles County -- Ale feita na "tradição do interior da Inglaterra". Pela espuma cremosa, a cor e o aroma, o interior inglês é duca. • Veredicto: seco e bem definido, o sabor dessa belezura de gargalo largo lembra que Deus existe: sugere equilíbrio e suavidade, sem apatia • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 4,7% • Nota: 8,5 Schincariol A fábrica de Itu virou uma potência, com produção em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. É a terceira maior, depois da Ambev e da Kaiser. • Veredicto: só precisa se dedicar mais ao paladar. Como a Brahma Chopp, essa pilsen tem sabor metálico, pesado e, pior, é aguada até a alma • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,9% • Nota: 3 Schincariol Malzbier Mais uma breja morena da cervejaria de Itu, é a malzbier de mais alto teor alcoólico. • Veredicto: é a menos enjoativa entre todas dessa linhagem. Aliás, essa moreninha é a que melhor equilibra as "tonalidades" amarga e doce desse tipo de bira. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,3% • Nota: 5
  7. 7. Schincariol Munich Foi só em 1989 que a fábrica da Itubaína passou a fazer cerveja. A cor dessa pretinha vem do malte torrado e do caramelo. • Veredicto: começa bem. Espuma cremosa, textura "granulada" e aí... um sabor sem vigor, suave demais e com um finalzinho meio doce. • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4% • Nota: 4 -- Skol- A mais vendida breja do país, a Skol foi a primeira lata nacional (1971, lata mesmo, de folha-de-flandres). Em 1989, foi a pioneira no uso do alumínio. • Veredicto: Sabe por que é a mais vendida? Porque é a mais levinha. Eta coisinha sem peso... • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 4,7% • Nota: 5 Sol A mexicana mais famosinha no país. O rótulo é um charme: gravado no vidro, como nos velhos tempos. Mas o sabor... • Veredicto: aguada até o pescoço, quase incapaz de impressionar suas glândulas gustativas, a breja cucaracha é muito vista nas mãos da mulherada. Com limão, desce. • Origem: México • Teor alcoólico: 4,5% • Nota: 4,5 Spitfire Variação menos alcoólica da kentish ale, é feita na mesma cervejaria da campeã Bishops Finger. Aliás, diz o rótulo, a mais velha cervejaria britânica. • Veredicto: embora deliciosamente amarga, a Spitfire tem um sabor linear, pouco complexo. Mas a consistência densa resolve a parada. • Origem: Inglaterra • Teor alcoólico: 4,5% • Nota: 7,5
  8. 8. Tripel Kermeliet Uma das famosas "triple ale" (cevada, trigo e aveia) feitas em abadias belgas, essa especiaria rara ainda segue fermentando depois de engarrafada. Uau. • Veredicto: a graduação alcoólica generosa compensa o sabor frutado, quase cítrico, dessa loira quase castanha. • Origem: Bélgica • Teor alcoólico: 8% • Nota: 7,5 Wersteiner Preimum Dunkel Versão morena da marca alemã mais popular. É de malte tostado e de baixa fermentação. • Veredicto: preta como tição, essa alemãzinha de corpo minguado, gentil, poderia ser menos delicada. Aí dava pra derrubar mais umas. • Origem: Alemanha • Teor alcoólico: 4,8% • Nota: 6 Wersteiner Premium Verum A pilsen mais vendida na Alemanha prova que os alemães, ao contrário de nós, brasileiros, são exigentes com qualidade. . • Veredicto: tudo funciona. É seca, levemente cremosa e adstringente do início até o finalzinho do gole. . • Origem: Alemanha • Teor alcoólico: 4,8% • Nota: 7 Xingu - Fantástica stout quando surgiu em Caçador (SC), passou a ser produzida no Paraná e hoje é da Kaiser. Não consta mais a indicação stout no rótulo. • Veredicto: empobreceu, a coitadinha. Ganhou sabor caramelo, que não tinha, e perdeu a consistência "granulada" das stout • Origem: Brasil • Teor alcoólico: 5% • Nota: 5

×